Documents

O capital social, uma teoria para a gestão de operações: uma revisão sistemática da evidência

Description
Artigo
Categories
Published
of 15
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  09/09/2016 TF-TPRS120234 7081..7099https://translate.googleusercontent.com/translate_f 1/15 Página 1  Revista Internacional de Pesquisa de Produção Vol. 50, No. 24, 15 de Dezembro de 2012, 7081-7099 O capital social, uma teoria para a gestão de operações: uma revisão sistemática da evidência Rupert L. Matthews * e Peter E. Marzec  Nottingham University Business School, Campus Jubilee, Wollaton Road, Nottingham NG8 1BB, UK (Versão final recebida 23 de fevereiro de 2011, aceitou 11 de agosto de 2011) Como Pfeffer (1993) afirma que, até se chegar a acordo sobre um assunto, o progresso pode ser lento. Este papelconverge as discussões sobre o capital social na literatura de gestão de operações por meio de uma sistemáticarevisão da literatura de revistas de 3 e 4 estrelas. Gestão de recursos humanos, trabalho voluntário e empreendedorismonavio foram identificados como temas menores dentro da revisão e áreas, portanto, potencialmente pouco explorado. Qualidadegestão, gestão de projetos e desenvolvimento de novos produtos mostram o uso significativo de capital social e particularmente o papel do capital social no ambiente intra-empresas. Finalmente, programas de gestão da cadeia de suprimentosA utilização mais significativa do capital social, em particular para explicar as características do comprador-fornecedor relacionamentos e como estas afetam o desempenho inter-firmas. Áreas de pesquisas futuras são apresentados que drawem todas as formas de capital social para explorar como eles podem ser afetada por fatores contextuais. O artigo conclui propor um modelo conceitual de capital social para uso dentro de gestão de operações. Palavras-chave:  capital social; revisão sistemática; a teoria de gestão de operações 1. Introdução Starkey e Tempest (2004) apresentou o capital social como um tema importante em relação à gestão estratégica pesquisa. O capital social foi apresentado como tendo uma abordagem diferente para a porteriana, maximização do lucro, vistacomportamento (Porter, 1980), considerado como um que explica de forma mais eficaz comportamento. O conceito, um desenvolvimento devista neo-clássicas da economia, ajuda a explicar as observações, tanto a escala micro e macro de análise (LIN2001). Essencialmente, ele afirma que os recursos disponíveis de um indivíduo pode ser definida como não apenas aqueles que possuemindividualmente, mas também aqueles que são capazes de mobilizar através de relações sociais. O capital social é efetivamente uma teoriaapreciando 'não é o que você sabe, mas quem você conhece e constrói sobre o que Granovetter (1973) descreveu como aforça dos laços fracos. Isto indica que os recursos acessados através de laços fracos será mais valioso do que aqueles acessadosatravés de conexões relacionais mais fortes. A explicação dada para isso foi que os laços fortes foram desenvolvidos entreindivíduos semelhantes que, por definição teria contatos similares, de modo que teria acesso a recursos semelhantes.Sumatra Ghoshal representa uma figura central no estabelecimento do capital social como um constructo válido dentro pesquisa em administração. Com Nahapiet, Ghoshal (1998) propôs um modelo de capital social constituído por uma série deelementos para explicar os comportamentos tanto micro e macro-nível de indivíduos e grupos. O modelo quebrou o conceitoem três elementos principais: cognitiva, estrutural e relacional. A dimensão estrutural do capital social diz respeito aorede de relações como um todo e inclui aspectos como a força dos laços, a posição dentro da redee a extensão da rede (ibid). A dimensão relacional reflete as raízes das relações como confiança,respeito e boa vontade (ibid). Finalmente, a dimensão cognitiva facilita o entendimento comum e permite sensorialfazendo com base em elementos como objetivos compartilhados, normas e uma linguagem comum (ibid). Dentro deste pedaço específicodo trabalho, o modelo foi usado para explicar como o capital social poderia constituir a base de uma vantagem competitiva, promover a criação de capital intelectual. Este modelo tridimensional de capital social foi, então, empiricamentetestado dentro de uma empresa multi-unidade para mostrar seu efeito sobre a inovação de produto (Tsai e Ghoshal, 1998).Embora os destaques acima que a função primária da teoria do capital social era para fornecer informações sobreacesso a recursos valiosos, ele também pode representar um mecanismo de controle e ajudar a explicar como as comunidadescomporte-se. Capital relacional na forma de confiança desenvolvida através das trocas repetidas de recursos entreactores (Adler e Kwon 2002) pode fornecer um mecanismo de controlo, limitando comportamento oportunista, que podereduzir a necessidade de acordos contratuais formais. Além disso, a confiança é importante quando as atividades de negócios*Autor correspondente. Email: lixrlm1@nottingham.ac.uk ISSN 0020-7543 impressão / ISSN 1366-588X on-lineß 2012 Taylor & Francishttp://dx.doi.org/10.1080/00207543.2011.617395http://www.tandfonline.com Página 2 -se pode ser ambíguo e contratos não pode definir de forma eficaz os termos de um acordo, por exemplocolaboração em desenvolvimento de novos produtos (Fey e Birkinshaw 2005).Outro meio pelo qual o capital social pode atuar como um mecanismo de controle foi destacada por Robertson et al. (2003) na obra identidade social, o que sugere que o comportamento de um indivíduo depende da nomeadamenteidentidade que eles promulgar. As normas de uma comunidade moldar essas identidades e controlar os comportamentos dos indivíduos em7082  RL Matthews e PE Marzec  09/09/2016 TF-TPRS120234 7081..7099https://translate.googleusercontent.com/translate_f 2/15 tornando-os que estão em conformidade com identidade. Isto é conhecido como capital cognitivo, o que pode ajudar a explicar comocomunidades comportar. Um entendimento comum através de experiências compartilhadas, tais como actividades de formação de pessoal (Ouchi1979) pode significar que aqueles dentro do sistema irá reagir de forma semelhante a um dado estímulo. Combinando com relacionalaspectos, isso pode torná-lo mais fácil de acessar recursos dentro do grupo em vez de procurar mais amplamente para encontrar maisrecursos apropriados (Bresnen et al.,  2005). Casciaro e Lobo (2005) coloquialmente prazo este fenômeno comoacessam 'tolos adoráveis e não empurrões competentes ». Na mitigação isso, Adler e Kwon (2002), afirmou oimportância de ter uma mistura de laços fortes para permitir uma sensação de 'comunidade' e fracos laços com mais facilidadeaceitar novas informações e novos membros.Usando uma abordagem de revisão sistemática da literatura, o restante deste documento identifica áreas específicas deliteratura de gestão de operações que estão adotando o conceito de capital social e como ele está sendo empregado. oseção seguinte apresenta a metodologia utilizada e uma análise dos resultados quantitativos da sistemáticaavaliação. Secções 3 e 4 fornecem um relato descritivo dos temas derivados desta avaliação e detalhes uma série de papéis de gerenciamento de operações que usam o capital social. Seção 5 comentários como o conceito de capital social tem sidousado dentro de gerenciamento de operações e a sua utilidade para o campo. A seção final propõe orientações para o futuro pesquisa, fornece um modelo conceitual e descreve o valor desta pesquisa pode oferecer. 2. Metodologia O método utilizado neste estudo foi uma revisão sistemática da literatura sobre o uso do capital social dentro operaçõesgestão. Tranfield et ai.  (2003) fornece uma metodologia sistemática revisão da literatura e destaca o valor oferecido pela abordagem. Ambos Macpherson e Holt (2007) e Thorpe et al.  (2005) empregou a adaptar o presentemetodologia e forneceu a base para a abordagem utilizada neste estudo. A Tabela 1 a seguir, resume a processo seguido neste estudo e os resultados em cada fase.O ponto de partida para a revisão foi identificar as revistas de gestão de operações a serem incluídos no estudo.A fim de incluir uma gama de disciplinas dentro de gerenciamento de operações e para reportar somente na pesquisa de uma altade qualidade, de três e quatro estrelas revistas de gerenciamento de operações foram selecionados a partir da Associação de NegóciosEscolas guia ranking do jornal (www.the-abs.org.uk). A Tabela 2 lista os jornais, a sua classificação e o banco de dados usados para o estudo. Embora apenas à procura de três e quatro estrelas revistas limitado a amplitude da pesquisa, significou a pesquisas eram mais facilmente replicável, o que ajuda a reduzir preocupações com a confiabilidade do estudo. Além disso, oabordagem adoptada no Macpherson e Holt (2007) e Thorpe et al.  (2005) foi pesquisar bancos de dados online (por exemplo, Ebsco), o que significava que não existia uma grande possibilidade de sobreposição de 'hits'. Pesquisando por revistas, como nesteestudo, significava que se sobrepõem não ocorreu. Todos os trabalhos até e incluindo 2009 foram incluídos na literaturaavaliação.O segundo passo foi identificar o termo (s) de pesquisa e de procurar as revistas acima identificados. Consistente comas abordagens de Thorpe et al.  (2005) e Macpherson e Holt (2007), os títulos, resumos e palavras-chave foram procurou o único termo exato do capital social . No entanto, devido ao tamanho do campo, apenas sete foram papéisretornado, e assim o texto completo também foi pesquisado. Um total de 73 estudos foram posteriormente devolvidas, eo número de papéis extraídos de cada revista estão listados na Tabela 2.A terceira etapa foi para filtrar quaisquer referências irrelevantes para o capital social, na sequência de Thorpe et al.  (2005) eMacPherson e metodologia de Holt (2007), resultando num total de 34 papéis de ser removido. Cinco trabalhos foramremovida porque o capital social foi referenciado na biografia ou referências, como parte de um comentário editorial ou numrevisão de literatura (por exemplo, Ketchen e Hult 2007b). Nove artigos foram removidos porque a sua referência para o desenvolvimento socialo capital não estava relacionado com o argumento central do papel, por exemplo Craighead et al.  (2009). Finalmente, 20 artigos foramremovida porque o capital social foi usada indiretamente, tais como o uso de capital relacional para adquirir conhecimento tácito(Li et al.  2008) ou a importância da confiança na partilha de conhecimento (Cheng et al.  2008). Isto resultou numa selecção de39 papéis que contribuíram para a formulação dos temas e do conteúdo da revisão da literatura. resumos deos papéis que contribuem para a revisão da literatura pode ser encontrada no Apêndice. página 3 Tabela 1. Resumo do processo de avaliação sistemática e resultados (adaptado a partir de Thorpe et al.,  2005).O primeiro estágio estágio dois terceira fase estágio quatro estágio cincoIdentificar  banco de dadosIdentificar termos de pesquisae citação pesquisasanálise da exclusão Identificar utilização deCapital socialCategorias resultantecitações em temas  principais resultados principais resultados principais resultados principais resultadosprincipais resultados Bancos de dados (8)Revistas (11)Citações encontradas (73)Biografia (1)Editorial (2)Revisão da literatura (2)Alheios (9)Indirecta (20)Total removido (34)Tema central (12)Explicativa (15)Relacionados (11)Supply chain management (SCM) (21)Desenvolvimento de novos produtos (NPD) (7)Gerenciamento de projetos (PM) (3)Alianças estratégicas (SA) (4)A melhoria contínua (IC) (1)Gestão da qualidade (QM) (3)Recursos humanos (RH) (2) Networking (1)Terceirização (2)Pesquisa Journal(73 citações) Exclusãoanálise(39citations)Centraltema(12citations)que apoiatema(26citations)Identificar revistastemas menores- HR - Trabalho voluntário- Empreendedorismotemas principais- QM- CI- PM- NPD- SCM  Revista Internacional de Pesquisa de Produção  7083  09/09/2016 TF-TPRS120234 7081..7099https://translate.googleusercontent.com/translate_f 3/15 A quarta etapa identificada como o conceito de capital social foi usado nos restantes 39 papéis. Considerandoque o objectivo desta revisão foi para explorar como a construção está sendo usado dentro do campo da gestão de operações,inteiros os papéis foram pesquisados para referência ao capital social. Comparado ao analisar apenas os títulos, resumos e palavras-chave, os papéis foram identificados que não só utilizar o capital social como um tema central, mas também o fizeram em um suportecaminho. Isto proporcionou uma compreensão mais profunda de como o conceito é usado em vez de acessos apenas cega de relatórios(por exemplo, Lee 2009). Novamente, isto foi consistente com o objectivo da pesquisa serem convergir a nossa compreensãodo uso da teoria do capital social no gerenciamento de operações. Consequentemente, esses papéis que amplamente utilizado-chave termos de capital social (estrutural, relacional e cognitiva) foram classificados como tendo o capital social como uma centralTabela 2. ABS revistas de gerenciamento de operações.Diário classificação ABS bases de dados usadas Papéis  Journal of Operations Management   4 ScienceDirect 23  Produção e Gestão de Operações  3 Wiley Interscience 0  International Journal of Economics Production  3 ScienceDirect 9  International Journal of Operations e Gestão de Produção  3 Esmeralda 19 Supply Chain Management: An International Journal   3 Esmeralda 11  Engenharia de Confiabilidade e Segurança do Sistema  3 Science Direct 2  Manufatura e Operações de Serviços de Gestão  3 Ebsco 0  IEEE Transactions on Engineering Management   3 Ebsco 3  Journal of Scheduling   3 Wiley Interscience 0  Revista Internacional de Pesquisa de Produção  3 Informaworld 6  Planejamento e Controle da Produção  3 Ebsco 0 Número total de papéis 73 page 4 tema , que rendeu um total de 13 artigos. Os trabalhos restantes foram categorizados como «ligado», onde Socialcapital foi explicitamente referido e utilizado para explicar as conclusões ou utilizados para apoiar um argumento teórico (paraexemplo, Mellat-Parast e Digman 2008), ou explicativa , em que o capital social foi referido indirectamente atravésAs referências a artigos à base de capital social; por exemplo, Wisner et al.  (2005) não usar explicitamente o capital social,no entanto, eles se referiam a Nunn (2002) trabalhar sobre o uso de voluntariado para construir o capital social.Seguindo Macpherson e Holt (2007), a quinta e última etapa foi rever os 39 artigos para determinar ouso temático do capital social. A selecção das operações livros de gestão foram revisados para determinar a principaltópicos dentro gestão de operações, como resumido na Tabela 3. Foram então atribuídos O tema (s) em cada papel,observando que houve ocasiões em que mais de um tópico foi referenciado; nestes casos, os itens foram listados emambos os temas. A partir dos nove temas identificados pelos livros (como indicado com um asterisco, *), seis tópicos representaram35 dos papéis. Para além destes temas, mais uma gestão de quatro não-operações temas específicos foramidentificadas a partir dos documentos (conforme indicado com um, ^), ou seja, alianças estratégicas, terceirização, trabalho voluntário eempreendedorismo. Dadas as semelhanças entre alianças estratégicas, terceirização, redes e cadeia de suprimentosgestão, estes foram agregados a um único tópico em nossa discussão. Consequentemente, quatro grandes temas (qualidadegestão, gerenciamento de projetos, desenvolvimento de novos produtos e Supply Chain Management) e três menorestemas (HR, trabalho voluntário e empreendedorismo) foram obtidos a partir da literatura; estes são apresentados na Tabela 3, juntamente com o número de vezes que cada tema foi referido nos jornais. Análise descritiva 3. tema Minor Tabela 3. Identificação Tema e comparação.grandes temas tópicos menoresSCM * SA ^ Net * OS ^ NPD * PM * QM * PD * Tech * AP * HR * Ent ^ Vol ^Dilworth (1996) 1 1 1 1 1Hayes et al.  (2005) 1 1 1 1Heizer e Render (1993) 1 1 1 1Hopeman (1980) 1 1 1 1 Nahmias (2004) 1 1 1 1Slack et al.  (2003) 1 1 1 1Greasley (2006) 1 1 1 1Hill (1995) 1 1 1Fogarty et al.  (1991) 1 1 1Waters (1999) 1 1 1 1Schroeder (1993) 1 1 1Martinich (1996) 1 1 1Os tempos totais citados em livros5 0 1 0 1 9 10 7 3 3 6 0 0 No. vezes citado em jornais 20 4 1 1 7 3 2 0 0 0 2 1 1* Tópico identificados em livros de gestão de operações; ^ tópico adicional identificada em papéis.QM gestão da qualidade ¼, PM ¼ de gerenciamento de projeto, HR ¼ de recursos humanos, SCM ¼ gestão da cadeia de fornecimento, PD ¼ plantadesign, tecnologia ¼ tecnologia, AP ¼ planejamento agregado, Net ¼ redes, NPD ¼ desenvolvimento de novos produtos, SA ¼ estratégicaalianças, OS ¼ outsourcing, Ent ¼ empreendedorismo, Vol ¼ trabalho voluntário.7084  RL Matthews e PE Marzec  09/09/2016 TF-TPRS120234 7081..7099https://translate.googleusercontent.com/translate_f 4/15 3.1  Recursos HumanosKoulikoff-Souviron e Harrison (2008) considerou como práticas de recursos humanos podem ser utilizados parainstitucionalizar relações de fornecimento interdependentes. Este estudo, embora indirectamente, refere-se aos três dimensões deo capital social sugerido por Nahapiet e Ghoshal (1998). Em primeiro lugar, o alinhamento das práticas de RH reduzida a probabilidade de fornecedores que agem de forma oportunista e ajudou a desenvolver a confiança entre empresas, um fator nadimensão relacional do capital social. Em segundo lugar, os autores observam a influência de aspectos formais e informais de umrelacionamento com o fornecedor, que dizem respeito à dimensão estrutural do capital social. Finalmente, as práticas de RH também foram page 5 indicado como ajudar a desenvolver aspectos cognitivos, como resultado de mecanismos de controlo regulamentar sendo menos eficaz. DentroConcluindo, os autores sugeriram que as empresas eram mais capazes de transferir conhecimento através organizacionallimites dado este fundamento de práticas de recursos humanos, uma noção consistente com Tsai e Ghoshal (1998).Além disso, o documento representa uma tentativa pró-ativa para desenvolver o capital social dentro de um grupo de empresas.Alternativamente, esta abordagem tem sido empregada em um ambiente de grupo, onde as medidas de desempenho baseadas em grupoafetam o comportamento do trabalhador (Singer et al.  2008). Baseando-se de pesquisa que destaca o capital social como uma valiosarecurso (Mosey e Wright 2007), este trabalho se concentra em variáveis que suportam o seu desenvolvimento. Dandogerentes de orientação sobre a forma de gerir o capital social, os seus potenciais aspectos negativos podem ser gerenciados (Edelman et al. 2004). 3.2  O trabalho voluntárioOs aspectos humanos das modernas técnicas de fabricação são muitas vezes esquecido, que as pequenas e Yasin (1997)sugerem pode levar a grandes dificuldades na implementação de novas abordagens avançadas. Para resolver isso, a investigação tem procurou maneiras de aumentar a motivação dos trabalhadores no âmbito dos sistemas que podem de outra forma ser visto como a redução do criativoentradas de trabalhadores (de Tréville e Antonakis 2006). Isso efetivamente construído em cima (1992) obra de Quinn delineando ovalor associado com os trabalhadores que não foram totalmente motivados pelo pagamento. Embora incidindo sobre não-for-profitorganizações, Wisner et al.  (2005) investigaram como o projeto serviço poderia promover a satisfação das voluntáriastrabalhadores. Com satisfação estar relacionado a quanto tempo eles vão permanecer ou mesmo o quanto eles doam para a empresa, estetem implicações significativas para organizações não-lucrativas. Embora relativamente indireta, a referência feita aoo capital social foi significativo como resultado do voluntariado representa um importante meio de construção de capital social(Putnam, 1995). Ao empregar esse tipo de pesquisa em 'para lucro' organizações, pode promover o desenvolvimento de um sentidode comunidade, permitindo uma acção colectiva mais eficaz (Nahapiet e Ghoshal, 1998). Importante, em relação aosoutros tópicos de gerenciamento de operações, tais idéias também podem promover um contexto organizacional positivo, permitindoinovação (Narasimhan et al.,  2006) e melhoria contínua de apoio (Anand et al.  2009). 3.3  EmpreendedorismoA partir das discussões acima, é importante observar a relação entre os recursos humanos e do empreendedorismo.Recursos humanos pode ser considerado uma base de capacidades dinâmicas (Eisenhardt e Martin 2000), com as empresasque possuí-las, estando intensamente empresarial (Teece 2007). Além disso, um contexto organizacional adequado énecessárias para apoiar as atividades empresariais dos funcionários, garantindo que eles são capazes de identificar e perseguir oportunidades, sem temer o fracasso (O'Reilly III e Tushman de 2008). Em termos de utilização directa do capital social naempreendedorismo, MacPherson e Holt (2007) delinear o capital social como uma avenida importante para futuras pesquisasdentro do campo de crescimento das pequenas empresas. Mosey e Wright (2007) ajudou a resolver esta questão, ligando capital social paramelhorou o desempenho de arranque quando comparado com o capital humano do fundador. O capital social de forma eficaz permite que os empresários para acessar recursos de forma mais eficaz, o que é crucial nos estágios iniciais de uma start-up. Derelatar o papel dos empreendedores corporativos na renovação estratégica de empresas maduras, Jones (2005) destacou arelativamente fortes conexões teóricas e empíricas entre empreendedorismo, melhoria das operações eCapital social. O capital social foi empregado como uma teoria central do trabalho para ajudar a explicar como corporativaempresários são capazes de identificar oportunidades e explorar falhas estruturais dentro da organização. Em primeiro lugar, socialcapital foi utilizado para destacar a necessidade de trazer pessoas de fora para reduzir a inércia relacional negativo que pode acumular-seao longo do tempo. Em segundo lugar, ele foi usado para explicar como o senso de comunidade ajudou a desenvolver interpretações compartilhadas do problemas enfrentados por uma organização. Ao fazer isso, ele tornou possível para aqueles dentro da organização para ser mais eficazmobilizada para buscar novas oportunidadesEstes três temas menores representam aspectos interessantes de capital social dentro do contexto de operações pesquisa em administração. No entanto, cada um desses papéis poderia ser publicado nos outros campos de pesquisa de gestão porque os principais tópicos não foram fundamentais para a gestão de operações. A próxima seção considera os tópicos restantesabrangidos pela pesquisa do capital social no gerenciamento de operações. Como resultado do maior número de artigos, ummais revisão crítica é possível.  Revista Internacional de Pesquisa de Produção  7085 page 6 Análise descritiva 4. tema principal Gestão de operações é uma matéria eminentemente prático, orientado para a produção de pesquisa que é de valor para7086  RL Matthews e PE Marzec

Carton

Aug 1, 2017

Istoria zincarii

Aug 1, 2017
Search
Similar documents
View more...
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks