Others

A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO NA CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

Description
A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO NA CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO” 1 – INTRODUÇÃO 1.1 – O tema em estudo O tema proposto para este estudo é a Importância do Enfermeiro na Central de Material Esterilizado, devido à complexidade no processo de esterilização. 1.2 – Justificativa O que nos levou a escolher este tema foi à grande importância que a CME tem para diversos setores do hospital. Ocorrendo uma padronização nas normas e rotinas de materiais haverá uma condição mais segura no trabalho da equipe
Categories
Published
of 10
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO NACENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO” 1 – INTRODUÇÃO1.1 – O tema em estudo O tema proposto para este estudo é a Importância do Enfermeiro na Central de MaterialEsterilizado, devido à complexidade no processo de esterilização. 1.2 – Justificativa O que nos levou a escolher este tema foi à grande importância que a CME tem paradiversos setores do hospital. Ocorrendo uma padronização nas normas e rotinas demateriais haverá uma condição mais segura no trabalho da equipe e conseqüentementena rotina hospitalar, sendo muitas vezes difícil de ser entendido por profissionais deoutro setor. 1.3 – Problemas / Hipóteses Ainda nos dias de hoje, existe um percentual de infecção hospitalar causada por artigosdesinfetados, ou esterilizados de maneira incorreta por profissionais despreparados.Sabemos que para mudar essa estatística, devemos adotar o enfermeiro especialista parao treinamento, fiscalização e preparo desses profissionais. 1.4 - Revisão da literatura A Central de Material Esterilizado é o conjunto de elementos destinados à recepção,expurgo, preparo, esterilização, guarda e distribuição do material para as unidades doestabelecimento de saúde (1). O planejamento desta Unidade é de suma importância, considerando-se as diferentesetapas do processamento dos materiais, até a sua distribuição as Unidades do hospital.Por isto deve ser executado por equipe multiprofissional, cuja atenção deve estar voltada para a dinâmica de funcionamento do setor. (1) Quanto a esta dinâmica, CUNHA 1985, refere-se à existência de três tipos de Central deMaterial: Descentralizada  – Cada unidade ou conjunto de unidades do hospital é responsável por  preparar e esterilizar os materiais que utiliza; Semi-centralizada – Cada Unidade prepara os seus materiais, mas encaminha à Centralde Material para serem esterilizados; Centralizada  – Os materiais de uso em todas as Unidades do hospital são totalmente processados na Central de Material. (1) Do ponto de vista administrativo, o sistema de centralização visa:§Padronizar as técnicas de limpeza, preparo e empacotamento, a fim de assegurar economia de pessoal, material e tempo.§Manter a reserva de material, a fim de atender prontamente às necessidades dasunidades do hospital.§Facilitar o controle do consumo, da qualidade do material e das técnicas deesterilização, aumentando a segurança no uso.Controlar o material esterilizado, como é o caso de alguns aparelhos, tornando maisfácil o controle, a conservação e a manutenção dos mesmos. Desenvolver as atividadesespecíficas com pessoal treinado para tal, permitindo obter maior produtividade.  Favorecer o ensino e o desenvolvimento de pesquisas. (1) Segundo a portaria nº 1884, de 11 de novembro de 1994, são elementos essenciais àdinâmica de funcionamento da unidade:·Área para recepção, desinfecção e separação de materiais.·Área para lavagem de materiais.·Área para recepção de roupas limpas.·Área de preparo de materiais e roupas.·Área para esterilização – Área para esterilização física, área para esterilização químicaliquida e área para esterilização química gasosa.·Sala para armazenagem e distribuição de materiais e roupas esterilizadas.·Área para armazenagem e distribuição de materiais descartáveis. (1) Além destes são necessários ambientes de apoio como:·Sala administrativa·Sanitários com vestiário para funcionários·Depósito de material de limpeza·Almoxarifado (1) Conforme a resolução RDC nº 307, Brasil, 2002, determina as atividades básicasdesenvolvidas na CME, que são:§Receber, desinfetar e separar os artigos;§Lavar os artigos;§Receber as roupas vindas da lavanderia;§Preparar os artigos e as roupas em pacotes;Esterilizar os artigos e as roupas por meio de métodos físicos e/ou quími -cos proporcionando condições de areação dos produtos, conforme necessário:§Realizar controle microbiológico e de validade dos artigos esterilizados;§Armazenar os artigos e as roupas esterilizados;§Distribuir os artigos e as roupas esterilizadas;§Zelar pela proteção e pela segurança dos operadores.Embora nesta resolução não sejam contempladas as atividades técnico-administrativas,estas devem integrar o cotidiano da CME. (2) De acordo com o artigo nº 11 da lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986 – que dispõe sobrea regulamentação do exercício da Enfermagem, o enfermeiro exerce todas as atividadesde Enfermagem integrante da estrutura básica da instituição de saúde pública ou privada; a chefia do serviço e da unidade de Enfermagem; a organização e a direção dosserviços de Enfermagem e de suas atividades técnicas e auxiliares nas empresas prestadoras desses serviços; e o planejamento, a organização, a coordenação, a execuçãoe a avaliação dos serviços de assistência de Enfermagem.Como integrante da equipe de saúde, cabe ao enfermeiro participar do planejamento, daexecução e da avaliação da programação de saúde; tomar parte da elaboração daexecução e da avaliação dos planos assistenciais de saúde; realizar prevenção e controlesistemático de danos que possam ser causados à clientela durante a assistência deEnfermagem; e atuar em conjunto com a  Comissão de controle de Infecção Hospitalar no sentido de reduzir essas ocorrências. (2) São atribuições do enfermeiro:Supervisionar e controlar as atividades desenvolvidas em cada uma das áreas da CME, para assegurar o bom funcionamento da unidade, o que reverterá em segurança naassistência ao paciente.§Prover a unidade de recursos humanos e materiais, levando em conta a qualidade e aquantidade, de modo a atender à demanda de atividades realizadas.§Planejar e fazer orçamentos anualmente da CME com a antecedência de quatro a seismeses.§Planejar e executar programas de treinamento e educação continuada.§Realizar reuniões periódicas com a equipe de enfermagem para passar informaçõesgerais e específicas da unidade, estimulando maior interação entre os seus componentes.§Emitir parecer técnico na compra de equipamentos e materiais de que dispõe aunidade.§Estabelecer um sistema de controle de equipamentos e materiais que dispões aunidade.§Fazer levantamento mensal dos materiais solicitados pelos diferentes setores dohospital, a fim de planejar o suprimento da unidade para atendê-los.§Manter-se atualizado em relação os novos tipos de materiais e equipamentosdisponíveis no mercado.§Manter relacionamento efetivo com a Diretoria de Enfermagem e outros serviços,·Elaborar e manter atualizado o manual de normas, rotinas e procedimentosda CME, que deve estar disponível para a consulta dos colaboradores.Fazer parte daComissão de Controle de Infecção Hospitalar e da Comissão Interna de Prevenção deAcidentes e outras afins ao funcionamento da unidade.Efetuar a regularmente testes bacteriológicos nos aparelhos de esterilização,avaliar edivulgar os resultados obtidos.§Prevenir incidência de riscos ocupacionais, notificarem a Comissão Interna dePrevenção de Acidentes na ocorrência de acidentes, se houver e avaliar a dinâmica defuncionamento da unidade para intensificar as medidas de prevenção. (1-2) Segundo o artigo nº 12 da Lei do Exercício Profissional, o técnico de Enfermagemexerce atividades de nível médio, envolvendo orientação e acompanhamento dotrabalho de Enfermagem, em grau auxiliar, e participação no planejamento daassistência de Enfermagem, cabendo-lhe especialmente participar da equipe de saúde.Como membro da equipe de Enfermagem de uma CME, o técnico de Enfermagem deveexecutar atividades de nível de complexidade intermediário:·Fazer a leitura dos indicadores biológicos, de acordo com as rotinas da instituição;·Receber, conferir e preparar os artigos consignados;·Realizar a limpeza, o preparo, a esterilização, a guarda e a distribuição de artigos deacordo com solicitação;·Preparar carros para cirurgias;·Preparar as caixas cirúrgicas;·Realizar cuidados com artigos endoscópicos em geral;·Monitorar efetiva e continuamente cada lote ou carga nos processos de esterilização;  ·Revisar as listagem das caixas cirúrgicas,bem como proceder à sua reposição·Participar de reuniões de Enfermagem e de avaliações, de acordo com a solicitação doenfermeiro. (2) Segundo o artigo nº 13 da Lei do Exercício Profissional, o auxiliar de Enfermagemexerce atividades de nível médio, de natureza repetitiva, envolvendo serviços auxiliaresde enfermagem sob supervisão, bem como a participação, em nível de execuçãosimples, em processo de tratamento, cabendo-lhe especialmente tomar parte da equipe esaúde e efetuar ações de tratamento simples. Como membro da equipe de Enfermagemde uma CME, o auxiliar de Enfermagem deve realizar as seguintes atribuições:·Receber e limpar os artigos;·Receber e preparar roupas limpas;·Preparar e esterilizar os artigos e instrumental cirúrgico;·Guardar e distribuir todos os artigos esterilizados;·Participar de reuniões de enfermagem e de avaliações, de acordo com as solicitaçõesdo enfermeiro. (2) A CME é uma das unidades mais importantes do hospital, tanto do ponto de vistaeconômico, quanto técnico-administrativo e assistencial: de acordo com seufuncionamento pode-se avaliar a eficiência hospitalar prestada ao cliente . No entanto, a polêmica é freqüente pelo fato do enfermeiro da CME lidar com a coordenação da produção de material e não com a coordenação do processo de cuidar, esta últimaconsiderada, por algumas correntes teóricas, como finalidade, campo de ação específicae de caráter identificador da prática do enfermeiro. Observa-se, portanto, tensão entreuma prática historicamente realizada pelo enfermeiro, numa de suas vertentesassistenciais - o cuidado do meio - e uma concepção teórica que valoriza a vertente daassistência diretamente para ou com o paciente. (3) Para se garantir a eficiência dos processos de esterilização deve-se elaborar um programa de monitoramento para controle de qualidade de esterilização. (4) Este programa deve avaliar e controlar todas as fases da esterilização, a fim de sedetectar possíveis falhas e onde elas ocorrem: 1.4.1 - IDENTIFICAÇÃO DOS PRODUTOS Os materiais a serem esterilizados devem conter o nome do material, tipo deesterilização, lote da esterilização, a data de validade da esterilização, nome doresponsável pelo empacotamento; (4) Cada ciclo de esterilização deve manter um registro com o lote, o conteúdo do lote,temperatura e tempo de esterilização, nome do operador, resultado do teste biológico edo indicador químico obtido e qualquer intercorrência. (4 1.4.2 - MONITORAÇÃO MECÂNICA  A monitoração mecânica consiste no controle e registro de parâmetros tempo,temperatura e pressão durante a esterilização e na manutenção do equipamentos dosaparelhos de registro manômetros e termômetros. (4 1.4.3 - INDICADORES QUÍMICOS Os indicadores químicos são fitas de papel impregnadas com uma tinta termocrômica que mudam de cor quando expostas à temperatura elevada por certo tempo.Elas podem apenas indicar a exposição ou não ao calor como os indicadores
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks