Slides

Matriz divina

Description
1. GREGG BRADEN A MATRIZ DIVINA UMA JORNADA ATRAVÉS DO TEMPO, DO ESPAÇO, DOS MILAGRES E DA FÉ Traduçao HILTON FELÍCIO DOS SANTOS Editora Cultrix SÃO PAULO 2.…
Categories
Published
of 113
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. GREGG BRADEN A MATRIZ DIVINA UMA JORNADA ATRAVÉS DO TEMPO, DO ESPAÇO, DOS MILAGRES E DA FÉ Traduçao HILTON FELÍCIO DOS SANTOS Editora Cultrix SÃO PAULO
  • 2. Título original: The Divine Matrix. Copyright © 2007 Gregg Braden. Publicado originalmente em 2007 por Hay House Inc., USA. Revisão técnica: Adilson Silva Ramachandra. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. A Editora Pensamento-Cultrix Ltda. não se responsabiliza por eventuais mudanças ocorridas nos endereços convencionais ou eletrônicos citados neste livro. O autor agradece ao Institute of HeartMath por permitir a reprodução da ilustração da figura 2; a Christopher Logue, pelo uso de seu poema "Come to the Edge" na Introdução; a Alvin Lee e ao Chrysalis Music Group, pela reprodução de trechos de "I'o Love to Change the World", no Capítulo 8. O autor deste livro não oferece aconselhamento médico, nem recomenda técnicas de tratamento para males físicos, emocionais ou clínicos sem conselho médico, direto ou indireto. O autor pretende apenas oferecer informações de natureza geral, úteis para a nossa busca de bem-estar, emocional e espiritual. Nem o autor nem o editor são responsáveis pelo uso das informações aqui apresentadas. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Braden, Gregg A Matriz Divina : uma jornada através do tempo, do espaço, dos milagres e da fé / Gregg Braden; tradução Hilton Felício dos Santos. — São Paulo : Cultrix, 2008. Título original: The divine matrix : bridging time, space, miracles, and belief. Bibliografia. ISBN 978-85-316-1014-1 1. Espiritualidade 2. Fé I. Título. 08-05306 CDD-299.93 índices para catálogo sistemático: 1. Divina Matrix : Espiritualidade 299.93 O primeiro número à esquerda indica a edição, ou reedição, desta obra. A primeira dezena à direita indica o ano em que esta edição, ou reedição, foi publicada. Edição Ano 1-2-3-4-5-6-7-8-9-10-11 08-09-10-11-12-13-14-15 Direitos de tradução para a o Brasil adquiridos com exclusividade pela EDITORA PENSAMENTOCULTRIX LTDA. Rua Dr. Mário Vicente, 368 — 04270-000 — São Paulo, SP Fone: 2066-9000 — Fax: 2066-9008 E-mail: pensamento@cultrix.com.br http://www.pensamento-cultrix.com.br que se reserva a propriedade literária desta tradução.
  • 3. SUMÁRIO Introdução .................................................................................................................. 9 PARTE I DESCOBRINDO A MATRIZ DIVINA: O MISTÉRIO QUE UNE TODAS AS COISAS CAPÍTULO 1 P: O que existe no espaço em volta? R: A Matriz Divina .......................................................................... 27 CAPÍTULO 2 Abalando o paradigma: Os experimentos que mudam tudo .............................................. 56 PARTE II A PONTE ENTRE A IMAGINAÇÃO E A REALIDADE: COMO A MATRIZ DIVINA FUNCIONA CAPÍTULO 3 Somos observadores passivos ou criadores poderosos? ... 79 CAPÍTULO 4 Uma vez conectados, sempre conectados: a vida no universo holográfico 114 CAPÍTULO 5 Quando o aqui é lá e o depois é agora: o salto espacial e temporal na Matriz 133 PARTE III MENSAGENS DA MATRIZ DIVINA: VIDA, AMOR E CURA NA CONSCIÊNCIA QUÂNTICA CAPÍTULO 6 O universo conversa conosco: mensagens da Matriz 149 CAPÍTULO 7 A leitura do espelho dos relacionamentos: nossas próprias mensagens 169 CAPÍTULO 8 Reescrevendo o código da realidade: vinte chaves para a criação consciente AGRADECIMENTOS 214 NOTAS 217 201
  • 4. Tenho uma pequena gota de sabedoria em minha alma. Deixe que ela se dissolva no seu oceano. — Rumi
  • 5. "Toda matéria se origina e existe apenas em virtude de uma força. [...] Devemos supor que por trás dessa força exista uma Mente consciente e inteligente. Essa Mente é a matriz de toda a matéria." — Max Planck, 1944 Com essas palavras, Max Planck, o pai da teoria quântica, descreveu o campo de energia universal que conecta toda a criação: a Matriz Divina. A Matriz Divina é o nosso mundo. Também é cada coisa no nosso mundo. É o nós, e tudo o que amamos, odiámos, criamos e experimentamos. Vivendo na Matriz Divina, somos como artistas expressando nossas paixões, medos, desejos e mais íntimos sonhos na essência misteriosa de uma tela quântica. Mas essa tela somos nós, como também somos as imagens na tela. Somos a pintura e também o pincel. Dentro da Matriz Divina somos o recipiente no qual todas as coisas existem, a ponte unindo as criações de nossos mundos interior e exterior, e o espelho refletindo nossas criações. Este livro é para aqueles que almejam despertar o ímpeto de suas maiores paixões e mais íntimas aspirações. Na Matriz Divina somos a semente do milagre, assim como o próprio milagre.
  • 6. INTRODUÇÃO Venham até a borda. Podemos cair. Venham até a borda. É muito alto! VENHAM ATÉ A BORDA! E eles foram. Então ele empurrou, e eles voaram. om essas palavras, descortinamos um belo exemplo do poder que nos aguarda quando temos a coragem de transpor os limites do que sempre julgamos verdadeiro em nossa vida. Nesse breve diálogo do poeta contemporâneo Christopher Logue, um grupo de iniciados enfrenta uma experiência bem diferente da que esperava.1 Em vez de simplesmente ficarem na borda do abismo, são estimulados pelo mestre a ir além do abismo, de maneira tal que acabam surpresos e fortalecidos. É nesse território inexplorado que eles se experimentam de um modo diferente — e ao se descobrirem, encontram um novo tipo de liberdade. Ler as páginas que se seguem é como se aproximar da borda do abismo. Elas descrevem a existência de um campo de energia — a Matriz Divina — que propicia o recipiente, a ponte e o espelho para tudo o que acontece entre o nosso mundo interior e o mundo externo ao nosso corpo. O fato de esse campo de energia existir dentro e em torno de todas as coisas, desde as menores partículas atômicas do quantum até as galáxias distantes, cuja luz só agora chega aos nossos olhos, muda nossa crença com relação ao papel que desempenhamos na criação. Para alguns leitores, o que se segue será um jeito novo e muito diferente de compreender como o mundo funciona. Para outros, será uma síntese reconfortante do que já sabem, ou pelo menos suspeitam, ser verdadeiro. Para todos, entretanto, a existência de uma rede de energia fundamental interligando o nosso corpo, o mundo e tudo no universo, abre uma porta de ampla e misteriosa possibilidade. Tal possibilidade sugere que podemos ser mais do que simples observadores vivendo um breve momento de uma criação preexistente. Quando olhamos a "vida" — nossa abundância material e espiritual, relacionamentos e carreira, nossos seres mais queridos e nossas maiores conquistas, ao lado de nossos medos e da escassez de todas essas coisas —, podemos estar contemplando também o reflexo de nossas crenças mais verdadeiras — e às vezes mais inconscientes. Essas crenças nos cercam porque foram manifestadas pela misteriosa essência da Matriz Divina e, por esse motivo, a própria consciência deve desempenhar um papel-chave na existência do universo. C SOMOS OS ARTISTAS E TAMBÉM A ARTE Por mais forçada que essa ideia possa parecer a muitas pessoas, trata-se do ponto crucial de uma das maiores controvérsias debatidas pelas mentes mais brilhantes da história recente. As notas autobiográficas de Albert Einstein, por exemplo, nos contam que ele era um dos que acreditavam que somos observadores essencialmente passivos vivendo em um universo preexistente, sobre o qual exercemos uma influência muito pequena: "Lá fora encontra-se esse imenso universo", ele dizia, "que existe independentemente dos seres humanos e nos confronta como grande e eterna charada parcialmente acessível, pelo menos, às nossas inspeções e pensamentos."2 Contrastando com a perspectiva de Einstein, que ainda é sustentada por muitos cientistas hoje, John Wheeler, um físico de Princeton e colega de Einstein, oferece uma explicação radicalmente diferente de nosso papel na criação. Wheeler anuncia em termos enfáticos, claros e vividos, que "Há muito tempo acreditamos que lã fora [ênfase do autor] existe um universo e que aqui se encontra o homem, o observador, protegido com segurança contra o universo por uma placa de quinze centímetros de vidro laminado". Ao observar os experimentos do século XX que nos mostravam como o ato de simplesmente olhar alguma coisa mudava essa coisa, Wheeler pondera: "Agora aprendemos com o mundo quântico que, até para observar um objeto tão minúsculo como um elétron, precisamos estilhaçar essa placa de vidro: temos que ir ao âmago. [...] Nosso antigo termo observador deve ser simplesmente abolido dos livros; deveremos substituí-lo por participante, uma nova palavra."3 Que mudança! Wheeler faz uma interpretação radicalmente diferente da usual sobre como nos relacionamos com o mundo, afirmando que não conseguimos ficar apenas contemplando o universo acontecer. Os experimentos da física quântica realmente nos revelam que as propriedades de um elétron mudam enquanto ele está sob observação, basta que focalizemos nossa atenção sobre ele, ainda que por um breve instante. Os experimentos sugerem que o simples ato de observar é um ato de criar, e que a consciência executa uma criação. Aparentemente esses resultados apoiam a proposição de Wheeler de que não podemos mais nos julgar simples observadores, sem qualquer efeito sobre o mundo que observamos.
  • 7. O pensamento de que, durante o breve período de nossa existência, estamos participando da criação, em vez de estarmos simplesmente passando pelo universo, exige nova percepção do que é o cosmos e de como ele funciona. A base de uma concepção do mundo tão radical fundamentou a série de livros e artigos de David Bohm, outro físico de Princeton e colega de Einstein. Bohm nos deixou duas teorias pioneiras antes de seu falecimento em 1992, oferecendo-nos duas visões muito diferentes do universo — visões praticamente holísticas, de certo modo — e do papel que nele desempenhamos. A primeira foi uma interpretação da física quântica que estabeleceu o cenário para a reunião de Bohm com Einstein, início da amizade entre ambos. Foi essa a teoria que abriu a porta para o que Bohm chamou de "operação criativa de fundamentação [...] dos níveis de realidade"4. Em outras palavras, ele acreditava que existem planos de criação mais profundos e elevados fundamentando o modelo dos acontecimentos no nosso mundo. Nosso mundo físico se origina desses níveis mais sutis da realidade. Sua segunda teoria explicava o universo como um sistema único e unificado da natureza, conectado de maneiras nem sempre muito óbvias. Durante seus primeiros trabalhos no Lawrence Radiation Laboratory (atualmente Lawrence Livermore National Laboratory) da University of Califórnia, Bohm teve a oportunidade de observar pequenas partículas de átomos em um estado gaso- so especial conhecido como estado de plasma. Ele descobriu que as partículas nesse estado de plasma não se comportam como as unidades que usualmente consideramos autônomas, comportam-se mais como se estivessem interligadas entre si, como se fossem parte de uma existência maior. Esses experimentos lançaram a fundação para o trabalho pioneiro pelo qual Bohm provavelmente é mais conhecido, seu livro de 1980, Wholeness and the Implicate Order1. Nessa obra modificadora de paradigmas, Bohm sugere que, se pudéssemos ver o universo inteiro de um ponto de vista mais elevado, todos os objetos do nosso mundo apareceriam como projeções de coisas que estariam acontecendo em outro ambiente fora de nosso campo de observação. Ele vislumbrou o que podemos e o que não podemos ver como expressões de um universo mais amplo, de uma ordem universal maior. Para distinguir entre as duas situações, ele chamou esses dois reinos de "implicado" e "explicado". Tudo o que podemos ver e tocar e que aparece individualizado no nosso mundo — tais como as rochas, os oceanos, as florestas, os animais e as pessoas — são exemplos da ordem explicada da criação. Entretanto, por mais que essas coisas aparentem ser diferentes umas das outras, Bohm sugere que elas se encontram ligadas a uma realidade mais profunda, de uma maneira que simplesmente estamos impossibilitados de ver do lugar que ocupamos na criação. Ele viu todas as coisas que estão aparentemente separadas de nós como pertencentes a uma totalidade maior, que ele designou de ordem implicada. Para descrever a diferença entre o implicado e o explicado, Bohm fez uma comparação com o que ocorre em um curso de água. Usando a metáfora do fluxo da água na mesma corrente líquida, ele descreveu a ilusão da individualidade das coisas da seguinte maneira: "No curso de água vemos uma multitude de vórtices, ondulações, agitações, ondas, salpicos, etc., evidentemente sem que possam existir como unidades autônomas"5. Ainda que as perturbações da superfície da água possam nos parecer individualizadas, Bohm as viu como intimamente ligadas e profundamente conectadas entre si. "Tais subsistências transitórias, embora dotadas de formas abstratas, implicam apenas em uma independência relativa [ênfase do autor], não têm existência totalmente independente"6. Em outras palavras, todas são parte da mesma água. Bohm fez uso de tais exemplos para descrever sua percepção de universo e de tudo o que ele contém — incluindo-nos também —, o que efetivamente pode ser parte de um grande padrão cósmico no qual todas as partes são igualmente compartilhadas entre si. Englobando tal visão unificada da natureza, ele declarou simplesmente que "O melhor nome para essa nova introvisão talvez seja: Totalidade Indivisa em Movimento Fluente"7. Na década de 1970, Bohm ofereceu uma metáfora ainda mais clara para descrever como o universo pode ser pensado como um todo disperso, ainda que indivisível. Refletindo sobre a natureza interrelacionada da criação, ele se convenceu mais ainda de que o universo funciona como um grande holograma cósmico. Em um holograma, cada parte de qualquer objeto representado contém a totalidade do objeto, com a única diferença de estar em menor escala. (Aos leitores não familiarizados com o conceito de holograma sugerimos consultar o Capítulo 4 para uma informação mais detalhada.) De acordo com a perspectiva de Bohm, o que hoje percebemos como nosso mundo é a projeção de algo ainda mais real e que se passa em um nível mais profundo do processo criativo. O original é o que se encontra no nível mais profundo — o do universo não-manifestado (implicado). Nessa visão do "como em cima, assim embaixo" e "como dentro, assim fora", os padrões encontram-se contido no interior dos padrões, completos dentro e fora de si mesmos, diferindo apenas quanto à escala. A simplicidade elegante do corpo humano nos oferece um belo exemplo de holograma, já do nosso conhecimento. O DNA de qualquer parte do corpo contém nosso código genético — a totalidade do padrão do DNA — para todo o restante do corpo, independentemente da proveniência do código. Seja 1 A Totalidade e a Ordem Implicada, publicado pela Editora Cultrix, SP, 1992.
  • 8. uma amostra do cabelo, da unha ou do sangue, o padrão genético que nos faz ser quem somos estará sempre contido no código [...] e sempre será o mesmo. Assim como o universo muda constantemente do implicado para o explicado, o fluxo do não visto para o visto é o que constrói a dinâmica da criação. É essa natureza constantemente mutável da criação que John Wheeler tinha em mente quando descreveu o universo como "participativo" — isto é, inacabado e continuamente respondendo à consciência. É interessante observar que é esse, precisamente, o modo pelo qual o mundo funciona, de acordo com a sabedoria das tradições antigas. Desde os antigos escritos védicos indianos, que alguns estudiosos acreditam datar de 5.000 anos a.C., aos Manuscritos do Mar Morto, de 2.000 anos de idade, as ideias convergem para a sugestão de que o mundo não passa de um espelho de coisas que acontecem em outro domínio mais elevado, ou em uma realidade mais profunda. Por exemplo, ao tecer considerações sobre novas traduções de fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto, conhecidos como Canções do Sacrifício de Sábado, seus tradutores assim resumem o conteúdo: "O que acontece na Terra não é mais do que um pálido reflexo de uma realidade mais ampla e definitiva"8. Tanto a teoria quântica como os textos antigos nos levam a concluir que nos mundos invisíveis criamos o projeto dos relacionamentos, carreiras, êxitos e fracassos do mundo visível. A partir dessa perspectiva, a Matriz Divina funciona como o grande cenário cósmico que nos permite perceber a energia não- física de nossas emoções e crenças (nossa raiva, ódio e fúria, bem como nosso amor, misericórdia e compreensão) projetadas no meio físico da vida. Assim como uma tela de cinema mostra sem avaliar qualquer imagem que tenha sido filmada, a Matriz aparentemente nos fornece uma superfície não-tendenciosa para nossas experiências e crenças interiores, a serem vistas no mundo. Algumas vezes conscientemente, mas muitas vezes sem perceber, "mostramos" nossas crenças mais verdadeiras acerca de qualquer assunto por meio dos nossos relacionamentos, desde a compaixão até a traição. Em outras palavras, somos como artistas que expressam suas paixões, medos, sonhos e desejos mais profundos por meio da essência viva de uma misteriosa tela quântica. Entretanto, contrariamente a uma tela convencional de pintura que existe apenas em um lugar em um dado momento, nossa tela é feita da mesma coisa que constitui todas as coisas — está em toda parte e sempre se encontra presente. Levemos a analogia da tela do pintor um passo adiante. Tradicionalmente os artistas estão separados de suas obras e usam seus instrumentos para consubstanciar uma criação íntima por meio de uma expressão exterior. Entretanto, no interior da Matriz Divina a separação entre o artista e sua arte desaparece: somos a tela, mas também as imagens nela colocadas, somos os instrumentos, mas também o artista que deles faz uso. A simples ideia de criarmos de dentro de nossa própria criação nos faz lembrar um dos desenhos animados de Walt Disney, comuns nas televisões preto-e-branco nos idos das décadas de f950 e 1960. Primeiramente víamos a mão de um artista não identificável rabiscando em um bloco de desenho um personagem bem conhecido, como por exemplo, o Mickey Mouse. A imagem, uma vez concluída, subitamente era animada e ganhava vida. Mickey começava então a criar seus próprios desenhos, e rabiscava outros personagens de dentro do próprio esboço. Repentinamente, o artista original não era mais necessário e saía da pintura [...] literalmente. Mickey e companheiros assumiam sua própria vida e personalidade e a mão não era mais visível em parte alguma. Enquanto todos na casa de faz-de-conta estivessem dormindo, toda a cozinha era uma alegria só! O açucareiro dançava com o saleiro e a xícara confraternizava agitadamente com a manteigueira, os personagens já não tinham nenhuma ligação com o artista. Ainda que essa descrição possa ser considerada uma simplificação excessiva do funcionamento da Matriz Divina, ela é útil para ancorar nossa concepção, sutil e abstrata, de sermos criadores, criando de dentro de nossas criações. Assim como o artista aperfeiçoa a imagem até que ela represente exatamente o que tem em mente, assim fazemos, aparentemente, em muitos aspectos com nossas experiências de vida, por meio da Matriz Divina. Mediante nossa paleta de crenças, avaliações, emoções e preces, nós nos colocamos em relacionamentos, empregos e situações de apoio e deslealdades ocorridos
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks