Documents

A Arte No Brasil Colonial 7 Ano

Description
Arte no Brasil Colonial
Categories
Published
of 8
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
   A arte no Brasil colonial Para ouvir a música, aperte o play.   To listen to music, press play. Para escuchar a jugar prensa musical.   Um Musik zu hören, drücken Sie spielen.   Pour écouter jouer de la musique de presse.   Per ascoltare la musica, premere play.   A arte diz o indizível, exprime o inexprimível e traduz o intraduzível . Leonardo da Vinci   Toda a arte desenvolvida no Brasil colonial só foi possível por causa das ocupações, explorações e pela colonização, as terras de cá passaram de “paraíso terrestre” para “terra do demônio”, mas a coroa lusa tinha que se fazer presente, pois demandava um novo projeto mercantil que desse conta da logística de fazer a mais importante de suas colônias darem certo. O Brasil apresentava todas as condições para que essa empreitada desse certo, diferente do restante das colônias espalhadas pelo mundo todo. Aqui as explorações estavam voltadas para a exploração açucareira e mineral. Mandavam produtos in natura e recebia produtos manufaturados da metrópole, inicialmente os índios eram utilizados como mão de obra. Os novos habitantes “brasileiros” compunham a classe de portugueses nobres, aventureiros, degredados, clérigos, cristãos novos que fugiam da inquisição. A colônia brasileira havia se tornado o novo “eldorado” como ocorria nas colônias espanholas latinas.   O nordeste brasileiro do século XVI havia se tornado o novo celeiro para as artes, representadas inicialmente pelas casas e capelas ornamentadas com cruzes trabalhadas e entalhadas em madeira brasileira, bem como as abóbodas, em talhas e barro, embora fossem bastante primitivas as técnicas. Nesse ínterim começava a conversão dos índios ao cristianismo, afinal a coroa portuguesa necessitava de novos fieis católicos que lhes devessem obediência, isso se fez presente através da catequese, misturando a cultura tupi para facilitar esse aprendizado.      Os jesuítas se inteiraram do cotidiano indígena e assim se faziam entender e ao mesmo tempo entendia-os, podendo posteriormente aplicar o seu catecismo, ensinando-lhes a importância do novo Deus, embutindo-lhes a idéia de bem e mal, deus e diabo, onde somente pela nova religião eles seriam salvos. As pinturas eram tidas como algo blasfemo para eles, e deveriam parar essa tradição, bem como não andarem mais nus, e comerem as pessoas em rituais antropofágicos; rapidamente a população indígena foi se adequando a esses aprendizados em menos de 200 anos. Mesmo trabalhando em nome da coroa lusa, os jesuítas contrariavam o uso da força bruta utilizado na mão de obra escrava. Em torno de 1557 o teatro foi introduzido no Brasil pelo padre José Anchieta através das artes dramáticas. Posteriormente vieram à musica, as danças indígenas, o artesanato graças aos engenhos açucareiros que se utilizavam de moveis, luminárias, tapetes, vasos, objetos de cozinha. Mas as artes que se destacavam eram a religiosa empregada nas igrejas através de suas esculturas, o colorido das imagens e santos se fazia presente o tempo todo, logo seria aberto espaços para as pinturas sacras e posteriormente para a música.   Todo tipo de construção dos quinhentos era feita com técnicas e materiais locais, onde as igrejas, capelas e colégios jesuítas faziam o uso de barro cozido e pedras colocadas para erguerem os prédios, complementava ainda essa massa restos de conchas e esqueletos misturados como óleo de baleia para reforçar a estrutura das paredes. Embora essas construções fossem feitas por muitos artistas de renome, grande parte delas foram destruídas no período das guerras contra os holandeses. A arquitetura brasileira da época era representava diferentes fases da arquitetura européia, destacando-se a pintura, ourivesaria portuguesa influenciada pela arquitetura  espanhola, francesa e italiana.Todas as construções feitas no século XVII eram simples, mas ostentava um gosto apurado em seus detalhes, posterior a ocupação holandesa, isso ficou evidenciou-se nos templos e monumentos que substituiriam as igrejas iniciais, apesar de algumas ainda conservarem suas características em seu interior por causa da riqueza de suas pinturas e esculturas.   Nos conventos franciscanos imperava a arquitetura religiosa dos jesuítas por causa de sua riqueza barroca caracterizada por arcadas dispostas por espaços livres e pelas paredes revestidas de azulejos. A presença religiosa sempre foi forte e se destacava pelos escultores beneditinos, mas o mudou esse cenário foi à vinda de Mauricio de Nassau e sua comitiva de pintores para cá. A maioria desses pintores era judia, portanto não obedeceriam ao padrão católico de pinturas, podendo pintar temas tido como profanos pelos católicos, isso seria impensável em tempos de inquisição na Europa cristã.   Franz Prost e Albert Eckhout formam os mais notáveis a documentar as paisagens, costumes, tipos étnicos, a fauna e a flora, tudo isso através de desenhos e gravuras, com uma perspectiva romântica daquele período quando tudo girava em torna da visão religiosa. Com o progresso da mineração em MG, os latifúndios perderam espaço para a realidade aurífera, e a terra já não tinha a mesma importância de antes, nesse ínterim a colônia passaria a ser a maior produtora de ouro do mundo; novos tributos e formas de exploração foram criados, piorando a já situação existente.   O ouro, porém aumentaria o numero de comerciantes, empresários e artesãos; os músicos agora apareceriam com o destaque merecido interagindo com a aristocracia através de festas e saraus. Toda essa prosperidade estreitou os laços de amizade com a igreja, através das irmandades responsáveis pela introdução das praticas religiosas nos setecentos. Eram entidades ricas e cada uma procurava ostentar sua riqueza e “pomposidade” sobre a irmandade concorrente, quem sairia ganhando era o patrimônio artístico da arquitetura barroca religiosa.    O progresso artístico dos segmentos na sociedade mineira serviram para aperfeiçoar ainda mais a srcinalidade expressiva da arte “verdadeiramente brasileira”, um desses exemplos foi Aleijadinho-Antonio Francisco Lisboa, onde imperava o barroco-rococó. Em seus trabalhos denotava-se a exuberância do ouro e das cores imortalizados no conjunto de obras expressivas caracterizadas pela arquitetura religiosa barroca.   Igreja de Mariana   Antes de sua expulsão, os jesuítas empenharam-se o máximo para desenvolver as faculdades artísticas, e delas foram criadas vilas, povoados, muitos colégios religiosos, missões, seminários onde se aprendia o latim, ler e escrever, além de filosofia e retórica. Dentre aos seminários, os que mais se destacaram foram os de Mariana (MG) e o de Olinda (PE), sendo eles as primeiras instituições do Brasil a ensinar o nível superior mesmo que não institucionalizado.   A arquitetura de Olinda destacava-se pela sua arquitetura religiosa, pois no interior de seus templos as esculturas brilhavam bem como a pintura no foro das igrejas, todas no estilo barroco-rococó; na Bahia José Joaquim da Rocha se destacou pela pintura do foro da igreja de N sa S ra da Conceição da Praia. João de Deus Sepúlveda deixaria suas marcas em Pernambuco, através de suas pinturas sacras a maioria feita nos tetos das igrejas; em Olinda mais precisamente no mosteiro de São Bento, o altar e a capela mor destacar-se-iam por todo o século XVIII.   As artes populares teriam como representação o lundu, uma espécie de ritmo descendente do fandango espanhol, sua coreografia era um escândalo para os padrões da época, sendo refutada pelas autoridades e bispos portugueses. Independente do ritmo, a musica sempre esteve presente nos acontecimentos culturais, nas igrejas e em festas sociais e militares. Era notória a presença de destaques brasileiros na arquitetura,
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks