Documents

Categorias da Narrativa e Modos de Expressão Literária

Description
Língua Portuguesa - Ficha Informativa CATEGORIAS DA NARRATIVA A. ACÇÃO - A acção corresponde à sucessão e encadeamento dos acontecimentos. 1. RELEVO a. ACÇÃO CENTRAL OU PRINCIPAL constituída pelos acontecimentos principais. b. ACÇÃO SECUNDÁRIA constituída pelos acontecimentos secundários que contribuem para a valorização da acção central. ORGANIZAÇÃO DAS SEQUÊNCIAS NARRATIVAS A B C D a. ENCADEAMENTO ordenação temporal das acções. b. ENCAIXE introdução de uma acção no interior de outra. c. ALTER
Categories
Published
of 2
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  Marco Briosa Pá ina 1 2Língua Portuguesa - Ficha Informativa CATEGORIAS DA NARRATIVA A.   ACÇÃO - A acção corresponde à sucessão e encadeamento dos acontecimentos.  1.   RELEVO a.   ACÇÃO   CENTRA L OU P R I NC IP A L constituída pelos acontecimentos principais.b.   ACÇÃO S ECUNDÁR I A  constituída pelos acontecimentos secundários que contribuem para avalorização da acção central. 2 .   ORGANIZAÇÃO DAS SEQUÊNCIAS NARRATIVAS a.   ENCADEA M ENTO  ordenação temporal das acções.b.   ENCA IX E  introdução de uma acção no interior de outra.c.   A L TERNÂNC I A  entrelaçamento das acções que se desenrolam separadamente. 3 .   MOMENTOS DETERMINANTES DA ACÇÃO a.   I NTRODUÇÃO  situação inicial, apresentação.b.   DE S ENVO L V IM ENTO  peripécias e ponto culminante.c.   CONC L U S ÃO  desenlace. 4 .   DELIMITAÇÃO DA ACÇÃO - A s narrativas podem designar-se abertas ou fechadas, conforme a acçãose desenvolva ou não até impedir outra continuação devido ao seu desenlace.   a.   ACÇÃO   A B ERTA  a acção não apresenta a solução definitiva para o destino das personagens.b.   ACÇÃO F ECHADA  a acção e o destino das personagens são resolvidos até ao pormenor. B .   ESPAÇO - O termo espaço não se aplica somente ao lugar onde se desenrolam os acontecimentos, mastambém aos ambientes, meio social e cultural no qual se movem as personagens.  1.   ESPAÇO FÍSICO  local onde decorre a acção, pode dizer-se interior ou exterior; fechado ou aberto;público ou privado. 2 .   ESPAÇO SOCIAL E CULTURAL  o que caracteriza a situação social e económica ou o meio em quevivem as personagens. 3 .   ESPAÇO PSICOLÓGICO  vivência que cada personagem tem do espaço físico ou de um espaço deemoções e sensações C.   TEMPO - O tempo marca a sucessão cronológica, indica a sua duração, contextualiza os acontecimentos,mas a ordenação dos acontecimentos pode não obedecer à ordem real. A maioria das novelas e romancesapresenta anacronias, ou seja, um desencontro entre a ordem temporal dos acontecimentos e a ordempor que são narrados no discurso.  1.   TEMPO CRONOLÓGICO  o que se define por datas ou pela duração dos acontecimentos. 2 .   TEMPO DO DISCURSO  o que obedece à sequência do próprio enunciado, podendo alongar,resumir, alterar ou omitir os dados do tempo cronológico.a.   A nalepse - recuo no tempo.b.   Prolepse - avanço no tempo.c.   R esumo ou sumário - síntese dos acontecimentos que decorreram durante um certo período detempo.d.   E lipse  omissão de períodos mais ou menos longos da história. 3 .   TEMPO PSICOLÓGICO  o que traduz as vivências subjectivas das personagens, dando-lhes umapercepção do decorrer do tempo diferente da do tempo cronológico. D.   PERSONAGENS1.   CARACTERIZAÇÃO a.   D I RECTA  feita através do narrador, das palavras das outras personagens e da personagem querevela os seus problemas e intenções.b.   I ND I RECTA  a partir das atitudes, dos comportamentos e dos sentimentos da personagem ou apartir de símbolos que a acompanham, o leitor forma as suas próprias opiniões acerca dascaracterísticas da personagem. A   A  B A B C   D   B A B  Mar c    B rio s a Página 2 ¡   2   2.   C ¢  £¤  ¢¥  ¦  Çà ¢  §¨ ¢  ©£   LAÇà ¢   a.   PLANA S OU TIPO S    p e r s onag e n s   se      v ida int e rior e   se    d e n s idad e p s i c ológi c a, não alt e ram o se      c omportam e nto, n e m ev olu e m p s i c ologi c am e nt e . A s p e r s onag e n s tipo r e pr ese ntam grupo s  profi ss ionai s ou s o c iai s .b.   MODELADA S OU REDONDA S    p e r s onag e n s dinâmi c a s   e   c om d e n s idad e p s i c ológi c a, c apaz es d e   s urpr ee nd e r o l e itor c om a s   s ua s atitud es   e   c omportam e nto s . 3.   P A PE L      E DESEMPE NHA M NA E C    N    MI A D A   NA    A    I VA   a.   PRINCIPAI S , PROTAGONI S TA S OU CENTRAI S    à v olta da s quai s d ec orr e a a cç ão.b.   S ECUNDÁRIA S    qu e parti c ipam na a cç ão se m um pap e l d ec i s i v o. c .   F IGURANTE S    po ss u e m ap e na s fun ç    es d ec orati v a s do s ambi e nt es .d.   INDI V IDUAI S OU COLECTI V A S   e .   OPONENTE S    p e r s onag e n s qu e   es tão c ontra o protagoni s ta, qu e   se opõ e m a e l e .f.   ADJU V ANTE S    p e r s onag e n s qu e   es tão a fa v or do protagoni s ta, qu e ag e m e m se u auxílio. E.   NA    A DOR -   S u je ito d e   e nun c ia ç ão qu e apr ese nta a narrati v a, c ontando - a s ob o se u ponto d e   v i s ta.   1 .   PRESE NÇA   a.   NARRADOR PARTICIPANTE y   AUTODIEGÉTICO ( c omo p e r s onag e m)  narra na 1ª p ess oa e a ss um e o pap e l d e  p e r s onag e m. y   H OMODIEGÉTICO ( c omo ob se r v ador)  narra na 1ª p ess oa e a ss um e o pap e l d e ob se r v adordo s a c ont ec im e nto s .b.   NARRADOR NÃO PARTICIPANTE y   H ETERODIEGÉTICO - narra na 3 ª p ess oa, não parti c ipando na a cç ão n e m int e rf  e rindo nahi s tória. 2.   C IÊ NC I A   a.   OMNI S CIENTE    c onh ece a intimidad e da s p e r s onag e n s , dando a c onh ece r o qu e lh es   v ai naalma; c onh ece tudo o qu e diz r es p e ito à s p e r s onag e n s   e a c ont ec im e nto s ; anali s a a s a cç õ es , c omportam e nto s   e   se ntim e nto s da s   s ua s p e r s onag e n s .b.   O BS ER V ADOR    c ont e mpla a s p e r s onag e n s , tra ç ando a s ua análi se do e xt e rior para o int e rior.Ob se r v a - a s   c om ob jec ti v idad e , ma s não  e ntra no s   se u s p e n s am e nto s   e   se ntim e nto s . 3.   PO N    O DE V IST A   a.   S U B JECTI V O  narra a hi s tória manif  es tando a s ua opinião s obr e o s a c ont ec im e nto s narrado s .b.   O B JECTI V O  narra a hi s tória se m t ece r qualqu e r j uízo d e   v alor s obr e o s a c ont ec im e nto s  narrado s . MODOS DE EXPRESS à O L ITERÁRI A   A .   DES C RI Çà O   - Trata -se d e uma r e pr ese nta ç ão ou e xpo s i ç ão e xa c ta e   v i v a d e um a c ont ec im e nto, ambi e nt e ,lugar ou p e r s onag e m. O s   se gm e nto s d esc riti v o s   c on s titu e m mom e nto s d e pau s a no a v an ç ar da a cç ão. B.   NA RR AÇà O   - Conf  e r e dinami s mo à a cç ão e utiliza -se para c ontar fa c to s ou a c ont ec im e nto s , faz e ndoa v an ç ar a a cç ão. C .   DIÁ L O G O   - É a c on ve r s a e ntr e doi s ou mai s int e rlo c utor es . Pro c ura se r a tran sc ri ç ão da s pala v ra s ,of  e r e ndo e l e m e nto s qu e dão v ida à língua falada. D.   MO N !   L O G O   - Quando o s int e rlo c utor es   s ão uma s ó p e r s onag e m, qu e dialoga c on s igo m es ma. E.   C OME N TÁRIO   - P e rmit e dar c onta, d e uma forma r e fl ec tida, do a ss unto d e um a c ont ec im e nto ou fa c to,a ss umindo uma po s i ç ão s obr e o a ss unto. F .   RE F L EX à O   - É um c om e ntário no qual se pro c ura faz e r c on s id e ra ç õ es at e nta s   e pond e rada s .
Search
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks