Slides

A Ética - Espinosa

Description
1. 1   Baruch  Espinosa     ÉTICA       Parte  Primeira   DE  DEUS       Definições   1.  Por  causa  de  si  entendo  isso  cuja  essência…
Categories
Published
of 176
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. 1   Baruch  Espinosa     ÉTICA       Parte  Primeira   DE  DEUS       Definições   1.  Por  causa  de  si  entendo  isso  cuja  essência  envolve  existência,  ou  seja,1  isso  cuja   natureza  não  pode  ser  concebida  senão  existente.   2.   É   dita   finita   em   seu   gênero   essa   coisa   que   pode   ser   delimitada2   por   outra   de   mesma  natureza.  P.  ex.,  um  corpo  é  dito  finito  porque  concebemos  outro  sempre   maior.   Assim,   um   pensamento   é   delimitado   por   outro   pensamento.   Porém,   um   corpo  não  é  delimitado  por  um  pensamento,  nem  um  pensamento  por  um  corpo.   3.  Por  substância  entendo  isso  que  é  em  si  e  é  concebido  por  si,  isto  é,  isso  cujo   conceito  não  carece  do  conceito  de  outra  coisa  a  partir  do  qual  deva  ser  formado.   4.   Por   atributo   entendo   isso   que   o   intelecto   percebe   da   substância3   como   constituindo  a  essência  dela.   5.   Por   modo   entendo   afecções   da   substância,   ou   seja,   isso   que   é   em   outro,   pelo   qual  também  é  concebido.   6.   Por   Deus   entendo   o   ente   absolutamente   infinito,   isto   é,   a   substância   que   consiste4  em  infinitos  atributos,  cada  um  dos  quais  exprime  uma  essência  eterna  e   infinita.       Explicação   Digo  absolutamente  infinito,  não  porém  em  seu  gênero;  pois,  disso  que  é  infinito   apenas   em   seu   gênero,   podemos   negar   infinitos   atributos;   porém,   ao   que   é   absolutamente   infinito,   à   sua   essência   pertence   tudo   o   que   exprime   uma   essência   e  não  envolve  nenhuma  negação.   7.  É  dita  livre  essa  coisa  que  existe  a  partir  da  só5  necessidade  de  sua  natureza  e   determina-­‐se   por   si   só   a   agir.   Porém,   necessária,   ou   antes   coagida,   aquela   que   é   determinada  por  outro  a  existir  e  a  operar  de  maneira  certa  e  determinada.   8.   Por   eternidade   entendo   a   própria   existência   enquanto   concebida   seguir   necessariamente  da  só  definição  da  coisa  eterna.       Explicação   1   O   termo   latino   sive   anuncia,   em   Espinosa,   a   identidade   entre   as   palavras   onde   está   interposto.   Por   isso   optamos   pela   tradução  ou  seja,  entre  vírgulas,  salvo  quando  aparece  duplicado  na  locução  sive...sive...,  que  traduzimos  seja...seja....   2   O   verbo   latino   terminare   é   aqui   traduzido   por   delimitar,   e   não   por   terminar   (mais   próximo   do   original),   para   evitar   ambigüidades  no  português,  onde  poderia  ser  tomado  como  dar  fim  ou  destruir.   3  Dada  a  ausência  de  artigos  no  latim,  não  havia  base  textual  para  escolher,  na  tradução,  entre  o  uso  da  determinação  (o,  a)   ou   da   indeterminação   (um,   uma).   Nossa   opção   em   toda   a   obra   (e   mais   ainda   na   parte   I)   foi   pela   determinação,   a   não   ser   quando  Espinosa  se  refere  claramente  a  elementos  de  uma  multiplicidade.   4   Neste   caso,   evitamos   a   tradução   mais   próxima   do   original,   constar,   para   evitar   a   idéia   de   uma   mera   listagem   de   propriedades   ou   de   partes.   O   verbo   escolhido,   consistir,   aponta   para   o   caráter   constitutivo   dos   atributos   em   relação   à   substância.   5  O  termo  latino  sola  tende  a  ser  traduzido  por  advérbios  como  somente  e  apenas,  os  quais  evidentemente  apontam  para  uma   alteração  do  verbo,  ao  passo  que  se  trata,  no  original,  de  um  adjetivo  (só,  no  sentido  de  sozinho),  que  portanto  aponta  para   uma  alteração  do  substantivo.  A  expressão  que  escolhemos  na  tradução  (“da  só  necessidade”,  “do  só  conceito”),  apesar  de   causar  algum  estranhamento  em  português,  pareceu-­‐nos  mais  próxima  do  sentido  original.  
  • 2. 2 Tal  existência,  pois,  assim  como  uma  essência  de  coisa,  é  concebida  como  verdade   eterna,  e  por  isso  não  pode  ser  explicada  pela  duração  ou  pelo  tempo,  ainda  que   se  conceba  a  duração  carecer  de  princípio  e  fim.     Axiomas   1.  Tudo  que  é,  ou  é  em  si  ou  em  outro.   2.  Isso  que  não  pode  ser  concebido  por  outro  deve  ser  concebido  por  si.   3.   De   uma   causa   determinada   dada   segue   necessariamente   um   efeito;   e,   ao   contrário,   se   nenhuma   causa   determinada   for   dada   é   impossível   que   siga   um   efeito.   4.  O  conhecimento  do  efeito  depende  do  conhecimento  da  causa  e  envolve-­‐o.   5.   Coisas   que   nada   têm   em   comum   uma   com   a   outra   também   não   podem   ser   inteligidas6  uma  pela  outra,  ou  seja,  o  conceito  de  uma  não  envolve  o  conceito  da   outra.   6.  A  ideia  verdadeira  deve  convir  com  o  seu  ideado.   7.   O   que   quer   que   possa   ser   concebido   como   não   existente,   sua   essência   não   envolve  existência.   Proposição  I   A  substância  é  anterior  por  natureza  a  suas  afecções.     Demonstração   É  patente  pelas  definições  3  e  5.   Proposição  II   Duas  substâncias  que  têm  atributos  diversos  nada  têm  em  comum  entre  si.     Demonstração   É  também  patente  pela  def.  3.  Com  efeito,  cada  uma  delas  deve  ser  em  si  e  deve   ser  concebida  por  si,  ou  seja,  o  conceito  de  uma  não  envolve  o  conceito  da  outra.     Proposição  III   De  coisas  que  entre  si  nada  têm  em  comum  uma  com  a  outra,  uma  não  pode  ser   causa  da  outra.     Demonstração   Se   nada   têm   em   comum   uma   com   a   outra,   então   (pelo   ax.   5)   não   podem   ser   inteligidas   uma   pela   outra,   e   por   isso   (pelo   ax.   4)   uma   não   pode   ser   causa   da   outra.  C.Q.D.7     Proposição  IV   Duas  ou  várias  coisas  distintas  distinguem-­se  entre  si  ou  pela  diversidade  dos   atributos  das  substâncias,  ou  pela  diversidade  das  afecções  das  mesmas  substâncias.     Demonstração   Tudo  que  é,  ou  é  em  si  ou  em  outro  (pelo  ax.  1),  isto  é  (pelas  def.  3  e  5),  fora  do   intelecto  nada  é  dado  exceto  substâncias  e  suas  afecções.  Logo,  nada  é  dado  fora   6   O   verbo   latino   intellegere   será   traduzido   por   inteligir,   verbo   pouco   freqüente   em   português   (exceto   pelas   variantes   inteligível,  inteligente,  inteligência...),  não  só  por  nossa  decisão  de  manter  a  proximidade  com  os  termos  originais  sempre  que   possível,  mas  também  para  reforçar  a  relação  direta  com  a  importante  concepção  espinosana  de  intelecto.  As  exceções  serão   justamente  as  enunciações  de  definições,  na  primeira  pessoa,  onde  usaremos  “por  x  entendo...”.   7  “Como  queríamos  demonstrar”.  
  • 3. 3 do   intelecto   pelo   que   várias   coisas   possam   distinguir-­‐se   entre   si,   exceto   substâncias,  ou  seja,  o  que  é  o  mesmo  (pela  def.  4),  seus  atributos,  e  suas  afecções.   C.Q.D.     Proposição  V   Na  natureza  das  coisas  não  podem  ser  dadas  duas  ou  várias  substâncias  de  mesma   natureza,  ou  seja,  de  mesmo  atributo.     Demonstração   Se  fossem  dadas  várias  [substâncias]  distintas,  deveriam  distinguir-­‐se  entre  si  ou   pela   diversidade   dos   atributos   ou   pela   diversidade   das   afecções   (pela   prop.   preced.).  Se  apenas  pela  diversidade  dos  atributos,  concede-­‐se  portanto  que  não   se   dá   senão   uma   [substância]   do   mesmo   atributo.   Por   outro   lado,   se   pela   diversidade   das   afecções,   como   a   substância   é   anterior   por   natureza   a   suas   afecções  (pela  prop.  1),  portanto,  afastadas  as  afecções  e  em  si  considerada,  isto  é,   (pela   def.   3   e   ax.   6)   verdadeiramente   considerada,   não   se   poderá   conceber   que   seja  distinguida  de  outra,  isto  é  (pela  prop.  preced.),  não  poderão  ser  dadas  várias   [substâncias],  mas  apenas  uma.  C.Q.D.     Proposição  VI   Uma  substância  não  pode  ser  produzida  por  outra  substância.     Demonstração   Na  natureza  das  coisas  não  podem  ser  dadas  duas  substâncias  de  mesmo  atributo   (pela  prop.  preced.),  isto  é  (pela  prop.  2),  que  tenham  entre  si  algo  em  comum.  E   por   isso   (pela   prop.   3),   uma   não   pode   ser   causa   de   outra,   ou   seja,   não   pode   ser   produzida  por  outra.  C.Q.D.     Corolário   Daí   segue   não   poder   a   substância   ser   produzida   por   outro.   Com   efeito,   na   natureza   das   coisas   nada   é   dado   exceto   substâncias   e   suas   afecções,   como   é   patente   pelo   ax.   1   e   pelas   def.   3   e   5.   Ora,   não   pode   ser   produzida   por   uma   substância   (pela   prop.   preced.).   Logo,   a   substância   não   pode   absolutamente   ser   produzida  por  outro.  C.Q.D.     Doutra  Maneira   Isto  também  é  demonstrado  mais  facilmente  pelo  absurdo  do  contraditório.  Com   efeito,   se   a   substância   pudesse   ser   produzida   por   outro,   seu   conhecimento   deveria   depender   do   conhecimento   de   sua   causa   (pelo   ax.   4),   e   então   (pela   def.   3)   não  seria  substância.     Proposição  VII   À  natureza  da  substância  pertence  existir.     Demonstração   A   substância   não   pode   ser   produzida   por   outro   (pelo   corol.   da   prop.   preced.).   E   assim   será   causa   de   si,   isto   é   (pela   def.   1),   sua   própria   essência   envolve   necessariamente  existência,  ou  seja,  à  sua  natureza  pertence  existir.  C.Q.D.    
  • 4. 4 Proposição  VIII   Toda  substância  é  necessariamente  infinita.     Demonstração   A   substância   de   um   atributo   não   existe   senão   única   (pela   prop.   5)   e   à   sua   própria   natureza   pertence   existir   (pela   prop.   7).   De   sua   própria   natureza   pois,   há-­‐de   existir   ou   finita   ou   infinita.   Mas   não   finita.   Com   efeito,   (pela   def.   2)   deveria   ser   delimitada   por   outra   de   mesma   natureza,   que   também   deveria   necessariamente   existir   (pela   prop.   7).   Dar-­‐se-­‐iam   então   duas   substâncias   de   mesmo   atributo,   o   que  é  absurdo  (pela  prop.  5).  Logo,  existe  infinita.  C.Q.D.     Escólio  1   Como   ser   finito,   em   verdade,   é   negação   parcial   e   ser   infinito   a   afirmação   absoluta   da   existência   de   alguma   natureza,   logo,   segue   da   só   prop.   7   que   toda   substância   deve  ser  infinita.     Escólio  2   Não   duvido   que,   a   todos   que   julgam   confusamente   as   coisas   e   não   se   acostumaram   a   conhecê-­‐las   por   suas   causas   primeiras,   seja   difícil   conceber   a   demonstração   da   prop.   7.   Não   é   de   admirar,   já   que   não   distinguem   entre   modificações   das   substâncias   e   as   próprias   substâncias   nem   sabem   como   as   coisas  são  produzidas.  Donde  ocorre  que  imputem  às  substâncias  o  princípio  que   vêem  ter  as  coisas  naturais.  Com  efeito,  os  que  ignoram  as  verdadeiras  causas  das   coisas   confundem   tudo,   e   sem   nenhuma   repugnância   da   mente   forjam8   falantes   tanto  árvores  como  homens,  e  homens  formados  tanto  a  partir  de  pedras  como  de   sêmen,   e   imaginam   quaisquer   formas   mudadas   em   quaisquer   outras.   Assim   também,   os   que   confundem   a   natureza   divina   com   a   humana   facilmente   atribuem   a   Deus   afetos   humanos,   sobretudo   enquanto   ignoram   também   como   os   afetos   são   produzidos   na   mente.   Se,   por   outro   lado,   os   homens   prestassem   atenção   à   natureza   da   substância,   de   jeito   nenhum   duvidariam   da   verdade   da   prop.   7;   e   mais,   esta   proposição   seria   axioma   para   todos   e   enumerada   entre   as   noções   comuns.  Pois  por  substância  inteligiriam  isso  que  é  em  si  e  é  concebido  por  si,  isto   é,   cujo   conhecimento   não   carece   do   conhecimento   de   outra   coisa.   Por   modificações,   porém,   isso   que   é   em   outro   e   cujo   conceito   é   formado   a   partir   do   conceito   da   coisa   em   que   são.   Por   isso   podemos   ter   ideias   verdadeiras   de   modificações   não   existentes,   visto   que,   embora   não   existam   em   ato   fora   do   intelecto,   todavia   a   essência   delas   é   de   tal   modo   compreendida   em   outro   que   podem   por   ele   ser   concebidas,   ao   passo   que   a   verdade   das   substâncias   fora   do   intelecto   não   está   senão   nelas   próprias,   já   que   são   concebidas   por   si.   Logo,   se   alguém  dissesse  ter  a  ideia  clara  e  distinta,  isto  é,  a  verdadeira  ideia  da  substância,   e   não   obstante   dissesse   duvidar   se   porventura   tal   substância   existe,   seria   o   mesmo,  por  Hércules  !,  se  dissesse  ter  uma  ideia  verdadeira  e  contudo  duvidasse   se   acaso   <não>   seria   falsa   (como   é     suficientemente   manifesto   a   quem   prestar   atenção).   Ou   se   alguém   sustenta   ser   criada   a   substância,   simultaneamente   sustenta   que   se   fez   verdadeira   uma   ideia   falsa,   e   certamente   não   pode   ser   concebido   maior   absurdo.   Por   isso   é   necessário   confessar   que   a   existência   da   substância,   assim   como   sua   essência,   é   uma   verdade   eterna.   Daí   podemos   8  O  verbo  latim  fingere  remete  a  fingir  e  ao  tema  da  ideia  fictícia,  examinado  longamente  por  Espinosa  no  Tratado  da  Emenda   do  Intelecto.  Em  português,  porém,  fingir  não  é  verbo  transitivo  direto  (não  se  finge  algo),  daí  nossa  opção  por  forjar.  
  • 5. 5 concluir,   doutra   maneira,   não   ser   dada   senão   única   de   mesma   natureza,   o   que   aqui  vale  a  pena  mostrar.  Mas  para  que  eu  faça  isto  com  ordem,  é  de  notar  que:  1o   a  verdadeira  definição  de  cada  coisa  nada  envolve  nem  exprime  exceto  a  natureza   da  coisa  definida.  Disto  segue  2o  que  nenhuma  definição  envolve  nem  exprime  um   certo   número   de   indivíduos,   visto   que   nada   outro   exprime   senão   a   natureza   da   coisa  definida.  P.ex.:  a  definição  de  triângulo  nada  outro  exprime  senão  a  simples   natureza   do   triângulo,   e   não   um   certo   número   de   triângulos.   3o   É   de   notar   que   de   cada  coisa  existente  é  dada  necessariamente  uma  certa  causa  pela  qual  existe.  40   Enfim,   é   de   notar   que   esta   causa,   pela   qual   alguma   coisa   existe,   ou   deve   estar   contida   na   própria   natureza   e   definição   da   coisa   existente   (não   é   de   admirar,   já   que   à   sua   natureza   pertence   existir),   ou   deve   ser   dada   fora   dela.   Isto   posto,   segue   que,  se  na  natureza  existe  um  certo  número  de  indivíduos,  deve  necessariamente   ser   dada   a   causa   por   que   existem   aqueles   indivíduos   e   por   que   não   mais   nem   menos.  Se,  p.  ex.,  na  natureza  das  coisas  existem  20  homens  (os  quais,  a  bem  da   clareza,   suponho   existirem   simultaneamente   e   até   então   não   terem   existido   outros   na   natureza),   não   bastará   (para   darmos   a   razão   por   que   20   homens   existem)   mostrar   a   causa   da   natureza   humana   em   geral.   Porém,   será   necessário   ademais  mostrar  a  causa  por  que  nem  mais  nem  menos  que  20  existem,  visto  que   (pela  observação  terceira)  de  cada  um  deve  necessariamente  ser  dada  a  causa  por   que   existe.   E   esta   causa   (pelas   observações   segunda   e   terceira)   não   pode   estar   contida  na  própria  natureza  humana,  visto  que  a  verdadeira  definição  de  homem   não   envolve   o   número   20.   E   por   isso   (pela   observação   quarta)   a   causa   por   que   estes   20   homens   existem,   e   consequentemente   por   que   cada   um   existe,   deve   necessariamente   ser   dada   fora   de   cada   um.   E   em   vista   disso,   é   a   concluir   absolutamente   que   tudo   de   cuja   natureza   podem   existir   vários   indivíduos   deve   ter   necessariamente   uma   causa   externa   para   que   existam.   Agora,   pois   que   à   natureza   da   substância   (pelo   já   mostrado   neste   esc.)   pertence   existir,   deve   sua   definição  envolver  existência  necessária  e,  consequentemente,  de  sua  só  definição   deve  ser  concluída  sua  existência.  Ora,  da  sua  definição  (como  já  mostramos  nas   observações   segunda   e   terceira)   não   pode   seguir   a   existência   de   várias   substâncias;   logo,   dela   segue   necessariamente   existir   apenas   única   de   mesma   natureza,  como  propunha-­‐se.     Proposição  IX   Quanto  mais  realidade  ou  ser  cada  coisa  tem,  tanto  mais  atributos  lhe  competem.     Demonstração   É  patente  pela  definição  4.     Proposição  X   Cada  atributo  de  uma  substância  deve  ser  concebido  por  si.     Demonstração   Com   efeito,   atributo   é   isso   que   o   intelecto   percebe   da   substância   como   constituindo  a  essência  dela  (pela  def.  4)  e  por  conseguinte  (pela  def.  3)  deve  ser   concebido  por  si.  C.Q.D.     Escólio   Disto   transparece   que,   embora   dois   atributos   sejam   concebidos   realmente  
  • 6. 6 distintos,   isto   é,   um   sem   a   ajuda   do   outro,   não   podemos   daí   concluir,   porém,   constituírem  eles  dois  entes,  ou  seja,  duas  substâncias  diversas.  Com  efeito,  é  da   natureza   da   substância   que   cada   um   de   seus   atributos   seja   concebido   por   si,   visto   que   todos   os   atributos   que   ela   tem   sempre   foram   simultaneamente   nela,   e   nenhum  pôde  ser  produzido  por  outro,  mas  cada  um  exprime  a  realidade,  ou  seja,   o   ser   da   substância.   Logo,   está   longe   de   ser   absurdo   atribuir   a   uma   substância   vários   atributos;   mais   ainda,   nada   é   mais   claro   na   natureza   quanto   dever   cada   ente  conceber-­‐se  sob  algum  atributo,  e  quanto  mais  realidade  ou  ser  tenha,  tanto   mais   atributos   tem,   os   quais   exprimem   necessidade,   ou   seja,   eternidade   e   infinidade,   e   por   consequência,   nada   também   é   mais   claro   do   que   necessariamente   haver   de   se   definir   o   ente   absolutamente   infinito   (conforme   demos  na  def.  6)  como  o  ente  que  consiste  em  infinitos  atributos,  dos  quais  cada   um   exprime   uma   eterna   e   infinita   essência   certa.   Agora,   se   alguém   perguntar   a   partir   de   que   sinal   poderemos   reconhecer   a   diversidade   das   substâncias,   leia   as   proposições  seguintes,  que  mostram  não  existir  na  natureza  das  coisas  senão  uma   única  substância  e  ser  ela  absolutamente  infinita,  razão  pela  qual  este  sinal  será   procurado  em  vão.       Proposição  XI   Deus,  ou  seja,  a  substância  que  consiste  em  infinitos  atributos,  dos  quais  cada  um   exprime  uma  essência  eterna  e  infinita,  existe  necessariamente.     Demonstração   Se  negas,  concebe,  se  possível,  Deus  não  existir.  Logo  (pelo  ax.  7)  sua  essência  não   envolve   existência.   Ora,   isto   (pela   prop.   7)   é   absurdo.   Logo   Deus   existe   necessariamente.  CQD.   Doutra  Maneira   De   toda   coisa   deve   ser   assinalada   a   causa   ou   razão   tanto   por   que   existe,   quanto   por  que  não  existe.  P.  ex.,  se  existe  um  triângulo,  deve  ser  dada  a  razão  ou  causa   por   que   e
  • GTX65_OM

    Apr 23, 2018
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks