Poems

A GLÓRIA É DE DEUS ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL -1º TRIMESTRE / REVISTA CPAD - JUVENIS

Description
ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL -1º TRIMESTRE / REVISTA CPAD - JUVENIS LIÇÕES BÍBLICAS - RESPOSTAS ÀS DÚVIDAS SOBRE A FÉ CRISTÃ LIÇÃO 4 PECADO ORIGINAL? INTRODUÇÃO O pecado original de Adão e Eva nos levou
Categories
Published
of 5
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL -1º TRIMESTRE / REVISTA CPAD - JUVENIS LIÇÕES BÍBLICAS - RESPOSTAS ÀS DÚVIDAS SOBRE A FÉ CRISTÃ LIÇÃO 4 PECADO ORIGINAL? INTRODUÇÃO O pecado original de Adão e Eva nos levou a separação de nossa comunhão com Deus. Nesta lição estudaremos sobre a definição de pecado, suas formas e consequências, sua origem, examinaremos as etapas da queda do homem, o juízo de Deus e a salvação da humanidade em Cristo Jesus. 1. DEFINIÇÃO ETIMOLÓGICA PARA O PECADO Com origem na palavra grega armatia , podemos definir pecado como um fracasso ou erro de um alvo pretendido, ou seja, o pecado é o desvio no sentido de se alcançar um objetivo padrão pré-determinado. 2. DEFINIÇÃO BÍBLICA PARA O PECADO De acordo com a Palavra de Deus pecado é a transgressão da Lei.(1 Jo 3:4). A Bíblia Sagrada descreve claramente o pecado como o erro de alvo, falsidade,violação da verdade dos preceitos divinos, revolta, maldade, desobediência, transgressão, ilegalidade, iniquidade e injustiça. 3, FORMAS DO PECADO 3.1. O PECADO DA COMISSÃO O pecado da comissão caracteriza-se quando conscientemente violamos deliberadamente o padrão divino da verdade exarada na Bíblia Sagrada, ou seja, sabemos que Deus condena uma prática e mesmo assim a praticamos na plena consciência disto.(gn 3:1-24) 3.2. O PECADO DA OMISSÃO O pecado da omissão caracteriza-se quando deixamos de fazer o que é certo, justo e reto para uma determinada circunstância ou ocasião, principalmente deixando de fazer o bem. (Tg 4:17) Logo, enquanto o pecado da comissão se evidencia quando fazemos aquilo que não deveríamos , o pecado da omissão se evidencia pelo deixarmos de fazer as coisas que deveríamos fazer (Mt 25:41-42) 4.CONSEQUÊNCIAS NATURAIS E ESPIRITUAIS DO PECADO A morte é a sentença para aquele que pratica o pecado (Rm 6:23a). 5. A VISÃO BÍBLICA SOBRE A MORTE 5.1. A MORTE FÍSICA i. É a separação entre o corpo e alma (Ec 12:1-7; Ec 3:16-21); ii. O corpo sem o espírito é morto (Tg 2:24-26); iii. A alma fora do corpo significa corpo sem vida, isto é, morto. (Gn 2:7) A MORTE ESPIRITUAL É a separação entre uma pessoa e Deus, onde o ser humano é incapaz de reagir as questões espirituais ou mesmo uma perda total da sensibilidade a tudo o que é de Deus e ao amor a Deus. (Ef 2:1-5); 5.3. A MORTE ETERNA Acesse: 1 i. É a concretização definitiva da separação entre a pessoa e Deus caracterizando o que a Bíblia Sagrada denomina como a segunda morte. (Ap 21:8) ii. A segunda morte é um período infinito de punição e de separação de um homem da presença de Deus, sendo então a concretização do estado de perdição do indivíduo que estiver espiritualmente morto no momento da morte física. A Bíblia menciona que os salvos em Jesus Cristo não provarão da segunda morte, ou seja, da morte eterna (Ap 20:6) 6. A ORIGEM DO PECADO O pecado da desobediência de Adão e Eva ao Senhor, de modo inevitável separou o homem de Deus, e trouxe amargas consequências a toda a criação que até hoje geme.(rm 8:18-23) Todos os homens receberam por herança da desobediência de Adão e Eva a condição de serem pecadores, e de modo análogo, por herança da natureza adâmica querem viver eternamente. Toda a humanidade carece da glória de Deus, ou seja da salvação da morte eterna em Jesus Cristo. (Rm 3:23) 6.1. TIPIFICAÇÃO DO JARDIM DO ÉDEN COMO SOMBRA DO DEFINITIVO PARAÍSO NO CÉU Narrativas bíblicas nos oferece a confirmação da existência do paraíso celestial com características peculiares ao terrestre paraíso do Éden, como um lugar de paz e esplendor, um lugar deleitoso, sem fome, sem sede, sem mortes,sem injustiças e lugar de comunhão plena com Deus.(Ap 21:9-27; 22:1-5). Outros fatos narrados na Bíblia sagrada chancelam a real existência do paraíso celestial quando menciona que Enoque, o sétimo depois de Adão, foi tomado para o céu (Gn 5:21-24), Elias, o tesbita, foi elevado ao céu (2 Rs 2:9-14), o malfeitor que se arrependeu de seus pecados na cruz ao lado de Jesus Cristo obteve a promessa de ir para o paraíso (Lc 23:39-43), e o apóstolo Paulo, que foi arrebatado ao paraíso, o terceiro céu, lugar da morada do Senhor e de todos os santos, aqueles que creem em Jesus como Salvador e Senhor.(2 Co 12:1-4) 6.2. A ÁRVORE DA VIDA Deus estabeleceu a árvore da vida bem no meio do jardim do Éden e não proibiu inicialmente, antes da queda de Adão e Eva, que este comesse do fruto desta árvore, porém, a bíblia não revela porque o homem não comeu deste fruto quando teve esta oportunidade livremente. A árvore da vida no contexto de Gênesis representa a fonte de vida eterna para o homem, que vem exclusivamente de Deus. Nos demais livros da Bíblia quando há uma clara menção da árvore da vida, infere-se um contexto de desfrutar da graça e do favor de Deus, de ser feliz, de viver em paz e eternamente. Assim é que: i. Quando o homem acha sabedoria divina e adquire o conhecimento de Deus é feliz de verdade porque alcançou a árvore da vida. (Pv 3:13-18) ii. Quando o homem faz a vontade de Deus mostrando a sua fé com obras santas e justas, ele também tem vida plena e alcança a árvore da vida.(pv 11:30) iii. Quando o homem demonstra sua lealdade e fidelidade a Deus, e que vindo a cair retoma os caminhos do Senhor, ao alcançar a árvore da vida, ele é curado de seus males interiores, ele passa da morte para a vida. (Ap 2:1-7; Ap 22:1-4) A árvore da vida eterna plantada bem no meio do jardim do Éden apresentada inicialmente no livro de Gênesis e consolidada nos demais livros da bíblia até o livro de Apocalipse, tipifica a única fonte de vida plena e abundante que é o Senhor Jesus Cristo, que deve ser o centro da nossa vida, tal como a árvore da vida estava plantada bem no meio do jardim do Éden no paraíso. (Jo 14:6) 6.3. A ÁRVORE DO CONHECIMENTO DO BEM E DO MAL A árvore do conhecimento do bem e do mal no contexto do livro de Gênesis representa a árvore da morte eterna, a qual, Deus proibiu que o homem comesse de seu fruto. Esta árvore em síntese representa os seguintes ensinamentos: Acesse: 2 i. O homem não pode se arvorar a ser autossuficiente, soberbo, dono de si mesmo, ao contrário deve estar na dependência e no temor de Deus.(Jr 17:5-8) ii. O homem não pode e nem deve desobedecer a uma ordenança ou a vontade de Deus, pois, as consequências da desobediência a Deus sempre será catastrófica.(rm 5:12;19) Tradicionalmente a maça se tornou o símbolo do fruto do pecado, do conhecimento do bem e do mal, tendo esta ideia se propagado pelo idioma latim onde se guarda uma semelhança quase que integral das palavras malum que significa mal e malus que significa macieira, porém, não podemos determinar qual foi o tipo de árvore e fruto do pecado pelo fato de a Bíblia Sagrada não mencioná-los A SIMBOLOGIA DAS DUAS ÁRVORES ESPECIAIS PLANTADAS NO JARDIM DO ÉDEN Deus criou o homem com o livre-arbítrio para decidir que caminho trilhar em sua vida sob todos os aspectos, mas, também Deus criou o homem para ter comunhão com Ele e ser adorado em espírito e em verdade. As duas árvores, a da vida e a do conhecimento do bem e do mal, eram totalmente diferentes das milhares de árvores plantadas no jardim do Éden. Duas propostas estavam postas para Adão e Eva, a árvore da vida que se fosse desfrutada, o homem viveria uma vida plena, abundante e eterna com Deus e a árvore da morte que ao ser escolhida e desfrutada por Adão e Eva, juntamente com eles nos jogou para o lamaçal do pecado e da condenação eterna. Ainda hoje estas duas propostas estão plantadas, a vida plena, abundante e eterna em Jesus Cristo e a morte e a condenação eterna no Diabo.(Rm 8:1-11; Ap 3:20-22) 6.5. A TENTAÇÃO NO PARAÍSO E AS ETAPAS DA QUEDA DO HOMEM A descrição da queda do homem em desgraça é relatado sucintamente etapa por etapa em Gn 3:1-12. A tentação de Adão e Eva no Éden foi o grande teste para verificarmos se a natureza humana era capaz de resistir ou não aos seus próprios desejos e ao Diabo. Logo, este episódio nos ensina em primeiro lugar que a tentação nunca terá como fonte o próprio Deus e que nós tendo a nossa vida presidida pelo Espírito Santo podemos resistir ao Diabo e vencer o mundo. (Tg 1:12-15; Tg 4:7; Jo 16:33) O SEDUTOR E A SEDUÇÃO Satanás de forma sagaz se apresenta de forma sedutora a Eva, a mãe de toda a humanidade, e esta apresentação se dar com o seu instrumento mais eficaz de enganação, a palavra mentirosa, contrapondo a ordenança do Senhor Deus.(Gn 3:1-4) O maligno conhecendo a natureza humana, pois, esteve presente na criação do homem,explora três áreas frágeis desta natureza para ludibriar Eva, as quais, podemos mencionar: i. O Diabo induz a mulher a ser soberba, a cobiçar o poder, a autossuficiência, o desejo de ser igual a Deus. (Gn 3:5) ii. Satanás aguça pela palavra proferida o desejo carnal de Eva, ou seja, os seus desejos carnais, tipificado neste caso pelo comer, pela fome.(gn 3:6a) iii. Lúcifer, o maligno, incita pela palavra falada a Eva a satisfação de seus olhos (Gn 3:6b) A estratégia de Satanás sempre será esta para derrubar o homem, isto é, se utilizará de sofismas, mentiras que parecem verdades, e ativará no homem as concupiscências da carne, as concupiscências dos olhos e a soberba da vida (1 Jo 2:15-17) A INFRAÇÃO DA ORDEM DIVINA Eva caiu na tentação armada pelo Diabo e em ato sumário comeu do fruto da árvore do bem e do mal que havia sido proibido por Deus de comê-lo, convenceu a Adão, seu marido, a também comer do fruto proibido e pelas mesmas razões Adão também pecou e desnudos ficaram da graça do Senhor.(Gn 3:6-7). Acesse: 3 Adão e Eva perceberam as suas respectivas nudez, tipificando uma indecência moral do caráter humano sob todos os aspectos, ou seja, o estado anterior de inocência passa a ser imoral deturpando todos os conceitos puros de Deus para o homem. Quando desobedeceram a Deus, Adão e Eva, instantaneamente morreram espiritualmente e atingiram a degradação moral de caráter, acusados pelas suas próprias consciências e então remediaram este estado de morte espiritual com vestes de folhas de figueiras tipificando uma ineficiente religiosidade de purificação O INQUÉRITO DIVINO O Senhor em sua perfeita e absoluta onisciência já sabendo da maldita desobediência de Adão e Eva busca conversar com eles no jardim, na viração do dia, e percebe que eles estavam escondidos detrás das árvores em estado de degradação moral e com o sentimento de medo, coisas que não existiam no paraíso e agora mancharam esta relação e comunhão com Deus. O Senhor então confirma que seus dois filhos o desobedeceram e comeram do fruto proibido. (Gn3:8-11). Tudo que fazemos nada está encoberto para Deus e por isso todas as nossas ações de bem ou de mal serão reveladas publicamente. Não adianta enganar o seu próximo, pois, jamais enganaremos a Deus.(Lc 12:1-3) A DEFESA HUMANA A defesa de Adão e Eva para o episódio é pífia, sem respaldo moral, estapafúrdia, pois, humanamente é impossível justificar o pecado. O primeiro casal criado em sua degradação moral, putrefatos espiritualmente se utilizam da mentira e de se acusarem mutuamente, colocando a culpa um no outro. (Gn 3:12-13). Não podemos fugir de nossas responsabilidades espirituais, se pecarmos, temos um advogado para nos justificar, desde que venhamos assumir a verdade e nos arrependermos dos malfeitos sem acusar a outrem, pois, acusação infundada com transferência de responsabilidades é obra maligna.(1 Jo 2:1-6) 7. O JUÍZO DE DEUS Deus é amor, mas também é justo, Ele é um Deus de justiça e pela desobediência realizada pelo casal Adâmico proclamou severas sentenças sobre todos os agentes da criação que até hoje gemem a um só tempo. Estas sentenças foram: Nº SENTENCIADO SENTENÇA 7.1 A Serpente Por ter deixado Satanás se incorporar em seu ser para promover a tentação e a queda de Adão e Eva foi sentenciada a rastejar sobre o pó da terra. (Gn 3:14) 7.2 O Diabo Esta sentença está implicitamente em Gn 3:15 que a partir de uma reestruturação de sua escrita poderia ser entendida assim: Satanás sempre será contra o homem e contra Cristo procurando destruí-los ou matá-los, porém, Cristo pisará na cabeça de Satanás condenando-o eternamente a viver amarrado no lago de fogo e enxofre, livrando de suas malignas mãos os homens condenados eternamente a viverem afastados de Deus, mas que agora podem se reconciliar e alcançar a Salvação e vida eterna em Cristo Jesus e para isso Jesus, descendente de mulher, será ferido de morte e morte de cruz na cruz do Calvário para a salvação da humanidade. 7.3 Eva A mulher em seu parto natural passa a ter as suas dores multiplicadas, pois, em sua essência qualquer pecado cometido sempre traz em seu bojo dores e a mulher passa a ser submissa e dominada pelo marido quebrando a harmonia e igualdade marital que veio a ser restaurada com a vinda de Cristo. (Gn 3:16; Ef 5:22-33) 7.4 A terra Pela desobediência a terra foi amaldiçoada e agora passa também a produzir, espinhos, cardos e abrolhos, sendo estes espinhos, os mesmos que foram utilizados para ferirem a cabeça de nosso mestre Jesus. (Gn 3:17; Mc 15:16-20) Acesse: 4 7.5 Adão - Seu sustento alimentar passa a depender de seu próprio esforço físico e de muitas lutas para sobreviver. - Foi decretada a sua morte física retornando a sua parte material, (o corpo),para o seu ponto de origem, ou seja, o seu corpo volta para o pó da terra. - Foi impedido o seu acesso a árvore da vida e concomitantemente foi expulso do paraíso e assim destinado a viver separado e sem comunhão com Deus. (Gn 3:19,22-24) 8. A SALVAÇÃO DO PECADO Deus é misericordioso e demonstrou o seu profundo amor para com o homem, quando prometeu a vinda de uma Salvador (Gn 3:15) e tipificou o modo de salvação do homem pela morte e pelo sangue de um cordeiro ao substituir as vestes de Adão e Eva feita de folhas de figueira por vestes feitas de peles de animal.(gn 3:20-21) Este cordeiro Salvador se consolidou na vinda de Jesus Cristo, o filho de Deus, na forma de homem para morrer na cruz do Calvário e ter o seu sangue derramado para perdão dos pecados da humanidade e para dá vida eterna.(jo 3:16) O homem em sua condição física e espiritual decaída nada pode fazer por si mesmo, mas Deus com sua presciência, antes da fundação do mundo elaborou um plano para que o homem pudesse retornar ao seu estado original de comunhão com o Senhor nosso Deus e este plano foi construído na base da morte vicária de Jesus Cristo, um Deus que se fez carne, habitou entre nós e pelo seu sangue derramado na cruz livrou a humanidade da condenação eterna.(fp 2:5-8) 9. CONCLUSÃO A salvação para o pecado tem origem em Deus, e devido a isso podemos buscá-la e ter a certeza de que seus efeitos são permanentes e duradouros, porque ela é boa, é eterna, é perfeita, é única, é um ato de amor, é uma manifestação da graça de Deus, é um ato de justiça, é o livramento das consequências da morte espiritual, é a libertação de uma condenação eterna onde viveríamos sofrendo no reino das trevas do diabo, é o plano divino para que o homem volte a ter vida eterna com o Senhor. Acesse: 5
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks