Paintings & Photography

Boletim Climatológico Sazonal Outono PDF

Description
ISSN Resumo Boletim Climatológico Sazonal Outono 2014 O outono 2014 (setembro, outubro e novembro) em Portugal Continental foi o 2º mais quente e mais chuvoso desde 2000 (Fig. 1). A temperatura
Published
of 5
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
ISSN Resumo Boletim Climatológico Sazonal Outono 2014 O outono 2014 (setembro, outubro e novembro) em Portugal Continental foi o 2º mais quente e mais chuvoso desde 2000 (Fig. 1). A temperatura média do outono, 17.6 C, foi superior ao valor normal com um desvio de +1.4 C, sendo o 6 outono mais quente desde 1931 (valor mais alto, 18.1 C, em 1997). De referir que 4 dos 10 outonos mais quentes ocorreram depois de 2000 (2006, 2014, 2009 e 2010). Os valores médios da temperatura máxima e mínima do ar também foram superiores aos valores normais (Fig. 2), com anomalias de +1.1 C e +1.7 C, respetivamente. De realçar o valor médio da temperatura mínima do ar, 12.8 C, o 3º mais alto desde 1931 (valores mais altos: 13.4 C em 2006 e 13.2 C em 1997). Valores superiores ao valor médio da temperatura máxima, 22.5 C, ocorreram em apenas 18 % dos anos. Neste outono ocorreu uma onda de calor entre os dias 17 e 27 de outubro a qual pode ser considerada como a mais significativa observada desde 1941, para esse mês. O valor médio da quantidade de precipitação no trimestre setembro-novembro no Continente, 449.5mm, corresponde a cerca de 180 % do valor normal, classificando-se o outono como chuvoso. O valor de precipitação deste outono é o 6º mais alto desde 1931 (valor mais alto em 1960, 569.7mm). O número de dias com precipitação superior ou igual a 1mm, 10mm e 30mm foi superior ao normal em cerca de 1.5 a 3 vezes. Figura 1 Temperatura e precipitação no outono (período ) Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P. Divisão Clima e Alterações Climáticas Rua C - Aeroporto de Lisboa LISBOA Tel Fax Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P. 1 5 1. TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO Figura 2 Evolução da temperatura máxima e mínima no outono no período (A tracejado os valores médios no período ) Distribuição espacial Na Figura 3 apresenta-se a distribuição espacial dos valores médios da temperatura média do ar e da quantidade de precipitação no outono. Os desvios da temperatura média variaram entre +0.4 C em Coruche e +2.6 C no Porto/P.R. Em relação à temperatura máxima os desvios variaram entre -0.6 C em Fonte Boa e +2.2 C em Zambujeira; e em relação à temperatura mínima variaram entre +0.9 C em Montalegre e +3.3 no Porto/P.R. Em relação à precipitação total no outono, registaram-se valores acima do normal em todo o território e em particular na região de Lisboa e no litoral Oeste da região Sul. O menor valor da quantidade de precipitação no outono ocorreu em Vila Real Sto. António, 206 mm e o maior em Braga, 953 mm; a percentagem da quantidade de precipitação total, em relação aos valores médios, variou entre 130% em Lousã e 293% em Sagres. Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P. 2 5 Figura 3 - Distribuição espacial dos valores médios da temperatura média (anomalia em relação ao valor normal ) e da quantidade de precipitação (percentagem em relação ao valor normal ) 2. OUTONO MÊS A MÊS Na figura 4 apresentam-se os desvios da temperatura média em relação ao valor médio (esq.) e a percentagem de precipitação em relação à normal (dir.) no outono. Os valores da temperatura foram sempre superiores ao valor médio, sendo de destacar o mês de outubro com uma anomalia de C. Na precipitação os valores mensais também foram superiores ao normal sendo de destacar o mês de setembro, quase 3 vezes acima do valor médio. Figura 4 - Desvios (em relação ao valor médio ) da média da temperatura média (esq.) e da percentagem de precipitação (dir.) no trimestre setembro - novembro Setembro Este mês foi caracterizado por valores de temperatura média do ar acima do normal e por valores de precipitação muito elevados, classificando-se o mês como extremamente chuvoso. Foi o 5º setembro mais chuvoso desde Em termos espaciais os valores da quantidade de precipitação foram superiores aos valores médios, entre 2 e 8 vezes. Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P. 3 5 Outubro Foi o outubro mais quente desde O valor médio da temperatura mínima do ar foi o 3º mais alto desde 1931 e o valor da temperatura máxima o 6º mais alto. O valor médio da quantidade de precipitação em outubro foi superior ao valor normal classificando-se o mês como chuvoso. Novembro Este mês caracterizou-se como muito chuvoso, com um valor médio de precipitação mensal de cerca de 2 vezes acima do valor normal; foi o valor mais alto dos últimos 17 anos e o 9º mais alto desde O valor médio da temperatura média do ar foi superior ao valor normal e o valor da temperatura mínima foi o 3º mais alto desde 2000 e o 12º mais alto desde SITUAÇÕES RELEVANTES NO OUTONO Em setembro foram ultrapassados os maiores valores mensais de precipitação nas regiões de Lisboa, Península de Setúbal e Évora; Onda de calor em outubro, considerada como a mais significativa observada desde 1941, para este mês, pela sua duração (entre 6 e 9 dias), extensão espacial (quase todo o território) e em particular pelo período de ocorrência (2ª quinzena); Em outubro foram ultrapassados os maiores valores da temperatura máxima do ar, para este mês, nas estações meteorológicas do Algarve. VALORES EXTREMOS OUTONO 2014 Menor valor da temperatura mínima Maior valor da temperatura máxima Maior valor da quantidade de precipitação em 24h Maior valor da intensidade máxima do vento (rajada) -0.5 C em Miranda do Douro, dia 18 de novembro 40.6 C Elvas, dia 2 de setembro mm em Cabril, dia 9 outubro km/h em Mirandela, dia 17 de setembro Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P. 4 5 Informação em: [ [ O material, contido neste Boletim é constituído por informações climatológicas, preparado com os dados disponíveis à data da publicação e não é posteriormente atualizado. O IPMA procura, contudo, que os conteúdos apresentados detenham elevados níveis de fiabilidade e rigor, não podendo descartar de todo eventuais erros que se possam verificar. Os conteúdos deste boletim são da responsabilidade do IPMA, podendo o Utilizador copiá-los ou utilizá-los gratuitamente, devendo sempre referir a fonte de informação e desde que dessa utilização não decorram finalidades lucrativas ou ofensivas. Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P. 5 5
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks