Documents

4 a Importancia Do Plantao Psicologico Na Delegacia de Defesa Da Mulher

Description
a Importancia Do Plantao Psicologico Na Delegacia de Defesa Da Mulher
Categories
Published
of 3
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
    A IMPORTÂNCIA DO PLANTÃO PSICOLÓGICO NA DELEGACIA DE DEFESA DA MULHER   1 Maria Angélica Gonçalves da Silva, Faculdade da Alta Paulista. 2  Eloisa Rodrigues Rondon, Faculdade da Alta Paulista. 3  Alexander Rodrigues Cardoso, Faculdade da Alta Paulista. 4 Karen Daiane Murakami, Faculdade da Alta Paulista. 5  Angra Carla Matos, Faculdade da Alta Paulista. 6 Deborah Karolina Perez, Faculdade da Alta Paulista. O presente trabalho refere-se ao estágio de Formação de Psicólogo II da Faculdade da Alta Paulista FAP/Tupã-SP que é desenvolvido na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Tupã e de Bastos, com prática de plantão psicológico em acolhimento às vítimas de violência doméstica e aos agressores. Nesse ínterim, consideramos que: “A violência contra mulher foi reconhe cida como violação dos direitos humanos no Brasil, após a ratificação da convenção interamericana para  prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher em 27/11/1995”. (BRASIL, 2004, apud   SILVA, 2013, p. 31),   ou seja, tal violência fere a dignidade e limita o exercício de apoio jurídico destes direitos, além de manifestar a relação de poder desigual entre homem e mulheres. Alguns aspectos importantes nas superações de desigualdade é a visibilidade do fenômeno, bem como, ações de prevenção, medidas punitivas, apoio jurídico e psicológico às mulheres e suas famílias. A Lei 1 Maria Angélica Gonçalves da Silva, Faculdade da Alta Paulista, maria.angelica-gs@hotmail.com.   2 Eloisa Rodrigues Rondon, Faculdade da Alta Paulista, aleanjoster@gmail.com.   3  Alexander Rodrigues Cardoso, Faculdade da Alta Paulista, eloisa.rondon@hotmail.com.   4 Karen Daiane Murakami, Faculdade da Alta Paulista, murakami_karen@hotmail.com.   5  Angra Carla Matos, Faculdade da Alta Paulista, angra_carla@hotmail.com.   6 Deborah Karolina Perez, Mestre e graduada em Psicologia pela UNESP/Assis, docente do curso de Psicologia da Faculdade da Alta Paulista - FAP, deborahkarolina@yahoo.com.br.      Maria da Penha trouxe a possibilidade de se instaurar medidas mais rigorosas aos agressores, não havendo mais a possibilidade de julgamento da violência de gênero, como crime de menor potencial ofensivo, cujas punições correspondem ao pagamento de cestas básicas ou ao cumprimento de serviços comunitários. Nas Delegacias de Defesa da Mulher se faz essencial o atendimento psicológico às vítimas de violência, este se configura em acolhimento e orientação, uma vez que as vítimas sentem de maneira ambígua a relação com seus agressores. Ao realizar a denúncia, as vítimas geralmente não têm intenção de se separar ou punir o companheiro e/ou agressor, mas acreditam que através da ação da justiça poderão acabar com a violência na relação. De maneira geral, a vítima só precisa desabafar com alguém que possa ouvi-la, entendê-la, sem qualquer tipo de preconceito ou  julgamento. Nesse sentido, o processo de escuta e acolhimento faz com que algumas mulheres reflitam sobre a sua situação e às vezes façam Boletim de Ocorrência contra seus parceiros, relatando estarem mais seguras para enfrentar tal situação. Os plantões psicológicos realizados pelos estagiários de psicologia assumem o caráter de acolhimento, funcionando como um espaço propício à elaboração da experiência de violência vivenciada pela mulher. Este tem como objetivo auxiliar a mulher a enfrentar os conflitos vividos numa relação de violência doméstica. O suporte psicológico poderá propiciar o esclarecimento sobre seu contexto familiar, promovendo uma nova significação do conflito, proporcionando um conforto emocional, rompendo o modelo institucionalizado totalitário, para uma visão de um indivíduo que se constitui a partir de suas relações, de sua história pessoal, de seu meio social, político e econômico. No caso, podemos potencializa-los para que se tornem agentes transformadores, capazes de construir estratégias que modifiquem seu cotidiano, suas relações e sua capacidade de decidir sobre novas situações no ambiente familiar e social, promovendo desta forma saúde dentro destes. Essa prática psicológica ainda não possui muita visibilidade nas instituições de âmbito jurídico, pois no caso da Delegacia de Defesa da Mulher o atendimento realizado não é voltado para a humanização. Quando o psicólogo entra nesse ambiente o que se espera dele é uma atuação “clí nica ” , na qual a psicologia fica    presa a uma imagem individualista do sujeito e não vê sua totalidade. Com o acolhimento, a psicologia se abre, e cria um espaço para que o profissional possa escutar e orientar as vítimas e agressores de maneira que tenham um apoio em relação à seus problemas de ordem familiar que incluam violência, o que não é realizado pelos funcionários desse setor público específico, levando-nos a pensar que possivelmente a vivência institucional lhes tenha impossibilitado a reflexão de suas práticas. Palavras-chave:  Delegacia de Defesa da Mulher; Plantão Psicológico; Violência Doméstica; Referências Bibliográficas SILVA, F. A. B. da; ( et. al. ) “E m briga de marido e mulher  ”, A P sicologia mete a colher: Limites e possibilidades de enfrentamento junto à Delegacia de Defesa da Mulher  . s/n. GONÇALVES, F. R.; TEIXEIRA, C. M. O fazer psicológico dentro das instituições que assistem as mulheres vítimas de violência . Barbacena - MG: UNIPAC. s/n. SANTOS, M. A. C. dos; PALMA, M. C. Aconselhamento Psicológico  –  Plantão Psicológico: no enfrentamento da violência doméstica. s/n. 2001. OKABE, I.; FONSECA, R. M. G. S. da.Violência contra a mulher: contribuições e limitações do sistema de informações. Rev. Esc. Enferm.  USP, p. 453-458. 2009. SILVA, H. R. Discussão sobre as legislações e políticas públicas voltadas ao enfrentamento da violência contra a mulher e a prevenção da saúde das trabalhadoras. Brasília, 2013.
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks