Documents

Para Além Do Capital e de Sua Lógica Destrutiva

Description
Para Além Do Capital e de Sua Lógica Destrutiva
Categories
Published
of 3
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  Para além do capital e de sua lógicadestrutiva   Enquanto escrevia sua última obra, a Ontologia do ser social, Lukács anunciou que gostaria deretomar o projeto de Marx e escrever O capital dos nossos dias. Esse projeto significaria investigar o mundo contemporneo, a l!gica que o preside, os elementos novos de sua processualidade, objetivando com isso fa er, no último quartel do s#culo $$, uma atuali a%&o dos nexos categoriais presentes em O capital. Lukács c'egou a indicar seus lineamentos gerais, mas nunca p(de iniciar essa empreitada. )oi outro fil!sofo marxista, o 'úngaro *stván M#s áros, grande colaborador de Lukács, que se se lan%ou a esse desafio monumental e certamente coletivo.+adicado na niversidade de -ussex, na *nglaterra, onde # rofessor Emeritus, M#s áros já 'avia publicado obras de grande proje%&o intelectual, de que podemos destacar / teria marxista da aliena%&o 012345, )ilosofia, ideologia e ci6ncias sociais 012785 e O poder da ideologia 012725, entre vários outros livros, publicados em vários pa9ses do mundo.ara al#m do capital tornou:se, no entanto, o seu livro de maior envergadura e se configura como uma das mais agudas reflex;es cr9ticas sobre o capital em suas formas, engrenagens e mecanismos de funcionamento sociometab!lico, condensando mais de duas d#cadas de intenso trabal'o intelectual. M#s áros empreende uma demolidora cr9tica do capital e reali auma das mais instigantes, provocativas e densas reflex;es sobre a sociabilidade contempornea e a l!gica que a preside.<omo um dos eixos centrais de sua interpreta%&o particular do fen(meno, M#s áros considera capital e capitalismo como fen(menos distintos. / identifica%&o conceitual entre ambos fe com que todas as experi6ncias revolucionárias vivenciadas no s#culo passado, desde a +evolu%&o +ussa at# as tentativas mais recentes de constitui%&o societal socialista, se revelassem incapacitadas para superar o =sistema de sociometabolismo do capital>, isto #, o complexo caracteri ado pela divis&o 'ieráquica do trabal'o, que subordina suas fun%;es vitaisao capital. O capital antecede ao capitalismo e # a ele tamb#m posterior. O capitalismo, por sua ve , # uma das formas poss9veis de reali a%&o do capital, uma de suas variantes 'ist!ricas, como ocorre na fase caracteri ada pela subsun%&o real do trabal'o ao capital. /ssim como existia capital antes da generali a%&o do sistema produtor de mercadorias, do mesmo modo pode:se presenciar a continuidade do capital ap!s o capitalismo, pela constitui%&o daquilo que M#s áros denomina como =sistema de capital p!s:capitalista>, que teve vig6ncia na +-- e demais pa9ses do Leste Europeu, durante várias d#cadas do s#culo $$.Estes pa9ses, embora tivessem uma configura%&o p!s:capitalista, foram incapa es de romper com o sistema de sociometabolismo do capital.O capital #, portanto, um sistema poderoso e abrangente, tendo seu núcleo constitutivo formado pelo trip# capital, trabal'o e Estado, sendo que estas tr6s dimens;es fundamentais s&o materialmente constitu9das e inter:relacionadas, sendo imposs9vel supera:lo sem a elimina%&o do conjunto dos elementos que compreende esse sistema. -endo um sistema que n&o tem limites para a sua expans&o 0ao contrário dos modos de organi a%&o societal anteriores, que buscavam em alguma medida o atendimento das necessidades sociais5, o sistema de sociometabolismo do capital torná:se no limite incontrolável. )racassaram, na busca de controlá:lo, tanto as inúmeras tentativas efetivadas pela social:democracia, quanto a alternativa de tipo sovi#tico, uma ve que ambas acabaram seguindo o que M#s áros denomina de lin'a de menor resist6ncia do capital.M#s áros demonstra como essa l!gica incontrolável torna o sistema do capital essencialmentedestrutivo. Essa tend6ncia, que se acentuou no capitalismo contemporneo, leva o autor a  desenvolver a tese, central em sua análise, da taxa de utili a%&o decrescente do valor de uso das coisas. O capital n&o trata valor de uso e valor de troca como separados, mas de um modoque subordina radicalmente o primeiro ao último. O que significa que uma mercadoria pode variar de um extremo a outro, isto #, desde ter seu valor de uso reali ado, num extremo da escala, at# jamais ser usada, no outro extremo, sem por isso deixar de ter, para o capital, a sua utilidade expansionista e reprodutiva. E esta tend6ncia decrescente do valor de uso das mercadorias, ao redu ir sua vida útil e desse modo agili ar o ciclo reprodutivo, tem se constitu9do num dos principais mecanismos pelo qual o capital vem atingindo seu incomensurável crescimento ao longo da 'ist!ria.E quanto mais aumentam a competitividade e concorr6ncia intercapitais, mais nefastas s&o suas conseq?6ncias, das quais duas s&o particularmente graves@ a destrui%&o eAou precari a%&o, sem paralelos em toda a era moderna, da for%a 'umana que trabal'a e a degrada%&o crescente do meio ambiente, na rela%&o metab!lica entre 'omem, tecnologia e nature a, condu ida pela l!gica societal subordinada aos parmetros do capital e do sistema produtor de mercadorias.Expansionista, destrutivo e, no limite, incontrolável, o capital assume cada ve mais a forma de uma crise end6mica, cr(nica e permanente, com a irresolubilidade de sua crise estrutural fa endo emergir, na sua lin'a de tend6ncia já vis9vel, o espectro da destrui%&o global da 'umanidade, sendo que a única forma de evitá:la # colocar em pauta a atualidade 'ist!rica da alternativa societal socialista. Os epis!dios ocorridos em 11 de setembro e seus desdobramentos s&o exemplares dessa tend6ncia destrutiva.Emerge aqui outro conjunto central de teses na obra de M#s áros, com forte significado pol9tico@ a ruptura radical com o sistema de sociometabolismo do capital 0e n&o somente com o capitalismo5 #, por sua pr!pria nature a, global e universal, sendo imposs9vel sua efetiva%&ono mbito da tese do socialismo num s! pa9s. /l#m disso, como a l!gica do capital estrutura seu sociometabolismo e seu sistema de controle no mbito extraparlamentar, qualquer tentativa de superar este sistema que se restrinja B esfera institucional está impossibilitada de derrotá:lo. -! um vasto movimento de massas radical e extraparlamentar pode ser capa de destruir o sistema de dom9nio social do capital. <onseq?entemente, o processo de auto:emancipa%&o do trabal'o n&o pode restringir:se ao mbito da pol9tica. *sto porque o Estado moderno # entendido por M#s áros como uma estrutura pol9tica compreensiva de mando do capital, um pr#:requisito para a convers&o do capital num sistema dotado de viabilidade para a sua reprodu%&o, expressando um momento constitutivo da pr!pria materialidade do capital.-olda:se, ent&o, um nexo fundamental@ o Estado moderno # inconceb9vel sem o capital, que #o seu real fundamento, e o capital, por sua ve , precisa do Estado como seu complemento necessário. / cr9tica B pol9tica e ao Estado desdobra:se em cr9tica aos sindicatos e aos partidos, colocando o grande desafio de forjar novas formas de atua%&o capa es de articular intimamente as lutas sociais, eliminando a separa%&o entre a%&o econ(mica e a%&o pol9tico:parlamentar.ode:se discordar de muitas de suas teses, quer pelo seu caráter contundente, quer pela sua enorme amplitude, abrang6ncia e mesmo ambi%&o C que por certo gerar&o muita controv#rsia e pol6mica. Mas esse livro, já publicado em diversos pa9ses, #, neste in9cio de s#culo, o desen'o cr9tico e anal9tico mais ousado contra o capital e suas formas de controle social, nummomento em que aparecem vários sintomas de retomada de um pensamento vigoroso e radical. / s9ntese de M#s áros, inspirada decisivamente em Marx, mas tributária tamb#m de Lukács e da radicalidade cr9tica de +osa Luxemburgo, resulta num trabal'o srcinal, indispensável, que devassa o passado recente e o nosso presente, oferecendo um manancial de ferramentas para aqueles que est&o ol'ando para o futuro. ara al#m do capital.  _________ Sobre o autor:  István Mészáros  é um renomado filósofo húngaro que colaborou diretamente com Luckács junto à Universidade de Budaeste nos anos que antecederam à interven! o soviética na #ungria$ em %&'() *osteriormente$ radicou+se na ,nglaterra$ junto à Universidade de -usse.$ onde aosentou+se recentemente) -ua rodu! o é vasta e significativa$ tendo vários livros ublicados em diversas l/nguas e também em esanhol e em ortugu0s1  Aspectos de la historia y la consciencia de clase $ U234$ 4é.ico$ %&567 La teoria de la enajenación en Marx  $ 8diciones 8ra$ 4é.ico$ %&597 Marx: A Teoria da Alienação,  %&9%7 El pensamiento y la obra de Georg L! cs $ 8ditorial :ontanamara$ Barcelona$ %&9%7  A necessidade do controle social  $ %&957 #rodção destrti$a e estado capitalista $ ;adernos 8nsaio$ - o *aulo$ %&9&7  A obra de %artre: &sca da Liberdade $ %&&%7 'iloso(ia, ideologia e ci)ncia social  $ %&&67 * poder da ideologia $ %&&()  

Resolução

Aug 2, 2017

deshidrogenasas-

Aug 2, 2017
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks