Others

Arqueologia e Imperialismo: O Papel da Arqueologia na Construção de Identidades Nacionais

Description
O processo de formação de identidades nacionais é contínuo e de natureza dinâmica, sua influência é perceptível nas formas como se estruturam as nações, os nacionalismos e os estados nacionais. Por sua importância, este processo muitas vezes tem sido alvo de controle político por parte de governantes e forças colonizadoras, da mesma forma tem servido como baluarte ante a eminência de práticas imperialistas. Considerando as possibilidades de controle ideológico deste processo, não se pode ignorar a importância da arqueologia, pois sua própria efetivação como ciência está diretamente ligada à construção de identidades nacionais. De fato a arqueologia tem sido utilizada ao longo da história com propósitos políticos, como instrumento construtor de identidades e de apropriação simbólica de territórios. O objetivo deste artigo é abordar de forma concisa a questão da utilização política das informações produzidas pela arqueologia, demonstrando o fortalecimento desta relação a partir do século XIX e de que forma tal empreitada tem sido posta em prática ao longo da história.
Categories
Published
of 13
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
    ARQUEOLOGIA E IMPERIALISMOO Papel da Arqueologia na Construção de Identidades Nacionais *   Fabricio J. Nazzari Vicroski* *   Resumo: O processo de formação de identidades nacionais é contínuo e de naturezadinâmica, sua influência é perceptível nas formas como se estruturam as nações, osnacionalismos e os estados nacionais. Por sua importância, este processo muitas vezes temsido alvo de controle político por parte de governantes e forças colonizadoras, da mesmaforma tem servido como baluarte ante a eminência de práticas imperialistas. Considerando aspossibilidades de controle ideológico deste processo, não se pode ignorar a importância daarqueologia, pois sua própria efetivação como ciência está diretamente ligada à construção deidentidades nacionais. De fato a arqueologia tem sido utilizada ao longo da história compropósitos políticos, como instrumento construtor de identidades e de apropriação simbólicade territórios. O objetivo deste artigo é abordar de forma concisa a questão da utilizaçãopolítica das informações produzidas pela arqueologia, demonstrando o fortalecimento destarelação a partir do século XIX e de que forma tal empreitada tem sido posta em prática aolongo da história. Palavras-chave: Arqueologia. Imperialismo. Identidades. *Artigo apresentado com requisito parcial de avaliação da disciplina História, Fronteiras e Identidades ,ministrada pelo Prof. Dr. Luiz Carlos Tau Golin (Programa de Pós-Graduação em História, Universidade dePasso Fundo).** Mestre em História Regional pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Passo Fundo(UPF). Co-coordenador do Núcleo de Pré-História e Arqueologia (NuPHA/PPGH/UPF)http://arqueologiaupf.wordpress.comArqueólogo da Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural(EPAHC/CMC/SMC) da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.fabricioarqueologia@hotmail.com     Introdução Ao longo do desenvolvimento da sociedade humana, diversas etapas evolutivaspropiciaram a evolução até seu estágio atual, ampliando as possibilidades de interação com anatureza e, conseqüentemente, promovendo alterações na forma de lidarmos com o meio quenos circunda, seja ele de ordem natural ou social.As transformações climáticas ocorridas ao longo do período holocênico 1 propiciaram atransição dos grupos humanos estruturados como caçadores-coletores nômades paraceramistas-horticultores sedentários ou semi-sedentários. Em decorrência destedesenvolvimento gradual ocorreram diversas mudanças, entre as quais pode-se citar aprodução de excedentes alimentares que propiciaram o escambo e acabaram por estimular asprimeiras relações comerciais, e por conseguinte a necessidade de domínio ou delimitação defronteiras resguardando determinadas porções territoriais, alterando de forma substancial arelação do homem com a natureza.Lançaram-se então as bases para o processo de surgimento do capitalismo e dapopularização da nação como uma forma de comunidade, que entre outros fatores teve ocapitalismo como seu principal difusor (ANDERSON, 2008).Desde então a vastidão territorial do planeta e a necessidade comum de utilização dosrecursos naturais não parecem constituir argumentos válidos ao estabelecimento das formasde ocupação e domínios de territórios, tal impasse deve-se em grande parte à variedade defatores que contribuem para a definição do conceito de região. Segundo o entendimentodesenvolvido pela geografia crítica a partir dos anos 1950, “uma região se organiza a partir darelação que o homem estabelece com a natureza, principalmente através do seu trabalho,resultando dessa troca espaços geográficos, dotados de especificidades naturais, econômicas ehumanas” (REICHEL, 2006, p. 44).Da mesma forma a história (englobando aqui a arqueologia), contribui para a definiçãodo conceito de região, “ela destaca que as relações sociais, fundamentadas nas experiênciasvividas, nas idéias e nos sentimentos que os homens desenvolvem entre si, bem como a    cultura por eles produzida, são igualmente importantes para configurar um espaço delimitadoou, em outras palavras, para definir uma região” (idem, 2006, p. 44).O processo de delimitação de uma região é, portanto, extremamente dinâmico, envoltonuma série de elementos resultantes das formas de ocupação do espaço ao longo do tempo.Estendendo a discussão para a definição do conceito de fronteira, logo veremos que se trata deum fenômeno ainda mais complexo, pois além da “fronteira formal da linha, existem asfronteiras econômicas, sociais, culturais, ambientais, que podem limitar mais que a divisória”(GOLIN, 2002-2004, p. 15).O elemento importante a ser destacado é que a delimitação de regiões e fronteiraspossui implicações diretas sobre sua forma de ocupação e exploração econômica, bem comosobre o domínio da população ali presente, justificando assim o interesse pelo passado remotoda humanidade e a busca pelas srcens das nações ainda na pré-história.Dispomos de inúmeros exemplos em que a ciência arqueológica foi utilizada parafortalecer, expandir ou até mesmo criar uma identidade nacional, com a intenção de nutriranseios nacionalistas e práticas imperialistas. O objetivo deste artigo é abordar de formaconcisa a questão da utilização política das informações produzidas pela arqueologia,demonstrando o fortalecimento desta relação a partir do século XIX e de que forma talempreitada tem sido posta em prática ao longo da história. 1 Nação, nacionalismo e estado nacional A fim de introduzir a temática, faz-se necessária uma breve explanação acerca dosaspectos que envolvem a construção dos estados nacionais, destacando, sobretudo, aimportância da busca de suas srcens para a formação de uma identidade nacional, utilizadaaqui de acordo com a definição de Anthony Smith. Podemos definir a identidade nacional como sendo “a reprodução, transmissão ereinterpretação constante do conjunto de valores, símbolos, lembranças e mitos    compartilhados, que compõem o legado étnico característico das nações, assimcomo a identificação dos indivíduos com esse legado particular e sua reserva delembranças, mitos, símbolos e valores” (SMITH, apud MÄDER, 2006, p. 3). Em se tratando de conceitos de ampla difusão e utilização variada (quando nãoequivocada) cabe apresentar as demais acepções que balizaram esta pesquisa. A este propósitoserve as definições de nação , nacionalismo e estado nacional apresentadas por MontserratGuibernau (1997, p. 56-57): ã   Nação (compartilha uma mesma cultura, valores e símbolos. O povo que acompõem possui o senso de pátria); ã   Nacionalismo (o sentimento de pertencimento a uma comunidade cujosmembros se identificam com um conjunto de símbolos, crenças e estilos devida, e tem a vontade de decidir sobre seu destino político comum); ã   Estado nacional (possui o que afirma ser o uso legítimo da força dentro de umterritório demarcado, procura unir o povo submetido a seu governo por meiode homogeneização, criando uma cultura, símbolos e valores comuns,revivendo tradições e mitos de srcem ou, às vezes, inventando-os).Naturalmente a busca por uma identidade é um fator relevante nas situaçõesapresentadas, se por um lado ela alimenta e fortalece nações e nacionalismos, por outro elaprecisa ser forjada ou então moldada a fim de justificar os interesses do estado nacional emdeterminadas situações, pois até mesmo “governos eleitos pelos mais duvidosos meios editaduras também pretendem ser a expressão da vontade do povo que dominam”(GUIBERNAU, 1997, p. 68).Anthony Smith (1997) contribui para a reflexão defendendo a abordagem que salientaa importância dos atributos histórico e simbólico-culturais da identidade étnica. Claro que oetnicismo não constitui a única base para as nações modernas, mas figura entre as maisdebatidas, discussão esta muitas vezes subsidiada por dados arqueológicos.Para Benedict Anderson a construção de uma imagem de antiguidade mostra-seessencial à idéia subjetiva de nação (apud GUIBERNAU, 1997), quanto mais enraizados no
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks