Documents

A-Contribuição-do-pensamento-de-Maquiavel-para-o-desenvolvimento-da-Ciência-Política-Caroline-Miranda

Description
A-Contribuição-do-pensamento-de-Maquiavel-para-o-desenvolvimento-da-Ciência-Política-Caroline-Miranda
Categories
Published
of 16
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
    A Contribuição do pensamento de Maquiavel para o desenvolvimento da Ciência Política Caroline Rodrigues Miranda 1   Fernanda Schmokel  2   Ronaldo Bernadino Colvero 3   Resumo Um dos pressupostos fundamentais para o desenvolvimento da Ciência Política como disciplina autônoma nos dias atuais encontra-se relacionado à srcinalidade do  pensamento político de Maquiavel, em uma de suas principais obras, O Príncipe  (1513).  Nessa obra, é notável a ruptura que Maquiavel provoca em relação ao período da Idade Média, rompendo barreiras tipicamente religiosas e éticas ao construir todo seu  pensamento politico. O objetivo do presente trabalho é realizar um balanço entre o filósofo florentino Maquiavel, e como o seu pensamento destemido para sua época influenciou contribuindo de alguma forma ao desenvolvimento da Ciência Política enquanto Ciência autônoma. Para isso, faz-se necessário retroceder ao Renascimento,  período histórico que, basicamente, reflete a transição do feudalismo para o capitalismo. É a partir desse momento em meio a uma Itália instável politicamente é que Maquiavel  passa a discorrer sobre a necessidade da política se desvincular de preceitos até então 1  Apresentadora, bolsista de Iniciação Científica  –   FAPERGS 2013/2014. Acadêmica do curso de Ciências Sociais - Ciência Política pela Universidade Federal do Pampa  –   UNIPAMPA. carolinerodriguesmiranda@gmail.com  2  Coautora, bolsista de Iniciação científica  –   CNPQ 2013/2014. Acadêmica do curso de Ciências Sociais - Ciência Política pela Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA, campus São Borja, fernanda.schmokel@gmail.com  3  Orientador, doutor em História pela PUCRS. Prof.º Adjunto da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA - Campus São Borja no curso de Ciências Sociais - Ciência Política. Professor do programa de pós graduação em Memória Social e Patrimônio da Universidade Federal de Pelotas. rbcolvero@gmail.com    2 defendido por grandes pensadores da Antiguidade e de Idade Média. A metodologia aplicada é a qualitativa, utilizando bibliográficas que contemplam o tema para que  possamos aprofundar nossos estudos. Nesse sentido, espera-se haver uma maior compreensão no que diz respeito a essa intersecção entre as análises do pensamento de Maquiavel e como este veio a influenciar na formação de uma ciência voltada ao estudo da política. Palavras-chave : Maquiavel, Renascimento, Política. Renascimento  –   Contexto histórico. Em meados de uma Itália fragmentada 4  por motivos de disputas politicas visando à obtenção de territórios e poder, surge o historiador e filósofo, Nicolau Maquiavel (1469- 1527) , um homem de vida pública pelo qual trabalhava para o governo de Florença, sua cidade natal, e, por conta disso, acabou por vivenciar de perto os conflitos que rondavam a Europa da época por meio de suas missões diplomáticas 5 , acabando por desempenhar seu potencial para as analises das ações politicas. Para compreendermos o pensamento político de Maquiavel, é necessário retornarmos ao contexto social e histórico de sua época, que tem como plano de fundo o Renascimento que, segundo Guanabara (2011, p. 29): traz em seu bojo a redescoberta dos valores da Antiguidade, sobretudo os greco-romanos. E traz a valorização da autonomia do homem, responsável 4  Não havia um País unificado, o que existia eram divisões territoriais em cidades-estados independentes entre si, com a maioria destes baseados em um governo republicano. Entretanto, todas essas divisões sofriam com os ataques de algumas das maiores potências da Europa na época. (Ver mais em Fernandes, 2010, p. 14) 5  Maquiavel foi convidado a ingressar ao governo de Florença, trabalhando a serviço do Estado na chancelaria de sua cidade, com isso, era obrigado a cumprir missões externas cada vez mais importantes  para sua formação política (Ver mais em Grazia, 1993, p.26)   3 novamente por uma atitude criadora diante do mundo. Com efeito, substitui-se o teocentrismo pelo antropocentrismo . Tal fato terá um peso fundamental nos escritos de Maquiavel, uma vez que o homem politico descrito em O  Príncipe  não teme inovar, agir livremente sem medo de castigos e punições divinas. [...] O homem renascentista pressupõe uma ruptura com o modelo medieval, submisso à ordem teológica, para colocar em seu lugar uma atitude autoafirmativa, com foco no mundo terreno e “nesta vida”  (Grifo nosso).  Nesse sentido, o Renascimento proporcionou o surgimento de uma nova visão de mundo, que revolucionou a Europa pós-medieval. O homem passou a ser visto não mais como um ser místico, mas por toda sua concretude, os valores da antiga sociedade medieval passaram de ser considerados através de uma vida contemplativa, para que houvesse uma exaltação de uma vida cívica e ativa politicamente. As causas de toda essa transformação, ou melhor, as causas do próprio renascimento podem ser encontradas nas novas condições socioeconómicas criadas na Europa. [...] a concentração de pessoas nos burgos, a alteração das relações comerciais e, consequentemente, o estabelecimento de novas relações econômicas, decorrentes da formação de uma nova classe social, a  burguesia, serão responsáveis pelo surgimento desse novo homem, dessa noção de individualidade até então desconhecida. (CORTINA, 1995, p. 91) Assim, podemos perceber a transição daquele antigo modelo feudal para a chegada de um novo sistema econômico, o capitalismo, que influenciou diretamente no Renascimento, afetando o pensamento de um novo homem desconectado com as tradições da Idade Média, que nesse período se abstinha de um discurso de ordem, tempo e espaço voltado ao celeste, sendo a humanidade representada pela figura de “Deus”, que vivia sufocada por viver o presente , preso a um futuro incerto, negados ou não pela colocação de um outro mundo. Enquanto que no Renascimento o discurso  passou a ser individualizado, passando a viver apenas no tempo e espaço pelo qual se encontrava inserido. Essa manifestação de sujeito, tempo e espaço é facilmente encontrada nas obras de Maquiavel.   4 Com desenvolvimento das navegações marítimas, as descobertas de novos caminhos possibilitando a ampliação das transações comerciais e de cambio com outros  povos descobrindo novas culturas até então desconhecidas 6  atreladas a um novo homem em formação, há na Itália do século XVI uma busca incessante pela centralização do  poder resultante da formação das Monarquias Nacionais, pela qual encontrava-se em um momento singular perante toda a sua história 7 , principalmente Florença, que sofria investidas do Império Francês, do Papado e da Igreja em busca de dominação territorial nessa cidade e em outras, onde já havia um governo republicano, o que resultou uma maior participação popular dos cidadãos em relação aos negócios da cidade, pelos quais ansiavam por liberdade de autogoverno e liberdade republicana (Fernandes, 2010, p.61). Isso mostrou aos italianos a necessidade de se encontrar uma ideologia para que  pudessem se apoiar para sustentar a ideia de uma república no governo e a preservação de suas respectivas virtudes públicas.  No século XVI, a defesa da liberdade política e da República permanece central nas análises dos pensadores políticos florentinos. E um dos principais representantes do pensamento florentino, Nicolau Maquiavel propõe-se a analisar e responder problemas de seu tempo. (Fernandes, 2010, 61) Maquiavel e outros pensadores Renascentistas acreditavam no poder de luta pela liberdade, e que essa não deveria parar em meio de tantas ameaças externas aos  problemas que emergiam na Itália, mas principalmente, que todas as pessoas pudessem ter a escolha e a vontade de participar do poder das tomadas de decisões visando o bem da coletividade no universo político italiano. Porque somente assim, caminhando rumo a uma comunidade política, é que seria garantida a participação de todos os cidadãos e, 6  Ver mais em Cortina, 1995, p.91  7  Durante esse período, a Itália foi considerada o berço de uma nova sociedade em ascensão, pois foi um dos primeiros países a se desmembrar das tradições feudais e a adaptar-se ao sistema capitalista. Era o iniciou de uma sociedade moderna. (Ver mais em Fernandes, 2010, p. 76)
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks