Funny & Jokes

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR A PARTIR DE UMA LEITURA INTERDISCIPLINAR

Description
1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR A PARTIR DE UMA LEITURA INTERDISCIPLINAR Gesilane de Oliveira Maciel José UNESP Presidente Prudente RESUMO Em um cenário de profundas transformações em que a sociedade
Categories
Published
of 5
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR A PARTIR DE UMA LEITURA INTERDISCIPLINAR Gesilane de Oliveira Maciel José UNESP Presidente Prudente RESUMO Em um cenário de profundas transformações em que a sociedade é marcada pela individualidade, pelo efêmero e pela criatividade das mídias eletrônicas, as comunicações e informações se configuram em velocidade ímpar e apontam condições para acompanhar essas dinâmicas, inclusive na área da educação. Ao professor, são cobradas práticas pedagógicas com novas situações de aprendizagem e metodologias de ensino que correspondam à heterogeneidade e diversidade dos alunos, além de adaptação às novas condições de trabalho e de sociabilidade. Diante desse panorama, por entender que ser professor não é uma atividade burocrática para a qual se adquirem conhecimentos e habilidades técnico-mecânicas, fez-se necessário levantar várias frentes de reflexão, percebendo como se revela esse ser-professor diante de suas ações didáticas nesse contexto plural. Para problematizar e compreender essas questões, foi desenvolvida uma pesquisa no Curso de Mestrado em Educação do Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/MS, com o objetivo de compreender como se mostra o professor que atua na Educação Superior e como suas ações didático-pedagógicas se revelam, adotando como instrumento a fenomenologia. Inclui uma investigação bibliográfica de cunho qualitativo, tendo como arcabouço teórico Husserl (1989), Merleau-Ponty (2006), Ricoeur (1990) e demais interlocutores. Foram recolhidos depoimentos e imagens simbólicas de professores universitários, por meio das descrições das situações vividas, em análises ideográfica e nomotética, e na sequência, procedeu-se a hermenêutica das categorias abertas. Os significados revelaram a necessidade do professor estar em sintonia com o mundo-vida, como uma forma de compreender a realidade atribuindo novos sentidos ao seu fazer docente, de forma que possa ser aperfeiçoado. Sendo assim, suas ações pedagógicas são formadas a partir do contexto de coletividade, de trocas e interações que se evidencia a cada momento e torna-se possível então, adquirir novos valores, conceitos e humanizar a prática de forma mais significativa. Palavras-chave: Professor universitário. Interdisciplinaridade. Prática docente. 1 OBJETIVO DA PESQUISA E PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O objetivo deste trabalho é de compreender a atitude do ser professor universitário frente à sua prática pedagógica, amparado por uma leitura interdisciplinar e embasado na abordagem fenomenológica, buscando perceber como esse docente compreende os significados que podem fazer parte de suas ações didático-pedagógicas. 9326 2 A pergunta que norteou esta pesquisa é: Como se mostra a prática do Professor Universitário? Como pergunta didática e para elucidação, foram acrescidos dois tópicos: descreva o seu fazer docente e sua experiência e vivência e o que é e foi importante para você durante o processo de vida docente? O presente estudo tem como arcabouço teórico a investigação a partir do filósofo Edmund Husserl (1989), responsável por formular as principais teorias da abordagem fenomenológica e que abriu possibilidades para outros pensadores contemporâneos, como Merleau-Ponty (2006). Na sequência, utilizamos Paul Ricoeur (1990) com a Fenomenologia Hermenêutica. Optamos pela abordagem qualitativa de natureza interpretativa, estabelecendo o contexto teórico e prático, concomitantemente. O levantamento dos dados da experiência ocorreu por meio das descrições das situações vividas pelos sujeitos que o fazem de forma consciente, e isso ocorre através da interrogação, da pergunta, do depoimento. Com essa noção, o fenômeno poderá se manifestar sob diversas perspectivas, no entanto, como ressalta Bicudo (1997), o que importa e se destaca é a descrição do percebido, não limitando-se à enumeração de fenômenos, mas ao que é percebido daquilo que se revela. Portanto, para a descrição exaustiva do fenômeno, foram articulados dois momentos: nos depoimentos dos sujeitos; e nas imagens e símbolos escolhidos por eles, seguidos de suas próprias interpretações. Aqui adotamos a perspectiva de Chevalier e Gheerbrant (2008), que consideram que a interpretação do símbolo deve inspirar-se não apenas na figura, mas em seu movimento, em seu meio cultural e em seu papel particular. Inicialmente apresentamos os discursos ingênuos dos sujeitos, transcrevendo-os na íntegra. Em um segundo momento, destacamos os discursos nas Unidades de Significado, que se referem às falas mais significativas expressas nos depoimentos. Na análise das descrições foram levantados os conteúdos do fenômeno e suas características estruturais, comparando as respostas dos sujeitos pesquisados e as Unidades de Significado do discurso, que servem para compreender o que está sendo mostrado. O momento da interpretação consiste na síntese unificadora da coisa percebida e a explicitação do percebido. Nessa modalidade, os dados são organizados no que denominamos categorias abertas. Desse modo, tais categorias se apresentam em convergências nas Unidades de Significado, analisadas e interpretadas, e para se chegar 9327 3 ao conjunto de tais proposições epistemológicas é necessário percorrer dois momentos, o da Análise Ideográfica e o da Análise Nomotética. A análise ideográfica refere-se ao emprego de ideogramas, que expressam ideias por meio de símbolos, ou seja, buscam tornar visível a ideologia que permeia as descrições ingênuas dos sujeitos, que são os depoimentos tidos como naturais e espontâneos. Já o termo nomotético indica o caráter que se baseia em fatos e ocorre com o movimento da passagem do nível individual para o coletivo e vice-versa. Em virtude disso, as convergências passam a caracterizar a estrutura geral do fenômeno e as divergências indicam percepções individuais resultantes de modos pessoais de reagir mediante os agentes externos (MARTINS; BICUDO, 1989). As convergências e as divergências são resultantes da compreensão que mostram nos casos individuais e gerais. Na etapa subsequente, procedemos à hermenêutica proposta por Ricoeur (1990), buscando a compreensão da existência humana a partir do descortinar do sentido do depoimento, no texto escrito e na linguagem simbólica escolhida em imagem, para que o real seja percebido em sua totalidade, evidenciando a ação e a prática do docente universitário. Quanto aos sujeitos pesquisados, optamos em trabalhar com a instituição que faz parte do lócus de trabalho e das vivências educacionais da pesquisadora, portanto direcionamos a pesquisa para o estabelecimento de ensino superior de cunho privado, no qual escolhemos aleatoriamente dez educadores para a recolha dos depoimentos. Sendo assim, foram interpretados os significados a partir dessas categorias, com o intuito de se chegar a uma interpretação criadora de sentido, além da experiência das coisas e dos acontecimentos, mas capaz de revelar a dimensão ontológica do ser professor. 2 BREVE DISCUSSÃO E RESULTADOS Com base no contexto do método fenomenológico e das convergências encontradas na pesquisa com os sujeitos professores, percebeu-se que para eles, o professor como intermediador do conhecimento não repassa simplesmente a informação. É necessário desatrelar o ensino do instrucionismo produzido pela elite dominante. O conhecimento precisa ser produzido, não apenas escutado e reproduzido. É um processo de desconstrução, construção e reconstrução, em uma dinâmica de 9328 4 questionamento, de levar o aluno ao pensar, de desenvolver o seu potencial de consciência, que possa gerar transformação em sua realidade e na forma de enxergar o mundo. Não basta ensinar; é preciso saber como intermediar o conhecimento, como articular a construção das ideias, criar condições para que o aluno adquira informações, organizar estratégias para que se compreendam suas reais condições de sociedade e de cultura. Nesse cenário, é eminente o desafio do professor, que deve formar o sujeito individual, capaz de refletir sobre a sua realidade e, ao mesmo tempo, formar um cidadão em seu contexto de coletividade. Todos os elementos inerentes ao homem, que relacionam a subjetividade, como as emoções, expectativas, frustrações, necessidades, dificuldades, entre outros, da mesma forma precisam ser percebidos pelo docente sob um novo olhar. A interação entre teoria e prática também foi considerada importante, sendo relacional, crítica e transformadora, uma vez que é a teoria que conduz à prática e a prática é a ação guiada e mediada pela teoria. Nesses termos, essa relação tece uma nova realidade para o aluno, alarga a imaginação diante da complexidade da realidade, desperta novas experiências no cenário da sala de aula e contribui para a compreensão de novos temas, partindo de uma nova maneira de ler a realidade, beneficiando a relação pedagógica como um todo. Outro fator destacado pelos professores foram as inovações tecnológicas que também fazem parte desse contexto imaginário. Não basta utilizar os slides no projetor de multimídia ou até mesmo a lousa digital, se a aula continuar a ser um repositório de conteúdo. As ferramentas tecnológicas são necessárias, mas precisam vir acompanhadas de um espírito criativo e inovador, caso contrário, o método de aula continua sendo o mesmo. Por fim, na prática pedagógica, é interessante criar as relações de afeto que expressam a vida afetiva, como as emoções, os interesses, os medos e as alegrias são sentimentos que fazem parte da construção do ser humano. Quando o aluno tem liberdade e se sente competente para participar de forma ativa nas aulas e o professor proporciona essa interação, motivando e incentivando o aluno a desenvolver o seu potencial, a relação torna-se mais significativa, e essa interação contribui para o seu aprendizado. Tal aprendizado faz parte tanto do percurso acadêmico do aluno, como do professo de formação docente, que necessita estar em constante aprendizagem. 9329 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Buscando compreender a prática docente a partir da fenomenologia, percebemos que o docente pode buscar a partir deste olhar fenomenológico, o efeito de sentido de suas práticas, como uma forma de compreender de forma consciente suas vivências e saberes, dando condições de perceber e partilhar o que é visível e o que se apresenta além disso por meio da percepção do mundo. Por meio das análises fenomenológicas, os elementos considerados essenciais para os sujeitos que participaram desta pesquisa, perpassam pela preocupação com a formação integral do aluno e, por meio da interação, da troca e do compartilhar, promover aulas dinâmicas, motivadoras e inovadoras, estabelecendo os conceitos teóricos e as experiências e vivências, para que o ensino seja contextualizado e faça sentido ao aluno. Para eles, essa forma de ensinar promove seu próprio aprendizado, que deve ser contínuo. Destarte, a tarefa de ressignificar o fazer docente, acontece à luz da evidência que se mostra a cada momento, e pode ser feita pela linguagem, aprendizagens e interações. Percebendo o fenômeno de sua experiência, torna-se possível então, adquirir novos valores, conceitos e humanizar a prática de forma mais significativa. REFERÊNCIAS BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Sobre a Fenomenologia. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani; CAPELLETTI, Isabel Franchi (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Educação: um enfoque fenomenológico. 2. ed. São Paulo: Unimep, HUSSERL, Edmund (1984). A Ideia da Fenomenologia. Trad. MORÃO, Artur. Lisboa: Edições 70, MARTINS, Joel; BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. A Pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. São Paulo: Moraes, EDUC, MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, RICOEUR, Paul. Interpretação e Ideologias. 4. ed. JAPIASSU, Hilton (Trad.). Rio de Janeiro: Francisco Alves,
Search
Similar documents
View more...
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks