Slides

Alexandre wolner

Description
1. alexandre wollner “design é projeto” 2. vid alexandre wollner -Nasceu em São Paulo, em 16 de setembro de 1928. -Foi o primeiro filho de pai e mãe iugoslavos.…
Categories
Published
of 9
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. alexandre wollner “design é projeto”
  • 2. vid alexandre wollner -Nasceu em São Paulo, em 16 de setembro de 1928. -Foi o primeiro filho de pai e mãe iugoslavos. -Seu pai era comerciante, violinista e desenhista e sua mãe era profissional da alta-costura. -Em 1932 seu pai torna-se sócio de uma gráfica. -No colégio Mackenzie, durante o ginásio, começou a fazer ilustrações para a professora de ciências, e assim garantia a média 6, suficiente para passar. Paralelamente, Wollner organizava em casa o jornal Cebolão, que fazia circular na classe. -Wollner acompanhou a explosão que as revistas, principalmente americanas, tiveram na década de 1930, - Aos 14 anos quando seu pai faleceu, Wollner começou a trabalhar para sustentar a família, porém não se deu muito bem como operário. -Uma cliente de sua mãe, viu alguns desenhos de moda que wollner produzia e o indicou para trabalhar no departamento de vendas do laboratório fontoura,como aprendiz de desenhista, em 1949, wollner participou da preparação da campanha do novo inseticida Detefon. 2
  • 3. designer alexandre wollner -Em julho de 50 abrem vagas para 30 alunos para um curso de iniciação artesanal e artística no Instituto de Arte Contemporânea, onde Wollner foi aceito. -O diretor, Pietro Baldi e sua esposa Lina Bo traziam diversas personalidades internacionais para palestras abertas ao público em geral. Walter Gropius, Le Corbusier e entre eles o arquiteto Max Bill. -Em 1953 Max Bill veio ao Brasil receber um prêmio da I Bienal e informou sobre a criação da escola de Ulm e leva Wollner para ser seu aluno na Alemanha. -Wollner participa, ainda em 53, da II Bienal com três cartazes e ganha o prêmio de Pintura Jovem Revelação de Flávio de Carvalho. -Em julho de 54 Wollner e a esposa seguem para Paris, onde ficam por um tempo presos devido ao suicídio de Vargas em agosto do mesmo ano. -Em setembro chegam a Ulm e Wollner estagia no escritório de Otl Aicher. -Em 1958 Wollner volta ao Brasil e por um acordo com a então diretora do Mam do RJ, Wollner ajuda na criação de uma escola bra- sileira de design com conceitos de Ulm. -Wollner junto com Geraldo Barros, Ruben de Freitas Martins e Walter Macedo fundam um escritório Forminform. 3
  • 4. designer alexandre wollner -Um dos últimos trabalhos do grupo foi o redesign do jornal Correio da Manhã, em 1959 Wollner e Geraldo desligam-se do escritório. -Logo após sua saida da Forminform Wollner trabalhou para a agência publicitária Panam Casa de Amigos. “A viabilidade de uma agência de publicidade assumir projetos de design, hoje, é muito pequena, por inúmeras razões _resultado de finalidades incompatíveis com suas responsabilidades profissionais. O enfoque de uma agência é produzir peças de resultados efêmeros; o design ao contrário, se envolve em projetos de longa duração. Ambos são direcionados à alta qualidade criativa, mas com funções claramente diferenciadas” -Logo separou-se da agência e criou a Alexandre Wollner Programação Visual. -Participou de um curso de tipografia no Mam em 62 e da estruturação da Esdi, primeira escola de design no Brasil, em 1963. -Em 78 os projetos do escritório eram puramente comerciais, para cobrir os custos adiministrativos, isso fez com que atendessem clientes sem altos custos e ainda prestassem consultoria a importantes impresas. -Em 80 Wollner trabalhou junto com a Dpz, agencia de plublicidade onde fez diversas identidades visuais como a do banco Itaú, Hering, Sadia, Philco, etc -Em 9o trabalhou com a W/Brasil em projetos de design. -As experiências com agencias publicitárias reforçam a dificuldade de misturar assuntos tão distintos para com um mesmo cliente. -Em 92 Wollner adere ao microcomputador, que já faz parte de vários outros escritórios na época. -O escritório de Wollner funciona até hoje e atende a diversas empresas. 4
  • 5. trabalho alexandre wollner cofap, 1971, infoglobo, , itaú, 1966, sardinhas coqueiro, 1953, elevadores atlas, 1958, museu de arte contemporânea, 1970, samaré, papaiz, ultragaz, klabin, hering, philco, 5
  • 6. trabalho alexandre wollner eucatex, 1967, compesca, 1966, argos industrial s.a., 1959, sinduscon, 1984, companhia agrícula sertãozinho, 1974, sucorrico, 1972 6
  • 7. trabalho alexandre wollner Segundo Wollner a marca precisa ser remanejada de tempos em tempos. ”Eu sempre convenci os clientes de que era preciso remanejar a marca de dez em dez anos. Hoje em dia esse intervalo se reduziu para dois anos por causa da rapidez dos avanços tecnológicos. As marcas têm de se adequar a essas evoluções técnicas”. (WOLLNER, 2005, p.63) Para Alexandre Wollner, todos os trabalhos que ele executa e cria são desenhos simples. O significado, a cognição, a interpretação, são pontos fortes para sua criação. Ele mesmo diz desta importância: Os clientes aprovam a marca assim que a vêem, pois não há dúvida de que esse é o resultado que a empresa deve ter. Não é único, talvez, é satisfatório e tem um significado claro. [...] Mas se alguém perguntar o que a marca significa, é possível explicar. (WOLLNER, 2005, p. 63) A marca precisa ser inteligente e compreensível, afirma Alexandre Wollner. Na sua visão sobre o manual de aplicação da marca Wollner é bem objetivo, e ainda sendo ele quem fez o primeiro manual de identidade visual do Brasil, diz: Hoje, eu discordo totalmente de quem faz manuais impressos. [...] Não é possível sequer distribuir duzentos ou quinhentos manuais convenientemente. As pessoas aqui não estão acostumadas a isso e não têm o costume de ler. (WOLLNER, 2005, p. 60) O valor da tecnologia e da linguagem são claramente visíveis nos trabalhos de Alexandre Wollner. Pegar um lápis para fazer um ponto em um papel, é preciso linguagem e um domínio da ordem. 7
  • 8. trabalho alexandre wollner Ao se inscrever um ponto num papel, de qualquer formato, esse ponto deve ser colocado a priori na posição adequada, usando-se o lápis apropriado, na consistência exata do grafite selecionando (H, F, B) e observando os limites de formato do papel para expressar exatamente a idéia. (WOLLNER, 2003, p. 95) Para Wollner, Hoje com o grande avanço da tecnologia o uso do manual não se torna necessário. O criador do novo insight comunica na apresentação do projeto, todas as possibilidades de construção, modulação, proporções, linguagem de cores, comportamento de uso, e cria um template com todas as possibilidades de uso na aplicação do design criado. A produção de um manual de uso impresso, além de caro tem pouco uso, pois o pequeno número de pessoas que necessitam de usá-lo, não lêem e deixam na gaveta. Com o template, cada novo elemento de aplicação tem de respeitar a estrutura, sem essas possibilidades qualquer uso do signo, logotipo, tipograma, ícone, pictograma, sigla, símbolo, emblema, etc, será aleatório e perderá o seu significado. 8
  • 9. referência alexandre wollner WOLLNER, Alexandre, Design Visual 50 anos; Cosac e Naify. http://vimeo.com/5741860, acesso em 16/5 às 9h http://vimeo.com/11349065, acesso em 16/5 às 18h http://vimeo.com/2872647, acesso em 16/5 às 19h 9
  • Apresentacao alika

    Apr 16, 2018

    Manual da arte

    Apr 16, 2018
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks