Slides

Os francos, imp. carolingio

Description
1. Os Francos 2. ã No ano de 476 o Império Romano do Ocidente chegou ao fim. Em seu lugar encontramos a partir de então diversos Reinos Bárbaros. É verdade que…
Categories
Published
of 89
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. Os Francos
  • 2. • No ano de 476 o Império Romano do Ocidente chegou ao fim. Em seu lugar encontramos a partir de então diversos Reinos Bárbaros. É verdade que esses reinos não surgiram ao mesmo tempo; desde o século III vários povos bárbaros ocuparam partes do território romano. Os reinos formaram-se lentamente e de maneira desigual.
  • 3. • O início da Idade Média é marcado pela queda do Império Romano em 476 d.C. A Era Medieval é dividida em Alta e Baixa Idade Média. A Alta Idade Média vai do século V ao século XI d.C., o período medieval inicia com o surgimento de diversos reinos no território do antigo império romano.
  • 4. Povos bárbaros invasores ao Império Romano: • Germanos: francos, visigodos, saxões e vândalos. • Eslavos: sérvios, russos e croatas. • Tártaros - Mongóis: turcos e húngaros.
  • 5. • Principais Reinos Bárbaros: • Reino dos Vândalos: Península Ibérica • Reino dos Ostrogodos: Península Itálica • Reino dos Anglo-Saxões: Inglaterra • Reino dos Francos: França e Alemanha
  • 6. O Reino dos Francos: • Os Francos eram tribos de origem germânica que habitavam a região onde hoje é a Alemanha. • Em busca de novas terras, os francos invadem a GÁLIA, atual França. • No século V, o rei Clóvis I unifica as tribos francas tornando-se seu primeiro rei.
  • 7. Clóvis I:
  • 8. • O primeiro rei merovíngio foi Clovis (neto de Meroveu), que governou durante vinte nove anos (482-511). Clovis conseguiu promover a unificação dos francos, expandiu seus domínios territoriais e converteu-se ao cristianismo católico.
  • 9. O batismo de Clóvis:
  • 10. • Depois da morte de Clovis, seus quatro filhos dividiram o reino franco, enfraquecendo-o politicamente. Somente com o rei Dagoberto (629-639) houve uma nova reunificação dos francos. Entretanto, após sua morte surgiram novas lutas internas que aceleraram o desmoronamento do poder dos reis merovíngios.
  • 11. • Os sucessores de Dagoberto tiveram seus poderes absorvidos por um alto funcionário da corte, o prefeito do palácio ou mordomo do paço (Major Domus) que, na prática, desempenhava o papel do verdadeiro rei. Quando aos reis merovíngios, assumiram uma vida de prazeres e de ociosidade, o que lhe valeu o título de reis indolentes.
  • 12. • No final do século VII, o mordomo do paço Pepino de Herstal (679-714) tornou seu cargo hereditário. Seu sucessor, Carlos Martel (714- 741), adquiriu grande prestígio e poder, principalmente depois de conseguir deter o avanço dos árabes muçulmanos em direção à Europa Ocidental.
  • 13. Pepino de Heristal:
  • 14. A Expansão Muçulmana:
  • 15. Carlos Martel:
  • 16. A batalha de Poitiers:
  • 17. • Foi na famosa Batalha de Poitiers, em 732 que Carlos Martel venceu o emir árabe Abderramã, contando com os esforços da infantaria dos francos. Interrompendo o avanço dos muçulmanos em direção à Europa, Carlos Martel ficou conhecido como o salvador da cristandade ocidental.
  • 18. • Em 751, Pepino destronou o último e enfraquecido rei merovíngio, Childerico III, e fundou a dinastia carolíngia. Ele expulsa os lombardos da Itália doando suas terras à Igreja Católica, esta se torna aliada dos Francos.
  • 19. • Pepino, o Breve, obteve o reconhecimento do papa Zacarias para o destronamento do último rei merovíngio, que se recolheu a um mosteiro. Eleito rei de todos os francos, Pepino foi abençoado solenemente pelo arcebispo Bonifácio, representante do papa.
  • 20. Childerico III:
  • 21. Pepino o Breve:
  • 22. • A importância do reinado de Pepino III, o breve, residiu no fato de reunificar os povos e territórios francos, consolidar a aliança com a Igreja Católica ao combater os lombardos na Itália e centralizar o poder.
  • 23. Carlos Magno:
  • 24. O Império Carolíngio: • Em 768, Carlos Magno, filho de Pepino, sobe ao trono dos francos. Carlos Magno Manteve a política expansionista iniciada pelo pai, assim como a aliança com a Igreja Católica. Derrotou os lombardos e os saxões e do lado oriental dominou a Baviera e submeteu todas as tribos germânicas ocidentais.
  • 25. • O império Franco não tinha capital fixa. Sua sede dependia do lugar onde se encontrava o imperador e sua corte. De modo geral, Carlos Magno permanecia por maior tempo na cidade de Aquisgrã (Aix-la-Chapelle).
  • 26. Palácio de Carlos Magno:
  • 27. • Procurando dar uma organização mais adequada aos usos e costumes vigentes no império, Carlos Magno baixou leis escritas conhecidas como capitulares.
  • 28. • Carlos Magno criou subdivisões administrativas, encarregando os condes, os marqueses e os missi-dominici de controlá- las.
  • 29. Condados:
  • 30. • Cabia aos condes, responsáveis pelos territórios do interior (condados), fazer cumprir as capitulares e cobrar os impostos em nome de Carlos Magno.
  • 31. • Aos marqueses, cabia defender e administrar os territórios situados nas fronteiras do império, isto é, as marcas.
  • 32. “Marcas” – Fronteiras:
  • 33. • Os missi-dominici, inspetores reais, viajavam por todo o império e tinham plenos poderes para controlar a ação dos administradores locais. Ou seja, eles deveriam verificar e avisar ao imperador sobre a cobrança dos impostos, aplicação das leis e etc.
  • 34. Missi Dominici:
  • 35. O Beneficium e os Vassalos do Rei
  • 36. • Durante o governo de Carlos Magno, muitas terras do império foram concedidas em beneficium a diversos nobres locais. Esses nobres tornavam-se, então, vassalos do rei, tendo para com ele dever de fidelidade. Por estarem na condição de vassalos diretos do rei, muitos desses nobres se recusavam a obedecer às instruções de autoridade administrativas, como os missi-dominici.
  • 37. • Essa atitude dos nobres foi um importante elemento para a formação da sociedade feudal, com fragmentação do poder nas mãos de diversos nobres senhores de terra, unidos apenas pelos laços de vassalagem.
  • 38. O Renascimento Carolíngio: • Guerreiro audacioso, Carlos Magno dedicou- se, durante toda a vida, muito à espada do que ao cultivo do espírito, permanecendo analfabeto praticamente até a idade adulta. Entretanto, na qualidade de administrador, preocupou-se em promover o desenvolvimento cultural de seu Império.
  • 39. • Assessorado por intelectuais, como o monge Alcuíno, o bibliotecário Leidrade e os historiadores Paulo Diácomo e Eginardo, Carlos Magno abriu escolas e mosteiros, estimulou a tradução e a cópia de manuscritos antigos e protegeu artistas.
  • 40. • Carlos Magno preocupou-se em preservar a cultura greco-romana, investiu na construção de escolas, criou um novo sistema monetário e estimulou o desenvolvimento das artes.
  • 41. Educação:
  • 42. • Na área educacional, o monge inglês Alcuíno foi o responsável pelo desenvolvimento do projeto escolar de Carlos Magno. A manutenção dos conhecimentos clássicos (gregos e romanos) tornou-se o objetivo principal desta reforma educacional. As escolas funcionavam junto aos mosteiros, aos bispados ou às cortes . Nestas escolas eram ensinadas as sete artes liberais: aritmética, geometria, astronomia, música, gramática, retórica e dialética.
  • 43. Monge Alcuíno:
  • 44. • A arte sofreu uma grande influência das culturas grega, romana e bizantina. Destacam- se a construção de palácios e igrejas
  • 45. • As iluminuras (livros pequenos com muitas ilustrações, com detalhes em dourado)
  • 46. Iluminuras:
  • 47. • e os relicários (recipientes decorados para guardar relíquias sagradas) também marcaram este período.
  • 48. Relicário:
  • 49. Medalhão:
  • 50. Coroação de Carlos Magno: • No ano de 800, um importante fato histórico representou o poder de Carlos Magno. Aproximou-se da Igreja Católica e foi coroado imperador, do Sacro Império Romano- Germânico, pelo papa Leão III. Ele foi um defensor da fé cristã e a espalhou pelas terras dominadas.
  • 51. Coroa de Carlos Magno:
  • 52. A Espada de Carlos Magno:
  • 53. O Império Carolíngio:
  • 54. Principais regiões conquistadas por Carlos Magno: • - Conquista da Germânia em 772. - Conquista da Pavia em 774. - Anexação do Ducado de Friuli (Itália). - Conquista das Ilhas Baleares em 779. - Conquista do Ducado de Spoleto na Itália em 780. - Tomada da cidade de Barcelona em 801.-
  • 55. A Divisão e a Decadência do Império: • Ao morrer, em 814, Carlos Magno deixou o poder imperial para seu filho Luís I, o Piedoso, No reinado de Luís I, o Império Carolíngio ainda conseguiu manter sua unidade política, mas após sua morte, em 840, o império foi disputado por seus filhos, numa desgastante guerra civil.
  • 56. Luís o Piedoso:
  • 57. • Pelo Tratado de Verdun, assinado em 843, os filhos de Luís I firmaram a paz, estabelecendo a seguinte divisão do Império Franco: • Carlos II, o Calvo, ficou com a parte ocidental, compreendendo a região da França atual;
  • 58. Carlos, o Calvo:
  • 59. • Luís, o Germânico, ficou com a parte oriental, compreendendo a região da Alemanha atual;
  • 60. Luís, o Germânico:
  • 61. • Lotário ficou com a parte central, compreendendo regiões que estendiam da Itália até o mar do Norte.
  • 62. Lotário I:
  • 63. O Tratado de Verdún:
  • Mr.

    May 4, 2018
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks
    SAVE OUR EARTH

    We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

    More details...

    Sign Now!

    We are very appreciated for your Prompt Action!

    x