Magazine

Boletim Informativo AMEA - Novembro 2015

Description
Na sexta-feira (23/10) o Crea-SP promoveu mais uma edição do mais tradicional evento de sua agenda. O XV SEFISC – Seminário Estadual de Fiscalização reuniu…
Categories
Published
of 4
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
Na sexta-feira (23/10) o Crea-SP promoveu mais uma edição do mais tradicional evento de sua agenda. O XV SEFISC – Seminário Estadual de Fiscalização reuniu cerca de 400 profissionais no auditório do Espaço Técnico Cultural do Crea-SP, na Sede Angélica, entre Agentes Fiscais, Conselheiros Titulares (ou na Titularidade), Inspetores Chefes, Chefes de Unidades, Gerentes Regionais, Superintendentes e Diretores do Conselho, de todas as modalidades do Sistema Confea/Crea.O encontro marcou a participação das Câmaras Especializadas do Crea-SPcomo de fundamental importância na definição das ações de fiscalização prioritárias para 2016. Destaque para o FiscCrea – Os destaques da programação, que vai das 8h30 às 17h00, são o lançamento do aplicativo FiscCrea e a definição das ações prioritárias de fiscalização para 2016. O FiscCrea é um aplicativo para dispositivos móveis (mobiles)e se configura como um novo canal de comunicação entre as equipes de fiscalização do Conselho e seus Inspetores e Conselheiros. Trata-se de um sistema de informações para cadastramento de empreendimentos, obras, eventos e ocorrências. Por meio desse sistema o Conselho manterá um cadastro que servirá de base para suas ações de fiscalização, garantindo o sigilo dos dados, tanto em casos de simples atendimento a uma ordem de serviço como nos casos de Fiscalização Auxiliar do exercício profissional. Fonte: www.creasp.org.br AMEA AMEA ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Boletim informativo Boletim informativo Ano 5 n° 018 - Novembro de 2015 Ano 5 n° 018 - Novembro de 2015 ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Câmaras Especializadas definem ações de fiscalização prioritárias para 2016 XV SEFISC reúne 400 profissionais na Sede Angélica Pág. 3 Pág. 4 Editorial - Pág. 2 Editorial AMEA - Uma Associação para Todos EXPEDIENTE CEP 15.990-650 - Matão - SP Fone: (16) 3384-2322 amea@process.com.br Av. Baldan, 2705 - Residencial Olívio Benassi AMEA ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Diretoria: Presidente: Engenheiro Civil José Eduardo Quaresma Vice-Presidente: Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho Vicente MalzoniNetto 1º Secretário: Engenheiro Agrônomo Hugo LucianoGandini 2º Secretário: Engenheiro Agrimensor e de Segurança do Trabalho Luis José daSilva 1º Tesoureiro: Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho Aureliano BiagioniJunior 2º Tesoureiro: Engenheiro Civil FernandoJosé MarianiBarbosa Diretor Social: Engenheiro EletricistaRonaldEduardoTristão ART 110 Esse é o número que identifica a AMEA, para ser preenchido no campo 31 da ART. Maiores informações pelo telefone: (16) 3384-2322 Rua Mário Augusto Mascia, 144 Rota 81 - Chácaras Velosa CEP 14.806-530 - Araraquara-SP (16) 3324 3837 siccomunicacao@gmail.com Jornalista Responsável: Bira Simões - Mtb 37029 Arte e Diagramação: Isabela Lima Projeto Gráfico, Diagramação e Assessoria de Imprensa: SIC Comunicação A Associação Matonense de Engenharia Arquitetura e Agronomia prima por estar sempre presente na vida das empresas e dos profissionais, não importa o tamanho da sua obra ou de sua instalação. O que importa, na verdade, é O fortalecimento dos laços entre os diversos tipos de empresas, empresários e profissionais. Só assim fortaleceremos cada vez mais nossa classe, apoiando e ajudando uns aos outros e, nesse sentido, a associação aparece como mediadora, como esteio, para que os profissionais se mantenham cada vez mais unidos e cientes de suas responsabilidades, direitos e deveres. Cabe à AMEA integrar e interagir com seus associados, prestando serviços de assessoria, capacitação, treinamento e defendendo os interesses dos profissionais da área tecnológica. Nesses anos todos, desde sua fundação a AMEA tem se esmerado em buscar alternativas, propor caminhos, parcerias, traçar metas e objetivos que possam, efetivamente, somar à nossa área. Aimportância da Engenharia para a construção de uma cidade, um estado e um país, é de valor inestimável, pronto que, somos os responsáveis diretos pela qualidade de vida de toda uma população, seja em uma simples reforma ou a construção de residências de luxo, edifícios, viadutos, rodovias, obras de infra-estrutura e toda sorte de construções necessárias à vida da sociedade. Nesse momento em que nosso país vive uma crise e que todos nós sofremos com suas oscilações, temos, nós da área tecnológica, o dever de nos colocar acima de quaisquer tendências sociais e políticas e nos ater à nossa função e nosso trabalho, que, por meio da especialização e conhecimento, levar aos nossos clientes, a excelência em prestação de serviços. E, nesse sentido, a AMEA representa de maneira ímpar seus profissionais e associados, procurando levar a todos as informações necessárias ao pleno desenvolvimento de sua função. Mas, ao mesmo tempo, nada se faz isoladamente, por isso, chamamos as empresas e os profissionais a participarem da associação que os representa, propondo e apresentando ideias, para que consigamos sempre, manter essa, que se faz e se constrói, alicerçada na premissa que é seu objetivo maior: melhor qualidade de vida a todos. José Eduardo Quaresma - Presidente da AMEA 2 AMEA ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA AMEA ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ENGENHARIA, ARQUITETURAE AGRONOMIA Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE ENGENHARIA, E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃOPAULO Caixa de Assistência aos Profissionais do CREA Conselho Federal de Engenharia e Agronomia 3 AMEA ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Há meses atrás o Ministério da Fazenda anunciou a possibilidade de propor mudanças na forma de cobrança do PIS/COFINS. Muito embora ainda não enviada ao Congresso Nacional, sabe-se que a possível mudança pode representar um grande retrocesso para as pequenas e médias empresas prestadoras de serviços no Regime de Lucro Presumido e no Simples. Isso porque a comentada mudança NÃO representa simplificação e neutralidade para essa enorme massa silenciosa de pequenas e médias empresas prestadoras de serviços, que formam a maioria do PIB e dos empregos do País, e já sofrem muito e cada vez mais com nossa economia, estrutura tributária, trabalhista, juros, financiamento, produtividade, qualificação, escolaridade, etc. Além disso, produz sensação de insegurança jurídica, verdadeiro sofrimento para empreendedores, pequenas e médias empresas. Somos todos favoráveis ao Ajuste Fiscal do Governo, mas ele não pode penalizar ainda mais a pequena e média empresa. Esse ajuste seria verdadeiro tiro no pé da Economia, com graves consequências sociais e mais desemprego. O sistema Simples e do Lucro Presumido hámuitos anos trouxe a simplificação nas operações administrativotributárias das pequenas e médias empresas, liberando suas energias para sua atividade fim. Esse método de cálculo dos impostos sobre o faturamento das pequenas e médias empresas representou um avanço importante, uma vitória da simplificação ante a burocracia exagerada, ineficiente e onerosa. Medidas acertadas e simplificadoras levam a bons resultados e a todos beneficiam. A arrecadação aumentou, a informalidade e a sonegação diminuíram e o custo e o tempo gasto nas empresas para administrar impostos também. E é assim que se deve fazer. Não se pode admitir retrocesso, mais ônus, mais burocracia, mais insegurança jurídica, mais dificuldades, mais “limbo”interpretativo, mais critérios “zona cinzenta”, maior complexidade de cálculo, maior incerteza, maior desconfiança e, por fim, mais impostos. Não se pode pensar ou querer um Brasil pior para as pequenas e médias empresas. Temos, sim, que evoluir e avançar em conquistas que melhorem nosso ambiente de negócios para que a Economia cresça com a confiança de empregadores e empregados, com segurança jurídica para todos. O regime do Lucro Presumido permite que as pequenas e médias empresas planejem, prevejam, calculem e recolham de forma precisa, correta e antecipada o quanto devem pagar ao PIS (0,65% sobre o faturamento bruto); COFINS (3% sobre o faturamento bruto); e quanto ao IRPJ as aliquotas são variaveis podendo chegar, aproximadamente, de 1,2% a 4,8%, conforme a forma de prestação de serviços com o sem utilização de material, mais o adicional de 10% que exceder a base de calculo do trimestre; e a CSSLtambem variavel de 1,08% a 2,88% sobre o faturamento bruto. Alterar essa prática, automática, informatizada, correta, simples e não sonegável no cálculo do PIS, da COFINS, do IR e da CSLL, mesmo com o argumento da neutralidade da carga tributária, é um retrocesso absurdo para as pequenas e médias empresas.Além disso, somos totalmente contrários a qualquer aumento da carga tributária. Não concordamos com o aumento de alíquota do PIS e da COFINS sobre o faturamento Bruto, no ramo da construção civil, uma vez que prejudicaria as pequenas e medias empresas e preferimos simplesmente que seja mantido o regime cumulativo na construção civil, pois apurar o PIS e COFINS (Não cumulatividade c/respectivo abatimento) acarretaria custos administrativos, complexidade de calculo e insegurança jurídica. Não há sentido em alterar nossos próprios bons exemplos como são as regras e atuação da Receita Federal do Brasil –RFB, referentes ao cálculo do PIS, da COFINS, do IR, da CSLL. A simplificação e automatização da cobrança dificulta a sonegação e simplifica a fiscalização. É preciso ter sensibilidade, respeito e conhecer minimamente a realidade duríssima das pequenas e médias empresas brasileiras prestadoras de serviços. Eng. LuizAlberto deAraújo Costa Presidente Fonte: www.creasp.org.br Associação de Pequenas e Médias Empresas de Construção Civil do Estado de São Paulo Manifesto Apemec contra aumento da Carga Tributária 4 AMEA ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Fonte: www.creasp.org.br ART - Anotação de Responsabilidade Técnica Art. 2º AART é o instrumento que define, para os efeitos legais, os responsáveis técnicos pela execução de obras ou prestação de serviços relativos às profissões abrangidas pelo Sistema Confea/Crea. Art. 3º Todo contrato escrito ou verbal para execução de obras ou prestação de serviços relativos às profissões abrangidas pelo Sistema Confea/Crea fica sujeito ao registro da ART no Crea em cuja circunscrição for exercida a respectiva atividade. Parágrafo único. O disposto no caput deste artigo também se aplica ao vínculo de profissional, tanto a pessoa jurídica de direito público quanto de direito privado, para o desempenho de cargo ou função técnica que envolva atividades para as quais sejam necessários habilitação legal e conhecimentos técnicos nas profissões abrangidas pelo Sistema Confea/Crea. CAT - Certificado de Acervo Técnico 1. Os formulários de Requerimento de Acervo Técnico ou de Baixa de ART são fornecidos pelo CREA-SP nas suas diversas Unidades de Atendimento e estão também disponível no site www.creasp.org.br através do link Profissionais / Formulários. 2. Para evitar exigências, deverá haver compatibilidade de dados entre Requerimento,ART(s) e atestado. 3. Caso haja diferença no valor do recolhimento da ART deverá ser procedido o recolhimento de outra ART complementar, vinculada à anterior. 4. O profissional requerente deverá estar quite com o CREA-SP à época em que realizou as atividades objeto do requerimento. 5. Os documentos que comprovam a conclusão de Obra/serviço são: Habite-se, alvará de funcionamento, certidão de conclusão da obra ou serviço, termo de recebimento definitivo, auto de conclusão, relatório de inspeção final,Atestado emitido pelo contratante, livro de ordem ou documento equivalente. 6. As informações prestadas pelo profissional são de sua inteira responsabilidade sujeitando-o, caso não verdadeiras, ao enquadramento no Código de Ética e cancelamento da CAT e sua respectiva ART, após análise da Câmara especializada pertinente. 7. A autenticação das cópias de documentos exigidos nesta relação de documentos poderá ser feita pelo próprio CREA-SP, mediante a apresentação de documentos originais. 8.Acritério do CREA-SP, outros documentos/informações poderão ser solicitados para análise do pedido. 9.As obras/serviços já concluídos devem ser objeto de baixa deART, pelos seguintes motivos: I – conclusão da obra ou serviço, quando do término das atividades técnicas descritas naART; ou II – interrupção da obra ou serviço, quando da não conclusão das atividades técnicas descritas naART, de acordo com os seguintes casos: a) rescisão contratual; b) substituição do responsável técnico; ou c) paralisação da obra e serviço Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo

Apt a Ad Guide

Aug 29, 2017

12.Hipoglicemiile

Aug 29, 2017
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x