Documents

Berta Cáceres, Um Mês Depois Do Crime Político - Portal Vermelho

Description
América Latina - Violência ativista
Categories
Published
of 5
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  26/07/2017Berta Cáceres, um mês depois do crime político - Portal Vermelhohttp://www.vermelho.org.br/noticia/278752-71/5 Tweetar  América Latina Partilhar   1 4 de abril de 2016 - 17h49 Berta Cáceres, um mês depois do crime político Se chamava Berta. Berta Cáceres. No dia 4 de março, ela faria 43 anos. Na véspera, foi assassinada. Em Honduras. Por serambientalista. Por não ser submissa. Por defender a natureza. Por se opor às multinacionais extrativistas. Por lutar pelosdireitos ancestrais dos Lencas, seu povo indígena.Por Ignacio Ramonet*, na Carta Maior** GoldmanPrize Buscar    Pesquisa Quem somosContatoTodas as notíciasInicialEstadosAcreAlagoasAmapáAmazonasBahiaCear áDistrito FederalEspírito SantoGoiásMaranhãoMato GrossoMato Grosso do SulMinas GeraisParáParaíbaParanáPernambucoPiauíRio de JaneiroRio Grande do NorteRio Grande do SulRondôniaRoraimaSanta CatarinaSão PauloSergipeTocantinsBrasilMídiaMundoAmérica LatinaCulturaGeralMovimentosEconomiaTVRádio   Curtir  0  26/07/2017Berta Cáceres, um mês depois do crime político - Portal Vermelhohttp://www.vermelho.org.br/noticia/278752-72/5 Berta Cáceres, crime político Quando tinha 20 anos, sendo estudante universitária, Berta havia fundado o Conselho Cívico de Organizações Popularese Indígenas de Honduras (COPINH), que hoje reúne umas duzentas comunidades nativas e que tornou o movimentoecologista mais ofensivo. O regime hondurenho, nascido de um golpe de Estado, cedeu cerca de 30% do territórionacional às transnacionais dos setores hidroelétrico e de mineração. Há dezenas de mega represas em construção, emais de trezentas empresas extrativistas que saqueiam o território através da corrupção governamental. Mas o COPINH,com suas mobilizações, consegue interromper a construção das obras, paralisar projetos de desflorestamento, congelar a exploração mineira, evitar a destruição dos lugares sagrados indígenas, obter a restituição das terras roubadas dascomunidades indígenas.Por isso, na madrugada de 3 de março, dois jagunços de um dos esquadrões da morte existentes no país entraram nacasa de Berta Cáceres, na cidade de La Esperanza, e a mataram enquanto dormia.Se trata de um crime político. Desde que o presidente constitucional de Honduras, Manuel Zelaya, foi derrubado por umgolpe de Estado, em junho de 2009, desde aquele golpe contra o qual Berta protestou com coragem, encabeçando asmanifestações contra os golpistas, desde então o país se tornou um dos mais violentos do planeta, e um paraíso para asgrandes transnacionais depredadoras e para as organizações criminosas. Nesse contexto, o regime de Juan OrlandoHernández [1] e a oligarquia hondurenha continuam assassinando impunemente aqueles se opõem aos seusdesmandos. Nestes últimos sete anos, dezenas de dirigentes de organizações camponesas, líderes sindicais, militantesde movimentos sociais, defensores dos direitos humanos, jornalistas rebeldes, educadores e ambientalistas foramexterminados, com total impunidade. Nada se investiga, nada se esclarece, ninguém é condenado. A imprensadominante internacional (tão disposta a execrar até os menores deslizes cometidos na Venezuela) mal comenta essehorror e essa barbárie [2].No mesmo dia em que mataram Berta Cáceres, a ONG Global Witness, de Londres, denunciou que Honduras é “o paísmais perigoso do mundo para os ativistas do meio ambiente” [3]. Dos 116 assassinatos de ecologistas registradosplaneta em 2015, quase três quartos aconteceram na América Latina, e a maioria deles em Honduras, um dos paísesmais pobres do continente [4].Em 2015, Berta Cáceres recebeu o reconhecimento de maior prestígio no mundo ecologista, o Prêmio Goldman,conhecido como “Nobel verde”. Escolhida por sua obra, pela resistência contra a construção de uma mega represa hidroelétrica que ameaça expulsar milhares de indígenas de suas terras. Com sua luta, Berta conseguiu que a empresaestatal chinesa Sinohydro, a maior construtora de represas hidroelétricas do planeta, e um organismo ligado ao BancoMundial, desistissem de participar da construção da represa Água Zarca, sobre o rio Gualcarque, rio sagrado dosLencas, na serra de Puca Opalaca. Mobilizadas por Berta e pelo COPINH, as comunidades indígenas bloquearam oacesso às obras durante mais de um ano… E conseguiram que alguns dos interesses empresariais e financeiros maispoderosos do mundo renunciassem a se envolver no projeto. Essa vitória foi também a causa mais direta do assassinatode Berta.Impulsada pela empresa hondurenha DESA (Desenvolvimento Energético SA), com aporte financeiro do Banco Ficohsa(Financeira Comercial Hondurenha SA), que recebeu fundos do Banco Mundial (BM), a construção da mega represa de Água Zarca foi iniciada em 2010. O projeto conta com o apoio financeiro do Banco Centro-americano de InvestimentoEconômico (BCIE), e de duas instituições financeiras europeias: o banco holandês de desenvolvimento NederlandseFinancierings-Maatschappij voor Ontwikkelingslanden NV e do Fundo Finlandês para a Cooperação Industrial(FINNFUND) [5]. Também está envolvida a empresa alemã Voith Hydro Holding GmbH & Co. KG, contratada para aconstrução das turbinas. Todas essas empresas têm responsabilidade no assassinato de Berta Cáceres. Não podemlavar as mãos.Porque tanto os ambientalistas como o povo Lenca defendem um direito legítimo. Denunciam a violação do Convênio169 “sobre povos indígenas e tribais”, da Organização Internacional do Trabalho (OIT) [6], assinado por Honduras em1995, porque não houve uma Consulta Prévia Livre e Informada (CPLI) das pessoas afetadas pela represa, como aDeclaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas exige desde 2007 [7].  26/07/2017Berta Cáceres, um mês depois do crime político - Portal Vermelhohttp://www.vermelho.org.br/noticia/278752-73/5 0 comentários Berta sabia que era uma mulher marcada para morrer. Foi ameaçada em várias ocasiões. Estava na mira dosesquadrões da morte, os atiradores de aluguel dos donos de Honduras. Mas ela costumava dizer que “eles têm medo denós porque nós não temos medo deles” [8]. Quando recebeu o Prêmio Goldman, foi perguntada sobre se o troféu poderiaser um escudo de proteção, e respondeu: “o governo tenta vincular os assassinatos dos defensores ambientais com aviolência comum, mas há suficientes elementos para demostrar que existe uma política planificada e financiada paracriminalizar a luta dos movimentos sociais. Espero estar equivocada, mas acho que, em vez de diminuir a perseguição, oefeito tende ser o de aumentar a caça aos lutadores pelo meio ambiente”. Não se equivocou [9]. A represa de Água Zarca continua em construção. E os que se opõem a ela continuam sendo assassinados sem pudor,como aconteceu depois com o líder ambientalista hondurenho Nelson García [10] – dez dias após o assassinato deBerta.Os mesmos que mataram Gandhi, Martin Luther King, o Monsenhor Romero e Chico Mendes foram os que acabaramcom a vida de Berta, maravilhosa flor dos campos de Honduras. Mas não silenciarão sua luta. Como disse Pablo Neruda:“poderão cortar todas as flores, mas não poderão deter a primavera” [11].[1] Eleito no dia 13 de novembro de 2013 (embora sua principal adversária Xiomara Castro, esposa de Manuel Zelaya,não tenha reconhecido os resultados, denunciando fraude), Juan Orlando Hernández tomou posse do cargo em 27 de janeiro de 2014. Pertence ao Partido Nacional de Honduras, que é membro da União Democrática Internacional (UDI),uma internacional conservadora à qual estão filiados também, entre outros, o Partido Popular da Espanha e o LesRepublicains (o partido de Nicolas Sarkozy) da França.[2] Para comprovar o cinismo, podemos comparar, por exemplo, o espaço que um diário como o El País deu ao caso doassassinato de Berta Cáceres e o que dedica todos os dias, há quase dois anos, ao caso de Leopoldo López, preso naVenezuela.[3] https://www.globalwitness.org/fr/press-releases/global-witness-releases-new-data-murder-rate-environmental-and-land-activists-honduras-highest-world/[4] “Honduras é o país com maior nível de pobreza da América Latina”, Comissão Econômica para a América Latina e oCaribe (Cepal), novembro de 2015.[5] É interessante ler a “nota de repúdio” contra o assassinato de Berta Cáceres emitido pelo FINNFUND, no qual ainstituição financeira finlandesa dá a entender que, apesar disso, a construção da represa continuará:http://www.finnfund.fi/ajankohtaista/uutiset16/en_GB/agua_zarca/[6] Convênio 169 “sobre povos indígenas e tribais”, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), versão em espanhol[7] http://www.un.org/esa/socdev/unpfii/documents/DRIPS_es.pdf [8] Beverly Bell, “A vida e o legado de Berta Cáceres”, Conterpunch, 11 de março de 2016.[9] Giorgio Trucchi, “Assassinaram uma alma indomável”, Rebelión, 7 de março de 2016.http://www.rebelion.org/noticia.php?id=209692[10] Otro líder indígena y ambientalista fue asesinado en Honduras[11] Citado por Rafael Silva em “Berta Cáceres, outra vítima do capital”, Rebelión, 8 de março de 2016.http://www.rebelion.org/noticia.php?id=209729 *Ignacio Ramonet nasceu na Galícia. É diretor, em Paris, do Le Monde Diplomatique. Especialista em geopolítica e estratégiainternacional, é professor de Teoria da Comunicação na Universidade Denis Diderot de Paris. É doutor em Semiologia e História daCultura. **Tradução: Victor Farinelli    26/07/2017Berta Cáceres, um mês depois do crime político - Portal Vermelhohttp://www.vermelho.org.br/noticia/278752-74/5 Notícias relacionadas a: Berta Cáceres 05/03/2016Cebrapaz manifesta repúdio e lamenta o assassinato de Berta Cáceres Mais textosMÍDIA Luciana Santos: Nos somamos a este grande apoio ao ex-presidente LulaLula agradece apoio e afirma que prefere morrer a mentir para o povo Páginas Indicadas Biblioteca Marxista|Galeria de Imagens|Linha do Tempo
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x