Magazine

A escravidão no Brasil

Description
A escravidão no Brasil O navio negreiro- Castro Alvez Bem feliz quem ali pode nest hora Sentir deste painel a majestade! Embaixo — o mar em cima — o firmamento.…
Categories
Published
of 7
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
A escravidão no Brasil O navio negreiro- Castro Alvez Bem feliz quem ali pode nest hora Sentir deste painel a majestade! Embaixo — o mar em cima — o firmamento. . . E no mar e no céu — a imensidade! Oh! que doce harmonia traz-me a brisa! Que música suave ao longe soa! Meu Deus! como é sublime um canto ardente Pelas vagas sem fim boiando à toa! Homens do mar! ó rudes marinheiros, Tostados pelo sol dos quatro mundos! Crianças que a procela acalentara No berço destes pélagos profundos! Esperai! esperai! deixai que eu beba Esta selvagem, livre poesia Orquestra — é o mar, que ruge pela proa, E o vento, que nas cordas assobia. . . https://docs. google. com/document/d/1JhybP7NGRYDtiQgl8BcBPRXRmh4pyALUldJ7gy6pVps/edit?hl=pt BR&pli=1 O que foi a escravidão no Brasil: No Brasil, a escravidão teve início com a produção de açúcar na primeira metade do século XVI. Os portugueses traziam os negros africanos de suas colônias na África para utilizar como mão-de-obra escrava nos engenhos de açúcar do Nordeste. Os comerciantes de escravos portugueses vendiam os africanos como se fossem mercadorias aqui no Brasil. Os mais saudáveis chegavam a valer o dobro daqueles mais fracos ou velhos. O transporte era feito da África para o Brasil nos porões do navios negreiros. Amontoados, em condições desumanas, muitos morriam antes de chegar ao Brasil, sendo que os corpos eram lançados ao mar. Nas fazendas de açúcar ou nas minas de ouro (a partir do século XVIII), os escravos eram tratados da pior forma possível. Trabalhavam muito (de sol a sol), recebendo apenas trapos de roupa e uma alimentação de péssima qualidade. Passavam as noites nas senzalas (galpões escuros, úmidos e com pouca higiene) acorrentados para evitar fugas. Eram constantemente castigados fisicamente, sendo que o açoite era a punição mais comum no Brasil Colônia. Eram proibidos de praticar sua religião de origem africana ou de realizar suas festas e rituais africanos. Tinham que seguir a religião católica, imposta pelos senhores de engenho, adotar a língua portuguesa na comunicação. Mesmo com todas as imposições e restrições, não deixaram a cultura africana se apagar. Escondidos, realizavam seus rituais, praticavam suas festas, mantiveram suas representações artísticas e até desenvolveram uma forma de luta: a capoeira. As mulheres negras também sofreram muito com a escravidão, embora os senhores de engenho utilizassem esta mãode-obra, principalmente, para trabalhos domésticos. Cozinheiras, arrumadeiras e até mesmo amas de leite foram comuns naqueles tempos da colônia. No Século do Ouro (XVIII) alguns escravos conseguiam comprar sua liberdade após adquirirem a carta de alforria. Juntando alguns "trocados" durante toda a vida, conseguiam tornar-se livres. Porém, as poucas oportunidades e o preconceito da sociedades acabavam fechando as portas para estas pessoas. O negro também reagiu à escravidão, buscando uma vida digna. Foram comuns as revoltas nas fazendas em que grupos de escravos fugiam, formando nas florestas os famosos quilombos. Estes, eram comunidades bem organizadas, onde os integrantes viviam em liberdade, através de uma organização comunitária aos moldes do que existia na África. Nos quilombos, podiam praticar sua cultura, falar sua língua e exercer seus rituais religiosos. O mais famoso foi o Quilombo de Palmares, comandado por Zumbi. http://www. suapesquisa. com/historiadobrasil/escravid Formas de escravidão da atualidade: Nas letras da lei, a escravidão está extinta, porém, em muitos países, principalmente onde a democracia é frágil, há alguns tipos de escravidão, em que mulheres e meninas são capturadas para serem escravas domésticas ou ajudantes para diversos trabalhos. Há ainda o tráfico de mulheres para prostituição forçada, principalmente em regiões pobres da Rússia, Filipinas e Tailândia, dentre outros países. A expressão escravidão moderna possui sentido metafórico, pois não se trata mais de compra ou venda de pessoas. No entanto, os meios de comunicação em geral utilizam a expressão para designar aquelas relações de trabalho nas quais as pessoas são forçadas a exercer uma atividade contra sua vontade, sob ameaça, violência física e psicológica ou outras formas de intimidações. Muitas dessas formas de trabalho são acobertadas pela expressão trabalhos forçados, embora quase sempre impliquem o uso de violência. http://www. brasilescola. com/sociologia/escravidao-nos-dias-de-hoje. htm Como é tratado o negro hoje na sociedade: Alvo de intensos preconceitos no passado, o negro era tratado como objeto de trabalho, ou seja, não possuía mobilidade social nenhuma e ainda tinha que trabalhar sob ordens de ‘’seus donos’’. Assim, a palavra a ser usada é essa, ‘’seus donos’’, fazendeiros, que possuíam total direito sobre eles. Em 13 de maio de 1888, a princesa Isabel sancionou a Lei Áurea que aboliu oficialmente a escravidão no Brasil. Entretanto, apesar de ter abolido a escravidão o negro sofreu e ainda sofre com preconceito racial, às vezes de forma muito violenta simplesmente por possuir a cor negra. A sociedade, contudo, está se conscientizando de que é errado e crime a discriminação racial. Todavia, atualmente, a pessoa de cor negra ainda luta por um espaço social maior em todos os campos profissionais e sociais. Porém, ainda não correto é afirmar que o negro possui o mesmo status social que o branco, não enquanto houver preconceituosos na população. Não é a cor que determina a capacidade do ser humano, mas sim vontade e objetivo que cada um possui. Ainda hoje, o emprego é mais fácil de ser conquistado por um branco do que por um negro, mostrando, cada vez mais, o abismo do preconceito que ainda existe em nosso país. Apenas quando a Lei for levada mais a sério o negro poderá ser considerado na posição de mesmo status social do branco, o que era para ter acontecido há muito tempo, pois a cada dia que passa as pessoas veem o erro que cometem quando julgam uma pessoa pela cor. http://capaciteredacao. forum-livre. com/t214-hoje-nobrasil-o-negro-apresenta-o-mesmo-status-social-que-obranco

King kush weed

Sep 20, 2017
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks