Law

BOLETIM INFORMATIVO 3.º ENCONTRO CONVIVIO SETEMBRO 2007 N.º 11 SETEMBRO DA ASSOCIAÇÃO SOCIAL E CULTURAL DE SOBREPOSTA

Description
BOLETIM INFORMATIVO Director: Manuel Ribeiro Mendes SOBREPOSTA DA ASSOCIAÇÃO SOCIAL E CULTURAL DE SOBREPOSTA N.º 11 SETEMBRO SETEMBRO º ENCONTRO CONVIVIO No cumprimento
Categories
Published
of 8
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
BOLETIM INFORMATIVO Director: Manuel Ribeiro Mendes SOBREPOSTA DA ASSOCIAÇÃO SOCIAL E CULTURAL DE SOBREPOSTA N.º 11 SETEMBRO SETEMBRO º ENCONTRO CONVIVIO No cumprimento do Plano de Actividades previsto para o corrente ano, a Direcção da Associação Social e Cultural de Sobreposta realizou o seu 3.º Encontro Convívio. O evento teve lugar em 15 de Agosto último, junto à Capela de S. Tomé de Lageosa. O tempo não esteve muito convidativo e talvez tenha assustado alguns mais temerosos. Apesar disso, à hora prevista iniciou-se a Santa Missa, celebrada pelo nosso Presidente da Assembleia Geral, Padre Zé do Muro, que, em momento próprio teve palavras de apreço e gratidão para todos quantos trabalharam para que este convívio fosse possível. A assistência, já em número muito razoável, refugiou-se da chuva o melhor possível, na capela, no palco ou até no telheiro improvisado para a cozinha. O acto decorreu com todo o respeito e recolhimento possível, muito bem solenizado pelo Coral, a quem endereçamos os nossos parabéns. No final, já que a chuva teimava em cair com alguma abundância, foi o momento aproveitado pelo Presidente da Direcção, Prof. Fernando Marques Mendes, para manifestar a sua alegria por mais esta realização que mais não pretendia ser que um bom momento de encontro e fraterno convívio. Enquanto alguns se reúnem para fazer a guerra, nós reunimo-nos para fazer amizade e paz, referiu o Presidente da Direcção. Agradeceu a presença do senhor Presidente da Junta, Alexandre Vieira e do senhor Dr. P. Manuel Gonçalves, ex-pároco de Sobreposta que ali foi saudado com amizade por muitos exparoquianos. Agradeceu à Comissão Fabriqueira a cedência daquele agradável espaço, como agradeceu a outros amigos da Associação a colaboração prestada. Referiu, também, que foram convidados os párocos de Pedralva, Padre Tobias e o Pároco de Sobreposta, Padre Artur Marques, mas compromissos anteriormente assumidos lhes impediram a presença. Todavia esperava que o Pároco de Sobreposta por ali passasse ao fim da tarde, o que, felizmente veio a acontecer, permitindo até aos presentes associarem-se à passagem do 39.º Aniversário da sua Ordenação Sacerdotal, cantando-lhe os parabéns a você e brindando-o com uma forte salva de palmas. O Presidente da Direcção teve ainda um agradecimento especial, mas justo, para com os membros da Casa do Monte que, liderados pelo Continua na página 7 Página 2 BOLETIM INFORMATIVO DA ASSOCIAÇÃO S. C. SOBREPOSTA - N.º 11. Setembro 2007 NOVO ANO LECTIVO Escolas de Sobreposta 1. Escola Básica do 1º Ciclo A Escola Básica do 1º Ciclo de Sobreposta (antigamente designada por Escola Primária) integra o Agrupamento de Escolas da Nascente do Este com sede na EB 2/3 de Gualtar. A coordenação desta Unidade Educativa é feita pela Senhora Professora Maria Luísa Marques. A comunidade educativa desta escola está, no presente ano lectivo de 2007/08, constituída da seguinte maneira: 17 alunos no 1.º ano, com a prof.ª Lurdes Cunha; 20 alunos no 2.º ano com a profª. Maria Luísa Marques; 17 alunos no 3.º ano com o prof. Mário Meireles; 20 alunos no 4.º ano com a profª. Elsa Padrão. A população total da escola é, portanto, neste ano lectivo, de 74 alunos, a maior no conjunto das três freguesias desta área geográfica: Espinho, Sobreposta e Pedralva. A equipa docente é ainda assistida por uma Auxiliar de Acção Educativa a Senhora D. Helena e por duas funcionárias admitidas em regime de tarefa: as Senhoras D. Maria Cândida e D. Andreia. Esta última tem ao seu cuidado o acompanhamento específico de um aluno com Necessidades Educativas Especiais. Às actividades lectivas, acrescem as actividades de enriquecimento curricular (AEC) que funcionam da parte da tarde, intercaladas com as actividades lectivas. Tais actividades são as seguintes: Apoio ao Estudo, Actividade Física, Inglês e Ciências Experimentais. 2. Jardim de Infância O Jardim de Infância, ou Ensino Pré-escolar, conta este ano com 49 crianças, repartidas por duas salas. A componente lectiva é assegurada por duas Educadoras ( D. Isabel Martins e D. Celeste Barbosa), coadjuvadas por uma Auxiliar de Acção Educativa (D. Lurdes Pedras). Sob a liderança da Junta de Freguesia, o tempo lectivo é complementado com uma componente social que garante a recepção das crianças a partir das 7,30 e prolonga as actividades até Escola de Espinho às 19,00 horas. Está incluído, também, nesta c o m p o n e n t e social o serviço de almoço e lanche. A componente social é assegurada por duas monitoras: as senhoras D. Maria Amélia Mendes e D. Sandra Manuela Silva. Nos últimos tempos, as crianças beneficiaram ainda do apoio de Isabel Vieira que ali tem trabalhado em regime de estágio profissional. Por sua vez, os serviços de higiene e limpeza recebem a colaboração da Senhora D. Maria Rodrigues. Escusado será realçar que a organização desta componente social oferece aos pais um conforto acrescido dado que lhes fica disponibilizado um horário compatível com a sua vida profissional. A Unidade Educativa de Espinho é constituída pela Escola Básica do 1º Ciclo (EB1) e pelo Jardim de Infância (JI) e funciona na chamada Escola do Salgueiral. Esta Unidade Educativa faz parte do Agrupamento de Escolas da Nascente do Este (AENE) com sede na Escola EB 2/3 de Gualtar, tal como as Unidades Educativas de Pedralva e Sobreposta. A Coordenadora desta Unidade Educativa é a Senhora Educadora Maria do Sameiro Rodrigues Taxa que, além das tarefas de coordenação, tem a responsabilidade da turma do Pré-Escolar, constituída por 25 crianças. A restante equipa docente é composta pelos seguintes Professores: Prof. Francisco Maia (com alunos do 1º e 2º Anos), Profª Hermínia Ferreira (com alunos do 3º e 4º Anos) e Profª Natércia Araújo (com alunos do 2º e 4º Anos). Estão também adstritas a esta Unidade Educativa duas Auxiliares de Acção Educativa: as Senhoras D. Rosa Palha (para o 1º Ciclo) e D. Sílvia Peixoto (para o JI). No presente ano lectivo estão matriculados no 1º Ciclo 46 alunos assim distribuídos pelos quatro anos de escolaridade: 15 alunos no 1º Ano, 12 alunos no 2º Ano, 10 alunos no 3º Ano e 9 alunos no 4º Ano. Além das Actividades Curriculares, os alunos têm Actividades de Enriquecimento Curricular: Inglês, Ciências Experimentais e Actividade Física. Estas actividades são orientadas por monitores que a Câmara Municipal de Braga ali coloca para o efeito. A escola dispõe também de um serviço de ATL apoiado pela Junta de Freguesia. Este serviço garante a abertura da escola desde as 7,30 até às 19,00 horas e o necessário acompanhamento das crianças fora das actividades lectivas. Este serviço, que inclui ainda o almoço, é assistido por pessoal recrutado pela Junta de Freguesia. Trata-se de um serviço de grande conforto para os pais que desta maneira vêem a escola coordenada com os seus horários de trabalho. A Escola EB 1º Ciclo Escolas de Pedralva A Escola EB 1 de Pedralva, no pano lectivo de 2007/08, tem cinquenta e cinco alunos distribuídos por três turmas: a turma G1 do 1º Ano tem 16 alunos Prof. Carlos Pinto; a turma G2 tem 19 alunos do 2º e 3º Anos P r o f. ª F á t i m a Ramos; a turma G3 tem 20 alunos do 3º e 4º Anos Prof.ª Maria da Luz Cruz. A Escola faz parte do Agrupamento de Escolas da Nascente do Este, com sede em Gualtar. A Senhora Professora Maria da Luz Cruz, além de docente de da turma G3, é também a Coordenadora desta Unidade Educativa. Todos os alunos beneficiam de actividades de enriquecimento curricular Inglês, Ciências Experimentais e Actividade Física na escola ou nas instalações da Junta de Freguesia de Pedralva. Ao longo do ano, para além das actividades lectivas, realizam-se outras actividades como Recepção aos Alunos, Dia de S. Martinho, Festa de Natal, Desfile de Carnaval, Comunhão Pascal, Festa de Final do Ano Lectivo, entre outras. Algumas destas actividades são realizadas com o Jardim de Infância de Pedralva e com a participação dos senhores Encarregados de Educação. A escola, tal como outras escolas do Agrupamento, encontra-se envolvida no Projecto de Escolas Promotoras de Saúde e, por isso, tratará ao longo do ano os temas de Educação para os Afectos e Educação Alimentar. Continua na página 5 BOLETIM INFORMATIVO DA ASSOCIAÇÃO S. C. SOBREPOSTA - N.º 11. Setembro 2007 Página 3 A minha estadia em Roma Certamente, quando o jornal sair e chegar às vossas mãos, já terei deixado a Cidade Eterna a caminho da Roma portuguesa. Uma missão em Roma, no limiar dos sessenta anos, é sempre um desafio à capacidade e elasticidade mental de qualquer um. A aprendizagem de novas línguas, uma alimentação diferente, o clima húmido, viver numa comunidade internacional (doze nacionalidades), cada um com hábitos, cultura e mentalidade diversas, para desempenhar uma tarefa que não me era a habitual, não é fácil. No dia em que parti, deixei para trás uma pastoral directa e um gabinete onde saboreei alegrias e sofrimento de tanta gente, onde havia corações palpitantes, para receber um outro gabinete, frio e sem alma, onde as pessoas foram substituídas por um computador, que não sabia manejar, e papéis, muitos papeis, que me falavam de pessoas e coisas que eu não conhecia e muitas nunca chegarei a conhecer. Depois, o estudo dos documentos antes de os apresentar à Santa Sé. Os computadores tinha-os visto nas mãos dos outros, mas não entendia nada daquilo. Afinal, coisa simples para crianças de hoje, mas para mim, um bicho-de-sete-cabeças. Tinha prometido que faria o meu melhor quando aceitei desempenhar o cargo que me confiaram, e foi o que procurei fazer, tentando sempre que o dia seguinte fosse melhor que o anterior Hoje, oito anos volvidos, dou graças a Deus por esta oportunidade que me enriqueceu enormemente. A nossa pobreza, muitas vezes, tem por base o medo inibidor de arriscar. Cada um de nós encerra tantas riquezas e capacidades inexploradas. Quem de nós pode dizer que se conhece e que conhece todas as suas potencialidades? Alguém dizia que somos, para nós próprios, um soldado desconhecido! Tantas vezes corremos o risco de nos sentirmos diminuídos e complexados ou, então, cheios de orgulho julgando-nos os maiores. Num caso como no outro fazemos uma figura ridícula: no primeiro caso porque desconhecemos os dons com que Deus nos agraciou e nem chegamos a descobrir as nossas capacidades; no segundo, porque cheios de fanfarronice, ficamos cegos e incapazes de ver os nossos limites e as capacidades dos outros, bem como, aquilo que deles podemos receber e que nos pode enriquecer. Quantas vezes as pessoas se fecham, cada uma no seu canto, em vez de se abrirem à complementaridade e à solidariedade na partilha de dons. Esquecemos que recebemos os dons sem mérito algum da nossa parte; por isso, os devemos agradecer, reconhecidamente, Àquele que é a fonte e origem de todos os dons, e d Ele aprender a partilhar com os outros aquilo mesmo que recebemos. Assim, não há lugar para a vaidade, nem para o ciúme ou a inveja, mas somente para a gratidão e alegria. Afinal as qualidades dos outros são uma riqueza para mim. Tudo tão natural e tão espiritual. A espiritualidade não nega, mas aperfeiçoa a natureza. No entanto, a maior riqueza que seguramente levo daqui é um maior amor à Igreja! Nascida da morte e ressurreição de Jesus Cristo, a Igreja é animada pela mesma vida de Jesus, ou seja, pelo Espírito que de junto do Pai Jesus lhe enviou. Esta Igreja que Madeleine Delbrêl gostava de chamar o Cristo de hoje, está Ela mesma sujeita às contradições de Cristo. Não disse Simeão a Maria que aquele menino seria um sinal de contradição? Tantos que viram nele o Messias prometido, o Filho de Deus! Mas tantos, igualmente, que não viam nele senão o filho do carpinteiro, um charlatão e inimigo do povo, e até mesmo um blasfemo que se dizia Filho de Deus! E, no entanto, Ele era o Verbo enviado pelo Pai e gerado, virginalmente, pelo Espírito Santo no seio de Maria. Como em Maria, é pela força do Espírito Santo que a Igreja, no baptismo, nos gera como filhos de Deus. Não esqueçamos que foi no Pentecostes, que o Espírito Santo transformou um grupo de pessoas numa comunidade, que é a Igreja. Aí todos se sentem irmãos e todos o podem dizer, com verdade, porque animados pelo Espírito do Filho: Pai Nosso. Não podemos de ânimo leve criticar a Igreja, como não criticamos a nossa mãe. Ao contrário, amámo-la e respeitámo-la; por ela fazemos qualquer coisa! E se é verdade que a luz de Cristo não brilha no rosto da Igreja com o fulgor que seria de esperar, é por culpa nossa, porque nós somos Igreja, mas somos igualmente pecadores. Quantas vezes tentamos sacudir a água do capote e julgamos os outros para nos justificarmos. Afinal, cada um de nós, tal como Pedro, somos homens e não anjos. Não nos escandalizemos com a Igreja, mas connosco, porque ainda não vivemos a comunhão dos filhos de Deus. Os Santos impressionam-nos porque neles brilha essa luz que os transfigura e resplandecem como Cristo no Tabôr. Deixemos que o Espírito, que em nós foi derramado como semente no baptismo, molde em nós o rosto de Cristo e nos integre perfeitamente no Seu corpo, a Igreja. Como qualquer boa mãe plena de ternura, a Igreja não só nos comunica a vida divina como se preocupa em a alimentar com o pão da Palavra de Deus e da Eucaristia para que nos tornemos o verdadeiro corpo de Cristo. É isto que o sacerdote pede na segunda Oração Eucarística, quando diz: Humildemente Vos suplicamos que, participando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos pelo Espírito Santo congregados na unidade. Porque amo a Igreja minha mãe, não posso parar. Se Deus me permitir, no início do Ano Litúrgico, não obstante a idade de reformado, assumirei um novo compromisso ao serviço da paróquia de Nogueira. P. Zé do Muro Padre Zé do Muro Este Verão trouxe-nos a notícia de que o P. Zé do Muro (perdoem-nos este tratamento familiar) foi nomeado para Pároco da freguesia de Nogueira Braga. O P. Zé, que é também o associado nº 1 e Presidente da Mesa da Assembleia Geral da nossa Associação, depois de um trabalho notável ao serviço da Paróquia de S. Domingos de Rana, no concelho de Cascais, tem estado deslocado em Roma ao serviço da Congregação a que pertence Congregação do Espírito Santo. Em breve assumirá, então, a direcção pastoral daquela importante Paróquia de Braga. Como conterrâneos e como membros desta Associação queremos mostrar o nosso regozijo por esta nomeação. Por um lado, a nossa Associação vai beneficiar da proximidade deste ilustre fundador e membro dos seus corpos sociais; por outro lado, sabemos que, como conterrâneos, nos vamos sentir imensamente honrados e felizes com o sucesso pastoral que há-de obter nesta sua nova missão. Ao Padre Zé desejamos as maiores felicidades para este novo desafio e exprimimos a nossa inteira solidariedade com as venturas ou desventuras que este novo projecto lhe há-de trazer. A Direcção NOVOS SÓCIOS A nossa Associação continua em crescimento, sinal evidente do interesse que continua a despertar nos nossos conterrâneos. Iniciamos a terceira centena de associados, na esperança de que em breve chegaremos aos trezentos. Por agora damos as boas vindas aos seguintes associados: 201 Maria do Céu Mendes - - -Canadá 202 Fernando José Antunes Lopes - -Sobreposta 203 Ricardo André Mendes de Azevedo -Espinho 204 Ana da Silva Teixeira - - -Sobreposta 205 David Mendes de Freitas - -Sobreposta 206 Adelino Antunes - - -Canadá 207 Alcina Melo Mendes Braga 208 Manuel António Marques Silva - -Sobreposta FALECEU EM SOBREPOSTA Em 29 de Agosto, Carmezinda Teresa Ferreira, com 84 anos e que residia na Rua da Carpintaria. A seus familiares e amigos apresentamos sentidas condolências Página 4 BOLETIM INFORMATIVO DA ASSOCIAÇÃO S. C. SOBREPOSTA - N.º 11. Setembro 2007 AS DECISÕES DA ASSEMBLEIA GERAL No passado dia 10 de Agosto realizou-se a Assembleia Geral da Associação. De acordo com os Estatutos, presidiu à Mesa da Assembleia o nosso associado nº 1 P. Zé do Muro. A Assembleia aprovou o Relatório de Contas do exercício de 2006 que aqui deixamos publicado para conhecimento de todos os associados que não puderam estar presentes: Exercício de 2006 (Resumo) Saldo do ano anterior (2005) ,34 Receitas de 2006: Despesas de Saldo do exercício de 2006: Saldo acumulado que transita para 2007: A nossa Sede A Assembleia discutiu a necessidade de a Associação envidar esforços no sentido de ter uma Sede adequada aos objectivos que pretende alcançar. Um espaço que sirva os objectivos estatutários da Associação: lazer e convívio, solidariedade social, defesa do ambiente e do património, desenvolvimento cultural, etc. Se a discussão foi viva e diversificada nos pontos de vista abordados, a mesma foi consensual no que se refere à unanimidade com que a Assembleia mandatou a Direcção para pesquisar oportunidades de espaço para o efeito e para desenvolver as actividades que achar pertinentes para a angariação de fundos para tal objectivo. Sendo assim, a partir desta data todos os donativos que forem feitos para este fim ou as receitas que forem obtidas em actividades realizadas para o mesmo fim, passam a constituir um fundo que designamos A NOSSA SEDE. Em todos os boletins divulgaremos a situação deste fundo. CLASSE DE GINÁSTICA DE MANUTENÇÃO PARA SENHORAS /2008 Normas e Ficha de Inscrição Horário: 3ª feira das 21,00 às 22,00 5ª feira das 20,00 às 21,00 Local: Pav. Gimnodesportivo de Sobreposta Propinas: Associadas.10,00 /mês Não associadas. 15,00 /mês Duração: de 18/09/07 a 31 de Julho de 2008 Docente: D. Elsa Gonçalves Coordenadora: Enf. Zilda Ribeiro NORNAS 1. Na condição de associadas incluem-se, também, cônjuges e filhas de associados. Estas têm prioridade de inscrição relativamente a outras candidatas. 2. Só devem inscrever-se as pessoas que estão determinadas a frequentar, com assiduidade e durante todo o ano, a classe de ginástica. De contrário, estão a retirar a outras pessoas a oportunidade de serem admitidas. 3. Dado que esta actividade não tem qualquer objectivo lucrativo, as desistências a meio do percurso podem colocar em risco a sustentabilidade financeira da actividade que tem custos fixos, como é óbvio. 4. Se, por razões de força maior, houver a intenção de desistir, deve ser avisada a coordenadora, com tempo adequado, para que possa preencher a vaga. Continua na página 6 A ASSOCIAÇÃO AO SERVIÇO DA COMUNIDADE Acompanhamento Escolar Sabemos como é difícil a muitos pais e encarregados de educação fazer um acompanhamento sistemático da vida escolar dos seus filhos ou educandos. Os trabalhos do dia a dia, as múltiplas canseiras e preocupações, a falta de tempo e o cansaço impedem muitos pais de falar com os filhos sobre a escola e estes, quando as coisas não correm bem, também não tomam a iniciativa de falar. A vida, infelizmente é mesmo assim. E não admira que muitos pais fiquem surpreendidos quando o Director de Turma lhes envia uma informação dizendo que as coisas não correm bem ou quando, no fim do trimestre verificam que os resultados escolares ficaram muito aquém das expectativas. Conscientes desta realidade, a Associação criou um Serviço de Acompanhamento Escolar destinado a ajudar os pais nesta tarefa. Não se pretende substituir os pais. De modo algum. Pretende-se apenas, com o apoio de professores experientes, cooperar na mediação entre os pais e a escola de modo a obter um maior sucesso educativo para o aluno. Se estiver interessado neste serviço contacte a nossa Sede, pessoalmente ou pelo telefone Este serviço é inteiramente gratuito para os filhos de associados. Os não associados pagarão uma propina mensal de 5,00 que reverte, inteiramente, a favor da Associação. Actualização de moradas Com a introdução da nova toponímia (nomes das ruas e números de porta) têm surgido grandes problemas na distribuição do correio. Já no Boletim anterior apelamos às pessoas para que actualizassem as suas moradas nos serviços donde habitualmente recebem correspondência: bancos, segurança social, caixa nacional de pensões, finanças, etc. Para facilitar, propomo-nos ajudar as pessoas a efectuar de uma só vez todas estas a
Search
Similar documents
View more...
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks