Documents

Gestão de Design e Estratégia Relação Teoria e Prática Na Moda

Description
Artigo Gestão do Design
Categories
Published
of 19
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
   9°Colóquio de Moda  –   Fortaleza(CE) - 2013   Gestão de Design e estratégia: relação teoria e prática na moda Management Design and Strategy: relationship between theory and practice in fashion   Daniela Petter Centro Universitário Ritter dos Reis - Brasil danicammy@gmail.com Bibiana Silveira Horn Centro Universitário Ritter dos Reis - Brasil bibiana.silveira.horn@gmail.com Fabiane Wolff Centro Universitário Ritter dos Reis - Brasil fabiwolff@hotmail.com  Resumo. Este artigo busca relacionar a teoria de gestão de design com a prática profissional do design. Analisa a relação da gestão de design e da estratégia com a metodologia de design e moda. Para tanto, uma pesquisa qualitativa, com base em referencial teórico é operacionalizada e permite averiguar a relação sugerida e sua influência no setor desenvolvimento de produto de uma empresa de moda. Palavras chave. Gestão de Design; Design de Moda; Estratégia em Design.  Abstract. This paper relate the theory of design management with the professional practice of design. Examines the relationship of design management and strategy with the methodology of design and fashion. Therefore, a qualitative research based on theoretical framework is operationalized and allows to determine the suggested relationship and its influence on product development sector of a fashion company. Palavras chave. Design Management; Fashion Design, Design Strategy. 1 Introdução Diante da globalização e das conseqüentes quedas de fronteiras e barreiras, difícil mesmo é entender os movimentos da sociedade. O rápido acesso as informações desperta insegurança, principalmente no meio corporativo. As empresas promovem ações para se manterem no mercado, acima das empresas rivais, utilizando diferentes estratégias competitivas e as renovando-as conforme suas necessidades.    Tanto empresas de moda como de produtos vivenciam diariamente os anseios de resguardar suas estratégias para si, já que há uma imensa competitividade nestes setores. Para Renzo Ro sso, “a moda é inspiração, criatividade, intuição. Mas também organização, estratégia, gestão. E estes dois elementos aparentemente desconsiderados, devem conviver e unir-se para assegurar o êxito de uma ideia empresarial” ( ROSSO APUD SAVIOLA; TESTA, 2007, p. 9). A base de uma boa estratégia competitiva está na competência do gestor em administrar estes elementos em harmonia. No desenvolvimento de produto, o processo pode ser definido “como a integração de sub processos distintos e complementares: o primeiro, centrado nos componentes estéticos, está dominado pelos criativos; o segundo centrado nos componentes econômicos e competitivos, é dirigido pelos Gerentes” (SAVIOLA; TESTA, 2007, p. 190). O gerente tem um papel fundamental nesse processo, o que introduzir os seus conhecimentos de design para todos os segmentos da empresa, pois é dessa área de conhecimento que vai emergir inovadoras ideias competitivas. Essa atividade é reconhecida como gestão de design, cujo enfoque é atender às necessidades de gestão da empresa e reconhecer a importância do design em todos os setores da empresa como vantagem e estratégia competitiva. A gestão de design emerge como uma atividade aberta a profissionais de áreas distintas, porém a empresa deve ocupar-se da atividade de design (MANUAL de gestão de design, 1997). 2 Objetivos e Método O presente estudo tem por objetivo relacionar e analisar a gestão de design, com foco no design como estratégia em dois momentos: a) Analisar uma metodologia de moda e outra de produto com a gestão de design, b)  Avaliar a relação da teoria da gestão de design com a realidade de uma empresa. Para dar conta da proposta o artigo, tem como base autores da área de gestão de design e design como estratégia para fundamentação teórica. E, por conseguinte analisou-se a metodologia de desenvolvimento de produto, Lobach (2001) e a metodologia de desenvolvimento de coleção de moda Treptow (2007).     A pesquisa de campo é de caráter exploratório, qualitativo através de entrevistas em profundidade, já que neste tipo de entrevista é possível analisar a percepção individual sem interferência de outros meios. O elemento de estudo nesta pesquisa é o uso da gestão de design em um caso real, se a empresa de fato aplica esses conceitos e como aplica. A coleta de dados foi realizada, por meio de pesquisa exploratória, qualitativa, segundo Malhotra (2005, p. 113) este tipo de pesquisa “explora com poucas ideias preconcebidas sobre o resultado dessa investigação”, com aplicação de roteiro aberto, direcionado a pessoas que trabalhassem no setor de desenvolvimento de produto de uma empresa do segmento de moda.  A pesquisa foi realizada com dois profissionais, do mesmo setor, porém de diferentes cargos. Um designer com formação em design de produto e um assistente com formação incompleta da mesma habilitação, de uma grande empresa de moda, com abrangência nacional, situada em Porto Alegre.  A coleta de dados foi obtida pessoalmente e individualmente com cada participante, seguindo o roteiro composto por catorze questões abertas, elaboradas com base na teoria e nos conceitos de gestão de design e design como estratégia de Borja de Mozota (2011). As seis primeiras questões referem-se a empresa, as seis seguintes estão relacionadas ao departamento de design e as duas últimas associadas diretamente a gestão de design. 3 Gestão de Design e Design como Estratégia O rápido avanço tecnológico e de bens e serviços tem impactado no modo de viver e pensar da sociedade despertando novos interesses e necessidades. O design surgiu como uma ferramenta de capacitação para perceber, informar e tornar realidade os anseios da população por meio do desenvolvimento de novos produtos e serviços. Assim, a gestão de design surge com o intuito de coordenar as atividades da empresa, de capacitar os gerentes e de desenvolver maneiras de integrar o design no ambiente corporativo, abordagens estas vista neste capítulo.  A gestão do design teve srcem na Inglaterra na década 60, referindo-se unicamente nas relações entre agências de design e seus clientes. O entendimento inicial deste tema era de solidificar a relação das agências de    design e seus clientes por meio de bons projetos  –  necessidade, criação, produção e resultado final  – , da multidisciplinaridade empresarial interna e marca (BORJA DE MOZOTA, 2011). E ganhou realce no ano de 1975, com o surgimento do Design Management Institute  (DMI), nos Estados Unidos (WOLFF, 2010). Com o objetivo de melhorar a eficácia dos gestores em instituir e administrar suas empresas (MANUAL de gestão de design, 1997).  A primeira definição de gestão de design surge na década de 80, em uma reunião da diretoria do DMI, juntamente com os membros do seu conselho consultivo (PHILLIPS, 2008). Definiram - na como sendo ocupante “ do desenvolvimento, organizações, planejamento e controle dos recursos relacionados ao uso humano dos produtos, comunicações e ambientes ” (PHILLIPS, 2008, p. 107). Percebe-se uma simbólica evolução da ideia que srcinou esta definição, esmiuçaram-na em segmentos o ambiente corporativo. Portanto, deve haver uma relação harmoniosa entre todos estes segmentos para que seja realizada com sucesso a gestão de design. Os aprimoramentos dos estudos do tema levaram a outras definições importantes da autora consagrada Brigitte Borja de Mozota:  A gestão de design é a implementação do design como um programa formal de atividades dentro de uma corporação por meio da comunicação da relevância do design para as metas corporativas de longo prazo e da coordenação dos recursos de design em todos os níveis da atividade corporativa para atingir os seus objetivos (BORJA DE MOZOTA, 2011, p. 95). Neste mesmo contexto de visão corporativa, o diretor da Bachman Design Group, Tim Bachman, descreve o seu entendimento como: “A gestão de design  articula as comunicações implícitas e explícitas que refletem os valores da empresa. Com isso, interpreta e expressa os objetivos de negócios da empresa. A gestão de design  não é apenas um departamento ou instância administrativa. É um recurso estratégico e um poderoso processo organizacional” ( PHILLIPS, 2008, p. 114). Enquanto Tim Larsen, presidente da Larsen Design + Interactive, conduz o tema para o lado visual e emocional da imagem da empresa. “A gestão de design  tem a responsabilidade de transformar a imagem visual da empresa em poderoso instrumento para comunicar, motivar
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x