Documents

A Práxis Do Psicólogo Comunitário_ Desafios e Possibilidades _ Psicologia Comunitária _ Atuação

Description
psicologia social
Categories
Published
of 19
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  17/05/2016 A Práxis do Psicólogo Comunitário: Desafios e Possibilidades | Psicologia Comunitária | Atuaçãohttps://psicologado.com/atuacao/psicologia-comunitaria/a-praxis-do-psicologo-comunitario-desafios-e-possibilidades 1/19 (/) A Práxis do Psicólogo Comunitário: Desaos ePossibilidades (/atuacao/psicologia-comunitaria/a-praxis-do-psicologo-comunitario-desaos-e-possibilidades) Autor: Géssica da Silva Cardoso | Publicado na Edição de: Fevereiro de 2012 (https://psicologado.com/edicoes/02/2012)Categoria: Psicologia Comunitária (/atuacao/psicologia-comunitaria/) Resumo: As discussões acerca dos trabalhos realizados em Comunidades têm seexpandido e novas demandas tem sido apresentadas a esses prossionais de Psicologiade tal maneira que o habilitem a dar conta das questões tanto de ordem coletiva quantosocial. Diante dessas demandas essas questões tem se revelado cada vez maisfreqüentes. Durante o início das décadas de 40 e 50 os primeiros trabalhos comunitáriosforam realizados no Brasil com um forte cunho assistencialista oriundo de práticasnorte- americanas. O Psicólogo nesse período realizava trabalhos em projetoseducacionais com a nalidade de auxiliar a população a um novo modelo econômico queemergia no Brasil. Com o passar dos anos, essas práticas assistencialistas forammodicadas a partir de reexões feitas pelos psicólogos relacionadas à metodologia    17/05/2016 A Práxis do Psicólogo Comunitário: Desafios e Possibilidades | Psicologia Comunitária | Atuaçãohttps://psicologado.com/atuacao/psicologia-comunitaria/a-praxis-do-psicologo-comunitario-desafios-e-possibilidades 2/19 aplicada na época. Este artigo traz algumas considerações sobre as formas de atuaçãodo psicólogo comunitário, bem como uma proposta de reexão e as possibilidades edesaos encontrados por este prossional na atualidade.   Por esta razão, utilizamos apesquisa bibliográca a partir de outros artigos, textos e periódicos. Autores compensamento teórico que forneça auxílios relacionados ao tema proposto. Foramestudados os escritos posteriores ao período da consolidação da Psicologia SocialComunitária no decorrer desses anos. Palavras-chave: psicologia social comunitária, psicologia social, comunidade. Introdução Falar de Comunidade é falar sobre vida cotidiana, vida em comum, coletividade.Segundo Campos, (1994, p. 9) “é na Comunidade que grande parte da vida do sujeito évivida”. Durante muito tempo desde o golpe militar no Brasil, o conceito de Comunidadeesteve distante do discurso psicológico, mas por volta dos anos 70, surge um interessesobre essa temática dentro da Psicologia Social, é neste momento que ela denomina-seComunitária (SAWAIA, 1994, p 35).A Prossão de Psicólogo foi reconhecida no Brasil em 1962, dois anos antes dogolpe militar que impôs ao país um regime ditatorial. A prática psicológica neste períodobaseava-se em intervenções desenvolvimentistas oriundas de uma repressão política, oque resultou em um modelo individualizado de atuação. O pensamento ideológicodesenvolvimentista causava na população brasileira, mais especicamente na classemédia, um comportamento consumista e um posicionamento conformista frente aosistema político. Predominava-se o individualismo que afetava as práticas psicológicas ea produção de novos conhecimentos.Nessa época, os movimentos sociais eram impedidos pelo controle e repressão daditadura, e isto fazia com que os cidadãos não tomassem um “posicionamento críticoem relação à realidade vivida” (SCARPARO, GUARESCHI, 2007, p.8).Durante a ditadura, os trabalhos dos psicólogos eram direcionados pelo modeloclinico, intervenções aconteciam em escolas e trabalhos eram feitos na área derecrutamento e seleção. Nesse período ditatorial a psicologia estava sendo refém denecessidades políticas e econômicas geradas pelo governo militar. O Brasil estavasujeito a um modelo de governo que privava o indivíduo dos seus direitos básicos, taiscomo: moradia, educação, emprego. A partir desse processo social, vários prossionaiscomeçaram a atuar junto à população (CRUZ; FREITAS; AMORETTI, 2010).Os primeiros cursos de psicologia aqui no Brasil sofreram grande inuência norte-americana, professores e alunos de graduação desejavam desenvolver trabalhos juntoaos setores desfavorecidos, com o propósito de construir um saber ligado com asnecessidades socais,tornando a psicologia mais próxima do povo (CRUZ, 2010).Sendo assim, é neste cenário de deselitização da Psicologia, da preocupação comas questões sociais, com as formas de relações de desigualdades queconseqüentemente dava margem ao autoritarismo, que surgem base para aconsolidação e fundamentação da Psicologia Social Comunitária (AMORETTI; CRUZ;FREITAS, 2010).  17/05/2016 A Práxis do Psicólogo Comunitário: Desafios e Possibilidades | Psicologia Comunitária | Atuaçãohttps://psicologado.com/atuacao/psicologia-comunitaria/a-praxis-do-psicologo-comunitario-desafios-e-possibilidades 3/19 Dessa forma, ia se criando uma nova forma de pensar sobre a prática psicológica,isso acontecia em um contexto de repressão que a sociedade estava vivenciando. Asintervenções de forma individualizantes não conseguiam da conta de questões queeram de ordem macro social. Essa mudança de enfoque que ocorreu na America Latinaem relação aos modelos tradicionais de formação acadêmica na área possibilitou umapostura diferenciada dos prossionais que “maximizava a saúde dos cidadãos e queessa saúde só poderia ser alcançada com a educação, a cultura, a habitação, ao lazer”(CRUZ; FREITAS; AMORETTI, 2010, p. 78). O propósito disso era atingir relações mais justas e igualitárias. Como sinalizam as autoras citadas acima: [...] Podemos dizer que o período histórico que viveu a America Latina reuniucondições de possibilidades para que emergisse um novo olhar psicológico,comprometida com a realidade do cotidiano dessas populações, maximizando ásaúde dos cidadãos [...] CRUZ, FREITAS, AMORETTI, 2010, p.77  Um dos primeiros passos para a mudança das práticas psicológicas era pensarsobre elas, o outro era fundamentar esse novo olhar fora do pensamento srcinal. Noentanto, nos Estados Unidos que surge a nomenclatura “Psicologia Comunitária”,referindo-se a prossionais que trabalhavam com populações desfavorecidas, essestrabalhos possuíam um forte caráter assistencialista, contudo sem uma análise crítica, oque gerou poucos resultados (LANE, 1996, p. 18). Breve Histórico da Psicologia em Comunidades (Anos 60, 70,80 e 90) a) Anos 60 – Regularização da Prossão e a Inserção do Psicólogo Durante as décadas de 40 e 50 um novo modelo de produção foi ingressado noBrasil do agropecuário ao agroindustrial, o que demandou uma nova preparação para apopulação trabalhadora, o Estado desenvolveu projetos na área educacional para essaspopulações, com o intuito de prepará-los para esse novo modelo econômico. Essestrabalhos realizados junto à classe trabalhadora eram chamados de “trabalhoscomunitários.”Esse projeto de educação era realizado por um interesse econômico do Estado, e osprossionais que estavam integrados neste projeto de educação eram “provenientes dasciências humanas e sociais” (FREITAS, 1996, p. 57). Diante desse desenvolvimentoeconômico, o país passa para a década de 50 com projetos Comunitários realizados emvários lugares, no entanto, esses trabalhos ainda tinham um foco paternalista.Nos anos 60 surgem movimentos de resistência frente ao modelo capitalista quenão davam conta das necessidades primárias dos populares. Dessa maneira, tanto apopulação urbana como a população rural reivindicavam melhores condiçõesrelacionadas às suas necessidades básicas. Neste período, “o custo de vida torna-seinsuportável para a classe trabalhadora” como sinaliza FREITAS ( apud  FREIRE, 1979, p  17/05/2016 A Práxis do Psicólogo Comunitário: Desafios e Possibilidades | Psicologia Comunitária | Atuaçãohttps://psicologado.com/atuacao/psicologia-comunitaria/a-praxis-do-psicologo-comunitario-desafios-e-possibilidades 4/19 57) “[...] as greves espalham-se em vários setores da população e dos serviços, odesemprego atinge números assustadores, e a inação e o custo de vida torna-seinsuportáveis para as classes trabalhadoras e para população em geral”.Com essa crise, o Brasil, nos primeiros anos da década de 60, procura intervençõesna área educacional, com o objetivo de desenvolver na população uma consciênciacrítica, a m de que a mesma pudesse tomar o seu lugar de sujeito ativo. ConformeFreitas (1996, p. 57), trabalhos de educação popular foram realizados utilizando métodode Paulo Freire, esses trabalhos tinham um compromisso de fazer com que o individuoresgatasse seu papel como agente histórico e social. (FREITAS apud  FREIRE, 1979, p.57).O Pensamento Freiriano é o de conscientizar a comunidade para que esta possaconhecer seus direitos e deveres. Segundo o mesmo autor, uma comunidadedesconscientizada “prefere viver como Deus quiser a reivindicar seus direitos” (FREIRE,1980, p. 59). Os trabalhos desenvolvidos no nordeste por prossionais duraram poucotempo, esses trabalhos começou a gerar na população uma vontade lutar por seusdireitos, lutar por melhores condições de vida, no entanto, o Estado impedia ofortalecimento da população.Sendo assim, algumas reivindicações populares acontecem neste período, como acaminhada dos camponeses por condições melhores no plantio; os operários pormelhores condições salariais dentre outros. Em Março de 1964, instaura-se a ditadura nopaís, que obriga a população a viver no regime ainda pior, a miséria e a pobreza eramassustadores (FREITAS, 1996, p.58).Diante disso, perto das indústrias estavam as casas e casebres que iam crescendode forma desajeitada, sem segurança alguma. Essas moradias eram construídaspróximas dos locais onde as pessoas podiam trabalhar. “As pessoas que habitavamnessas casas, vilas, bairros eram trabalhadores destas fábricas, hospitais, indústrias emansões” (FREITAS, 1996, p.59).Ocialmente o reconhecimento da prossão de Psicólogo no Brasil foi em 27 deagosto de 1962, os primeiros cursos tinham o seu arcabouço teórico oriundo dosEstados Unidos. A Psicologia baseou a sua prática a partir de trabalhos realizados emconsultórios, ambientes escolares e nas organizações, essas práticas eramespecialmente na década de 60.Em meados dos anos 60, em alguns lugares dá-se a entrada do prossional depsicologia nos setores desfavorecidos com a preocupação de tornar essa práticapróxima do povo, com o intuito de deselitizar a prossão. Essas práticas ganharamforças. Nesse período, surge a primeira turma de psicologia no Brasil. Em um contextode desespero da população com o descuido do Estado e diante de vários conitossociais que o psicólogo é desaado a atuar.O termo  psicologia na comunidade  é utilizado quando alguns estudantes, psicólogose professores de graduação começam a desenvolver trabalhos em comunidade de baixarenda no estado de São Paulo. Na década de 70, no estado de Belo Horizonte naUniversidade Federal de Minas (UFMG), a disciplina Psicologia Comunitária começa a

Dr. RECKEWEG

Aug 2, 2017
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks