Documents

A Escravidão no Brasil.pdf

Description
ENSAIO HISTÓRICO-JURÍDICO-SOCIAL PARTE 2ª ÍNDIOS eBooksBrasil 1 A Escravidão no Brasil - Vol. II (1867) Agostinho Marques Perdigão Malheiro (1824 - 1881) Fonte digital Digitalização de edição em papel de 1867 Rio de Janeiro - Typografia Nacional - Rua da Guarda Velha 1867 Transcrição para eBook eBooksBrasil © 2008 Agostinho Marque
Categories
Published
of 242
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  ENSAIO HISTÓRICO-JURÍDICO-SOCIAL  PARTE 2ªÍNDIOS  eBooksBrasil 1  A Escravidão no Brasil - Vol. II (1867)Agostinho Marques Perdigão Malheiro (1824 -1881)Fonte digitalDigitalização de edição em papel de 1867Rio de Janeiro - Typografia Nacional - Rua daGuarda Velha1867 Transcrição para eBookeBooksBrasil© 2008 Agostinho Marques Perdigão Malheiro 2  Francisco de Paula Ferreira de Rezende,primo do Autor, nos dá este testemunho dossentimentos abolicionistas de Perdigão Malheiro:“(..) legítimo branco, neto defazendeiros e ele mesmo senhor deescravos, não duvidou, no entanto, emum tempo em que falar em aboliçãoera mais que um crime e era quase umsacrilégio, de escrever um livro que elemuito bem sabia não havia de tercompradores; e isto unicamente paraconvencer a quem não queria serconvencido, que a escravidão era amaior de todas as iniqüidades, fossequal fosse o ponto de vista debaixo doqual se a pudesse considerar.E como (..) era preciso queninguém pudesse duvidar da suaprópria sinceridade, ele que nãodispunha de uma muito grandefortuna, libertou a todos os seusescravos.” 3  O livro mencionado é o “A Escravidão noBrasil (Ensaio Histório-Jurídico-Social)”, em 3volumes, editados pela Tipografia Nacional, oprimeiro deles em 1866, ano em que PerdigãoMalheiro terminava sua gestão à testa doInstituto dos Advogados do Brasil.É o 2.° volume (Índios), de 1867, que oracoloco nas estantes virtuais eBooksBrasil. E oescolhi porque Perdigão Malheiro tem muito anos dizer hoje, como o tinha quando o escreveu,sobre questões sobre as quais ainda nãoencontramos a solução e com as quaiscontinuamos a nos debater.Espero que o eventual leitor entenda que,srcinado de uma fonte em cola e papel de 1867,em muitos pontos esvanecida pelo tempo, afidelidade ao original pode deixar muito adesejar. Mas lhe asseguro que estará lendoexatamente como li, com a ajuda, nos trechosmais esmaecidos, de lupa para poder, na medidado possível, precisar datas, distinguindo os 3 dos5, os 9 dos 0; tentando atualizar, no melhor domeu possível, para o português hoje corrente,para benefício das novas gerações.No futuro, talvez, os “órgãos competentes”,providos de mais recursos do que os meus,possam fazer circular uma edição digital maisfidedigna. Até lá, o leitor e eu teremos que nos 4
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks