Documents

A Lenda de Hiram

Description
A Lenda de Hiram A lenda diz que Salomão, querendo fazer de seu corpo um templo digno, pediu a Hiram, rei de Tiro, um mestre arquiteto de obra. Hiram, Rei Consciência, envia e lhe recomenda Hiram Abiff (Mestre Construtor), filho de uma viúva Hiram Abiff é designado como chefe supremo dos obreiros para a construção do templo. Estes obreiros tinham diversos graus de capacidade e diferentes talentos individuais. Era, pois, necessário dividi-los segundo suas capacidades para poder aproveitar melhor
Categories
Published
of 9
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  A Lenda de Hiram   A lenda diz que Salomão, querendo fazer de seu corpo um templo digno, pediu a Hiram, reide Tiro, um mestre arquiteto de obra. Hiram, Rei Consciência, envia e lhe recomenda HiramAbiff (Mestre Construtor), filho de uma viúvaHiram Abiff é designado como chefe supremo dos obreiros para a construção do templo. Estesobreiros tinham diversos graus de capacidade e diferentes talentos individuais. Era, pois,necessário dividi-los segundo suas capacidades para poder aproveitar melhor o trabalho decada um.Hiram, como sábio, justo e benevolente, os repartiu em três categorias: aprendizes,companheiros e mestres. Hiram deu a cada um a maneira de se fazer conhecido como tal pormeio de signos, toques e palavras apropriados.Hiram construiu e ergueu no Templo duas grandes colunas bronze, ocas. Determinou que osAprendizes recebessem seu salário na primeira coluna, os Companheiros, na segunda e osMestres na câmara do meio .Cada classe de obreiro, para poder receber seu salário, se fazia conhecer pelo esforço etrabalho que havia dedicado à Obra.O trabalho foi dirigido e executado com sabedoria, ordem e exatidão, segundo as instruçõesrecebidas, e a obra avançou em progresso e elevação rapidamente.Apesar do número de obreiros, que entre todos eram mais de oitenta mil, e de ser feito todogênero de obra, não se ouvia nenhum ruído de instrumento de metal.Durante sete anos ou mais de construção, não houve chuva, porque o templo estavaconstantemente coberto. Igualmente reinaram a paz e a prosperidade durante a construçãodo Templo.Três obreiros da classe dos companheiros, julgando-se merecedores e dignos de seremmestres, e querendo conseguir isso pela força, como acontece com todos os ignorantes,tramaram uma conspiração para se apoderarem, pela violência, da Palavra Sagrada, e deserem reconhecidos como Mestres.Estes três trataram de convencer outros nove companheiros mestres, mas estes, no últimomomento, desistiram, porque foram perturbados pelo remorso.Os três cúmplices ficaram sozinhos, e, urdindo o crime, resolveram obter a Palavra pelaforça, do próprio Hiram.Os três aguardaram-no, a quem, por sua bondade, esperavam intimidar.Escolheram o meio-dia como a hora mais propícia, pois a essa hora Hiram costumava visitar erevisar o trabalho, e elevar suas preces enquanto os demais descansavam. Os três se dirigiram  para as três portas do Templo, que naquele momento já estavam desertas, porque todos osobreiros já haviam saído para descansar.Quando Hiram terminou sua prece e quis atravessar a porta do sul, o companheiro ali postadoo ameaçou com sua régua de vinte e quatro polegadas, pedindo-lhe a Palavra e o Sinal deMestre. Todavia, o Mestre respondeu-lhe: Trabalha, e serás recompensado! Vendo ainutilidade de seus esforços, o companheiro ignorante o golpeou fortemente com a régua. E,havendo o Mestre levantado o braço direito para deter o golpe vibrado sobre sua garganta,seu ombro direito foi atingido, paralisando o braço.O Mestre dirigiu-se, então, até a porta do Ocidente, e, ali, o segundo companheiro lhe exigiu,como o primeiro, A Palavra e o Sinal de Mestre, recebendo a mesma resposta: Trabalha, eobterás . Então este companheiro deu-lhe um forte golpe no peito com o esquadro de ferro.Meio aturdido, Hiram dirigiu-se até a porta do Oriente.Nesta porta o terceiro o esperava. Era o pior intencionado dos três, que, recebendo a mesmanegativa do Mestre, deu-lhe um golpe mortal sobre a fronte, com o malhete que havia levadoconsigo.Quando os três se encontraram novamente, comprovaram que nenhum possuía o Sinal nem aPalavra; horrorizaram-se pelo crime inútil e não tiveram outro pensamento senão o de ocultá-lo e fazer desaparecer seus vestígios. E, assim, de noite, levaram a vítima em direção aoOcidente e a esconderam no cume de uma colina, perto do local da construção.Quando Hiram não apareceu no lugar do trabalho, todos ficaram perplexos, pressagiando umadesgraça.Terminou o dia, e o Arquiteto não apareceu; então, os nove companheiros, que haviam seoposto à empresa dos três malvados, decidiram revelar aos Mestres o ocorrido. Foramconduzidos à presença de Salomão, que, depois de ter escutado o relato dos três mestres edos nove companheiros, ordenou aos primeiros que formassem três grupos, cada um delesunindo-se com seus companheiros para esquadrinhar os territórios e regiões do Oriente, doOcidente e do Meio-dia, em busca do Grande Mestre e Arquiteto Hiram Abiff, e dos trêscompanheiros da Palavra Perdida, a qual nem mesmo Salomão conhecia, e que havia seperdido com o desaparecimento de Hiram.Durante três dias o procuraram, inutilmente; porém, na manhã do quarto dia, um dos gruposque se dirigia para o Ocidente achava-se sobre as montanhas do Líbano a fim de encontrar umlugar onde pudesse passar a noite; ouviu então vozes humanas numa caverna. Eram os trêscompanheiros assassinos. Estes viram os visitantes fazer os sinais do castigo, sinais que foramadotados depois para os três graus, como meio de reconhecimento.Os três delinqüentes escaparam por outra saída da caverna, e ninguém depois conseguiuencontrar seus rastros.  Quando regressavam a Jerusalém, na noite do sexto dia (já perto da cidade), um dos trêsviajantes se deixou cair, extenuado, sobre um montículo. Observou, então, que a terra haviasido recentemente removida, e que dela emanava o odor putrefato dos cadáveres.Começando a escavar, chegaram a apalpar o corpo mas, como estava escuro, não seatreveram a continuar suas pesquisas. Recobriram então o cadáver e colocaram sobre omontículo um ramo de acácia, espécie de árvore comum, cujas flores e folhas sãosempiternas.No dia seguinte, relataram seu descobrimento a Salomão; este fez o Sinal e pronunciou apalavra, que depois foram usados como sinais de socorro. Em seguida encarregou os novemestres de verificar se se tratava do Grande Mestre Hiram, e de buscar nele os sinais dereconhecimento, os quais ficaram fixados pelas palavras que foram pronunciadas no momentoem que o corpo foi levantado da sepultura.Assim procederam e, ao verem a fronte ensangüentada, coberta por um avental, e sobre opeito a insígnia do grau, fizeram o Sinal de Horror, que ficou sendo o sinal de reconhecimentoentre os maçons. Hiram na Tradição Maçônica   De acordo com a lenda Maçônica, Hiram Abiff era um homem de Tire, o filho de uma viúva e oarquiteto-chefe do Templo construído pelo Rei Salomão. Ele era o personagem principal daconstrução do Templo (Hiram, Rei de Tire) e também um de outros três personagensenvolvidos com Salomão e ele. Hiram Abiff, segundo a Maçonaria, era o único no mundo queconhecia os segredos de um Mestre Maçon , incluindo o mais importante deles, a GrandePalavra Maçônica , o nome de Deus ( o inefável nome ). Do mesmo modo, na doutrina oculta,saber o nome de um espírito é uma chave de ter seu poder, e existe um grande poderenvolvido com o conhecimento desta palavra. Saber os outros segredos de um Mestre Maçon habilitava os maçons/obreiros a trabalhar no projeto do Templo to go out on their own ,trabalhando como Mestres Maçons e recebendo o salário de Mestres Maçons.Este Hiram prometeu revelar os segredos de um Mestre Maçon , incluindo o nome de Deus, aocompletar-se a construção do templo, e fazer com que os obreiros se tornem Mestres Maçons,aptos a frequentar seu interior como mestres (they were, as yet, only fellowcraft Masons).One day Hiram went, as was his custom, into the unfinished Holy of Holies at noon ( HighTwelve ) to worship and to draw up the work plans (on his trestleboard ) for the workmen tofollow the next day. The workmen were outside the Temple for their lunch break ( «the craftwere called from labor to refreshment« )As Hiram was leaving the Temple he was accosted by three ruffians, in succession, whodemanded that they be given the secrets immediately (without waiting for the Temple to becompleted). He was handled roughly by the first ruffian (Jubela), but escaped. Accosted and  handled roughly by the second ruffian (Jubelo), he again refused to divulge the secrets andagain escaped. The third ruffian (Jubelum) then accosted him and, when Hiram again refusedto divulge the secrets, killed him with a blow to the forehead with a setting maul. The bodywas hastily concealed under some rubbish in the Temple until midnight ( low twelve ) when itwas taken out to the brow of a hill and buried. The grave was marked by a branch of Acacia(an evergreen tree common in the Middle East), and the three ruffians attempted to escapethe country. Denied passage on a ship out of the country, they retreated into the hills tohide. Meanwhile, back at the Temple, it was noticed that Hiram was missing and KingSolomon was notified. Solomon immediately ordered a search in and about the Temple withno success. At this point 12 fellowcrafts reported to the King that they and three others (thethree ruffians ) had conspired to extort the secrets of Hiram Abiff but they had repented andrefused to go through with the murderous plan. They reported that it was those other threewho had murdered Grand Master Hiram and King Solomon then sent them out in groups ofthree to search in all directions.After questioning the sea captain who had refused the murderers passage, three of thesearchers then followed the murderers' path and discovered the grave with its Acacia at thehead. Digging down and recognizing the body, they reported back to Solomon. Solomon sentthem back to locate the grave, positively identify the body as Hiram and to attempt to raiseit from the grave with the grip of an Entered Apprentice. They relocated the grave but wereunable to raise the body because decomposition had caused the flesh to cleave to the bone.Reporting back to Solomon, they were told to return to the grave and attempt to raise thebody with the grip of a Fellowcraft. When this failed because the skin slipped away, theyreported back to Solomon who, himself, went to the grave and raised the body up with thegrip of a Master Mason, the Strong Grip of a Lion's Paw. Hiram was not only brought up outof the grave, but restored to life. The first word he spoke was the replacement for the GrandMasonic Word lost at his death and that word is the one passed down to Master Masons to thisday. (1) This, then, is the Masonic legend of Hiram Abiff, and most Blue Lodge Masons believethat it is a factual, scriptural and historical account. It is generally believed, in spite of thefact that the Masonic authorities and writers of doctrine agree that it is not only a myth,unsupported by facts, but acknowledge that it is but a retelling of Isis and Osiris. O registro bíblico   A Bíblia registra dois homens nomeados Hiram, relativo a construção do Templo do ReiSalomão; uma é Hiram, Rei de Tire, que era assistente de Salomão e quem providencioumateriais e trabalhadores para o projeto.O outro Hiram, chamado o filho de uma viúva da tribo de Naftali , era um trabalhador demetais, não o arquiteto do Templo inteiro. Ele fez os pilares, pás e bacias de metal. Asescrituras registram que este Hiram, o filho da viúva, completou todo o trabalho que ele
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks