Religion & Spirituality

A Vida Que Nasce Da Morte

Description
Por: Sinval T.Silva http://www.assbetel.com.br
Published
of 3
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  A Vida que Nasce da Morte   “Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só;mas se morrer produz muito fruto. Quem ama a sua vida, perde-a; mas aquele que odeia a suavida neste mundo, preservá-la-á para a vida eterna”, João 12:24-25. O pensamento que ainda predomina na maioria das pessoas, é que o indivíduo precisaestar ligado a uma religião para ser salvo. Mas, isso não tem respaldo nas Escrituras.O essencial é estar em Cristo, e não na instituição religiosa. Cristo é quem regenera esalva o pecador, e não a religião: “Se alguém está em Cristo, é nova criatura”, IICoríntios 5:17. Para estar em Cristo, o pecador precisa ter uma experiência real denovo nascimento. Entretanto, muitos dos que se dizem convertidos, não dãoimportância ao que Jesus disse: “Em verdade, em verdade te digo, que se alguém nãonascer de novo, não pode ver o reino de Deus”, João 3:3. As expressões: “novonascimento”, “nascer de novo,” “nascer do Espírito”, a maioria já conhece; mas, demodo superficial, sem ter uma experiência real de conversão. Além do mais, a doutrinado novo nascimento não é vista com muita clareza nas comunidades religiosas, porquea maioria confunde vida em Cristo, com práticas religiosas; batismo na morte deCristo, com batismo nas águas; justificação pela fé, com perdão de pecados; ser feito justo em Cristo, com integridade moral. Daí, a grande necessidade de conhecermos asEscrituras com mais profundidade, deixando de lado as idéias preconcebidas, ascrendices, as intolerâncias e as opiniões religiosas.Para entendermos a doutrina do novo nascimento com mais clareza, é importantecomeçar com a pergunta que Nicodemos fez a Jesus: “Como pode um homem nascer,sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?”, João3:4. A pergunta do doutor da lei aponta para uma resposta lógica: Novo nascimentonão é a repetição do nascimento natural – João 113.As Escrituras mostram também, com muita clareza, que novo nascimento não éformalismo religioso, nem vida religiosa exemplar, como pensavam os fariseus – Lucas18:11-12. Existem bons religiosos que precisam nascer de novo: “Eles vêm a ti como opovo costuma vir, e se assentam diante de ti como meu povo, e ouvem as tuaspalavras, mas não as põe por obra; pois, com a boca confessam muito amor, mas ocoração só ambiciona lucro”, Ezequiel 33:31. Por mais dotado e refinado que seja oreligioso, existe no seu interior uma natureza ímpia que precisa ser tratada em Cristo,na cruz. Além do mais, o homem sem a experiência real de regeneração écompletamente cego às verdades espirituais. Todos os que são dotados de justiçaprópria, boas atitudes e bons costumes, precisam ser regenerados: “Não te admires deeu te dizer: Importa-vos nascer de novo”, João 3:7.As Escrituras informam ainda, que, novo nascimento não é rito batismal. A água dobatismo não regenera o pecador. Se o batismo nas águas ou com água, regenerasse opecador, Cristo não precisaria ter morrido. Segundo o propósito de Deus, o pecadorprecisa ser batizado em Cristo, na cruz, para ser salvo: “Ou, porventura, ignorais quetodos os que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados na sua morte?”,Romanos 6:3. Este é o batismo que dá ao regenerado o revestimento de Cristo: “Porque todos quantos fostes batizados em Cristo, de Cristo vos revestistes”, Gálatas3:27. O rito batismal é apenas um símbolo do batismo em Cristo.Obras religiosas também não provam novo nascimento na vida do crente - Mateus7:21-23. A educação religiosa e os conhecimentos teológicos dão aos homenssabedoria; mas, são impotentes para produzirem o milagre da regeneração. Todossabem que por trás de muitos púlpitos existem teólogos que precisam serregenerados.Novo nascimento não é reencarnação. Quem afirma que João Batista foi à  reencarnação de Elias, está equivocado, porque Elias nunca desencarnou: “Indo elesandando e falando... eis que Elias subiu ao céu num redemoinho”, II Reis 2:11.Novo nascimento não é filosofia de vida; não é código moral. Os códigos morais sãoimportantes, mas não conferem vida a ninguém; além do mais, os homens fazem asleis, mas não conseguem cumpri-las.Novo nascimento não é escapar com vida de um acidente trágico. O motorista perdeuo controle do automóvel em alta velocidade ao passar por um viaduto. O carrodesgovernado saiu da pista, voou por cima das árvores e caiu no gramado do outrolado da rua. O motorista não sofreu um só aranhão. O repórter comentando o acidentedisse: “Aquele rapaz nasceu de novo!” O nascer de novo segundo o repórter, foi o fatodo motorista ter escapado com vida daquele acidente de grandes proporções.Depois dessas considerações negativas sobre o novo nascimento, vejamos o que oSenhor Jesus diz sobre o assunto: “O que é nascido da carne, é carne; o que é nascidodo espírito, é espírito. Não te admires de eu te dizer: Importa-vos nascer de novo”,João 3:6-7. Isso significa nascer do alto, nascer do Espírito. É um milagre que só Deuspode realizar na vida do pecador- João 1:13. Milagre é um acontecimento que nãopode ser explicado pelas leis da natureza. Assim como um lobo não se transforma emovelha, nem um tigre em elefante, a não ser por meio de um milagre realizado pelopoder divino, assim também o homem nasce de novo pelo poder Deus.Novo nascimento segundo o profeta Ezequiel 36:26-27, é a troca de coração; e nalinguagem paulina é o despir-se do velho homem e o revestir-se do novo - Colossenses3:9-10.Novo nascimento é mudança de filiação. O pecador passa da condição de filho da ira -Efésios 2:3, para a condição de filho de Deus - Gálatas 4:6. O vínculo de filiação nafamília humana só pode ser por meio do nascimento natural. E o vínculo de filiação nafamília de Deus ocorre por meio do nascimento do Espírito - I João 3:9-10.Foi Deus quem tomou a iniciativa de regenerar o homem por meio de Cristo. Asalvação que Deus nos deu em Cristo, é perfeita e completa no sentido mais absoluto.Deus não nos deixa à mercê da nossa natureza pecaminosa. Deus tem poder parafazer do mais vil pecador, uma nova criatura – Marcos 10:27.Deus é o autor do novo nascimento - Tiago 1:18. Jesus Cristo é a base - II Coríntios5:17. O Espírito Santo é o agente - João 3:8. A Escritura é o meio - I Pedro 1:23.Muitos estão perguntando: “Porque insistir tanto neste assunto?” Deixemos que oSenhor Jesus dê a resposta: “Quem não nascer da água e do Espírito, não pode entrarno reino de Deus”, João 3:5. Com a natureza com a qual todos nascem, ninguém podeentrar no reino de Deus. Deus diz que a humanidade inteira é corrupta, rebelde,incrédula e perversa - Salmos 14:2-3. Tendo nascido errado é preciso nascer de novo.O ser humano em seu nascimento natural é filho espiritual do diabo - I João 3:8. AEscritura diz que todas as pessoas já nascem espiritualmente mortas em delitos epecados - Efésios 2:1. Isso não significa que as pessoas estão fisicamente mortas;mas, por não possuírem a vida de Cristo, para serem chamadas de vivas, é que estãoespiritualmente mortas. Daí, todos precisam nascer de novo. Mas, lembre-se, nãoexiste novo nascimento sem morte: “Insensatos! O que semeias não nasce, seprimeiro não morrer”, I Coríntios 15:36.Se a semente for lançada na terra e não morrer, permanece na escuridão, sozinha,enterrada debaixo da terra, até que venha apodrecer sem vir à vida, e produzir acolheita desejada.Deus incluiu o pecador em Cristo para morrer, conforme o Seu propósito inserido naEscritura. Esta é a grande verdade que todos devem crer: Se não morrer, não nasce, éa lei da semeadura.Embora se trate de uma coisa tão familiar, aprendemos com a lei da semeadura umagrande lição. A semente morre, para depois nascer e gerar frutos. É o milagre da vida  que nasce da morte. Por isso Deus nos colocou em Cristo, na cruz, para a morte, a fimde recebermos a nova vida na sua ressurreição - I Pedro 1:3. A morte de Cristo foi anossa morte - II Coríntios 5:14. Quem morreu em Cristo vive para Deus – II Coríntios5:15.A nossa inclusão em Cristo na sua crucificação, na sua morte e ressurreição, é averdade central do Evangelho da Graça, que todos precisam conhecer e crer. Deus dizque toda a raça humana foi crucificada, morta e sepultada com Cristo no mesmo dia: “Porque eis aqui a pedra que pus diante de Josué; sobre esta pedra única estão seteolhos; eis que eu lavrarei a sua escultura, diz o Senhor dos Exércitos, e tirarei ainiqüidade desta terra num só dia”, Zacarias 3:9.Assim como Cristo identificou-se com a raça humana no pecado, para tirar a iniqüidadeda terra, também toda a humanidade identificou-se com Ele na morte, para se livrarda natureza pecaminosa. Todos nós fomos levados ao Calvário na pessoa de Cristo: “Fomos unidos com Ele na sua morte”, Romanos 6:5. A lei exige a morte do pecadorpara o pecado: “A alma que pecar essa morrerá”, Ezequiel 18:4. Não existe discórdiaentre o amor e a lei; o amor reconhece que o pecador precisa ser punido: “O Senhor étardio em irar-se, mas grande em poder, e jamais inocenta o culpado”, Naum 1:3.Tudo o que Deus fez por meio de Cristo, foi em benefício de todos, ninguém foiexcluído do propósito divino: Deus amou a todos - João 3:16; Cristo atraiu a todos -João 12:32; todos morreram em Cristo - II Coríntios 5:14; todos foram batizados emCristo - Romanos 6:3; todos foram ressuscitados em Cristo - Efésios 2:6; e todos osque crêem serão feitos filhos de Deus - João 1:12.A doutrina do novo nascimento é uma verdade radical. Mas, “nada podemos contra averdade, senão em favor da própria verdade”, II Coríntios 13:8. Assim afirmouReginald Cooke: “Mesmo que a verdade doa, machuque, aceite-a de qualquermaneira.” A pregação da nossa morte em Cristo, na cruz é vergonhosa e humilhante.Por isso, não é vista pela igreja moderna com bons olhos. Não combina com oevangelho popular que está em pleno crescimento em nossos dias. Assim dizia A.W.Tozer: “A cruz do evangelho popular, não é a cruz do Novo Testamento. É ao contrárioum novo e brilhante ornamento do seio de um cristianismo autoconfiante e carnal. Aantiga cruz matava os homens, a nova os entretém; a antiga os condenava, a nova osdiverte; a antiga destruía a confiança na carne, a nova a estimula; a antiga produzialágrimas e sangue, a nova produz risos.” A maioria dos pregadores não fala da morte do pecador com Cristo, na cruz, porqueessa pregação provoca antagonismo e incompatibilidade com os doutores, com osnobres, com os empresários, e com a mídia. Acham que a classe nobre não pode serhostilizada com uma pregação que visa combater pela raiz a natureza perversa dohomem e suas anomalias sociais, mediante a transformação do caráter, de maneirainflexível e implacável.Para quem pensa que essa pregação deve ficar de lado precisa ler Mateus 23:13 e 15.É impossível o pecador entrar no céu, sem passar pela porta estreita do novonascimento. Uma pessoa pode ir à igreja todos os dias, participar da ceia do Senhortodos os domingos, dar o dízimo de tudo o que produzir e receber, decorar muitoscapítulos da Bíblia, realizar obras sociais importantes, participar de todos os cultos egrupos de estudos, seminários, programas de missões, evangelização, congressos, eler bons livros que existem sobre Jesus Cristo; mesmo assim, precisa nascer de novo.Clame a Deus para lhe dar a experiência de morte e ressurreição em Cristo. Deus podee quer fazer este milagre em qualquer pessoa: “O qual deseja que todos os homenssejam salvos, e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”, I Timóteo 2:4. Opropósito de Deus é que todos participem da vida que nasce da morte. Sinval T.Silva
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks