Books - Non-fiction

A Ontologia do Ser Social, Capítulo sobre o trabalho

Description
PARA A ONTOLOGIA DO SER SOCIAL O TRABALHO G. Lukács Para expor em termos ontológicos as categorias específicas do ser social, o seu desenvolvimento a partir das formas de ser precedentes, sua articulação com estas, sua fundamentação nelas, sua distinção em relação a elas, é preciso começar pela análise do trabalho. É claro que não se deve esquecer que qualquer grau do ser, no seu conjunto e nos seus detalhes, tem um caráter de complexo, isto é, que as suas categorias, até mesmo as mais centrais
Published
of 69
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
   Tradução: Prof. Ivo Tonet (UFAL), a partir do texto  Il Lavoro , primeiro capítulo do segundo tomo de  Per unaOntologia dell’Essere Sociale . Roma: Editori Riuniti, 1981. PARA A ONTOLOGIA DO SER SOCIAL O TRABALHO G. Lukács Para expor em termos ontológicos as categorias específicas do ser social, o seudesenvolvimento a partir das formas de ser precedentes, sua articulação com estas, suafundamentação nelas, sua distinção em relação a elas, é preciso começar pela análise do trabalho.É claro que não se deve esquecer que qualquer grau do ser, no seu conjunto e nos seus detalhes,tem um caráter de complexo, isto é, que as suas categorias, até mesmo as mais centrais edeterminantes, só podem ser compreendidas adequadamente no interior e a partir da constituiçãocomplexa do nível de ser de que se trata. E é suficiente um olhar muito superficial ao ser social para perceber a inextricável imbricação em que se encontram suas categorias decisivas como otrabalho, a linguagem, a cooperação e a divisão do trabalho e para perceber que aí surgem novasrelações da consciência com a realidade e, em decorrência, consigo mesma, etc. Nenhuma destascategorias pode ser adequadamente compreendida se for considerada isoladamente; pense-se, por exemplo, na fetichização da técnica que, depois de ter sido “descoberta” pelo positivismo e deter influenciado profundamente alguns marxistas (Bukharin), tem ainda hoje um peso nãodesprezível, não apenas entre os cegos exaltadores da universalidade da manipulação, tãoapreciada nos tempos atuais, mas também entre aqueles que a combatem partindo dos dogmas deuma ética abstrata.Para desembaraçar a questão devemos socorrer-nos do método marxiano das duas vias, já por nós analisado: primeiro decompor, pela via analítico-abstrativa o novo complexo de ser, para poder, então, a partir deste fundamento, retornar (ou seja, avançar até) o complexo do ser social, não somente enquanto dado e, portanto, simplesmente representado, mas agora tambémconcebido na sua totalidade real. Neste sentido, os movimentos evolutivos das diversas espéciesdo ser, por nós já pesquisados, podem trazer uma contribuição metodológica interessante. Aciência atual já começa a identificar concretamente as pegadas da gênese do orgânico a partir doinorgânico e nos diz que, em determinadas circunstâncias (ar, pressão atmosférica, etc.), podemnascer complexos extremamente primitivos nos quais já estão contidas em germe ascaracterísticas fundamentais do organismo. Mesmo que depois, nas atuais condições concretas,eles não estejam em condições de perpetuar a sua existência e somente possam vir a existir através da fabricação experimental. Além do mais, a teoria evolutiva nos mostra comogradualmente, de modo bastante contraditório, com muitos becos sem saída, as categoriasespecíficas da reprodução orgânica vão encontrando o seu caminho. É característico, por exemplo, das plantas, que toda a sua reprodução – de modo geral, não sendo as exceções aquirelevantes – se realize na base do intercâmbio orgânico com a natureza inorgânica. Somente noreino animal esse intercâmbio acontece unicamente, ou ao menos principalmente, na esfera doorgânico e, sempre de modo geral, o próprio material inorgânico que intervém somente éelaborado passando por esta esfera. Deste modo, o caminho da evolução maximiza o domíniodas categorias específicas da esfera da vida sobre aquelas que baseiam a sua existência e eficáciana esfera inferior do ser.Quanto ao ser social, é análogo o lugar que aí assume a vida orgânica (e por seuintermédio, naturalmente, o mundo inorgânico). Em outro contexto já falamos dessa linhaevolutiva do social, daquilo que Marx chamou de “recuo das barreiras naturais”. Na verdade,aqui é interditada, a priori , qualquer experiência que nos possa fazer retornar aos momentos de passagem da prevalência da vida orgânica à socialidade. É exatamente a total irreversibilidade  2 ligada ao caráter histórico do ser social que nos impede de reconstruir, por meio de experiências,o hic et nunc desse estádio intermediário.Deste modo, nós não podemos ter um conhecimento direto e preciso dessatransformação do ser orgânico em ser social. O máximo que se pode obter é um conhecimento  post festum , aplicando o método marxiano, para o qual a anatomia do homem fornece a chave para a anatomia do macaco e para o qual um estádio mais primitivo pode ser reconstruído – no pensamento – a partir daquele superior, de sua direção evolutiva, de suas tendências dedesenvolvimento. A maior aproximação nos é trazida, por exemplo, pelas escavações, quelançam luz sobre várias etapas intermediárias do ponto de vista anatômico-fisiológico e social(utensílios, etc.). O salto, no entanto, permanece um salto e, em última análise, só pode ser esclarecido conceitualmente através do experimento ideal a que nos referimos.É preciso, pois, ter sempre presente que se trata de uma passagem que implica num salto – ontologicamente necessário – de um nível de ser a outro, qualitativamente diferente. Aesperança da primeira geração de darwinistas de encontrar o elo perdido entre o macaco e ohomem devia falhar até porque as características biológicas só podem iluminar as etapas de passagem, não o salto em si mesmo. Nós, porém, também acentuamos que a descrição, por mais precisa que seja, das diferenças psicofísicas entre o homem e o animal não apanhará o fatoontológico do salto (e do processo real no qual este se realiza) enquanto não puder explicar agênese destas peculiaridades do homem a partir do seu ser social. Do mesmo modo como nãosão capazes de esclarecer a essência destas novas conexões as experiências psicológicas comanimais muito evoluídos, especialmente com os macacos. Esquece-se freqüentemente que nestasexperiências os animais são postos em condições de vida artificiais. Em primeiro lugar, ficaeliminada a natural insegurança da sua vida (a busca do alimento, o estado de perigo); emsegundo lugar, eles trabalham com utensílios, etc. não feitos por eles, mas fabricados ereagrupados por quem realiza a experiência. Ao contrário, a essência do trabalho humano está nofato de que, em primeiro lugar, ele nasce em meio à luta pela existência e, em segundo lugar,todos os seus estádios são produtos da auto-atividade do homem. Por isso, certas semelhanças,muito supervalorizadas, devem ser vistas com olhar extremamente crítico. O único momentorealmente instrutivo é a grande elasticidade que encontramos no comportamento dos animaissuperiores. Todavia, a espécie na qual se deu o salto para o trabalho deve ter representado umcaso-limite, qualitativamente ainda mais evoluído; com efeito, as espécies hoje existentes seencontram num degrau claramente muito mais baixo e não dá para colocar uma ponte entre estase o trabalho propriamente dito.Considerando que nos ocupamos do complexo concreto da sociabilidade como forma deser, poder-se-ia legitimamente perguntar porque, ao tratar deste complexo, colocamos o acentoexatamente no trabalho e lhe atribuímos um lugar tão privilegiado no processo e no salto dagênese do ser social. A resposta, em termos ontológicos, é mais simples do que possa parecer à primeira vista: todas as outras categorias desta forma de ser têm já, essencialmente, um caráter social; suas propriedades e seus modos de operar somente se desdobram no ser social jáconstituído; quaisquer manifestações delas, ainda que sejam muito primitivas, pressupõem osalto como já acontecido. Somente o trabalho tem, como sua essência ontológica, um clarocaráter intermediário: ele é, essencialmente, uma inter-relação entre homem (sociedade) enatureza, tanto inorgânica (utensílio, matéria-prima, objeto do trabalho, etc.) como orgânica,inter-relação que pode até estar situada em pontos determinados da série a que nos referimos,mas antes de mais nada assinala a passagem, no homem que trabalha, do ser meramente biológico ao ser social. Com razão, diz Marx: “O trabalho, como formador de valores de uso,como trabalho útil, é uma condição de existência do homem, independente de quaisquer formas  3 de sociedade, é uma necessidade natural eterna que tem a função de mediar o intercâmbio entre ohomem e a natureza, isto é, a vida dos homens. 1 Não nos deve escandalizar a utilização daexpressão “valor de uso”, considerando-a muito econômica, uma vez que se está falando dagênese. Até que não tenha entrado numa relação reflexiva com o valor de troca, o que somente pode acontecer num estádio relativamente muito elevado, o valor de uso nada mais designa doque um produto do trabalho que o homem pode usar apropriadamente para a reprodução da sua própria existência. No trabalho estão gravadas in nuce todas as determinações que, comoveremos, constituem a essência de tudo que é novo no ser social. Deste modo, o trabalho podeser considerado o fenômeno srcinário, o modelo do ser social; parece, pois, metodologicamentevantajoso iniciar pela análise do trabalho, uma vez que o esclarecimento de suas determinaçõesresultará num quadro preciso dos elementos essenciais do ser social. No entanto, nunca se deve esquecer que ao considerar o trabalho deste modo isolado, seestá realizando um trabalho de abstração. É claro que a sociabilidade, a primeira divisão dotrabalho, a linguagem, etc. surgem do trabalho, mas não numa sucessão temporal claramenteidentificável, e sim, quanto à sua essência, simultaneamente. O que fazemos, é, pois, umaabstração  sui generis ; do ponto de vista metodológico há uma semelhança com as abstrações dasquais falamos ao analisar o edifício conceptual do Capital  de Marx. Essa abstração começará aser desfeita já no segundo capítulo, ao investigarmos o processo de reprodução do ser social.Esta forma de abstração, no entanto, não significa, como também em Marx, que aqueles temastenham sido inteiramente eliminados – mesmo que de maneira provisória – mas apenas que permanecem, por assim dizer, à margem, no horizonte, e que uma investigação adequada,concreta e total a respeito deles é adiada para fases mais avançadas do discurso. Para o momento,eles só aparecem quando estão ligados diretamente ao trabalho – considerado abstratamente –,quando são uma conseqüência ontológica direta dele. 1. O TRABALHO COMO POSIÇÃO TELEOLÓGICA É mérito de Engels ter colocado o trabalho no centro da humanização do homem. Eleinvestiga as premissas biológicas do novo papel que o trabalho adquire com o salto do animal aohomem e as encontra na função diferente que a mão já exerce na vida do macaco: “Ela é usada principalmente para pegar o alimento e segurá-lo com firmeza; o que já acontece com osmamíferos inferiores através das patas dianteiras. Com as mãos, muitos macacos constroemninhos em cima das árvores ou até, como o chimpanzé, coberturas entre os ramos para proteger-se dos temporais. Com as mãos eles pegam paus para defender-se dos seus inimigos ou pedras efrutas para bombardeá-los”. Engels observa, no entanto, com a mesma precisão que, apesar destes fenômenos preparatórios, aqui se dá um salto, por meio do qual já não nos encontramosdentro da esfera da vida orgânica, mas acontece uma superação dela de princípio, qualitativa,ontológica. Neste sentido, comparando a mão do macaco com aquela do homem, diz: “O númerodas articulações e dos músculos, sua disposição geral são os mesmos nos dois casos; mas a mãodo selvagem mais atrasado pode realizar centenas de operações que nenhum macaco pode imitar. Nenhuma mão de macaco jamais produziu a mais rústica faca de pedra”. 2 Engels chama atenção para a extrema lentidão do processo através do qual se dá esta passagem que, porém, não lheretira o caráter de salto. Enfrentar os problemas ontológicos de modo sóbrio e correto significater sempre presente que todo salto implica uma mudança qualitativa e estrutural do ser, onde a 1 K. Marx,  Das Kapital  , I, Hamburg, l903, p. 9 (trad. et. de D. Cantimori,  Il Capitale , I, Roma, Editori Riuniti, l964, p. 75). 2 F. Engels,  Herrn Eugen Dühring Umwälzung der Wissenschaft – Dialektik der Natur  (MEGA Sonderausgabe)Moskau-Leningrad, l935, p. 694 (trad. it. de Lombardo Radice,  Dialettica della natura , in K. Marx-F. Engels,Opere Complete, XXV, Roma, Editori Riuniti, l974, p. 459).  4 fase inicial certamente contém em si determinadas premissas e possibilidades das fasessucessivas e superiores, mas estas não podem desenvolver-se a partir daquela numa simples eretilínea continuidade. A essência do salto é constituída por esta ruptura com a continuidadenormal do desenvolvimento e não pelo nascimento, de forma imediata ou gradual, no tempo, danova forma de ser. Logo falaremos a respeito da questão central deste salto a propósito dotrabalho. Queremos apenas lembrar que aqui Engels, com razão, faz derivar imediatamente dotrabalho a sociabilidade e a linguagem. Estes são temas que, de acordo com o nosso programa, sótrataremos mais adiante. Apontaremos aqui apenas um momento, ou seja, o fato de que as assimchamadas sociedades animais (e também, de modo geral, a “divisão do trabalho” no reinoanimal) são diferenciações fixadas biologicamente, como se pode ver com toda a clareza no“Estado das abelhas”. Isso mostra que, qualquer que seja a srcem dessa organização, ela nãotem em si e por si nenhuma possibilidade imanente de um desenvolvimento ulterior; nada mais éque um modo particular de uma espécie animal de adaptar-se ao próprio ambiente. E tantomenores são estas possibilidades quanto mais perfeito é o funcionamento de uma tal “divisão dotrabalho”, quanto mais sólido é o seu fundamento biológico. Ao contrário, a divisão gerada pelotrabalho na sociedade humana cria, como veremos, as suas próprias condições de reprodução, nointerior da qual, a simples reprodução do existente é só um caso-limite face à reproduçãoampliada que, ao invés, é típica. Sem dúvida isto não impede que, no decorrer do processo possam aparecer becos sem saída; suas causas, porém, sempre serão determinadas pela estruturada respectiva sociedade e não pela constituição biológica dos seus membros.A respeito da essência do trabalho que já se tornou adequado, diz Marx: “Nós pressupomos o trabalho numa forma exclusivamente humana. A aranha realiza operações que se parecem com as do tecelão, a abelha faz corar de vergonha muitos arquitetos ao construir as suascélulas de cera. Mas o que distingue, essencialmente, o pior arquiteto da melhor abelha é que eleconstruiu a célula na sua cabeça antes de fazê-la em cera. No fim do processo de trabalhoaparece um resultado que já estava presente desde o início na mente do trabalhador que, destemodo, já existia idealmente. Ele não efetua apenas uma mudança de forma no elemento natural;ele imprime no elemento natural, ao mesmo tempo, seu próprio fim, claramente conhecido, oqual constitui a lei determinante do seu modo de agir e ao qual tem de subordinar a suavontade”. 3 Deste modo é enunciada a categoria ontológica central do trabalho: através delerealiza-se, no âmbito do ser material uma posição teleológica que dá srcem a uma novaobjetividade. Assim, o trabalho se torna o modelo de toda práxis social, na qual, com efeito – mesmo que através de mediações às vezes muito complexas – sempre são transformadas emrealidade posições teleológicas, em termos que, em última análise, são materiais. É claro, comoveremos mais adiante, que não se deve ser esquemático e exagerar este caráter paradigmático dotrabalho em relação ao agir humano em sociedade; mas assim mesmo, ressalvadas as diferenças,que são muito importantes, veremos que há uma essencial afinidade ontológica e esta brota dofato de que o trabalho pode servir de modelo para compreender as outras posições sócio-teleológicas exatamente porque, quanto ao ser, ele é a forma srcinária. O fato simples de que notrabalho se realiza uma posição teleológica é uma experiência elementar da vida cotidiana detodos os homens, tornando-se isto um componente ineliminável de qualquer pensamento; desdeos discursos cotidianos até a economia e a filosofia. Nesta altura a questão não é tomar partido pró ou contra o caráter teleológico do trabalho, antes, o verdadeiro problema consiste emsubmeter a um exame ontológico autenticamente crítico a generalização quase ilimitada – enovamente: desde a cotidianeidade até ao mito, à religião e à filosofia – deste fato elementar. Não é, pois, de modo nenhum surpreendente que pensadores grandes e com imensointeresse pelo ser social, como Aristóteles e Hegel, tenham apreendido com toda clareza o 3 K. Marx,  Das Kapital  , I, cit., p. l40 (trad. it. cit., p. 2l2).
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x