Documents

A INTERNET DAS COISAS E O RESÍDUO DAS COISAS – A COMPLEXIDADE DA REDUÇÃO DE RESÍDUO ELETROELETRÔNICO NO BRASIL.

Description
A ‘internet das coisas’ se refere a uma revolução tecnológica cujo objetivo é ligar todos os itens presentes no dia a dia à rede mundial de computadores. Para atingir este objetivo uma transformação destes objetos é necessária, pois sua conexão com a web depende de sensores, processadores, memórias e diversos tipos de circuitos eletrônicos. Assim, outro conceito deve andar junto com este: o ‘resíduo das coisas’ trata-se do resíduo gerado pela introdução desta tecnologia e é diretamente proporcional a ela. A globalização facilita a acessibilidade aos produtos tecnológicos nos países menos desenvolvidos, porém estes muitas vezes não são capazes de dispor o resíduo de forma adequada ou não possuem tecnologia para tratar e reciclar tais resíduos. A hierarquia dos resíduos inicia com a redução do mesmo, seguida pela reutilização, reciclagem e disposição. Mesmo sendo prioridade a redução do resíduo é um tema complexo e de difícil implementação uma vez que a não geração de resíduos vai contra o sistema produtivo atual. Neste trabalho serão abordadas como algumas ferramentas e metodologias podem trabalhar a não geração de resíduo eletroeletrônico dentro do modelo econômico atual, analisando suas interações e dependências para que um sistema de menor produção e menor consumo possa ser estabelecido.
Categories
Published
of 13
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  ISSN 2446-7618   4° Seminário de Inovação e Tecnologia do IFSul fourth Innovation and Technology Seminar IFSul10 a 12 de Novemro ! Novemer 10th to 12th 201# Sapucaia do Sul – RS – Brasil A INTERNET DAS COISAS E O RESÍDUO DAS COISAS – ACOMPLEXIDADE DA REDUÇÃO DE RESÍDUO ELETRO-ELETRÔNICO NO BRASIL. Steinbach, Juliana 1 Tubino, Rejane 2 1 Engenheira Metalurgista UFRGS junevesstein@gmailcom 2  Titula! o, a#ilia! o $o autor %em&resa on$e trabalha' e e(mail (Todas as informações contidas neste artigo são de responsabilidade dos autores) Resumo  A ‘internet das coisas’ se refere a uma revolução tecnológica cujo objetivo é ligar todos os itens presentes no dia a dia  rede mundial de computadores! ara atingir este objetivo uma transformação destes objetos é necess#ria$ pois sua cone%ão coma &eb depende de sensores$ processadores$ memórias e diversos tipos de circuitoseletr'nicos! Assim$ outro conceito deve andar junto com este o ‘resduo das coisas’trata*se do resduo gerado pela introdução desta tecnologia e é diretamenteproporcional a ela! A globali+ação facilita a acessibilidade aos produtos tecnológicosnos pases menos desenvolvidos$ porém estes muitas ve+es não são capa+es dedispor o resduo de forma ade,uada ou não possuem tecnologia para tratar ereciclar tais resduos! A -ierar,uia dos resduos inicia com a redução do mesmo$ seguida pela reutili+ação$reciclagem e disposição! .esmo sendo prioridade a redução do resduo é um temacomple%o e de difcil implementação uma ve+ ,ue a não geração de resduos vaicontra o sistema produtivo atual! /este trabal-o abordaremos como algumasferramentas e metodologias podem trabal-ar a não geração de resduo eletro*eletr'nico dentro do modelo econ'mico atual$ analisando suas interações edepend0ncias para ,ue um sistema de menor produção e menor consumo possa ser estabelecido! Pala!as- #ae  1nternet das coisas! 2esduo das coisas! /ão geração! 3onsumo! INTERNET O$ T%IN&S AND 'ASTE O$ T%IN&S – T%E COMPLEXIT( O$ELETRIC-ELECTRONIC 'ASTE REDUCION IN BRA)IL. T-e 4internet of t-ings4 refers to a tec-nological revolution &-ose aim is toconnect all t-e items on a dail5 basis to t-e 6orld 6ide 6eb! To ac-ieve t-is goal atransformation of t-ese objects is necessar5 because its connection to t-e &ebdepends on sensors$ processors$ memor5 and various 7inds of electronic circuits! 8etanot-er concept s-ould go along &it- t-is t-e 9&aste of t-ings4 it is t-e &astegenerated b5 t-e introduction of t-is tec-nolog5 and is directl5 proportional to it!:lobali+ation facilitates accessibilit5 to tec-nolog5 products in less developedcountries$ but t-ese are often not able to dispose t-e &aste properl5 or do not -avetec-nolog5 to treat and rec5cle suc- &aste! ;  ISSN 2446-7618   4° Seminário de Inovação e Tecnologia do IFSul fourth Innovation and Technology Seminar IFSul10 a 12 de Novemro ! Novemer 10th to 12th 201# Sapucaia do Sul – RS – Brasil *INTRODUÇÃO   A ‘internet das coisas’ se refere a uma revolução tecnológica na ,ual osobjetos passaram a estar conectados  internet em maior n<mero do ,ue aspessoas! = conceito de internet se refere  parte fsica da rede$ composta desensores$ roteadores e outros e,uipamentos cuja função é transportar a informaçãode um ponto ao outro en,uanto a &eb se refere  interface de aplicação para ,ue ainformação flua através da internet! 3isco 1nternet >usiness ?olutions :roup (1>?:)estima ,ue a internet das coisas teve inicio entre @B e @C ,uando o n<mero deobjetos conectados  internet superou o n<mero de pessoas conectadas$ comoilustra a Digura ; (EFA/?$ @;;)! $+,u!a * ! opulação mundial % =bjetos conectados! Esta revolução tem como função preenc-er a lacuna entre o mundo fsico esua representação em sistemas de informação$ tornando os objetos participantesativos em processos e serviços (GAHHE2 et al!$ @B)! .uitos dispositivos dei%aramde cumprir apenas o propósito para o ,ual foram criados e passaram a fornecer informações aos seus usu#rios! = e%emplo mais evidente dessa mudança são ostelefones celulares$ com a c-egada dos smart#ones  o aparel-o gan-ou novasfunções e passou a conectar não apenas as pessoas  internet$ mas também outrosobjetos! 3on-ecida por Machine to Machine $ ou .@.$ esta tecnologia$ ,ue conectam#,uinas$ dispositivos e aparel-os sem fio entre si$ é parte integral da internet dascoisas e permite monitorar e controlar in<meros recursos via )ireless (>=IFE2=T$@;J)! A internet das coisas promove uma mudança não apenas na função dosobjetos como também uma mudança fsica! A cone%ão com a internet é feita atravésplacas de circuito impresso e sensores acoplados aos objetos! Estes sensores sãoos principais respons#veis pela a,uisição e transmissão de informação  internetmudando o conceito dos objetos ,ue passaram a ser con-ecidos por objetosinteligentes ( smart  ) (>I22I?$ @;J)! Ima ve+ inteligente o objeto passa a ter amesma vida <til da tecnologia$ podendo transformar objetos de longa vida <til em @  ISSN 2446-7618   4° Seminário de Inovação e Tecnologia do IFSul fourth Innovation and Technology Seminar IFSul10 a 12 de Novemro ! Novemer 10th to 12th 201# Sapucaia do Sul – RS – Brasil objetos de curta vida <til! Esta preocupação tra+ desafios a programadores edesenvolvedores de soft&ares preocupados com as coisas ,ue ficam uma ve+ ,ue atecnologia se foi! 8usu7e Koi afirma ,ue a evolução da &eb e das coisas deve ser controlada para ,ue a enorme ,uantidade e variedade de produtos inteligentes nãogere uma enorme ,uantidade de produtos obsoletos$ j# ,ue a &eb evolui e as coisasficam (K=1$ @;L)!= avanço da internet das coisas tra+ um aumento na gama de produtos ,uecompõem o resduo eletroeletr'nico e por conse,u0ncia um aumento na ,uantidadede resduo gerado! M medida ,ue mais objetos passam e estar conectados menosóbvias formas de resduo eletr'nico são geradas   (3GA.>E2HA1/ N 61E/?$ @;J)!= ‘resduo das coisas’ é parte da ‘internet das coisas’ porém$ segundo H=I3GEO NTG=.A?$ @;J$ os impactos sociais$ como segurança e privacidade tem recebidomaior importPncia do ,ue as conse,u0ncias ambientais ,ue não são tratadas pelosgovernos com o mesmo grau de urg0ncia (H=I3GEO)! = resduo eletroeletr'nico$ 2EEE$ é composto por diversos produtos cujofuncionamento depende do uso de corrente elétrica ou de campos eletromagnéticose ,ue ao final de sua vida <til$ esgotando*se todas as possibilidades de reparo$atuali+ação ou reuso$ foram descartados! A composição do 2EEE é altamente-eterogenia contendo pl#sticos$ vidros$ metais e componentes eletr'nicos! = estudopara implementação de logstica reversa para resduos eletroeletr'nicos no >rasilaponta ,ue este resduo não deve ser diretamente depositado na nature+a ou juntoa rejeitos orgPnicos devido  presença de metais pesados como ars0nio$ c#dmio$b#rio$ cobre$ c-umbo$ merc<rio$ cromo entre outros! A presença de 2EEE em aterrossanit#rios também é problem#tica devido  li%iviação dos metais pesados emcontato com o c-orume$ aumentando o impacto ambiental decorrente de umeventual va+amento (A>K1$ @;Q)! Infortunatel5$ t-is isn’t t-e &-ole stor5! ?mart devices are smart$ but t-ep-5sical s5stems t-e5 end up in are not BC per cent of mobile devices in t-e I?&ere t-ro&n into landfill in @; (a circular econom5 for amart devices) A 3onvenção de >asileia sobre o 3ontrole de .ovimentos Transfronteiriçosde 2esduos erigosos e seu Kepósito$ foi concluda em >asileia$ ?uça$ em @@ demarço de ;CBC e estabelece mecanismos internacionais de controle dessesmovimentos$ baseados no princpio do consentimento prévio e e%plcito para aimportação$ e%portação e o trPnsito de resduos perigosos! A convenção procuracoibir o tr#fico ilegal e prev0 a intensificação da cooperação internacional para agestão ambientalmente ade,uada desses resduos! =s 2EEE constam no ane%o F111 Q  ISSN 2446-7618   4° Seminário de Inovação e Tecnologia do IFSul fourth Innovation and Technology Seminar IFSul10 a 12 de Novemro ! Novemer 10th to 12th 201# Sapucaia do Sul – RS – Brasil da convenção e$ dependendo da sua composição$ podem ser considerados comoresduo perigoso (>A?EH$ ;CBC)! = >rasil aderiu  convenção em ;CC@ e atualmentecumpre os re,uisitos da convenção através da Hei nR ;@!QJ de @ de agosto de@; instituindo a oltica /acional de 2esduos ?ólidos ( /2?)! ara economias emergentes como Sndia e 3-ina o 2EEE satisfa+ a demandapor produtos baratos de segunda mão e alimenta o mercado de reparo erecuperação de eletroeletr'nicos! A falta de regulamentação e fiscali+açãooportuni+a a importação ilegal de 2EEE e promove o aumento do mercado informalde eletroeletr'nicos nestes pases! Apesar de ser fonte de renda de diversas famliasmuitas delas não estão cientes dos riscos$  sa<de e ao meio ambiente$ envolvidoscom o manejo e disposição inade,uada do 2EEE (61K.E2 et al!$ @J)!  A -ierar,uia dos resduos definida pela Kiretiva  é aplic#vel en,uantoprincpio geral da legislação e da poltica de prevenção e gestão de resduoseuropeia e apresenta a seguinte ordem * revenção e reduçãoU * 2eutili+açãoU * 2eciclagemU * =utros tipos de valori+ação (energética)U * e Eliminação!Esta -ierar,uia estabelece uma ordem de prioridades do ,ue constitui amel-or opção ambiental global na legislação e poltica de resduos$ embora possaser necess#rio ,ue certos flu%os especficos de resduos se afastem dessa-ierar,uia sempre ,ue tal se justificar    (K12ET1FA)!since repaired and reused products -ave a -ig-er value t-an t-e materialst-at are e%tracted from t-em after a treatment at t-eir end*of*life (stud5 onsocioeconomic impacts)Embora a redução esteja em primeiro lugar na -ierar,uia dos resduos areciclagem é a opção ,ue recebe maior atenção$ caracteri+ando uma solução fim detubo alimentada por um sistema de consumo*descarte! /este trabal-o abordaremossistemas e metodologias ,ue contribuem para a redução dos 2EEE e suas relações! REDUÇÃO .*.S+sema P!o/uo-Se!+0o 1PSS2  M medida ,ue os sintomas preocupantes de degradação ambiental surgiram$,uestões fundamentais t0m sido levantadas sobre o perfil ambiental esustentabilidade das ind<strias e%istentes (VAID.A//$ @;W)! /o entanto o ramode serviços tem geralmente escapado a esta preocupação$ sendo considerado comomenos prejudicial para o ambiente (.=/T$ @@)= termo ?istema roduto*?erviço é definido como um conjunto comercial deprodutos e serviços capa+es de cumprir conjuntamente a necessidade de umusu#rio (.=/T$ @@)! ?egundo TIVVE2$ @L$ o ?? pode ser classificado emtr0s categorias principais Servi!o orienta$o ao &ro$uto ! =corre a venda do produto vinculado a umserviço oferecido! Servi!o orienta$o ao uso  = produto ainda desempen-a o papel central$porém o modelo de negócio não objetiva a venda! = produto pertence ao L

Set 1

Jul 31, 2017
Search
Similar documents
View more...
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x