Documents

A Importancia Do Planejamento Estrategico Como Ferramenta de Gestao Para Instituicoes Inseridas No Terceiro Setor

Description
O objetivo deste artigo é apresentar a aplicação do Planejamento Estratégico em uma Instituição do Terceiro Setor. A metodologia aplicada foi o estudo de caso sobre a Fundação Maçônica Manoel dos Santos, inserida no Terceiro Setor, que utiliza esta ferramenta de gestão para administração da estrutura e alcance de seus objetivos organizacionais. Constatou-se que, com a implantação do Planejamento Estratégico na Instituição, as metas foram alcançadas.
Categories
Published
of 16
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
    2 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA INSTITUIÇÕES INSERIDAS NO TERCEIRO SETOR  1   PATRÍCIA LARA SOUZA 2   RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a aplicação do Planejamento Estratégico em uma Instituição do Terceiro Setor. A metodologia aplicada foi o estudo de caso sobre a Fundação Maçônica Manoel dos Santos, inserida no Terceiro Setor, que utiliza esta ferramenta de gestão  para administração da estrutura e alcance de seus objetivos organizacionais. Constatou-se que, com a implantação do Planejamento Estratégico na Instituição, as metas foram alcançadas, e atualmente existe um redirecionamento do plano de ação para uma situação e tempo atual. Palavras-Chave: Planejamento Estratégico; Terceiro Setor; Instituições Sem Fins Lucrativos 1  Artigo apresentado à Faculdade de Ciências Aplicadas de Minas  –   FACIMINAS, como requisito para aprovação no curso de Administração em  Marketing  . 2  Graduanda em Administração de Empresas com ênfase em  Marketing   - UNIMINAS Orientadora: Profª Ms. Thays de Rezende Neves Bernardes    3 1.   INTRODUÇÃO O Planejamento Estratégico é um assunto amplamente discutido por todos os  profissionais ligados à administração, tanto de empresas privadas quanto de instituições sem fins lucrativos. Pensar e agir de forma estratégica são os pilares para o desenvolvimento de um Planejamento Estratégico adequado, proporcionando uma perspectiva de futuro que gere vantagem competitiva no mercado. Desta forma, o tema apresentado será a importância do Planejamento Estratégico como ferramenta de gestão para as Instituições inseridas no Terceiro Setor, com a formação de um pensamento sistematizado para processos e procedimentos, visando à orientação na tomada de decisões. O objetivo geral deste trabalho é demonstrar a aplicação do Planejamento Estratégico em uma Instituição do Terceiro Setor. Este artigo justifica-se pela necessidade de demonstrar a importância da contribuição das Instituições inseridas no Terceiro Setor diante das causas que podem projetar a melhoria da qualidade de vida na sociedade civil, apresentando estas organizações como parceiras do Estado e co-extensivas com o mercado. As metodologias aplicadas dar-se-ão por meio do estudo bibliográfico do tema apresentado e a demonstração de caso prático através de um estudo de caso da Fundação Maçônica Manoel dos Santos, que faz uso do Planejamento Estratégico como ferramenta de gestão. As informações necessárias para a realização deste estudo de caso foram adquiridas  por meio de observação participativa, análise documental e entrevista com o Sr. Luismar Alves de Oliveira  –   Presidente do Conselho Diretor. 2.   DESENVOLVIMENTO 2.1.   Planejamento Toda e qualquer organização, com ou sem fins lucrativos, participante do Primeiro, Segundo ou Terceiro Setor da sociedade civil, necessita de planejamento para conduzir sua administração, portando, o conceito de planejamento apresenta a idéia de cálculos e análises antes de qualquer ação.    4 Segundo Stoner (apud TYSLER; BARBERO, 2003), sem planos, os administradores não podem organizar eficientemente as pessoas, controlar resultados ou até mesmo dirigir de forma geral a instituição. Da mesma forma, Chiavenato afirma que [...] O planejamento figura como a primeira função administrativa, por ser aquela que serve de base para as demais funções. [...] determina antecipadamente quais são os objetivos que devem ser atingidos e como se deve fazer para alcançá-los. [...] começa com a determinação dos objetivos e detalha os planos necessários para atingi-los da melhor maneira possível. (CHIAVENATO, 200, p.126). De acordo com a Teoria Clássica, Gulick (apud   CHIAVENATO, 2000) propõe que “planejamento é a tarefa de traçar as linhas gerais das coisas que devem ser feitas e dos métodos de fazê-las, a fim de atingir os objetivos da empresa ”. (CHIAVENATO, 2000, p. 59) Assim, baseando-se nas reflexões de Alday (2000), pode-se afirmar que o ato de  planejar refere-se ao conjunto de ações a serem adotadas para atingir um determinado objetivo  já delineado e delimitado, ou seja, a plena ou quase certeza de que estas ações acontecerão conforme os fatores determinados para o alcance dos resultados almejados. Esta autora ainda trata o planejamento como uma abordagem para o futuro, mas com medidas para mensurar resultados que ajudem a medir a eficiência das estratégias estabelecidas pelo plano de ação,  possibilitando que o planejamento seja um resultado tático da projeção do futuro. Woiler e Mathias (apud LEMOS et al,  2004) destacam que o planejamento é um  processo de tomada de decisões interdependentes, que procuram conduzir a empresa para uma situação futura deseja. Sendo que estes autores afirmam que o processo de planejamento começa com a fixação dos objetivos que a empresa espera alcançar, para nortear o  planejamento estratégico. Desta forma, o planejamento é uma das únicas ferramentas que os administradores  podem utilizar para maximizar a gestão das organizações, sendo que este processo sistêmico  permite a monitoração dos agentes, forças e resultados, tanto internos quanto externos. 2.2.   Estratégia Pode-se conceituar estratégia como a alocação de recursos para o alcance de determinado objetivo. De acordo com Chiavenato e Sapiro (2003), a palavra de srcem grega  –     strátegeos  que, com o passar dos tempos, teve por diversas vezes seu significado    5 aprimorado e, atualmente, é muito utilizada no mundo corporativo para definição de ações a curto, médio e longo prazo, na obtenção de vantagens competitivas. Para a adoção de qualquer estratégia é necessário um estudo de todo o conjunto de variáveis e circunstâncias da situação apresentada. Chiavenato e Sapiro (2003) afirmam que é difícil conceituar estratégia, por se tratar de um processo adaptativo. Cada organização trata o termo de acordo com o ambiente em que está inserida e há a necessidade de uma formulação certa para o entendimento por todos os membros envolvidos nas atividades das organizações (  stakeholders ). [...] uma das dificuldades para o estudo e aplicação do conceito da estratégia refere-se à falta de uma taxonomia dos termos associados à estratégia. Palavras como objetivos, metas, políticas ou programas costumam apresentar significados diferentes. (CHIAVENATO; SAPIRO, 2003, p. 41) Kotler (1998) propõe que não existe uma estratégia perfeita para as organizações; cada uma, na sua área de atuação, deve determinar, por meio de análises internas e externas, qual é a melhor estratégia à luz de seu setor e de seus objetivos, oportunidades, experiências e recursos. Assim como, “estratégia como a mobilização de todos os recursos da empresa no âmbito global visando atingir os objetivos a longo prazo ”. (CHIAVENATO, 2000, p. 180). Diante destes pressupostos, pode-se afirmar que a estratégia é a capacidade de  posicionar-se de forma mais adequada diante das situações apresentadas nas organizações,  principalmente diante das turbulências e constantes mudanças do cenário mundial e da organização da sociedade civil. Neste contexto, a formulação de estratégias adequadas para as Instituições do Terceiro Setor tornou-se uma premissa para que elas possam definir suas ações e alternativas de atuação. 2.3.   Planejamento Estratégico O termo planejamento estratégico, conforme Kotler (1998), surgiu nos anos 70, após grandes crises nas indústrias norte-americanas, com enfoque em ofensivas variáveis e com habilidades estratégicas. Assim, planejar estrategicamente significa pensar as organizações como um todo em relação ao ambiente em que estão inseridas, numa perspectiva de futuro;
Search
Similar documents
View more...
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks