Documents

À Sombra da Revolução Mexicana

Description
À Sombra da Revolução Mexicana História Mexicana Contemporânea, 1910-1989 Héctor Aguilar Camír & Lorenzo Meyer (pág 13) No caminho de Madero Os contemporâneos diziam que uma revolução no México era algo impossível de acontecer. Inclusive o jornal El Imparcial, que era um dos símbolos da transformação mexicana. A sociedade mexicana adotou inovações que sacudiram a sociedade da virada do século. Porém, apesar de sonhar com os princípios do liberalismo e do igualitarismo, o México ainda estava bas
Categories
Published
of 12
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  À Sombra da Revolução Mexicana História Mexicana Contemporânea, 1910-1989 Héctor Aguilar Camír & Lorenzo Meyer (pág 13) No caminho de Madero Os contemporâneos diziam que uma revolução no México era algo impossível deacontecer. Inclusive o jornal El Imparcial  , que era um dos símbolos da transformaçãomexicana.A sociedade mexicana adotou inovações que sacudiram a sociedade da virada doséculo. Porém , apesar de sonhar com os princípios do liberalismo e do igualitarismo , oMéxico ainda estava baseado na oligarquia. Ainda era uma sociedade indígena ,  católica e possuía princípios corporativos. (pág 14) Agora , o federalismo vinha na forma do caciquismo , a democracia era aditadura; o progresso vinha na forma de investimentos estrangeiros. Entretanto , astransformações eram permanentes.Nos trinta anos que antecederam a 1910 , o México sofreu uma reestruturação queredefiniu inclusive as suas fronteiras. Isso rendeu um crescimento estrondoso doinvestimento norte-americano , que foi transferido para a ferrovia e para a mineração. (pág 15) Entre o final do século XIX e o início do XX , não só a população , mas também aeconomia , a renda nacional , a importação e a exportação (esta ainda mais) sofreramum grande crescimento. A bancarrota das finanças se transformou em superávit em1895.Os autores utilizaram esses exemplos para mostrar que a Revolução Mexicana não foibaseada na miséria , e sim da desordem que o progresso gerou , pois:    O investimento estrangeiro gerou a inflação;    O vínculo com a economia norte-americana vulnerabilizou o México àsflutuações da economia estadunidense;    A mineração alterou regiões inteiras , criando instabilidades e turbulências;    A ferrovia multiplicou o preço das terras ociosas , facilitando a sua expropriaçãoe segregou os centros tradicionais de comércio , assim como as oligarquias quese beneficiavam;    A modernização agrícola contribuiu para a destruição da economia camponesae atirou habitantes das aldeias à fome e à migração.  (pág 16) A ruptura agrária A mais velha das rupturas afetou as comunidades do Centro-Sul do país. Era o históricoconflito entre o liberalismo e o sistema corporativo de propriedade de terras , quetinha a propriedade do clero e das comunidades indígenas.A resistência do clero data do século XIX , assim como a das comunidades locais. Oclímax foi com as leis de desamortização das propriedades de 1856 , que foi sancionadano período juarista pós-intervenção francesa.Em 1895 , Porfirio abriu uma nova onda de desamortização (liberação , para alienação ,  dos bens de mão-morta) , com a Lei das Terras Devolutas e Ociosas , que era a denúnciae a apropriação de terras improdutivas. (pág 17) Com isso:    O consumo de milho caiu 10kg entre 1895 e 1910;    A média de vida caiu para 31 para 30 , 5 anos;    Nos últimos 5 anos do século XIX , a mortalidade infantil aumentou de 304 para335 mil.O est  abli  sh m ent  porfiriano com os fazendeiros implicou desapropriação , retrocesso esubsistência precária das aldeias camponesas. A magnitude da resistência atransformou na maior das rebeliões camponesas mexicanas , liderada por EmilianoZapata.A Lei das Terras Ociosas e a especulação gerada pela ferrovia submeteram àdesapropriações e afrontas não só a população de Morelos (comandada por Zapata) ,  como também membros de comunidades nortistas e herdeiros das antigas colôniasmilitares que pontilhavam os territórios fronteiriços durante o século XIX. Nos últimosanos do porfiriato , essas povoações foram submetidas à especulação fundiária e aosinteresses oligárquicos regionais. (pág 18) A consolidação das oligarquias tirou a independência política dessesmunicípios.A pacificação dos índios mayo e yaqui , de Sonora , ignorou os direitos ancestrais etransferiu a dominação da terra para os brancos. Essas terras eram fertilizadas pelosúnicos rios com fluxo quase permanente nas planícies sonorenses. Apesar da guerrainicial contra os índios (1877-80) , a resistência yaqui permaneceu viva ao longo doporfiriato e da Revolução. Caminhos fechados Entre 1900 e 1910 , houve diversos fatores para o embarreiramento das classes médiae operária:     A inflação alta (dos investimentos estrangeiros) e as isenções fiscais fizeram ogoverno criar novos impostos;    A consolidação das oligarquias diminuiu o espaço das classes médias;    As principais posições sociais começaram a ser ocupadas por amigos efamiliares dessas oligarquias , o que acabou criando uma rede de monopólio.Os autores citam Benjamin Hill , que era um dos preteridos por conta dessas oligarquiasque ressugiram. (pág 20) Território minado A mineração e a reativação industrial contribuíram , durante o porfiriato , dos primeirosbatalhões operários no México. Porém , eram as companhias estrangeiras queexploravam as minas e controlavam a vida municipal , principalmente na cidade deCananea. Lá , em apenas 6 anos (1900-1906) , o cobre atraiu 14mil habitantes. Em maiode 1906 , Cananea possuía 5260 trabalhadores mexicanos e 2200 estrangeiros , e osalário mínimo da região era superior ao da média do país. (pág 21) A organização dos trabalhadores de Cananea foi sob a influência domagonismo e da efervescência radical que assolava as fábricas na Califórnia e noArizona , que tinha a influência do anarcossindicalismo e da expansão das correntessocialistas nos EUA. Em fins de maio de 1906 , por conta de um nacionalismoperturbado e de um repentino aumento da carga de trabalho , os operáriosorganizaram uma greve.Por conta da queda dos investimentos estadunidenses e pela contração dos mercadosdo mesmo , as fábricas de Cananea fecharam suas portas em 1907 e só reabriram em1908 , quando o maderismo já estava em marcha. Naufrágio em Rio Blanco Os operários rejeitaram uma proposta do presidente Díaz , que consistia emestabelecer regulamentos favoráveis em seus relacionamentos com a empresa , masrestringia direitos políticos. A agitação popular começou com vivas a Juárez e gritoscontra espanhóis e franceses que dominavam as fábricas. (pág 22) Os grevistas soltaram prisioneiros e , para conseguir armas , marcharam paraNogales , onde também saquearam a sede municipal , libertaram mais presos eprosseguiram com o estandarte de Juárez.A festa terminou com a chegada do Exército a Santa Cruz , sob o comando doSecretário de Guerra , Rosalino Martínez.As greves de Cananea e Rio Blanco mostratam a Porfirio Díaz que o establishment nãofuncionava sem repressão.  (pág 23) O Despertar do Norte A  pax porfiria n a despontou o surto capitalista no México. Bancos que facilitavam ocrédito , o boom do petróleo no Golfo , boom da mineração em Sonora , Chihuahua eNuevo León , boom industrial em Monterrey , entre outras coisas , trouxeram estímulomaterial para uma dupla e efetiva incorporação: o mercado estadunidense e a rede daRepública Mexicana. O Norte agora era um foco de investimentos.Houve um fluxo migratório do Centro para os campos agrícolas de La Laguna e ElYaqui , para as minas de Sonora e Chihuahua , para os campos petrolíferos de Tampico epara as indústrias de Nuevo León , o que causou uma ruptura nas tradicionais relaçõesagrárias. (pág 24) Na década de 1890 , Torreón se transformou em entreposto de distribuição doNorte , graças à expansão ferroviária. Os salários dali eram os mais altos da República.Os proprietários pagavam os salários em dinheiro , não em vales , e vendiam seusprodutos a preços mais baixos.Aquela realidade gerou o trabalhador migrante. Eles colhiam as vantagens de um bomsalário e melhores condições de trabalho. Porém , não tinha onde ficar quando haviafases de má colheita , uma vez que era desenraizado. Este foi o trabalhador queforneceu braços ao Exército do Norte , que foi caracterizado pela dupla disponibilidadede alistamento fora da zona de recrutamento.O norte serrano foi o mais afetado quando da crise da mineração e da queda dospreços do prata. (pág 25) A crise na produção de alimentos somou à desordem no setor mineiro. ONorte era um território onde constantemente ocorriam revoltas , rebeliões e bandositinerantes. Tumultos mineiros e rebeliões armadas contra usurpações municipais nosanos de 1880 e 1890 , respectivamente. Novos ramos, velhos troncos F rancisco Madero foi a personificação do último levante anti Porfirio. Erarepresentante das famílias patriarcais que haviam se consolidado durante o século XIX ,  e que havia sido preterida pelo governo centralizador de Porfirio Díaz. (pág 26) Os porfirianos chegaram ao poder através de uma rebelião militar em 1876.Sua pretensão era a destruição dos enclaves que o período juarista construiu. Pouco apouco , os porfiristas e as classes que foram prejudicadas pelo est  abli  sh m ent  dogoverno anterior tomaram conta da maioria dos estados mexicanos. No início doséculo XX , os herdeiros do período juarista tentaram mudar o curso dos fatos.Com o porfiriato perpetuando no poder , as antigas oligarquias do Norte foram para aoposição.

pos-semiotica

Aug 10, 2017

Nº 12 Marzo 2015

Aug 10, 2017
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks