History

Os incentivos nas escolas

Description
Os incentivos nas escolas José Mata Faculdade de Economia, Universidade Nova de Lisboa As diferentes intervenções dos intervenientes nesta mesa redonda mostram que diferentes membros da comunidade educativa
Categories
Published
of 12
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
Os incentivos nas escolas José Mata Faculdade de Economia, Universidade Nova de Lisboa As diferentes intervenções dos intervenientes nesta mesa redonda mostram que diferentes membros da comunidade educativa têm diferentes interesses que, legitimamente, aspiram a ver satisfeitos. Pais, professores e empregadores expressaram preocupações com a falta de motivação e referências que são patentes nos alunos que abandonam o sistema de ensino, com a necessidade de os pais serem ouvidos pelas escolas na resolução dos problemas que se põem e com a importância do reconhecimento do bom desempenho dos professores. O sistema educativo tem, porém, outros participantes e estes têm interesses mais diversos. Durante outras sessões da Conferência ouvimos, por exemplo, a Ministra da Educação expressar a preocupação de evitar o clientelismo na contratação dos professores e presidentes dos conselhos executivos preocupados com a relação com as autarquias. Não tivemos a participação de alunos ou de representantes de Autarquias, mas é provável que, se esta participação tivesse ocorrido, tivessem sido expressas outras preocupações. Mas toda esta diversidade ainda não reflecte toda a variedade de interesses dos participantes no sistema. Cada grupo de participantes tem uma diversidade maior do que a que está aqui representada. Os presidentes dos conselhos executivos que aqui estiveram provêm de escolas especiais, 1 seleccionadas por serem exemplos de boas práticas. Os membros da mesa redonda a que acabamos de assistir foram convidadas porque a organização da Conferência pensou que o que teriam a dizer seria suficientemente interessante para esta audiência e mostraram antecipadamente que são pessoas suficientemente interessadas no tema ao terem aceite o convite. Nem todas as escolas são tão boas, nem todos os pais, professores e empregadores têm tanto empenho no bom funcionamento do sistema. O ensino público pré-escolar, básico e secundário é frequentado por mais de um milhão e trezentos mil alunos e emprega mais de pessoas em mais de 12 mil estabelecimentos. Todo este conjunto de pessoas é inevitavelmente heterogéneo e inclui necessariamente pessoas menos especiais, menos imbuídas do espírito de missão que nas palavras do comentador de uma das sessões caracteriza a acção dos dirigentes das escolas cujas experiências aqui foram apresentadas. O sistema educativo precisa certamente das pessoas especiais. Contudo, tem que estar preparado para lidar também com pessoas menos especiais e levá-las a juntar esforços para contribuir para uma causa comum. A gestão de uma instituição com uma tal dimensão põe, inevitavelmente, formidáveis problemas de organização, que não são menores do que os que encontram as instituições do sector privado, que só muito raramente (em organizações de grande dimensão internacional) empregam tantas pessoas ou estão repartidas por tantos estabelecimentos. E, no entanto, a maioria destas organizações já há muito tempo aprendeu que não é possível gerir eficientemente as suas unidades e seus colaboradores sem a atribuição de um considerável grau de autonomia a essas unidades. Aprendeu também que essa autonomia só funciona bem se existir um bom sistema de 2 avaliação de desempenho que se traduza em recompensas para os elementos mais notáveis. A minha discussão do tema que me foi proposto Incentivos nas escolas, será feita à luz das razões que levam as organizações do sector privado a adoptarem estruturas com elevado grau de autonomia, mas também com sistemas de incentivos. Ilustrarei a discussão com exemplos que, espero, mostrem que os argumentos gerais se aplicam perfeitamente ao ensino básico e secundário. A essência do argumento que gostaria de deixar é que não é possível discutir incentivos sem discutir autonomia e avaliação e que a extensão com que cada uma destas dimensões pode ser aplicada depende da extensão de aplicação das outras e condiciona essa mesma aplicação. Delegação de autoridade As instituições privadas não delegam a autoridade para tomar decisões por qualquer preferência ideológica, nem por uma vontade intrínseca nem desinteressada de que os seus membros participem nas decisões. Numa organização eficiente, a autoridade de decisão é atribuída ao nível que está na posse de melhor informação para a decisão em causa e que tem, portanto, melhores possibilidades de tomar uma boa decisão. Diferentes decisões necessitam de tipos de informação diferentes, o que leva a que diferentes decisões sejam delegadas em diferentes níveis dentro da organização. A definição e implementação dos programas é um bom exemplo para ilustrar esta ideia no contexto das escolas de ensino secundário. Para elaborar um programa adequado é necessária informação sobre o estado do 3 conhecimento na disciplina, é importante saber que conhecimentos virão a ser necessários em níveis de ensino mais avançado, e é útil saber o que se ensina noutras escolas e noutros países. É mais fácil recolher este tipo de informação de forma centralizada, o que sugere que o Ministério da Educação deverá ter algum papel na elaboração dos programas ou, pelo menos, das linhas programáticas. Já o estabelecimento da sequência das matérias, estratégias de ensino, etc. necessita de informação sobre as características específicas da escola, da comunidade em que está inserida, da turma e do aluno, o que sugere que a decisão deve ser descentralizada e deixada a cada escola uma margem considerável na definição destas estratégias. Mas para que surjam boas decisões não basta dar a autoridade a quem tem melhor informação. Para que as decisões sejam tomadas tendo em mente o melhor interesse de quem delega essa autoridade é preciso saber: 1 Que objectivos se deve procurar alcançar e até que ponto esses objectivos são atingidos? 2 - Como levar a que as pessoas (que têm outros interesses) tenham em conta os objectivos da sociedade (ou de quem delega a autoridade) na tomada de decisão? Avaliação e definição de objectivos Sendo a avaliação das escolas o objecto de outra sessão desta conferência, não me vou aqui debruçar sobre ele. Quero apenas mencionar um aspecto que não tenho visto referido nas discussões que tem havido sobre este tema e que pode condicionar a eficácia de um processo de avaliação que se 4 destine a alimentar um sistema de incentivos: a definição prévia dos objectivos que as escolas devem procurar alcançar. Não é nada evidente quais devem ser estes objectivos. Deve haver um único objectivo geral? Qual deve ser? Ensino de qualidade? Evitar o insucesso e o abandono? Deve procurar-se promover as competências técnicas, as competências de resolução de problemas, as competências relacionais e sociais? Havendo conflito entre objectivos, como arbitrar? Que peso deve ser dado a cada objectivo? Estas perguntas não têm resposta óbvia, mas o que parece óbvio é que quanto mais explícitos forem os objectivos, mais consistente pode ser o processo de avaliação e melhor guia terá cada interveniente para a sua actuação. Como promover o cumprimento dos objectivos? O ponto de partida para a questão que dá nome a esta secção é a ideia de que os interesses das pessoas não são os mesmos dos das instituições. Esta não parece ser uma ideia muito controversa. Uma decisão recente do Ministério de Educação sugere que os professores (ou pelo menos alguns) preferem ir menos à escola do que aquilo que o Ministério desejaria e que a escola dá menos apoio aos alunos do que o que seria desejável. Confrontado com este problema o Ministério de Educação determinou que, para além das suas horas lectivas, todos os professores devem estar na escola uma determinado número de horas e que uma certa parte dessas horas deve ser ocupada a dar aulas de apoio ou de substituição. 5 A dificuldade desta solução Um problema de uma solução deste tipo, ou de forma mais geral de soluções baseadas em regras impostas às pessoas é que, com este tipo de regras, dar apoio é algo que o professor faz contrariado. Com regras deste tipo, a avaliação só pode ser a medição do grau de cumprimento da regra, e a fertilidade da imaginação humana facilmente encontra formas de contornar as regras. (Por cada pessoa que está a pensar em que regras estabelecer, há vários milhares a pensar como ultrapassar as regras). A consequência é que, uma vez que comece a ser claro que foi descoberta a forma de ultrapassar a regra original, é preciso fazer mais regras o que desencadeia novo esforço de imaginação. E é claro que é mais fácil obrigar a que as pessoas estejam presentes do que a que estejam empenhadas Regras que são bem intencionadas podem ter efeitos perversos. Uma regra que diga que os alunos não podem ser reprovados sem que anteriormente tenham sido propostos para aulas de apoio tem o objectivo meritório não só de de evitar reprovações inesperadas, como também o de levar a acções correctivas do problema e não à simples reprovação. Mas, se essas aulas de apoio forem dadas pelos próprios professores, significando para eles mais trabalho, a regra facilmente pode levar a piores resultados do que a reprovação inesperada. Pode acontecer que em vez de os alunos que não estão em condições de transitar de ano serem propostos para apoio, lhes vá sendo permitida a transição sem que estejam em condições objectivas de o fazer e sem que essa informação lhes seja dada ou aos seus encarregados de educação. 6 Este tipo de regras tem um problema essencial. Dizem respeito aos inputs e não aos resultados. O apoio aos alunos não é um objectivo em si mesmo deve ser um meio para promover um melhor sucesso educativo. Uma solução alternativa Para levar à obtenção desses resultados tem muito mais potencial uma solução assente num sistema de avaliação dos resultados e num sistema de recompensas baseadas nessa avaliação. Avaliar o apoio dado por cada professor e recompensar os professores que dão mais (e melhor) apoio ou, melhor ainda, avaliar os progressos realizados na aprendizagem e recompensar as escolas e os professores com melhores resultados tem um maior potencial de produzir bons resultados, porque procura que dar (bom) apoio seja no interesse do professor. Uma das consequências de um sistema baseado em regras é que, uma vez que estas detalham o que se deve fazer, são difíceis de adaptar a situações concretas. Como consequência, com regras o sistema tolera menos diversidade e há menos espaço para a delegação de autoridade. Com incentivos, explicita-se o que se procura obter, deixando à iniciativa e imaginação de cada interveniente as formas de o alcançar nas situações concretas com que se defronta. Outra consequência de um sistema no qual os incentivos estão ausentes é que a gestão das escolas não é obrigada a exercer a autoridade que lhe for delegada. Por exemplo, a distribuição de serviço docente está atribuída à escola, mas em algumas escolas a respectiva gestão demite-se de fazer uma efectiva distribuição. Em vez de a distribuição ser baseada numa análise da 7 adequação dos professores aos níveis de ensino e às turmas, existem escolas em que os professores escolhem o seu serviço por uma sequência baseada na mesma ordenação que hipoteticamente serviria para as suas colocações se eles se candidatassem. Para a gestão é mais fácil dizer que outro alguém definiu desta forma. Na ausência de incentivos para que sejam tomadas as decisões correctas, é menos provável que a autonomia, mesmo que exista na lei, se venha a exercer na prática. Que incentivos? Escolas e professores A forma mais óbvia e mais comum de incentivos são recompensas materiais individuais, na forma de prémios anuais e aumentos salariais maiores para aqueles cujo desempenho é melhor. Para que tenham um papel de incentivo, estes prémios devem ser discriminadores, isto é, devem ser significativamente diferentes para os elementos com desempenhos diferentes, sendo claro que a avaliação do desempenho tem que garantir que existe diferenciação nas classificações. Isto não exclui, contudo, prémios destinados a equipas nos casos em que o desempenho depende de forma crítica da acção colectiva. Por outro lado, não obstante a importância de que o reconhecimento do bom desempenho tenha uma tradução material, há muito que o sector privado reconheceu que o sucesso destes incentivos materiais aumenta se forem acompanhados de incentivos morais, de reconhecimento público desse bom desempenho, que tem uma das suas formas mais populares na divulgação do empregado do mês. Em algumas escolas nomeadamente de ensino superior já hoje os estudantes votam no melhor professor do ano, 8 tendo o nome dos eleitos uma ampla divulgação pública. O mesmo tipo de reconhecimento está presente na divulgação do mérito dos alunos que é feita nos quadros de valor e excelência. Alunos e pais A motivação de alunos, pais, empregadores e autarquias tem cambiantes distintos da de professores e membros de órgãos de gestão das escolas. Na sua essência, contudo, responde ao mesmo princípio de tentar alinhar os interesses dos grupos em causa com o interesse da sociedade. Se se quer que os alunos estudem e se esforcem para conseguir progressos na sua aprendizagem é útil usar quadros de valor e excelência para reconhecer o bom nível de desempenho (ou os progressos obtidos). Se se quer promover a participação em actividades circum-escolares, é conveniente pensar em formas de dar créditos por essa participação. Se se quer interessar pais na actividade da escola é importante que os pais percebam que a sua participação é valorizada e que as suas preocupações e sugestões são tidas em conta. Por outro lado, para interessar alunos e pais na educação é útil combater uma ideia falsa, mas muito divulgada entre nós de que a educação tem pouco valor no mercado de trabalho e que o excesso de qualificações é um óbice à obtenção de emprego. A divulgação generalizada de informação sobre os ganhos salariais associados a cada nível de ensino, sobre a redução da duração dos períodos de desemprego dos indivíduos mais qualificados pode, ao mostrar a dimensão das vantagens da educação, contribuir para interessar alunos e pais no sucesso educativo, alinhando os seus interesses com os interesses da sociedade. Ao contrário das sugestões anteriores, em 9 que é natural que sejam da iniciativa das escolas, esta necessita de informação que é mais facilmente obtida de forma centralizada e que, à luz do argumento anteriormente avançado, deve ser promovida de forma centralizada. O Ministério da Educação seria uma instituição óbvia para desempenhar este papel, mas uma instituição da sociedade civil poderia igualmente fazê-lo. Empregadores e autarquias Empregadores e autarquias têm uma relação mais distante com a escola, mas também relativamente a eles a pergunta que se deve fazer é O que a escola pretende deles? De que forma é que pode ser do interesse deles proporcionar essa colaboração? As autarquias tenderão mais facilmente a colaborar com a escola se pensarem que a sua acção pode melhorar a escola, que essa melhoria pode levar a uma população mais satisfeita e que essa satisfação se irá mais tarde traduzir em votos. A concorrência nas aplicações alternativas para aplicação dos recursos autárquicos sugere que é importante que a autarquia perceba que o que lhe é pedido vai ser bem aplicado. Os empregadores poderão ter interesse em ter uma população com uma preparação mais adequada às suas necessidades. A sua participação tenderá a ser maior em meios mais pequenos, onde não só o sentido de pertença à comunidade é maior, mas onde seja mais fácil beneficiar da colaboração que prestam. 10 Reflexões finais Três ideias sobre Autonomia, Avaliação e Incentivos No nosso país temos discutido bastante a Autonomia, começámos a discutir Avaliação, mas quase não discutimos Incentivos. E no entanto, estes três tópicos estão claramente interligados, estando o sucesso na aplicação de cada um destes elementos dependente do sucesso da aplicação dos dois outros. As três ideias seguintes espelham essa interdependência. I Os incentivos procuram levar a que as pessoas ajam no sentido a contribuir para que os objectivos da instituição sejam realizados. Só faz sentido falar de incentivos se existir autoridade para tomar decisões. Se as escolas não tiverem autonomia para contratar docentes, a avaliação dos resultados e a atribuição de prémios à acção da escola deve tentar expurgar esses resultados do efeito da qualidade dos docentes de que a escola não é responsável. O mesmo se poderia dizer da qualidade dos alunos que ingressam na escola. II Para que os incentivos possam levar a decisões que contribuam para a realização dos objectivos da instituição é importante conhecer esses objectivos e avaliar o efeito das decisões sobre medidas do grau de consecução desses objectivos. Quanto maior for a qualidade de um sistema de definição de objectivos e de avaliação de desempenho maior pode ser a eficácia de um sistema de incentivos. 11 III Quanto mais eficazes forem os sistemas de definição de objectivos, de avaliação de desempenho e de incentivos, melhores serão as decisões tomadas. Quanto mais o sistema levar à tomada das decisões certas, maior pode ser o âmbito da delegação de autoridade. No sistema como o actual existe receio de que a contratação de docentes por parte da escola possa levar a clientelismos. Num sistema em que quem toma as decisões de contratação tiver interesse em tomar boas decisões, os riscos de clientelismo serão menores e será mais fácil considerar a delegação desse tipo de autoridade. Os incentivos são indispensáveis? Como vimos durante esta conferência, mesmo com um sistema de governação muito imperfeito, existem claros casos de sucesso no nosso ensino. São casos em que a visão, a dedicação e a preserverança das pessoas envolvidas consegue ultrapassar os obstáculos que o sistema coloca a quem procura alcançar resolver os problemas com que se depara, e que leva a quase conferir o estatuto de herói aos seus promotores. A ausência de incentivos não impede que surjam casos de sucesso, mas certamente não estimula o seu aparecimento. Mais do que a promoção do reconhecimento de que quem obtém sucessos merece o estatuto de herói, um sistema de governação do sistema educativo deveria promover o aparecimento de casos de sucesso e a qualidade do nosso ensino. Um sistema de incentivos cuidadosamente desenhado pode contribuir decisivamente para este objectivo. 12
Search
Similar documents
View more...
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x