Science

Análise Bovinocultura

Description
jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 1,03 0,92 1,28 1,03 1,43 0,92 1,06 0,83 0,69 0,62 0,20 1,35 1,30 1,32 2,43 2,32 2,76
Categories
Published
of 9
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 1,03 0,92 1,28 1,03 1,43 0,92 1,06 0,83 0,69 0,62 0,20 1,35 1,30 1,32 2,43 2,32 2,76 3,39 4,10 5,43 Análise Bovinocultura BOLETIM SEMANAL 19 de outubro de REBANHO 2011: Segundo dados divulgados pela pesquisa Produção Pecuária Municipal do IBGE, o rebanho bovino nacional em 2011 aumentou 1,6% em comparação ao ano anterior. Os dados do instituto ainda demonstraram que o rebanho de Mato Grosso evoluiu 1,8%, chegando as 29,2 milhões de cabeças. Apesar de os números do ano passado ainda apontarem uma expansão do rebanho mato-grossense acima da média nacional, o novo cenário encontrado em alguns dos principais Estados para a pecuária de corte nacional, como São Paulo e Mato Grosso do Sul, demonstra a redução do rebanho efetivo em razão da maior competitividade de área com outras culturas, assim como pode ser observado em algumas regiões do Estado, onde a pecuária vem cedendo áreas para a agricultura. Essa nova realidade deve levar a um menor ritmo de crescimento do rebanho bovino de Mato Grosso em relação à expressiva expansão observada na última década, no entanto, não comprometendo a oferta futura de bovinos para o abate Fonte: Secex Exportações de carne in natura de Mato Grosso para o Egito (mil toneladas) 3,49 4,13 2,11 2,68 1,26 1,15 1,80 2,35 2,21 2,81 2,98 3,64 3,23 EXPORTAÇÃO: Os embarques de Mato Grosso de carne bovina in natura no mês de setembro tiveram como grande destaque as vendas para o mercado egípcio, que no último mês apresentaram um volume recorde de 5,43 mil toneladas. A quantidade é 32,5% superior à registrada no mês de agosto e 201,2% acima da registrada no mesmo mês de Esse resultado do último mês representou 32,8% dos envios da carne do Estado, possibilitando que os embarques totais, que registraram uma pequena queda de 4,7% no mês, não obtivessem um maior recuo. Apesar de se tratar de um mercado estratégico para as exportações do Estado, este passou a contar com uma importância maior ainda em razão do bloqueio ao acesso no mercado russo desde o ano passado, o Egito é um mercado comprador, em grande parte, de cortes menos valorizados, o que faz com que a média da tonelada embarcada de R$ em setembro seja 17% abaixo da média total de R$ OFERTA E DEMANDA: Segundo dados do IBGE, o rebanho nacional obteve de 2001 a 2011 uma expansão de 20,6%, chegando as 212,8 milhões de cabeças. Esse aumento do número total de bovinos veio de sobremaneira dos Estados do Centro-Norte do país, com destaque para a evolução de Mato Grosso de 46,9%, do Pará, que registrou aumento de 65,3% e de Rondônia que evoluiu 84,4% no período. Já na análise em relação ao ano anterior, Mato Grosso contou com uma evolução de 1,8%, enquanto Pará e Rondônia apresentaram aumento de 3,6% e 2,9%, respectivamente. Estados como Mato Grosso do Sul e São Paulo registraram redução de 3,6% e 1,5%, respectivamente. O Estado de Minas Gerais registrou um forte crescimento de 5,3%, no entanto este mesmo encontra-se com rebanho praticamente estável e ainda conta com uma forte participação de rebanho leiteiro Rebanho dos principais Estados produtores de carne bovina (milhões de cabeças) Fonte: IBGE MT MG GO MS PA RO SP 1 Análise Bovinocultura PREÇOS DA SEMANA Preço do boi gordo à vista 19 de outubro de Preço da vaca gorda à vista Noroeste Norte Nordeste Médio Norte Oeste Centro-Sul Sudeste O registro nas cotações desta semana foi de queda de 0,34% e 0,22% para o boi e para a vaca, respectivamente. Sendo assim, o preço médio praticado no boi gordo ficou nos R$ à vista e na vaca gorda foi de Houve desvalorização de R$ no preço do boi de R$ no preço da vaca. Valores máximo e mínimo semanal da arroba do boi à vista livre de Funrural nas macrorregiões do Imea Noroeste: Com média na arroba do boi gordo à vista de R$ 87,20, a variação semanal foi de 1,33% em comparação aos preços da semana anterior quando a média era de R$ 86,05. Noroeste Máx: 87,42 Mín: 86,77 Oeste Máx: 87,11 Mín: 86,51 Norte Máx: 87,48 Mín: 86,97 Médio-Norte Máx: 87,51 Mín: 87,16 Centro-Sul Máx: 88,61 Mín: 86,71 Sudeste Máx: 88,33 Mín: 86,57 Nordeste Máx: 87,70 Mín: 86,25 Norte: Variando 0,16% na comparação com a semana anterior, a região obteve uma média de R$ registrando um incremento de R$ 0,14 em seus preços. Nordeste: Com uma queda de R$ 0,83 no preço médio do boi gordo à vista, ao longo da semana, o nordeste do Estado registrou no preço pago ao produtor a média de R$ Médio-Norte: Com os preços mais estáveis dentre as regiões analisadas pelo Instituto, variando 0,01%, a média obtida no boi gordo à vista nesta porção do Estado foi de R$ Oeste: Comercializada a R$ 86,00, no município de São José dos Quatro Marcos, na última quinta-feira, a média da arroba do boi gordo à vista na semana foi cotada a R$ 86,69, variando negativamente em 0,72% e registrando uma queda no incremento da arroba de R$ 0,63. Centro-Sul: Com média semanal na arroba do boi gordo de R$ 87,62, a região obteve uma queda em seu preço de R$ 0,70, o que representa uma variação negativa de 0,79%. A arroba do boi foi negociada no município de Cáceres a R$ 88,00, na quarta-feira. Sudeste: Com desvalorização de 0,78% o sudeste do Estado ficou com preço médio de R$ à vista. Comparada à semana anterior a variação negativa foi de R$ Houve negociação na cidade de Barra do Garças com a arroba a R$ 87,00 à vista no último dia 17. 2 24/9 26/9 28/9 30/9 2/10 4/10 6/10 8/10 10/10 12/10 14/10 16/10 18/10 Boi gordo e Calcário Dolomítico (R$/ton.) Bezerro 12 meses (R$/cabeça) Análise Bovinocultura BOLETIM SEMANAL 19 de outubro de ,97 Preço do bezerro e do boi gordo no primeiro , , ,34 84, ,54 82,55 RELAÇÃO DE TROCA: A relação de troca entre a arroba do boi gordo e a tonelada do calcário dolomítico, tendo como base o município de Rondonópolis, registrou uma ligeira recuperação no último mês de setembro chegando ao número de resultado 11% superior ao do mês anterior, de 0,79, quando atingiu o menor patamar da série. Essa inversão do movimento de queda foi resultado do aumento de 5% do preço pago pela arroba do boi gordo e pela desvalorização de 6% da tonelada do calcário dolimítico. No entanto, a relação de troca na comparação dos últimos 12 meses registrou queda de 10%. Isto em função do aumento de 12% do preço do insumo, enquanto o boi gordo, com a recuperação do último mês, retornou ao mesmo patamar de setembro de ,16 Bezerro (12 meses) Boi gordo *média até 19/outubro Boi gordo REPOSIÇÃO: A relação de troca entre o boi gordo e o bezerro em Mato Grosso, no terceiro trimestre deste ano ficou abaixo de 2 bezerros/boi gordo, em razão dos baixos preços pagos pelo boi gordo. Com a atual recuperação dos preços pagos pelos frigoríficos em Mato Grosso, a partir do quarto trimestre, a relação de troca reagiu e atualmente mantém média de 2,08 bezerros. Apesar da reação no preços da arroba do boi gordo, o longo período de pressão de baixa desde o primeiro trimestre de 2011, faz com que a média da arroba no período ainda se encontre desvalorizada. Enquanto isso, o preço médio pago pelo bezerro no mercado de reposição, apesar de absorver parte da pressão de baixa do boi gordo, ainda mantém seus preços de maneira relativamente firme com média de R$ 690/cabeça Relação de troca entre o calcário dolomítico e a arroba do boi gordo - Base Rondonópolis Calcário Boi gordo Relação de troca 1,5 1,4 1,3 1,2 1,1 1,0 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 Relação de troca Boi gordo futuro - novembro/12 Indicador ESALQ/BM&Fbovespa MERCADO FUTURO: O contrato futuro de boi gordo com vencimento para novembro deste ano apresentou um ligeiro aumento do diferencial de base em relação ao indicador Esalq/BM&FBovespa, em comparação as semanas anteriores. A base ampliouse com a leve valorização do contrato futuro, enquanto que, o indicador manteve-se estável na faixa de R$ Deste modo, o papel que havia iniciado a semana anterior negociado a R$ encerrou os trabalhos no pregão desta sexta-feira negociado a R$ enquanto o indicador registrou o preço de R$ levando a base para 3,9%. Fonte: BM&FBovespa/Cepea 3 Estatísticas Bovinocultura 19 de outubro de PREÇOS DA ARROBA DO BOI À VISTA de 15 a 19 de outubro Livre de Funrural Regiões Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Variação semanal Variação 30 dias Noroeste 87,22 87,35 87,26 87,42 86,77 0,5% 1,5% Norte 86,97 87,14 87,17 87,40 87,48 0,2% 1,8% Nordeste 86,55 86,50 86,25 86,56 87,70 0,2% 2,2% Médio-Norte 87,16 87,51 87,26 87,35 87,24-0,9% 1,3% Oeste 86,58 87,11 86,51 86,64 86,62-0,2% -0,4% Centro-Sul 86,71 88,61 87,45 87,40 87,92-0,3% 1,1% Sudeste 86,57 87,84 87,05 87,47 88,33 0,3% 2,1% PREÇOS DA VACA À VISTA de 15 a 19 de outubro Livre de Funrural Regiões Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Variação semanal Variação 30 dias Noroeste 78,53 78,39 78,58 78,14 78,03 0,6% 2,3% Norte 77,56 77,72 78,27 78,30 78,61 0,2% 3,4% Nordeste 78,58 78,02 78,09 77,63 79,57 0,3% 4,0% Médio-Norte 78,39 78,76 78,61 78,46 78,60-0,2% 2,7% Oeste 78,74 78,60 79,20 78,89 78,56-0,1% -0,1% Centro-Sul 79,99 80,00 80,45 80,32 80,11 1,2% 1,2% Sudeste 79,42 79,66 80,37 81,15 80,86 3,1% 3,1% MÉDIA DA ESCALA DE ABATE (Dias) de 15 a 19 de outubro Variação Absoluta Variação Absoluta Regiões Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira semanal (dias) 30 dias (dias) Noroeste 9,4 8,9 9,4 13,0 14,8 10,0 8,6 Norte 9,0 8,9 8,6 11,4 12,5 6,2 6,6 Nordeste 9,8 9,4 10,1 12,8 15,2 9,4 8,2 Médio-Norte 9,1 8,8 8,9 11,7 12,8 6,4 6,7 Oeste 9,4 8,7 9,7 12,6 14,2 7,9 7,6 Centro-Sul 9,3 8,7 10,2 12,4 13,2 6,4 6,2 Sudeste 9,4 8,9 9,9 12,8 14,2 8,7 7,7 DIFERENÇA DOS PREÇOS À VISTA E A PRAZO (BOI GORDO) Regiões Média em 2011 Média out/12 Noroeste 2,0% -2,2% Norte 2,2% -2,3% Nordeste 2,1% -1,9% Médio-Norte 2,0% -2,1% Oeste 2,1% -1,7% Centro-Sul 2,0% -1,6% Sudeste 2,1% -1,4% DIFERENÇA DE BASE PARA PREÇOS DA ARROBA DO BOI GORDO A PRAZO ENTRE MATO GROSSO E SÃO PAULO Regiões Diferença média de 2011 Diferença média de out/12 R$ % R$ % Noroeste 12,42-12,3% 9,28-11,7% Norte 11,70-11,6% 8,77-11,3% Nordeste 13,54-13,4% 8,81-10,9% Médio-Norte 11,51-11,4% 8,72-11,0% Oeste 11,41-11,3% 9,03-11,0% Centro-Sul 10,44-10,4% 8,27-10,0% Sudeste 11,46-11,4% 8,38-10,0%, Cepea 4 Estatísticas Bovinocultura 19 de outubro de PREÇOS DOS MACHOS PARA REPOSIÇÃO (R$/cabeça) de 15 a 19 de outubro Boi Magro Nelore com 360 kg Garrote Nelore de 18 meses com 285 kg Bezerro Nelore de 12 meses com 210 kg Bezerro Nelore de 8 meses com 165 kg Médio Máximo Mínimo Médio Máximo Mínimo Médio Máximo Mínimo Médio Máximo Mínimo Mato Grosso 1.054, ,00 900,00 838, ,00 750,00 691,22 800,00 600,00 636,90 710,00 550,00 Noroeste 980, ,00 900,00 800,00 850,00 750,00 650,00 700,00 600,00 605,00 630,00 550,00 Norte 1.037, ,00 950,00 820,00 900,00 750,00 684,29 730,00 620,00 616,25 670,00 550,00 Nordeste 1.037, ,00 900,00 802,50 850,00 780,00 632,50 650,00 620,00 590,00 600,00 580,00 Médio-Norte 975, ,00 950,00 825,00 850,00 800,00 710,00 720,00 700,00 650,00 650,00 650,00 Oeste 1.080, , ,00 890,00 950,00 800,00 736,00 800,00 680,00 682,00 710,00 650,00 Centro-Sul 1.072, ,00 920,00 847, ,00 750,00 711,67 750,00 620,00 657,50 700,00 580,00 Sudeste 1.088, , ,00 847,43 932,00 800,00 682,86 700,00 650,00 634,29 650,00 600,00 PREÇOS DAS FÊMEAS PARA REPOSIÇÃO (R$/cabeça) de 15 a 19 de outubro Novilha Nelore de 18 meses Bezerra Nelore de 12 meses Vaca Nelore de 315 kg com 255 kg com 180 kg Bezerra Nelore de 8 meses com 150 kg Médio Máximo Mínimo Médio Máximo Mínimo Médio Máximo Mínimo Médio Máximo Mínimo Mato Grosso 821, ,00 650,00 602,07 750,00 500,00 473,43 550,00 400,00 419,32 500,00 350,00 Noroeste 870,00 930,00 750,00 550,00 650,00 500,00 437,50 500,00 400,00 385,00 410,00 350,00 Norte 871,25 950,00 800,00 586,25 650,00 500,00 462,86 520,00 430,00 410,00 450,00 400,00 Nordeste 757,50 850,00 650,00 600,00 700,00 520,00 432,50 450,00 420,00 395,00 400,00 380,00 Médio-Norte 825,00 900,00 750,00 575,00 600,00 550,00 450,00 450,00 450,00 400,00 420,00 380,00 Oeste 764,00 800,00 720,00 604,00 670,00 550,00 494,00 520,00 450,00 450,00 470,00 430,00 Centro-Sul 824, ,00 700,00 622,50 750,00 500,00 503,33 550,00 450,00 436,67 500,00 400,00 Sudeste 805,83 900,00 760,00 625,83 700,00 520,00 467,83 500,00 440,00 417,00 450,00 400,00 PREÇOS DOS PRINCIPAIS CORTES DE CARNE BOVINA NO ATACADO (R$/kg) Variação dos preços Corte 2011 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Traseiro com osso 7,75 8,43 7,83 7,68 7,26 6,99 6,88 6,83 6,96 7,44 7,65 2,9% -4,2% -4,6% Dianteiro com osso 4,88 4,53 4,58 4,55 5,25 4,80 4,88 4,93 4,85 4,92 4,83-1,9% 1,8% -1,5% Ponta de agulha 4,97 4,73 4,54 4,47 4,80 4,74 4,73 4,69 4,69 5,07 5,02-1,0% 5,1% -4,5% Carcaça casada 6,24 6,23 6,08 5,95 6,25 5,96 5,78 5,84 5,92 6,18 6,16-0,4% -1,5% -3,2% *acumulado até set/12 set12/ out12 out11 / out / * 5 Estatísticas Bovinocultura 19 de outubro de CUSTO DA BOVINOCULTURA DE CORTE EM MATO GROSSO POR SISTEMAS DE PRODUÇÃO NOS ÚLTIMOS 12 MESES Sistema Produção Itens Ciclo Completo Cria Engorda 2011 Variação (11-12) 2011 Variação (11-12) 2011 Variação (11-12) 1. MANEJO SANITÁRIO E REPRODUTIVO 2,46 2,39-2,9% 2,67 2,52-5,5% 1,12 1,07-4,8% Vacinas 1,04 1,00-4,5% 1,20 1,11-6,9% 0,47 0,42-10,2% Controle Parasitário 1,42 1,40-1,8% 1,47 1,41-4,4% 0,65 0,65-0,9% Insumos para reprodução animal 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% 2. SUPLEMENTAÇÃO 9,75 10,74 10,2% 13,46 14,07 4,5% 2,25 2,54 12,7% Suplementação mineral 9,75 10,74 10,2% 13,46 14,07 4,5% 2,25 2,54 12,7% Concentrados 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% Operações mecanizadas 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% 3. RENOVAÇÃO DE PASTAGEM 15,46 14,78-4,4% 22,06 20,63-6,5% 6,61 6,17-6,7% Fertilizantes/Corretivos 1,89 2,43 28,5% 6,58 7,11 8,1% 1,78 1,98 11,1% Defensivos 1,27 1,23-3,5% 1,05 0,99-5,7% 0,33 0,30-11,0% Plantio 9,35 8,18-12,4% 10,79 9,03-16,3% 3,38 2,78-17,8% Operação mecanizada 2,94 2,94-0,3% 3,65 3,49-4,2% 1,12 1,12 0,0% 4. RECUPERAÇÃO DE PASTAGEM 5,81 5,52-5,0% 5,24 4,80-8,5% 3,15 2,89-8,1% Fertilizantes/Corretivos 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% Defensivos 5,40 5,11-5,3% 4,82 4,40-8,8% 2,95 2,69-8,7% Operação mecanizada 0,42 0,41-0,8% 0,42 0,40-4,4% 0,20 0,20 0,0% 5. CONTROLE DE PRAGAS 0,00 0,00 0,0% 0,03 0,03-7,5% 0,09 0,09-3,2% Defensivos 0,00 0,00 0,0% 0,02 0,02-7,7% 0,06 0,06-4,4% Operação mecanizada 0,00 0,00 0,0% 0,01 0,01-7,0% 0,02 0,02 0,0% 6. OUTRAS OPERAÇÕES 0,07 0,07 4,8% 0,06 0,06 2,8% 0,02 0,02 9,2% Defensivos 0,04 0,04 8,3% 0,03 0,04 7,8% 0,01 0,01 15,9% Operação mecanizada 0,03 0,03-0,5% 0,02 0,02-4,8% 0,01 0,01 0,0% 7. AQUISIÇÃO DE ANIMAIS 2,82 2,81-0,1% 4,34 4,14-4,6% 41,38 41,00-0,9% Compra dos animais 2,52 2,52-0,1% 4,06 3,88-4,6% 39,02 38,64-1,0% Comissão 0,11 0,11-0,1% 0,17 0,16-4,6% 1,17 1,16-1,0% Transporte 0,18 0,18-0,7% 0,11 0,10-5,0% 1,20 1,20 0,0% 8. MÃO DE OBRA 10,46 10,42-0,4% 10,44 9,93-4,9% 4,62 4,62 0,0% Manejo do gado 6,98 6,96-0,3% 6,58 6,26-5,0% 2,61 2,61 0,0% Outros 3,48 3,46-0,6% 3,85 3,67-4,8% 2,01 2,01 0,0% 9. OUTROS CUSTOS 23,14 22,90-1,0% 16,73 15,86-5,2% 10,61 10,47-1,3% Assistência Técnica 0,09 0,08-6,1% 0,18 0,16-6,2% 0,09 0,08-6,4% Impostos 2,45 2,33-5,0% 2,11 1,98-5,8% 2,49 2,36-5,3% Seguros 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% Financiamentos 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% 0,00 0,00 0,0% Custos Administrativos 20,60 20,50-0,5% 14,45 13,72-5,1% 8,02 8,02 0,0% COE ( ) 69,96 69,64-0,5% 75,03 72,03-4,0% 69,85 68,86-1,4% 10. CUSTOS FIXOS 17,76 18,55 4,4% 14,18 14,05-0,9% 8,57 9,27 8,2% Depreciação de máq. e equipam. 2,09 2,09-0,4% 2,20 2,10-4,5% 0,81 0,81 0,0% Custo da terra 15,66 16,46 5,1% 11,98 11,95-0,3% 7,76 8,46 9,0% COT (COE + 10) 87,71 88,19 0,5% 89,20 86,08-3,5% 78,43 78,13-0,4% COE - Custo Operacional Efetivo COT - Custo Operacional Total 6 Estatísticas Bovinocultura 19 de outubro de PREÇOS DOS PRINCIPAIS CORTES DE CARNE BOVINA NO VAREJO (R$/kg) Variação dos preços Corte REBANHO BOVINO DE MATO GROSSO POR REGIÃO (mil cabeças) Rebanho UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INDUSTRIAL INSTALADA (%) Plantas SIF construídas em Mato Grosso jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Média anual * 2011* Mato Grosso 41,8% 40,7% 37,4% 41,2% 42,1% 42,4% 40,9% 37,6% Noroeste 60,7% 49,9% 44,4% 53,2% 65,6% 67,5% 56,9% 68,3% Norte 44,6% 44,0% 36,7% 41,8% 44,7% 42,2% 42,3% 35,1% Nordeste 31,9% 25,5% 25,4% 29,8% 29,6% 29,9% 28,7% 20,4% Médio-Norte 74,1% 74,3% 62,4% 71,7% 73,0% 77,1% 72,1% 77,5% Oeste 40,1% 40,7% 38,8% 40,9% 39,2% 40,8% 40,1% 37,7% Centro-Sul 36,9% 37,3% 36,8% 38,8% 39,4% 39,8% 38,2% 35,5% Sudeste 40,8% 42,7% 38,6% 41,9% 39,3% 40,2% 40,6% 39,4% Fonte: Indea, Mapa; Elaboração: Imea *Atualização de metodologia incluindo a capacidade de frigoríficos Sise % por região Evolução 2004/2011(%) Evolução 2010/2011(%) Mato Grosso ,00% 16,46% 5,40% Noroeste ,91% 12,20% 1,42% Norte ,37% 20,02% 1,46% Nordeste ,19% 36,21% 0,82% Médio-Norte ,98% 22,05% 2,26% Oeste ,87% 20,94% -3,60% Centro-Sul ,57% -1,05% 3,85% Sudeste ,10% -3,89% 0,81% Fonte: Indea. Elaboração: Imea Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. jan/- set/ ago/- set/ PREÇO MÉDIO 13,79 13,12 13,07 12,79 12,49 12,65 12,59 12,61 13,46-2,4% 6,7% FILÉ MIGNON 36,09 32,10 27,32 26,52 26,81 26,54 24,66 23,95 28,14-22,0% 17,5% CONTRAFILÉ 21,65 21,56 19,45 19,75 19,19 18,57 19,06 17,72 18,66-13,8% 5,3% PICANHA 38,32 40,97 35,06 31,06 30,20 28,86 27,51 26,37 29,79-22,3% 13,0% ALCATRA 23,09 19,73 19,12 20,06 18,81 18,51 17,93 17,22 18,31-20,7% 6,4% COXÃO MOLE 16,33 15,98 16,12 15,16 15,49 15,49 15,40 15,05 15,70-3,9% 4,3% COXÃO DURO 14,21 14,40 13,95 13,81 13,93 13,84 13,94 14,23 14,09-0,8% -0,9% PATINHO 15,61 14,79 14,56 14,13 14,52 14,47 14,48 14,05 14,71-5,8% 4,7% ACÉM 8,56 8,73 10,69 9,01 8,71 8,85 9,29 10,64 10,87 26,9% 2,1% MÚSCULO 9,74 9,41 10,21 9,68 9,37 9,76 9,89 10,63 11,49 18,0% 8,1% COSTELA 8,93 7,69 7,35 8,08 8,24 8,80 8,17 7,86 9,09 1,8% 15,6% FRALDINHA 18,08 16,06 15,46 16,19 14,21 14,53 14,36 12,62 13,64-24,6% 8,1% LAGARTO 14,11 15,43 13,86 13,67 13,49 14,11 13,78 13,76 13,57-3,8% -1,4% MAMINHA 25,89 23,07 19,46 20,80 18,44 17,74 17,67 16,23 18,71-27,7% 15,3% 7 Estatísticas Bovinocultura 19 de outubro de ABATE TOTAL MENSAL POR REGIÃO DE ORIGEM (mil cabeças) jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 Total Média mensal 2011 Dif. % Mato Grosso 464,1 416,5 435,9 410,1 478,5 458,8 498,3 466, ,6 453,6 361,1 25,6% Noroeste 56,0 45,9 54,0 51,9 71,3 69,7 57,3 58,9 465,1 58,1 47,1 23,4% Norte 106,1 97,0 88,4 88,7 108,9 91,7 89,6 72,7 743,1 92,9 71,5 29,9% Nordeste 63,8 58,2 74,1 63,5 73,3 70,2 85,2 71,2 559,6 69,9 53,3 31,3% Médio-Norte 16,4 15,0 16,7 16,4 16,5 21,3 28,4 31,8 162,5 20,3 19,3 5,2% Oeste 98,5 82,1 89,4 71,7 78,4 82,3 87,6 75,3 665,5 83,2 66,9 24,4% Centro-Sul 49,1 48,3 45,8 53,3 58,8 45,2 63,2 55,2 418,9 52,4 41,4 26,3% Sudeste 74,1 69,9 67,4 64,5 71,4 78,3 87,1 101,2 613,8 76,7 61,5 24,7% Fonte: Indea. Elaboração: Imea PERCENTUAL DE ABATE DE FÊMEAS POR REGIÃO DE ORIGEM (%) jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 Total Média mensal 2011 Dif.pp Mato Grosso 50,8% 55,6% 52,2% 53,6% 50,8% 50,2% 44,7% 42,9% 50,1% 34,1% 16,0 pp Noroeste 61,6% 62,6% 57,3% 59,0% 52,1% 56,3% 52,3% 55,8% 57,1% 41,6% 15,5 pp Norte 53,6% 57,2% 58,1% 53,8% 54,2% 54,5% 53,6% 54,0% 54,9% 37,7% 17,1 pp Nordeste 58,2% 62,7% 53,9% 60,6% 55,3% 61,2% 49,1% 45,8% 55,8% 36,9% 19,0 pp Médio-Norte 42,2% 53,3% 36,8% 41,0% 50,4% 37,8% 31,5% 31,8% 40,6% 25,8% 14,7 pp Oeste 35,9% 42,9% 37,8% 41,8% 39,3% 38,6% 37,3% 36,5% 38,8% 28,2% 10,6 pp Centro-Sul 56,8% 58,5% 60,3% 59,5% 56,9% 54,7% 45,2% 45,4% 54,7% 35,9% 18,8 pp Sudeste 50,3% 56,4% 56,0% 53,4% 47,5% 43,0% 37,7% 32,3% 47,1% 31,2% 15,9 pp Fonte: Indea. Elaboração: Imea EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES DE CARNE EM VOLUME (toneladas de equivalente carcaça) jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Total Média mensal 2011 Dif. % Total ,4% União Europeia ,4% Oriente Médio ,4
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks