Calendars

A CIDADE DE ANÁPOLIS E O MERCADO DE TRABALHO PARA O SOCIÓLOGO

Description
A CIDADE DE ANÁPOLIS E O MERCADO DE TRABALHO PARA O SOCIÓLOGO Dina Maria Miotto Este artigo resulta de uma pesquisa que investigou as possibilidades de mercado de trabalho para o sociólogo na região de
Categories
Published
of 10
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
A CIDADE DE ANÁPOLIS E O MERCADO DE TRABALHO PARA O SOCIÓLOGO Dina Maria Miotto Este artigo resulta de uma pesquisa que investigou as possibilidades de mercado de trabalho para o sociólogo na região de Anápolis, e contém uma avaliação do potencial do mercado de trabalho para este profissional. A Sociologia representa a ciência que faz a reflexão sobre as sociedades. A realidade social existe e como tal ela precisa ser analisada, compreendida, seja pela persistência das estruturas ou pelas transformações dessas mesmas estruturas. As novas exigências para o conhecimento da sociedade é a necessidade de implementação de pesquisas, que possibilitem o pleno conhecimento dessa sociedade e em consequência análises globais e setoriais sobre questões relevantes da vida social, política, econômica. No contexto de ajustamento do sistema econômico brasileiro a nível internacional, observado a partir da década de 90, há muitas razões para se acreditar que as empresas têm que redefinir suas estratégias e adequar sua política às novas condições de competição nacional e internacional, além de rever suas iniciativas em relação ao mercado, em relação à nova gestão interna e principalmente rever a cultura empresarial fundada em princípios e com predomínio tradicional e/ou arcaico dentro de hegemonias ultrapassadas. Observa-se agora que há necessidade urgente de novos padrões de gestão e planejamento a nível das empresas e a nível de mercado à qual estas empresas estão afetadas. Sendo a questão do planejamento, da produtividade funcional, da análise social global, elementos básicos característicos da moderna empresa (seja ela privada ou pública), se faz necessário um profissional que atenda a estas necessidades e cuja formação teórica e técnica o habilitem para a execução de tais programas. O sociólogo, portanto, tem sua função ligada a quatro (04) aspectos e/ou vertentes principais: a) Planejamento, projetos, pesquisas, análises a nível social. b) Planejamento, projetos, pesquisas, análises a nível socioeconômico; c) Planejamento, projetos, pesquisas, análises a nível sociopolítico; d) Assessoramento a nível: político, social. A fim de examinarmos o comportamento do mercado de trabalho sobre as áreas de competência do sociólogo, realizamos uma pesquisa na cidade de Anápolis, que tem características urbano-industrial, onde a absorção do sociólogo como profissional se faz possível. 34 O presente estudo tem por objetivo demonstrar a necessidade de atender de forma técnica os empresários da região, bem como o setor público, no sentido de melhor equacionarem seus recursos, projetos e obras. A amostra considerada foi do tipo amostra sistemática e circunscreveu-se no âmbito empresarial dos setores secundário e terciário, de médio e grande porte, variando em número de empregados entre 70 a 4.250, num total de 283 empresas pesquisadas. (Ver Quadro 1) A pesquisa foi feita junto a proprietários, diretores das empresas durante o período de Janeiro de 93 a julho de 93. Tomou-se o cuidado de incluir empresas com produções diferenciadas e prestadores de serviços e, diversos setores. Tendo inciado o projeto de pesquisa em julho de 1992, visou-se principalmente chegar a conclusões sobre a execução de trabalhos técnico-científico por parte de profissionais não qualificados para executá-los bem como demonstrar a capacidade do mercado para a absorção de sociólogos. Visa o presente estudo, também analisar a estrutura econômica e social da cidade, suas necessidade e aspirações técnico-profissionais em áreas afetadas ao trabalho do sociólogo. Quadro 1 Amostra Pesquisa efetuada entre janeiro a julho de 1993 junto a 283 empresas de médio e grande porte dos setores secundário e terciário da cidade de Anápolis. A amostra foi constituída pelo sistema de amostragem probalística sistemática, a partir das listagens atualizadas DA ACIA, IBGE, ESTATUTO ANUÁRIO DAS EMPRESAS O critério de constituição da amostra foi o de incluir empresas dentro das diversas atividades dos setores secundário e terciário, correspondendo ao seguinte perfil: Setor Secundário Total:120. Setor de Bebida e Alimentação: 32, setor de beneficiamento de cereais: 18, setor mecânica: 16, setor de cerâmica: 11, Setor de confecção: 09, setor metalúrgico: 08, setor eletro-eletrônica: 05, setor da construção civil: 04, setor de móveis: 04, setor de bebidas: 05, setor químico: 03, setor papel e celulose: 02, setor gráfico: 02, setor carnes e derivados: 01. Setor Terciário Total: 163 Empresas de prestação de serviços: 75, comércio varejista: 57, estabelecimento escolares: 25, empresas públicas: 06. A correspondência entre as características setoriais e sua distribuição, permite-nos considerar a amostra como representativa da área dos setores secundário e terciário da região urbana de Anápolis. 35 O MERCADO O mercado potencial para a atuação do sociólogo é amplo e de imensas potencialidades. A implantação de Brasília significou a síntese de processo bastante lento, visando a incorporação à nação de mais de dois terços de seu território, junto aos benefícios aos crescimento dos setores: primário, secundário, terciário, representados pela exploração das potencialidades de fornecimento de matérias-primas e em consequência sua transformação pelo setor secundário e consumo pelo setor terciário. O grande problema, tanto no que diz respeito ao nível de desenvolvimento e crescimento da região, como a construção de infraestrutura à fixação da população nas diversas regiões do Estado, vem sendo o da ausência de apoio técnico representado por planejadores, pesquisadores, analistas, para criar condições de elaboração de programas que satisfaçam estas exigências, o mesmo se dando em relação à redefinição das estratégias das empresas para adequarem suas políticas às novas condições de competição via mercado, a nível nacional e internacional. O sistema de apoio logístico não tem acompanhado as frentes de penetração, à medida que estas afastam dos grandes centros, bem como não se tem articulado a nível científico os programas de qualidade e produtividade retraindo assim os principais avanços no mercado em relação ao ajustamento do sistema econômico a nível internacional. Necessário se faz compreender que o ritmo de desenvolvimento intelectual/profissional de Anápolis hoje é uma realidade. Não se pode mais ficar no âmbito da dependência do processo de concentração intelectual no Brasil (região Sudeste) onde este processo de concentração tem impedido, ou, no mínimo, dificultando o acesso de profissionais fora destas regiões de atuação dentro do mercado de trabalho local. CARACTERIZAÇÃO DA CIDADE DE ANÁPOLIS Com uma extensão de 1263 km 2 o município de Anápolis situa-se na região Centro-Oeste, no Estado de Goiás e fica localizado entre a capital do Estado, Goiânia 43 km, e a capital do Brasil Brasília 163 km. O município tinha no ano de 1992, uma população estimada em habitantes, o que equivale a uma densidade média de 356,29 habitantes por km 2. Com estes índices populacionais a cidade necessita de profissionais qualificados para planejar o seu crescimento, além de dar apoio ao mercado em acentuada expansão, das empresas aqui implantadas e a se implantarem, fazendo com que através do apoio técnico proporcionado pelo sociólogo, a cidade possa ter padrões de urbanismo e urbanização compatíveis com as reais necessidades e aspirações de sua população. 36 No aspecto econômico a cidade de Anápolis apresenta os seguintes dados: - Número de estabelecimentos industriais: 1.080; - Número de estabelecimentos comerciais: 3.210; - Número de estabelecimentos ligados à prestação de serviços: 1.563; - Número de órgãos públicos estaduais e federais: 65. Não foram caracterizados outros aspectos econômicos por não serem objetivo do presente estudo. FONTE: IBGE ÁREA DE ESTUDO Para melhor sistematização d trabalho e maior aproveitamento das informações coletadas, dividiu-se o formulário para efeito de análise em (09) áreas de estudo em que, de cera forma, correspondem às secções do formulário, relacionadas abaixo: 1 Nome da empresa e/ou instituição; 2 Número de empregados; 3 Ramo principal da atividade econômica; 4 A empresa executa: 4.1 Projetos; 4.2 Pesquisas; 4.3 Análises Estatísticas; 4.4 Previsões sobre modificações e tendências do mercado a nível: local, estadual, federal. 5 Elaboração de planos de desenvolvimento dentro da esfera de ação de cada setor mencionado na item 4.4; 6 A empresa possui profissionais para prestar assessoria e consultoria a nível socioeconômico e sociopolítico; 7 A empresa possui profissionais para execução de planejamento, pesquisa, a nível de atividade da empresa; 8 Reconhecimento da lei que regulamenta a profissão do sociólogo. 37 Tendo iniciado o estudo em julho de 1992 e terminado em janeiro de 1994, visou-se principalmente chegar a conclusões científicas sobre a execução de trabalhos técnicos por parte de profissionais não qualificados, bem como demonstrar a capacidade do mercado para a absorção de sociólogos. ANÁLISE DOS DADOS EXECUÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ANÁLISES ESTATÍSTICAS A fim de examinarmos o comportamento das empresas referentes a trabalhos técnicocientíficos, foi confirmada a hipótese de que as empresas executam este tipo de trabalho. Nota-se que as empresas tiveram preocupação e necessidade de trabalhos ligados à área científica para melhor equacionar e direcionar sua política empresarial (pública ou privada). Sem dúvida, a concorrência, a pressão econômica, a competitividade fazem sentir de forma nítida a necessidade de planejamento nas empresas, seja como forma de aumentar o faturamento real, seja como forma de reorientar suas atitudes para competir em um mercado cada vez maior em nível de expansão. Aqui se vê claramente a relação produção/demanda. Embora as empresas tenham a preocupação de solucionar seus problemas a análise que se faz é que estes trabalhos são executados como meras tentativas de análises científicas, já que os empresários não mantêm, em seu quadro profissional, técnicos que possam elaborar e analisar cientificamente os dados colhidos. Outros, talvez por melhor conhecimento de que a elaboração, aplicação e análise de uma pesquisa exija profissionais com formação técnica e científica, não executam estes trabalhos por falta de pessoal qualificado. Tabelas 1 e 2. Tabela 1 EXECUÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS, ANÁLISES ESTATÍSTICAS (em %). TIPO DE TRABALHO EXECUTADO NAS EMPRESAS SECUND. TERC. Projetos Pesquisas Análises Estatísticas Tipos: Gráficos, mapas, tabelas Gráficos Gráficos e Tabelas Tabelas Mapas Gráficos e Mapas Tabela 2 EXECUÇÃO DE PROJETOS E PESQUISAS (em %). TIPO DE TRABALHO EXECUTADO NAS EMPRESAS SECUND. TERC. Não executam projetos e pesquisas Executam projetos e pesquisas Tipo: Pesquisa Social Pesquisa de Mercado Opinião Pública Produção Industrial Mercado de Trabalho Produtividade Industrial ELABORAÇÃO DE PLANOS DE DESENVOLVIMENTO DENTRO DA ESFERA DE AÇÃO DA EMPRESA E/OU INSTITUIÇÃO Para dimensionarmos melhor a área de atuação do sociólogo, questionamos os empresários sobre a elaboração de planos que visam a um melhor desempenho da empresa. Verificamos que as pressões do mercado e o rápido desenvolvimento e crescimento da cidade de Anápolis impõem uma política de elaboração de planos semestrais, contudo há uma certa improvisação na elaboração dos planos, na medida em que as estratégias não são concebidas como um processo que envolva todo o universo da empresa, incluindo aí aspectos culturais e de política organizacional, restringindo essas mudanças à área de produção da empresa e a aspectos técnicos, ou seja a análise se faz em termos micro e não em termos macro da atuação de profissionais para executarem trabalhos técnicos em áreas que na maioria das vezes lhe são pouco conhecidas. Tabela 3 Elaboração de planos de desenvolvimento dentro da esfera de ação da empresa ou instituição (em %). TIPOS DE PLANOS DE DESENVOLVIMENTO DENTRO DA ESFERA DE AÇÃO DA EMPRESA OU INSTITUIÇÃO SECUND. TERC. Não elaboram planos de desenvolvimento Elaboram planos de desenvolvimento Tipos de planos elaborados -Planos de atendimento escolar Plano de expansão industrial Plano para gerar tecnologia avançada Plano de atendimento social Plano de expansão comercial Programa de formação profissional Plano de treinamento de pessoal Plano de integração funcional Plano de educação sanitária Ainda no que diz respeito à elaboração de planos de desenvolvimento dentro da empresa, o que se verifica é que 5,7% dos empresários dos setores secundário e terciário não elaboram planos por falta de pessoal qualificado. Neste caso, os planos são elaborados fora da cidade de Anápolis, pelas matrizes das empresas ou se contratando firmas especializadas de Brasília e São Paulo para executarem este tipo de serviço técnico. MANUTENÇÃO DE ASSESSORAMENTO E CONSULTORIA SOCIOECONÔMICO E SOCIOPOLÍTICA Para reforçarmos a hipótese levantada sobre a invasão do espaço profissional na área de atuação de sociólogo podemos verificar o comportamento dos empresários, de não manterem assessores e consultores e quando os mantém são profissionais não habilitados para a execução destes serviços a nível social, socioeconômico e sociopolítico. A implementação de programas de qualidade, produtividade, expansão é uma iniciativa estritamente ligada à adoção de programas de emergências e não de médio e longo prazo e sua execução é feita por profissionais que não têm formação técnica para atender esta exigência. Estes profissionais constituem o resultado da improvisação para a execução e análise de programas voltados para áreas específicas e não são áreas de atuação desses profissionais. A ressalva se dá com os economistas, quando se trata de assessoria eminentemente econômica. Tabela 4 Manutenção e Consultoria sócio-econômica-política (em %). MANUTENÇÃO DE ASSESSORAMENTO E CONSULTORIA SÓCIO-ECONÔMICA-POLÍTICA SECUND. TERC. Não mantêm assessoramento e consultoria Mantêm assessoramento e consultoria A assessoria e consultoria são feitas pela matriz da empresa A assessoria e consultoria são feitas fora da cidade de Anápolis Tabela 5 Profissionais responsáveis pelo assessoramento e consultoria sócio-econômico-política (em %). PROFISSIONAIS RESPONSÁVEIS PELO ASSESSORAMENTO E CONSULTORIA SÓCIO- ECONÔMICO-POLÍTICA SECUND. ADVOGADO ECONOMISTA PROFESSOR (A) ENGENHEIRO MÉDICO CONTADOR AUXILIAR DE CONTABILIDADE TERC. Os dados considerados na tabela 5 representam um total de 39,1%, sendo que o setor secundário representa um total de 22,1% e o setor terciário um total de 17,0. O restante do nível percentual num total de 60,9% representa o dado referente a não manutenção de assessoria e consultoria ou mantém a assessoria e consultoria fora de Anápolis. Os dados apresentados comprovam que existem disparidades entre o que se propõe a executar e os profissionais encarregados da execução. Esta situação só será corrigida, na medida em que uma ação planejada e organizada se impuser, canalizando os critérios que norteiam trabalhos científicos e de cunho exclusivo da atuação de sociólogos. CONCLUSÃO Em uma sociedade pode-se encontrar uma variedade de forças motivadoras em sua maioria por uma vontade comum orientada para o presente. O objetivo deste estudo tem seus propósitos calcados numa orientação ou seja avaliar e demonstrar o potencial do mercado de trabalho para o sociólogo em Anápolis. Talvez o desconhecimento do potencial desta mão-de-obra, que já tem sua formação através do curso de Ciências Sociais Bacharelado da Faculdade de Filosofia Bernardo Sayão, seja um entrave para o reconhecimento deste profissional. Uma ação integrada entre a Faculdade de Filosofia Bernardo Sayão, o ex-alunos do curso, talvez pudesse resolver em parte o problema. 41 Uma ação programada alcançará o objetivo da valorização do homem e de seu trabalho. O sociólogo como profissional faculta às empresas um melhor aproveitamento de seus recursos, contribuindo para o progresso e melhoria do nível técnico-profissional das empresas em geral, corrigindo erros e evitando deturpações na execução de programa das empresas públicas e privadas de Anápolis e adjacências. Com a apresentação dos dados, chegamos à conclusão de que o estudo fornece material suficiente para que se chegue a algumas conclusões interessantes, merecendo citação, quais sejam: a) 100,0% das empresas e/ou instituições executam Projetos ou Pesquisas ou Análises Estatísticas; b) 83,8% executam pesquisas nos diversos setores e 16,2% não executam por falta de pessoal qualificado; c) 94,3% das empresas e/ou instituições elaboram planos de desenvolvimento setoriais e 5,7% não elaboram. d) 44,3% das empresas não mantêm assessoramento e consultoria, 40% mantêm assessoramento e consultoria e 15,7% mantêm assessoramento e consultoria fora de Anápolis. e) Os profissionais que executam os projetos, planos e pesquisas são ligados a áreas opostas de formação profissional que dão embasamento teórico para execução de programas de ação. f) As empresas de Anápolis necessitam de sociólogos para suprirem as deficiências nos setores de: planejamento, pesquisa, assessoria. Podemos concluir portanto, que ao não privilegiarem a contratação de sociólogos nas empresas, por falta de conhecimento desta mão-de-obra ou por desconfiança da mesma, os empresários de uma forma direta ou indireta estariam afastando a possibilidade de uma maior eficiência em suas empresas e possíveis estratégias de desenvolvimento e articulação sistemática de programas de ação, que beneficiaram de forma direta o complexo empresarial da cidade e de forma indireta seus habitantes. Há a necessidade dos empresários reavaliarem as suas estratégias gerais, com vista à concorrência cada vez maior dos produtos e serviços importados e de uma política econômica cada vez mais voltada para a concorrência com o mercado externo. BIBLIOGRAFIA RUAS, Roberto Efeitos da modernização sobre o Processo de Trabalho Porto Alegre Ed. Fundação de Economia e Estatística YUKI, Mauro Uma metodologia de Implantação de Técnicas e Filosofias de Gestão nas Empresas Brasileiras Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção UFSC Datilo MARCUSE, Herbert A Ideologia da Sociedade Industrial Rio de Janeiro Zahar Ed RUNCIMAN, W.G. Ciência Social e teoria política Rio de Janeiro Zahar Editores ARON, Raymond Dezoito lições sobre a sociedade industrial Ed. Martins Fontes São Paulo DAHRENDORF, Ralf As classes e seus conflitos na sociedade industrial Ed. UNB Brasília OLIVEIRA, Carlos Roberto História do Trabalho Ed. Ática HUMPHREY, J. Gender and work in the Third World Londres Tavistock FRIEDMANN, Georges e NAVILLE, Pierre Tratado de Sociologia do Trabalho Ed. Cultrix São Paulo
Search
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks