Documents

1a. Lista de Revisao Para Sala de Aula

Description
ffdsfsf
Categories
Published
of 26
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  Fundação Edson QueirozUniversidade de Fortaleza - UNIFORCentro de Ciências TecnológicasCurso de Engenharia de Produção Disciplina de Manutenção MANUTENÇÃO & CONFIABILIDADENOTAS DE AULA – 1 Prof. Eduardo Jorge de Alencar Araripe Furtado, M Sc.  1- INTRODUÇÃO   1.1- Conceituação Definição genérica: Segundo o Aurélio Buarque de Holanda Ferreira :“manutenção”: ato ou efeito de manter.“manter”: sustentar; prover do que é necessário à subsistência; conservar.Definição oficial (ABNT):“manutenção”:sãotodasasaçõesnecessáriasparaqueumitemsejaconservadoourestaurado,demodoapermanecerdeacordocomumacondição especificadaDefinição prática:“manutenção”éaconservaçãodacondiçãotécnico-econômicadoativofixodaempresa,taiscomo:máquinas,instalações,edifícios,equipamentosetc..,comummenorcusto,detalformaquesejammantidasasnecessáriascondições operacionais, para as quais foram destinados.Definição analógica:Amanutençãopode,emváriosaspectos,sercomparadocomamedicina.Defato,guardadaasdevidasproporções,oEng.deManutençãoexecutaastarefasdomédiconosequipamentos,oTécnicoseriaoassistentedomédicoeosmecânicos,eletricistas,bombeiros,soldadoresetc..,osenfermeiros.Damesmamaneiraqueumpacientenecessitadoscuidadosdeummédicoedesuaequipequandotorna-seenfermoeprecisadeumaintervenção,oequipamentosenãofordevidamentetratadopelosengenheiro,mecânicos,etc..,tambémpodeviraser sucateado. Definição satírica: Segundo A. Suter: “manutenção é isto: quando tudo vai bem,ninguém sabe que existe;quando algo vai mal, dizem que não existe;quando é para gastar, acha-se que não é preciso que exista;porém quando realmente não existe, todos concordam que deveria existir”.Definição “moderna”:Reunimosabaixoalgumasdefiniçõesdescritaspordiversosengenheiros de manutenção:  ‘Anecessidadedereparos,ajustes,oumelhoramentosaumcustoaceitávelemtodasasatividadesquedesenvolvemoséconstituinteprópriodequalqueração,eaestas ações denomina-se manutenção.’ Manutençãoéaatividadedesenvolvidapordeterminadogrupodeindivíduosdeumaempresa,comafinalidadedeconservarosequipamentosemcondiçõessatisfatórias de operação e produção. (Carvalho Filho, 1995). “Efetuarumamanutençãoéaplicaroscuidadostécnicosindispensáveisdeengenhariademanutençãoparadeixarosequipamentoscomfuncionamentoregular e em permanente estado de disponibilidade.” (Ferreira, 1986).Definição segundo as curvas de degeneração: (Eng. Haroldo Hihmeister)Consideraremosintuitivososconceitosdepeça,equipamento,máquina,componente,instalação,etc.Seráempregadonadefiniçãoapalavrapeça,porémoconceito é igualmente valido para todos.Especificação de Origem (E0):Todapeçaécaracterizadaporvaloresdegrandezamensuráveis, estabelecidas na fase de Projeto, Fabricação ou Instalação.Aoconjuntodevaloresquedefinemacondiçãodapeça,chamaremosdeEspecificação de Origem.Degeneração:OprocessodeutilizaçãodapeçafazcomqueE0setransformeemE1,comvaloresquedefinemacondiçãodapeçadistintosdooriginal,ouseja,E0-E1=   E,e   E   0.Se   E>0dizemosquehouveumadegeneraçãodapeça.Conformeforovalordadegeneração,poderáresultarnumacondiçãoinaceitáveldautilizaçãodapeça.Se   E<0dizemosquehouveummelhoramento da peça, um aumento de sua vida útil.Vida Útil: Adegeneraçãoaolongodotempopodesercaracterizadaporumgráfico,comoomostradonapáginaseguinte(fig..1).SejaE  umvalorfixadoporcritériostécnico-econômicos tal que: a) quando E     = E1 , a utilização da peça é inaceitável;  b) quando E      = E1 , a utilização da peça é aceitável.Manutenção:équalqueraçãonãocasualquefaçaapeçapassardeumestadoE2..para um estado E1, onde E1 á maior que E2.  Fig 1Curva da Banheira: Ëarepresentaçãoavidaútildeumapeça,atravésdeseuíndicedefalhasegundoaEngenhariadeConfiabilidade,emboraaAgênciadaAviaçãoComercialAmericanatenhareveladoquea curvadabanheira ,sozinha,nãopodeserconsideradocomoumpadrãoúnicoparaarepresentaçãodociclodevidadeumequipamento,massim6tiposdecurvasdefalhaséquesãonecessáriosparacaracterizaravidadosequipamentos(fig..-3).Ainterpretaçãodográficoésimples:Noeixodo x representa-seotempodeoperaçãodamáquinaenoeixodo y representa-seoíndicedefalha.Astrêsfasesdistintasqueaparecemno gráfico se relacionam com as quebras do equipamento. AfaseI,chamadadefasedemortalidadeinfantil,écaracterizadapeloiníciodeoperaçãocomadevidainstabilidadedamáquinadevidaafalhasdeprojeto,montagem, instalação ou fabricação, operação/manuseio.NafaseII,chamadadefasedevidaútil,aestabilidadeéconseguida,poisnestafaseasquebrasesporádicastêmorigemnasfalhasdeoperação,sabotagemou falhas de material.Nafasedegenerativa,ciclodequebra-faseIIIoequipamentoalcançaofimde sua vida útil. A instabilidade é devida ao desgaste, fadiga, corrosão etc. Paracadafasemostradanacurvadabanheira,énecessáriaaaplicaçãodeumaformadistintadeaçãoparaasoluçãodosproblemas.Assim,acurvadabanheirarevelaqueparaqueamanutençãoconsigaatingirzeroquebraénecessário,alémdaatuaçãodamanutençãoaníveldeprevenção,umaintegraçãocom a engenharia das máquinas, do processo e da produção.(Nakajima, 1986). Se,porumlado,acurvadabanheirarepresentaoíndicedefalhadeumamáquina, a inversão dela pode nos fornecer a disponibilidade  do equipamento.
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks