Philosophy

Mario Ferreira Dos Santos - A Sabedoria Da Unidade

Description
Obra de Mário Ferreira dos Santos em que se discute a temática da unidade como fonte da sabedoria racional.
Categories
Published
of 186
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  Mário Ferreira dos Santos A Sabedoria da Unidade 1 A Sabedoria da UnidadeMário Ferreira dos Santos  Mário Ferreira dos Santos A Sabedoria da Unidade 2 A sabedoria é a ciência das coisas divinas . A sabedoria, pela qual somos sábios, é uma participação da Sabedoria divina . Aenquant O o dom de ciência, na razão inferior . A sabedoria existe antes de todos os séculos” . “A memória de meu nome durará por toda a série dos séculos”.“Ae bebem terão ainda fome”.   EclesiásticoQuando a sabedoria penetrar em teu coração e o saber deleitar a tua alma, a reflexão velarásobre ti, amparar-te-á a prudência para livrar-te do mau caminho, do homem de conversastortuosas...Provérbios, 2 - 10-12 MÉTODO D penetração adquirida por meio das disciplinas precedentes. Quando o sujeito se levanta, estáem pé, anda, faz algo, detém-se, deveria constantemente concentrar a sua mente no atoexecução não na sua relação com o ato nem no caráter e valor do ato. O sujeito deveria pensar:isto é andar, isto é deter-se, isto é advertir; e não: ando, faço isto, é bom, é desagradável,reasentimsico de veadsabedoria é ciência enquanto versa acerca das conclusões, mas difere das outras ciênciaso é acerca dos princípios .dom da sabedoria está na razão superior;Santo Tomás de Aquinoqueles que me comem terão ainda fome, e aqueles que m A SABEDORIA - objeto dessa disciplina é dar ao sujeito o hábito de aplicar a e nalizo mérito, sou eu quem adverte, como maravilhoso é. Daí nascem pensamentos vagarosos,entos de júbilo, de malogro, de desdita. Em vez de tudo isso, o sujeito deveriamplesmente praticar a concentração da mente no próprio ato, entendendo como meionveniente para alcançar a tranqüilidade mental, advertimento, penetração e sabedoria, everia seguir a prática com fé, com desejo e alegria. Após longa prática, as ataduras aoslhos hábitos se afrouxam até romper-se, e em seu lugar aparecem: confiança, satisfação,vertimento e tranqüilidade. Quem está destinado a revisar este método da sabedoria? Há  Mário Ferreira dos Santos A Sabedoria da Unidade 3 três circunstâncias que impedem o sujeito avançar pelo caminho da iluminação: 1) Estão asseasesfipevontade de aumentar, que dão srcem à cobiça e à concupiscência, temor e ira, orgulho eegfuluquaddetemoraidareprima perfeitMfoSApe   Ashaghosha (hindu) duções que surgem dos sentidos, das condições externas e da mente que Ihes serve. 2) Estãocondições internas da mente, seus pensamentos, desejos e humores. As primeiras práticastão dispostas para eliminar todos esses obstáculos. 3) Na terceira classe de impedimentosguram os impulsos do sujeito, instintivos e fundamentais, e, portanto, mais insidiosos ersistentes; a vontade de viver e gozar, a vontade de estimar a própria personalidade, aoísmo. A prática do método da sabedoria está destinada a dominar e   eliminar estes estorvosndamentais e instintivos. Por meio dela, a mente se torna pouco a pouco mais clara, maisminosa, mais tranqüila. A penetração se torna mais aguda, a fé aprofunda-se e abrange atée se funde no inconcebível SAMADHI da pura essência da mente. À medida que o sujeitoianta-se na prática do método de sabedoria, vai prestando-se cada vez menos a pensamentosconsolo ou desolação; a fé se torna mais firme, mais penetrante, benéfica, e se desvanece o   r de um retrocesso; não se pense, porém, que a consumação se pode conseguir fácil oupidamente; talvez sejam necessários muitos renascimentos, talvez tenham de passar muitasades. Enquanto a dúvida, a incredulidade, a calúnia, a má conduta, os obstáculos do KARMA,debilidade da fé, o orgulho, a preguiça, a agitação mental persistam e ainda enquanto não setirem as suas sombras, não pode haver êxito do SAMADHI dos Budas, mas quem alcançar oeiro dos mais altos SAMADHI, o conhecimento unitivo, poderá advertir com todos os Budasa unidade de todos os seres sensíveis, como DHARMAKAYA búdica. Na pura DHAR-AKAYA não existe dualismo nem sombra de diferenciação. Todos os seres sensíveis veriam, sessem capazes de adverti-Ia, que estão já no Nirvana. A pura Essência da Mente é o altíssimoMADHI, é a ANUTT ARA-SAMY AK-SAMBODHI, é PRAJNA PARAMITA, é a altíssima sabedoriarfeita .  Mário Ferreira dos Santos A Sabedoria da Unidade 4 CAPÍTULO IO LOGOS DA UNIDADE A unidade, por ser o que ela é, um, tem o logos da sua estrutura eidética, a lei deprunicaso, ela einaqContudo, o que neste ser se proporciona pode sofrer acidentes e, conseqüentemente, sofrertaunidade sofrem acidentes. Deste modo,enconeidética,e lo mreTteac no decorrer da sua existência. Mas o logos ontológico é alcançado através da sintaxe, com emprego da precisão dialética do nossoeseAarumaqueivo mais elevado, que o permita alcançar o logos concreto, que está nacoisa, que corresponde, intencionalmente, ao logos eidético-noético. Nenhum grande filósofo,coeidéinteEsdesde Pitvãodeoporcionalidade intrínseca. Esse logos pode ser meramente acidental, quando se trata de umadade também acidental, como a unidade de um artefato, e pode ser substancial. No primeirostá sujeita a variantes: enquanto, no segundo, a lei de proporcionalidade intrínseca évariante, mas além de ser tal, é também um poder que rege a unidade, enquanto é isto ouuilo, como acontece numa célula viva.mbém variações, já que os elementos datramos, não um logos, mas vários, que podemos estabelecer: 1) o logos da estruturaa forma, com variações acidentais; 2) o logos eidético-noético, que é um logos squemático, conforme concebamos mentalmente a variância e a invariância, e entre esses goi, temos, ainda, o de construção sintáxica, no qual incluimos o logos lógico, o logos etafísico, que se confunde quase sempre com o primeiro, sobretudo quando o logos lógicocebe uma precisão mais filosófica.emos o logos noético-fáctico, extraído da experiência humana, da nossa pragmática, que nãom as precisões do lógico, constituído de esquemas fácticos comuns, com aderênciasidentais, que são construídos pelo homemntendimento, e funda-se no logos lógico, os quais são os logoi mais altos que pode alcançar or humano.lguns autores modernos, como os neopositivistas, kantistas, e outros aparentados, paragumentar contra o logos ontológico apegam-se ao logos pragmático, ao logos empírico, que éa variedade natural das deficiências da precisão, que sofre o homem comum, por não atingirle grau abstratm exceção de alguns platônicos, aos quais se atribui esta doutrina, afirmou que o esquematico-noético fosse a cópia fiel do logos ontológico, alcançado através da precisãolectual.ta conquista se deve à longa especulação e à disciplinação do pensamento humano, que vemágoras, através de Sócrates, Platão, Aristóteles, e, sobretudo, dos escolásticos, quedar mais precisão à esquemática. Alguns filósofos menores, mas ativos, querem subverter,sejando fazer retomar para o campo da Filosofia, a doxa, a opinião, o ponto de vista, as
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks