Documents

A Fé Que Possuem Os Nossos Profetas

Description
....
Categories
Published
of 4
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
   A Fé que Possuem os NossosProfetas. seg, 14 fevereiro 2011 David B. Haight Espero que tenham sentido um ardor no peito, como eu senti, quando ergui minha mão para apoiar o Presidente Hinckley como Presidente da Igreja e como proeta, vidente e revelador, al!m dos outros l deres que nos oram apresentados. #ue maravilhoso e grandioso privil!gio temos hoje, aqui sentados, de poder apoiar nosso proeta vivo na $erra, não apenas erguendo despreocupadamente a mão, mas tam%!m sentindo no cora&ão e alma que não s' o apoiamoscomo tam%!m endossamos tudo o que ele vem a(endo e o que e( por n's ao representar)nosperante o mundo. *omos gratos pela orma maravilhosa e inspirada com que ele tem)se comunicado com o mundo, particularmente nos +ltimos dias e semanas.H alguns anos, quando -rturo $oscanini era o maestro da rquestra /ilarm0nica de 1ova 2ork, na cidade de 1ova 2ork, ele tinha um programa de rdio que era transmitido na tarde de s%ado. 3erto dia, ele rece%eu em meio 4 sua correspond5ncia um pequeno %ilhete amarrotado, escrito num papel velho, que di(ia673aro *r. $oscanini, sou um solitrio pastor de ovelhas que vive nas montanhas do 8yoming. Possuo duas coisas que considero muito preciosas6 9m velho violino e um rdio de pilha. -s pilhas estão icando racas e meu rdio est alhando. E meu violino est tão desainado que nem consigo tocar mais. *er que o senhor poderia, por avor, tocar um : no seu programa dopr';imo s%ado<=1o programa da semana seguinte, -rturo $oscanini anunciou6 7Para um novo amigo que tenho nas montanhas do 8yoming, a rquestra /ilarm0nica de 1ova 2ork ir agora, todos juntos, emun ssono, tocar um pereito :=. Eles então tocaram um : pereito. Desse modo, aquele homem solitrio conseguiu ainar a corda : de seu violino, depois a corda >i, a corda ?! e a corda *ol, a partir daquele :.1ão ! interessante reletir em nossa pr'pria vida e na de muitas pessoas que hoje me ouvem @ cujo violino, ou vida, talve( esteja um pouco ora do tom @ e sa%er que podem vir para a coner5ncia geral da Igreja e ouvir as maravilhosas mensagens que nela são proeridas<  -queles que t5m a oportunidade de alar aqui oram ervorosamente A tal como eu, j no inal deminha vida @ para que tenhamos energia, or&a e vitalidade para erguer)nos e prestar testemunho da veracidade deste tra%alho, porque sou testemunha disso.$ive o privil!gio @ como muitos de voc5s tiveram e como muitos gostariam de ter tido @ de ter sido criado num lar m'rmon e de ser ruto da Igreja, e de ter tido a oportunidade de sair e viver no mundo, ao lado de pessoas de muitos lugares, tanto no governo quanto no meio empresarial, onde quer que seja, e poder a(er ami(ade com essas pessoas e compartilhar com elas os sentimentos que temos no cora&ão. Presidente Hinckley nos disse muitas ve(es, em algumas de nossas reunies, e creio que tam%!m em p+%lico, que atrs de sua escrivaninha h um retrato de Brigham 2oung. Cs ve(es, quando o Presidente Hinckley enrenta um dia atareado e rduo, em que precisa tomar muitas  decises di ceis, ele se vira na cadeira, olha para o retrato de Brigham 2oung, atrs dele, e pergunta, em vo( alta ou em pensamentos6 7Irmão Brigham, o que voc5 teria eito<= ou 7#ue conselho tem para mim<=Pensem no que aconteceu nestes anos recentes. $odos voc5s conhecem muito %em a inspira&ão e orienta&ão que o Presidente Hinckley teve na e;pansão da Igreja6 - constru&ão de templos, a reorma do antigo Hotel 9tah, transormando)o naquele maravilhoso edi cio, que hoje se chama Edi cio >emorial oseph *mith, e a constru&ão deste local mpar, o 3entro de 3oner5ncias, onde estamos hoje, um pr!dio provavelmente sem igual em todo o mundo. Para n's que j tra%alhamos alguns anos ao lado do Presidente Hinckley e o ouvimos e convivemos com ele, tem sido uma e;peri5ncia maravilhosa e uma grande %5n&ão em nossa vida poder sentir e participar da inspirada e;pansão deste tra%alho, que j vinha progredindo anteriormente. -o ponderarmos a respeito da vida de Brigham 2oung e reletirmos na inspira&ão e orienta&ão que aquele homem e;traordinrio rece%eu, relem%ramos como ele oi capa( de preencher o trgico va(io dei;ado com a morte do Proeta oseph *mith, e como ele se ergueu e oi capa( de guiar e dirigir, por inspira&ão e revela&ão, a sa da de 1auvoo e planejar a viagem para o este. :em%ramos o tra%alho cont nuo eetuado naquela !poca no templo de 1auvoo, e o modo como oi organi(ada a jornada, com com%oios de carro&es em dire&ão ao este, at! o vale do :ago *algado, para o local que se tornaria *ião, onde eles poderiam adorar, ensinar, pregar e construir capelas e todo o necessrio para a sociedade e cultura que temos, de modo a podermos e;pandir)nos e crescer aqui.Pensem na inspira&ão rece%ida pelo proeta Brigham 2oung em rela&ão 4quelas pessoas que não apenas ediicaram uma grande cidade em *alt :ake, mas que tam%!m se mudaram para as outras cidades ao redor de 9tah. Ele teve a e;traordinria visão e capacidade de enviar pessoas para investigar e e;plorar vales e regies distantes de *alt :ake 3ity, procurando locais onde os pioneiros que chegariam em grande n+mero a este vale poderiam se esta%elecer e construir seus lares e ediicar cidades e comunidades e ormar sua personalidadee seu carter, e desenvolver seus pr'prios talentos. Desse modo, em ve( de criar uma imensa cidade em *alt :ake 3ity, cerca de FG comunidades oram desenvolvidas so% sua lideran&a em reas tão distantes quanto o 8yoming, 1evada, -ri(ona, o sul de Idaho, %em como em 9tah. C medida que as pessoas se mudavam e se esta%eleciam nessas pequenas comunidades, elas desenvolviam seus talentos e capacidades servindo em juntas escolares e conselhos municipais, ou tornando)se l deres em pequenas cidades. $ornaram)se cidadãos locais e come&aram a construir escolas e a e;pandir suas comunidades. emos o que aconteceu nas regies que Brigham 2oung visuali(ou e que ele ajudou a esta%elecer. Pensem no que elas se tornaram, no esta%elecimento de uma pequena comunidade, por e;emplo, em :as egas, 1evada, para que as pessoas pudessem ir at! *an Bernardino, 3ali'rnia. -s pessoas podiam chegar de navio a *an Pedro, 3ali'rnia, ir a *an Bernardino para comprar suprimentos, e serem ajudadas com o equipamento necessrio para chegarem at! este vale, seguindo então para as comunidades circunvi(inhas, at! o condado de *anpete, ou para Idaho, ou outro lugar.*ou ruto disso, porque quando a am lia de minha mãe chegou a *alt :ake 3ity, eles oram enviados para coloni(ar $ooele. >ais tarde, oram enviados para Idaho, onde uma serraria e um moinho de cereais precisavam ser constru dos. - am lia de meu pai se esta%eleceu em /armington, 9tah, como parte desse tra%alho de coloni(a&ão que mencionei6 - coloni(a&ão quetornou as pessoas mais ortes e lhes deu muitas oportunidades. Em ve( de icarem perdidos numa cidade grande, oi)lhes pedido que se mudassem para uma comunidade menor, onde poderiam desenvolver suas capacidades e onde e;istiriam mais escolas, havendo necessidadede mais proessores, e onde as pessoas com seu talento poderiam desenvolver suas aptides. Depois de tudo isso, oi pedido 4 minha am lia que partisse de /armington e $ooele, que  vendesse suas terras !rteis e osse para o sul de Idaho, onde não havia nada na !poca a não ser ar%ustos de artem sia.1uma dessas pequenas comunidades, meu pai e minha mãe se apai;onaram um pelo outro. #uando completaram G anos de idade e estavam prontos para se casarem, onde quiseram casar)se< 1o $emplo de :ogan 9tah. 3omo chegaram at! l< De charrete. #uanto tempo isso levou< Bem, cinco ou seis ou sete dias. Havia rodovias e %oas estradas< J claro que não. Eles seguiram por estradas a%ertas por carro&es que cru(avam os campos de artem sias, atravessando ar%ustos e passando por cima das pedras. nde eles quiseram se casar< nde quiseram ser selados< 1um +nico lugar6 o templo. E oram para l de charrete.Isso tornou)se parte de meu legado. E tantas pessoas cresceram nessas cidade(inhas. Então, a Igreja decidiu a%rir algumas escolas particulares, e umas trinta delas oram criadas nesses lugares remotos. 9ma dessas escolas oi a%erta em nossa cidade que se tornou um lugar para o qual muitas pessoas das reas vi(inhas se mudavam, para estudarem em nossa cidade. Evidentemente, essas escolas s' iam at! o curso secundrio, mas eram chamadas de academias.Estou)me reerindo 4 inspira&ão rece%ida pelo proeta Brigham 2oung, h muitos anos, no esta%elecimento e desenvolvimento dessa região em meio 4s montanhas que rodeiam *alt :ake 3ity. E pensem em quem somos atualmente e como isso cresceu e a %5n&ão que rece%emos em nossa vida por termos o Presidente Hinckley como nosso proeta, vidente e revelador e l der, e visuali(em o que est acontecendo e o que acontecer no uturo, se simplesmente tivermos ! suiciente para continuarmos a a(er o que oi iniciado. Pensem no que est em andamento e o que j oi eetuado. Presidente Hinckley reqKentemente nos ala so%re a necessidade de desenvolvermos mais ! em nosso povo. Essa ! ! ruto da aplica&ão prtica dos princ pios do evangelho, de vivermos do modo como devemos, e criarmos nossos ilhos da maneira certa, e os vermos crescer e desenvolver seu carter e personalidade de modo que possam tornar)se um e;emplodaquilo em que acreditamos e do que temos esperan&a de reali(ar e alcan&ar.$odos voc5s se lem%ram do homem que tinha um ilho luntico.  homem procurou o *alvador e pediu):he que a%en&oasse o menino para aastar aquele mau esp rito de seu ilho. E o homem disse ao *alvador6 7$rou;e)o a teus disc pulos e não puderam cur)lo=.  *alvador a%en&oou o menino.  mau esp rito imediatamente o dei;ou, e os disc pulos oram at! o *alvador e perguntaram6 7Por que não pudemos n's e;puls)lo< Por que não conseguimos a(5)lo<= Ler >ateus MN6MOAM.  *alvador disse6 7Homens de pouca !=. L>ateus MF6Q*e tivessem ! como uma pequena @ estou tentando lem%rar o nome daquela arvore(inha. R Presidente Hinckley di(6 S>ostardaS.T >ostardaU %rigado, Presidente. LEu sempre tenho o Presidente por perto para me ajudar. *e voc5s tivessem ! como um grão de mostarda. Provavelmente não deve haver muitos de voc5s que j viram um grão de mostarda. H alguns anos, em erusal!m, estvamos num carro com motorista, e ele disse6 7lhem, l est um p! de mostarda=. E eu disse6 7#uero ver=. *a mos do carro para ver aquele p! de mostarda, e havia uma pequena vagem nele, e eu a%ri a vagem, que era parecida com a de uma alarro%eira, e vi aquelas min+sculas sementinhas, não muito maiores que um grão de pimenta.Imaginem a analogia que o *alvador estava ensinando 4s pessoas. *e tivessem ! como um grão de mostarda @ eu o segurei na mão e mal consegui en;erg)lo @ se tivessem uma ! assim, diriam para a montanha6 7Passa daqui para acol=, e ela passaria. *e tivessem esse tanto de !. Ler >ateus MN6G. 7Homens de pouca !=, disse)nos Ele.Por isso, precisamos ter uma ! como a que Brigham 2oung possu a, que Vordon B. Hinckley possui e que nossos proetas e l deres possuem.Deus vive. *ei que Ele ! real, que ! nosso Pai, e sei que Ele nos ama. *ei disso. E sei que esus ! o 3risto, o /ilho de Deus. *enti o Esp rito testiicar)me isso. *ou testemunha disso. *eique o Proeta oseph *mith e todos os relatos hist'ricos que temos so%re o que ele e( como oinstrumento da ?estaura&ão são verdadeiros e que os proetas que o sucederam ao longo dos  anos, inclusive o Presidente Hinckley, oram chamados por Deus. Este tra%alho ! verdadeiro. Dei;o com voc5s o meu amor e o testemunho que arde em meu cora&ão. Espero ser capa(, todos os dias de minha vida, de di(er a algu!m e ajudar algu!m a compreender que este tra%alho ! verdadeiro, em nome de esus 3risto. -m!m.
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks