Recruiting & HR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Fundações Visão Geral, Fundações Mistas e Grupos de Estacas Aula de 12/08/ PDF

Description
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Aula de 12/08/2016 Autor: Rodrigo Pasqual - Passo a passo de um projeto de fundações: Conhecer as condições locais, acesso, estruturas
Published
of 21
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Aula de 12/08/2016 Autor: Rodrigo Pasqual - Passo a passo de um projeto de fundações: Conhecer as condições locais, acesso, estruturas existentes. Conhecer fornecedores locais, melhores alternativas disponíveis no mercado. Conhecer o solo (sondagens de simples reconhecimento e complementares). Programar ensaios de carga prévios (critério do projetista combinado com executor). Conhecer o tipo de estrutura (superestrutura) e cargas atuantes nas fundações. Combinar as cargas adequadamente. Diante das informações acima tomar a decisão do tipo de fundação (direta, profunda, mista e tipo). Calcular a sua fundação. Se direta: tombamento, escorregamento, tensões no solo atuantes x resistentes, recalques. Cálculo estrutural da fundação. Se profunda: capacidade de carga (atrito lateral + ponta) definindo diâmetro, lado e profundidade, recalques/deformações, ruptura do solo e do elemento estrutural. Analisar se sua solução final se adapta a todas as premissas de projeto. - SPT: Conhecer o solo : cultura do SPT no Brasil. NBR 8036/1983: Valor de referência: R$50,00 por metro linear. Topografia, locação (PCEs, pontos mais carregados), critérios de interrupção (prof. estaca). - SPT: - SPT: - CPT: - CPT: - SPT X CPT/CPTu: - SPT: amostras, mais barato, equipamentos simples. falta padronização, 30cm considerados apenas de cada metro, bastante dependente dos operadores, pouco representativo para argilas moles, amolgamento, parâmetros geotécnicos por correlações. - CPT: menos dependente do operador, registro contínuo, no caso do CPTu - medição de poro-pressões, procedimento de ensaio similar a estaca, padronização. amostras não coletadas, classificação do solo pela razão de atrito (Rf), hipóteses simplificadoras/métodos semi-empíricos para obtenção de parâmetros. - SPT: Variação nos resultados usando equipamentos e pessoal diferente para o mesmo solo: Ensaio Equipamento Procedimento/ Aleatórios Total Faixa de variação Operacional mais provável SPT CPT mecânico CPT elétrico Ensaio de Palheta Dilatométrico Pressiométrico com pré-furo Pressiométrico autoperfurante Fonte: Kulhawy et. al. (1996). - Tomada de decisão: - PERGUNTA: O QUE É MAIS BARATO: FAZER FUND. DIRETA OU PROFUNDA? OU - Tomada de decisão: - Situações com grandes cargas trativas associadas com grandes momentos: sapatas de grandes dimensões. - Tomada de decisão: - Situações com grandes cargas trativas associadas com grandes momentos: sapatas de grandes dimensões. - CONCLUINDO: FUND. DIRETA PODE SER MAIS CARA. - Tomada de decisão: - Optando por fundação profunda decidir tipo de estaca: - Projeto: a) Decidir diâmetro e calcular capacidade de carga da estaca isolada em função da profundidade; b) Calcular quantidade de estacas em função da carga atuante x admissível. Usar 1, 2, 3, 4... estacas?; c) Definir geometria (espaçamento); Mínimo: geralmente 3 vezes o diâmetro da estaca. Para hélice contínua: usual 2,5 vezes o diâmetro. Dist. mínima vale para estacas em um mesmo bloco ou diferentes blocos; d) Influência do momento no espaçamento; e) Checar estacas em grupo: capacidade de carga e recalque; f) Comportamento em grupo difere do comportamento da estaca isolada. - Grupo de Estacas Verticais: Capacidade de Carga Vertical em Grupos: Estacas ou tubulões muito próximos: comportam se em bloco juntamente com o solo aprisionado entre eles. Fonte: Velloso e Lopes (2010) - Grupo de Estacas Verticais: Diferença em solos argilosos x arenosos: Em areias fofas compactação do solo aumento da capacidade de carga por atrito lateral do conjunto de estacas em relação a uma isolada. Em areias densas não visível comportamento semelhante; Em argilosos para espaçamentos da ordem de 2B comportamento em bloco baixa eficiência. Fonte: Lambe (1969) - Grupo de Estacas Verticais: Diferença em solos argilosos x arenosos: Gráficos a em argila (Whitaker, 1957); Gráficos b em areia fofa (Stuart et al.1960). - Prática de projeto: não se considera aumento de resistência nos solos arenosos fofos pela dificuldade da correta avaliação. OPORTUNIDADE PARA PES- QUISAS. Fonte: Velloso e Lopes (2010) - Grupo de Estacas Verticais: Como estimar então capacidade de carga de um grupo de estacas verticais: Solos arenosos: grupo igual à soma da capacidade de carga isolada das estacas (assumindo bloco rígido). Solos argilosos: grupo comporta se como uma estaca só dada pelo perímetro definido pela linha externa do grupo (assumindo bloco rígido). Ver o que for menor: assim ou soma das isoladas; Conceito da norma brasileira ABNT NBR6122:2010 (independentemente do tipo do solo): Carga admissível grupo sapata hipotética de mesmo contorno que o grupo a 1/3 do comp. de penetração na camada de suporte. Perímetro estaca hipotética - Grupo de Estacas Verticais (Recalques): Modelar tridimensionalmente (dificuldade com estimativa de E); Artifício do radier fictício (Terzaghi e Peck (1948)) recalque igual ao de uma fund.direta assente em profundidade; D1/D Situação 1 Estacas em solo mole e ponta em resistente 2/3 Estacas em meio homogêneo 1/3 Estacas atravessando camadas mais resistentes e com ponta em solo mole - Grupo de Estacas Verticais (Recalques): Métodos Empíricos: Proposições para condições particulares (tomar cuidado ao usar): SKEMPTON (1953): MEYERHOF (1959): VESIC (1969): FLEMING et al. (1985): Bg = dimensão transversal do grupo de estacas; ξ (csi)= razão entre recalque do grupo e de uma estaca. nr = número de linhas de estacas num bloco quadrado; ς = razão entre o espaçamento Entre estacas e o diâmetro das estacas (s/b). B = diâmetro das estacas. n = número de estacas no grupo; expoente = entre 0,33 a 0,6 - Grupo de Estacas Verticais (Recalques): Métodos Elásticos: POULOS E DAVIS (1980): α` = RECALQUE ADICIONAL PROVOCADO POR UMA ESTACA ADJACENTE RECALQUE DE UMA ESTACA α` = α x Nh x Nb x Nν K = Ep x Ra / E, sendo: Ra = 1 para estacas maciças; Ep = módulo de elasticidade do material da estaca; E = módulo de elasticidade do solo. No gráfico: B = diâmetro, L = comprimento, s = espaçamento. - Grupo de Estacas Verticais (Recalques): Métodos Elásticos: POULOS E DAVIS (1980): - Importância de controlar recalques: - Qual magnitude de recalque é aceitável: BJERRUM (1963): - Recuperação de recalques: Macaqueamento; Injeção (CPR Grouting); Estacas de reação. PROCESSOS CAROS. MELHOR PREVENIR QUE REMEDIAR. - Efeitos gerados pelo processo executivo que afetam um grupo de estacas : Estacas cravadas a percussão, em especial pré moldadas levantamento controlar topograficamente emenda por solda. - Efeitos gerados pelo processo executivo que afetam um grupo de estacas : Estacas cravadas a percussão, em especial pré moldadas levantamento controlar topograficamente emenda por solda. Em argilas rijas levantamento. Relatos de levantamentos de até 50cm Fonte: Velloso e Lopes (2010) - Efeitos gerados pelo processo executivo que afetam um grupo de estacas : solo R = 5 x carga admissível na estaca - Efeitos gerados pelo processo executivo que afetam um grupo de estacas : Estacas Pré moldadas de concreto Controle pelo repique: C2 = K 2,5 (mm) K = repique medido Utilizando a Lei de Hooke: Ru = C2*A*E/L Ru = resistência última da estaca A = área da seção transversal E = modulo de elasticidade L = comprimento da estaca - Efeitos gerados pelo processo executivo que afetam um grupo de estacas : Concretagem com injeção preenchimento de cavidades, penetração em solos moles intervalo de execução entre estacas próximas. - Problemas Causados pela Cravação de Estacas : Danos a Estacas Vizinhas Levantamento do solo (argila rija) Recalque do solo (areia fofa) Danos a Construções Vizinhas Levantamento do Solo Vibração Desvio do Alinhamento durante a Cravação - Mistas: Projetos convencionais: Fundação direta carga transmitida diretamente no solo. Fundação profunda carga transmitida pela estaca. Despreza se contribuição do bloco. - Mistas: Kishida e Meyerhof (1965) ideia levar em conta a contribuição dos blocos. Poulos (1968) primeiras análises racionais a respeito do assunto. Economia x necessidade de maiores estudos. Edifício Messeturm Frankfurt 250m Petronas Towers Malásia 450m - Mistas: Compostas por elementos verticais e horizontais. Transferência de carga pelo fuste e ponta dos elementos verticais e na cota de apoio do elemento horizontal. - Mistas: Dois tipos: basicamente rasas; basicamente profundas. - Mistas: basicamente profundas: Possível redução do número total de estacas; Rigidez pouco difere da rigidez do grupo de estacas. - Mistas: basicamente rasas: Solo superficial de boa qualidade; Estacas controlam recalques; Estacas T. - Mistas: basicamente rasas Estacas T: Ligação entre estaca e sapata: apenas cargas Verticais transmitidas, sem momentos (ligação rotulada); Elemento horizontal simplesmente se apóia sobre a estaca; Momentos e cargas horizontais transferidos ao solo pela sapata. - Mistas: basicamente rasas Estacas T: Ruptura por plastificação do solo difícil; Se carga na estaca for superior ao previsto recalque adicional não ruptura plena; Aplicável em solos com Neq do SPT T 6 sendo: Neq = T/1,2 (Décourt, 1991) - Mistas: basicamente rasas Estacas T: Processo simplificado de cálculo para estimativa: Avalia se a capacidade de carga da estaca isolada convencional; Admite se que 70% da carga seja mobilizada para recalque de topo de 15 a 20mm; Projeta se a estaca e seu topo fica como um misto de bloco de coroamento e fundação rasa; Carga líquida suportada pelo topo = carga nominal do pilar 70% da carga de ruptura da estaca + momentos + horizontais. - Mistas: basicamente rasas Estapatas: Sapatas + estacas sem contato físico; Passo a passo do dimensionamento: Faz se previsão do recalque da sapata isolada; Compara se com a previsão do recalque admissível; Projeta se a estaca; Entre a estaca e a sapata camada de isopor de espessura Igual ao recalque calculado; Solução para controle de recalque.
Search
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks