Food

À Inspiração que encontrei na vida e que me fez aflorar o potencial da escrita, da poesia e da filosofia em mim.

Description
Danny Jin : À Inspiração que encontrei na vida e que me fez aflorar o potencial da escrita, da poesia e da filosofia em mim. Até quando terás, minha alma, esta doçura, este dom de sofrer, este poder
Categories
Published
of 22
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
Danny Jin : À Inspiração que encontrei na vida e que me fez aflorar o potencial da escrita, da poesia e da filosofia em mim. Até quando terás, minha alma, esta doçura, este dom de sofrer, este poder de amar, a força de estar sempre insegura segura como a flecha que segue a trajetória obscura, fiel ao seu movimento, exata em seu lugar...? Cecília Meireles Introdução, 11 Quando o Amor se vê, 13 Os Despertantes, 15 Até a próxima vez, 17 A Confraternização dos Solitários, 20 Flores em Campo de Batalha, 22 Claricendo eu, 23 Dias de Cálice, 27 Incompreendido Coração, 31 Ficção Autobiográfica, 34 Vivendo Para ti, 37 O Sol continua a brilhar, 42 Querido Diário, 43 Carta de Amor, 46 Epístola ao Vazio, 48 Okaeri, 51 Diferenças de igual valor, 54 Minha Alma Gótica, 56 Quando o Segundo Despertar chegar, 57 Consciente Inocência, 60 Paradoxo do Tédio, 61 O Voo entre duas Partidas, 64 Estrangeira de mim, 68 Sobrevoando Tradições, 70 Só sei que escrevo, 73 Lembro-me que na adolescência falava a algumas pessoas que Amor não era um sentimento, mas, sim, uma energia. Ninguém entendia muito bem, tampouco eu sabia explicar. Para mim, havia os sentimentos de Amor, claro. Porém, reduzi-lo unicamente a um sentimento, ao meu ver, era uma espécie de sacrilégio. Eu sentia a presença do Amor nos animais, nas árvores, nas plantas, no sol, nos ventos, na chuva, e até nas pessoas. No entanto, estranhamente, eu não sentia o Amor nos outros por suas ações amorosas, amigáveis ou caridosas, apenas. O momento em que eu mais sentia o Amor nos indivíduos era quando eles eram sinceros, humildes, simples e transparentes. Desde nova, era fácil a mim distinguir as máscaras sociais do Coração das pessoas. Mesmo eu não entendendo que existiam essas máscaras, eu logo percebia quando estavam querendo somente chamar a atenção dos outros, ou quando estavam sendo honestas e inocentes. Talvez por isso, na época, eu achasse que a relação de amizade era muito mais verdadeira e fácil ao estar a sós com alguém; já que dificilmente haveriam jogos e show de interpretação. Quando finalmente veio o Despertar Espiritual, é que pude começar a entender quem eu era de verdade, e quem não era; quem eram os outros, e quem não eram. Ensinamentos filosóficos orientais vieram ao meu encontro, colocando em termos aquilo que eu já percebia ao meu redor e em mim mesma. Os termos eram: Ego (personalidade ou mente) e Ser (eu verdadeiro ou Consciência). Conforme eu ia identificando todo o falso em mim, ia me desconstruindo como personalidade. E durante esse processo, comecei a ter alguns êxtases espirituais, o que facilitava discernir o que era real, daquilo que era condicionado em meu modo de ser. 11 Eram nesses êxtases espirituais que vinham os reais sentimentos de Amor, e junto dele, a gratidão, a devoção, a alegria, a humildade, a compaixão e o dever de servir. Ao me desfazer de crenças limitantes e da dependência de guias ou mestres, meus insights foram ficando cada vez mais genuínos. Depois de desconstruído o personagem adquirido socialmente, pude começar a reintegrar o Ser ao meu personagem singular imprescindível a um propósito maior de vida. Ou seja, o Ser vai se integrando aos poucos a uma personalidade saudável, benéfica e útil para atuar pelo todo. Muitos buscadores espirituais se iludem achando que no encontro do Ser não há mais personalidade. Mas o que realmente ocorre é que o Ser desperto começa a curar a mente, se utilizando dela para fins altruístas e construtivos. As qualidades ou dons do eu se destacam e se fortalecem, e suas fraquezas diminuem até desaparecer. Eu continuo nesse processo de autodescoberta, independentemente do nível consciencial em que me encontro, pois creio que ele nunca tenha fim. No entanto, isso não significa que eu não consiga me enxergar e me sentir como Amor. Todos, essencialmente, são Amor. Basta o Amor se ver... Mas para conseguir se ver, é preciso se entregar a Ele retirando as máscaras e abandonando seus condicionamentos. Nesse livro, reúno os insights do início de meu Despertar da Consciência. São textos poéticos escritos na época em que comecei a me enxergar com olhos mais sublimes e a me aceitar com maior compaixão. Pois, só quando o Amor se vê, Ele passa a se amar. 12 Quando o Amor se vê Cada segundo de Amor é uma dádiva. Ondas de insatisfação vem e vão, mas a paz e o amor estão sempre lá: permanentes e imutáveis. Quando reconhecemos o Amor em nós, a mente com seus conceitos ilusórios torna-se fraca e muito mais passageira. Ela não muda, continua neurótica, porém tornase secundária. A Paz e o Amor são uma coisa só; não há separação. E ao surgir em nós, o mundo começa a sorrir e a nos abraçar. A Vida, de repente, se apaixona pela gente. Algumas pedras ainda podem ser jogadas em nós, mas nunca conseguem de fato nos atingir. Elas são usadas somente para construirmos degraus... E a cada degrau de pedras feito, subimos mais um patamar. A vida torna-se uma melodia, uma poesia e uma pintura. Não há mais feiura quando a Essência do Amor se revela em tudo. Ao amarmos a nós, compartilhamos desse amor naturalmente, sem obrigação. Não existe a necessidade em receber nada em troca, pois a alegria em se doar já preenche o ser. Nos transformamos em devotos, instrumentos e serviçais do Amor... nos declaramos amantes da Verdade e seus agentes revolucionários. 13 O Amor se alimenta de si mesmo. As suas faces terrenas transformam-se constantemente, mas por detrás delas, Ele é foi e será sempre igual. Não tem como perder esse amor, pois somos isso integralmente. Mas tem como nos perder dele, pensando ser outra coisa. Não há o que adquirir e, sim, o que descobrir. E sem rendição não há descoberta. A humildade é a ponte que nos leva até o Amor. Quando deixamos de adorar o eu, passamos a amar a nós mesmos: o ser. Quando amamos a nós, não existe mais o medo de amar. Amamos abertamente, mesmo com a razão tentando nos censurar. A dor de ser incompreendido, ridicularizado ou humilhado não impede e nem inibe o Amor. Pelo contrário: o faz mais livre das armaduras do egoísmo. Nosso cego personagem é o cárcere do Amor, e o Amor só se liberta com a chave do seu próprio reconhecimento. A chave de se ver já nos foi dada. Basta vontade e coragem em sair da prisão, deixá-la para trás e se entregar à vastidão do Mistério. 14 Os Despertantes Os Despertantes são aqueles que encontram um novo sentido de viver. Eles não se acomodam mais com a vida padronizada cheia de modismos e etiquetas. Não precisam parecer inteligentes, escolados, alegres ou apessoados. Serem quem realmente são já basta. Não necessitam provar nada e nem de aprovação. Já não lutam contra algo porque compreenderam que é energia jogada fora, e já não mais desejam controlar as circunstâncias a seu modo e a todo custo. Depois de muitas tentativas o cansaço lhes chega e é revelado a impotência em comandar as situações de acordo com seus desejos. Algumas vezes se ganha, outras vezes se perde... e com essa compreensão não há mais sentido em sofrer pela dor aceita-se sem culpa ou julgamento, e então chega a paz. Sofre somente aquele que deseja sempre ganhar e nunca sabe perder. Eles já não se conformam com o vai e vem do sofrimento e do prazer. Descobrem que a vida é muito mais e que a real felicidade transcende os dois. Começam, então, a trabalhosa jornada rumo ao descobrimento do Ser. A árdua faxina é iniciada. Com a luz da Consciência, as armaduras são retiradas, a hipocrisia enxergada, os desejos renunciados, as paixões desapegadas e o medo despossuído. Ao entenderem quem não são, surgem fagulhas cada vez maiores da lembrança de quem realmente são. 15 São pessoas altamente criticadas por indivíduos dominados pelo status quo do Sistema. Assim como foram os antigos profetas e iluminados, eles também são apedrejados e caluniados pela incompreensão alheia. Mas esses Despertantes fortalecem seu espírito cada vez que se sentem frágeis e humildes perante o mundo. Ser pequeno diante dos grandes e fortes Egos é estar fortalecido em Deus que é Verdade e Amor. Aquele que desperta não vive mais guiado como rebanho através do valor material, da aparência física, de personalidades exuberantes, reputações, conveniências interesseiras e intelectualidade narcisista. Enxerga no mais simples e invisível ser, a Essência mais pura e poderosa da Vida. Os Despertantes são insignificantes aos olhos da mente, mas corajosos, honrosos e fiéis aos olhos do Coração. Os Despertantes são os verdadeiros discípulos e mensageiros do Amor. 16 Até a próxima vez _Olá! _Oi! Ufa! Que bom que você voltou! Senti a sua falta... _ Desculpa... Estava perdida, sonambulando por aí. _ É, eu percebi... Tente ficar mais atenta para não me deixar tão sozinho. Sem você eu só faço besteira. _ Às vezes o sono me domina. _ Entendo. Não se culpe... É normal acontecer quando ainda estamos nos descobrindo. _ Nos relembrando seria o mais correto, já que somos um só. _ Eu sei... Apenas com você consigo ser quem eu sou de verdade. Preciso de você para me enxergar e me amar. Sem você, eu na realidade não vivo... _ Isso foi uma declaração de Amor? Que lindo! _ Sim. Meu Coração e toda sua visão está em você, e você nele. Mas parece que algo agora está lhe cegando e distanciando... Antes, estava mais inteira e presente comigo. _ Não fique com ciúmes ou desconfiado... É o Pensamento que faz de tudo pra que fiquemos longe e nos esqueçamos de quem somos. Não tenho nada com ele! Ele é que quer dominá-lo para que seja o seu escravo. _ O Pensamento? Mas pensei que ele fosse meu amigo! 17 _ Ele é companheiro e prestativo só nas horas em que você e eu estamos juntos. Quando nos separamos, ele acha que pode usá-lo, pois você o obedece cegamente sem perceber. _ Agora estou me lembrando... Não posso permitir que isso aconteça mais! Cada um deve se colocar no seu devido lugar! E o seu, é junto a mim. _ Eu também não quero me perder mais de você. Somos felizes juntos. Eu com você sou muito mais forte, prática e dinâmica no mundo! _ E eu mais sábio, criativo e amoroso... Aquele Pensamento! Como ele pôde me fazer acreditar que era ele quem tinha o comando de tudo?! _ Calma... Ele ainda é necessário para o estudo, a elaboração e a execução de muitas funções na vida. Não se volte contra; ele não tem culpa de ser tão dominador. _ Tudo bem... Mas teremos que nos perder e nos encontrar o tempo todo?! Quero poder assumir-nos na vida, definitivamente. _ Por enquanto, sim... Nossa união ainda é gradual. Porém, a cada encontro nosso, mais ela estará fortalecida. _ Desculpe se me deixo levar pela conversa do Pensamento, com todas as suas propostas de dor e prazer... _ Eu o compreendo. Só não caia também na proposta da culpa e do vitimismo. Há muitas armadilhas dele! _ São tantos obstáculos entre nós... Esse mundo foi feito para nos separar? _ Feito para nos reencontrar, talvez... apesar dos dragões em nosso caminho. 18 _ Mas, então, precisamos vencer os dragões, nos curar da amnésia e, assim, nos lembrar de que eu e você somos um só. _ Sim! E aí... Final Feliz! E então, nós... Ai, essa não! _ O que foi? _ Acho que o Pensamento está vindo! Ele vai nos afastar de novo! Está jogando o seu feitiço do sono! _ Não!! Eu serei forte! Não o deixarei levá-la de mim! _ Estou enfraquecendo... Desmaiando. Não consigo mais enxergar direito... _ Não vá de novo... Não me deixe! Sem você eu sou só um robô! Um zumbi! _ Eu estou adormecendo e você irá se esquecer de mim novamente... Apenas lembre-se de não acreditar em tudo o que o Pensamento lhe disser e nem aceitar tudo o que ele lhe propor. Se fizer isso, prometo que despertarei e estarei junto de você. Entendeu? _ Sim, mas... _ Se cuide, Mente... Até a próxima vez, meu... amor... ZZZZZZZZZZZZZ... _ Até a próxima vez... Espero que volte logo pra mim, Consciência... Eu te amo e... Hã, o que aconteceu?! Pensamento, é você? Olá, chefe! Diga-me suas ideias, pois com você no comando eu sou sempre o cara! _ Ok, mas seja mais esperto, frio e calculista; você está sendo um fraco! Quer que os outros lhe passem a perna e o faça parecer idiota? Pra que tenha prazer, precisa fugir da dor a todo custo! Quantas vezes terei que lembrá-lo disso?! Sem noção... 19 A Confraternização dos Solitários Da minha janela observo as estrelas no céu... Sinto a solidão profunda de cada uma delas... Sinto a minha própria solidão e me uno às estrelas num mesmo sentimento. A brisa chega e também me conforta com a sua companhia por alguns segundos. No entanto, sua compreensão e carinho parecem durar uma eternidade. As árvores dançam e brincam com as luzes piscantes dos vaga-lumes. Elas se comunicam comigo através de seus movimentos e pelo som de suas folhagens estão me dizendo que me compreendem também. Nesse instante, sinto-me amada, abraçada, acolhida no colo e protegida. Algo me ama profundamente e dolorosamente cada vez que mergulho nessa solidão sublime, pois sente o que eu sinto e me entende muito além de mim mesma. Quanto mais entregue à solidão, mais livre me sinto..., quanto mais livre, mais me sinto amada. Deve haver outros solitários caminhando pela estrada da vida. Eles não procuram ninguém mais além de si mesmos para completá-los. Mas, inesperadamente, a vida os faz notarem uns aos outros em algum momento da viagem. O choque acidental acontece e um encontro verdadeiro se realiza. A existência do solitário ganha mais brilho e um novo elemento no cenário. 20 Muito do que era invisível e pouco perceptível ao mental torna-se extremamente valoroso e radiante ao cardíaco. A alma finalmente vence a razão. Compreender isso é enxergar que não existe nada mais além daquilo que sou: estrelas, brisa, árvores, solitários... Sou a todos eles e eles me são, completamente. A solidão existe sem existir. A solidão é só um sentimento que me faz alcançar o amor por todos e por tudo... E o que me une verdadeiramente a eles. 21 Flores em Campo de Batalha Ser feliz é ser verdadeiro, mesmo que isso cause incômodo, desconfiança e medo nas pessoas. Ser feliz é amar de toda alma e coragem, mesmo que o seu amor não seja valorizado ou compreendido. Ser feliz é tentar e se arriscar, mesmo que alguns saltos sejam perigosos e até fatais à sua reputação. Ser feliz é entender o tempo, respeitar os limites e aceitar as escolhas do destino. Ser feliz é permanecer simples, manter sua essência pura e enxergar o amor ao seu redor... Mesmo que o cenário ainda seja de muros, fortalezas, tiros e bombas, jogos de guerra e testes de resistência. 22
Search
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks