Essays

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL. Prof. Rodrigo Carvalho

Description
CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL LIMITES Uma noção intuitiva de Limite Considere a unção () = Quando assume uma ininidade de valores, aproimando cada vez mais de zero, assume uma ininidade de
Categories
Published
of 49
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL LIMITES Uma noção intuitiva de Limite Considere a unção () = Quando assume uma ininidade de valores, aproimando cada vez mais de zero, assume uma ininidade de valores, cada vez mais próimos de 3. Dizemos que o limite de (), quando tende a zero, é igual a 3, e escrevemos lim 0 ( ) 3 Suponhamos que () seja uma unção real deinida em uma reunião de intervalos, e que o é um ponto no interior ou no etremo de um destes intervalos. Dizemos que lim () L (LR) quando podemos azer () o arbitrariamente próimo de L, tomando suicientemente próimos de o, mantendo o. No eemplo anterior podemos azer () próimo de 3 o quanto quisermos, bastando azer cada vez mais próimo de zero. É importante destacar que não precisamos ter o pertencente ao domínio de () para calcularmos o limite de () quando tende a o. Analisando graicamente outro eemplo Seja a unção () ( 4)( 6). 2( 6) lim 6 ( ) 1 Regra de L Hospital Quando um limite resulta em uma indeterminação ou / aplicamos a Regra de L Hospital, que consiste em calcular a primeira derivada das unções da razão e, após isso, substituir por o. (0/0 ) lim o ( ) g( ) lim o '( ) g'( ) 2 2 E: Calcular lim É importante destacar que não precisamos aplicar L Hospital quando temos um quociente de polinômios. Porém esta regra é nosso único recurso para o cálculo de muitos limites. Eemplos: a) b) lim 0 lim sen 3 2 e 3 As regras de derivação para esse tipos de unções serão estudadas mais adiante. Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (2/2010) Propriedades do Limite de uma unção Se lim () a L e lim g() a M,então: P.lim c 1 a c P.lim[c.()] c.lim () 2 a a c.l P.lim[( g)()] lim () lim g() L 3 a a a M P.lim[(.g)()] lim ().lim g() 4 a a a L.M 0) (M M L lim g() lim () () g P.lim a a a 6 n n a n L ) ( lim ) ( P.lim a 7 n n n a 5 L )] ( [lim ()].lim[() P a Noção de continuidade Seja uma unção deinida em um intervalo aberto I e a um elemento de I. Dizemos que é contínua em a, se lim () (a). a Note que para que uma unção seja contínua em um ponto é necessário que esse ponto pertença ao domínio desta unção. Da deinição, decorre que, se é contínua em a, então as três condições deverão estar satiseitas: eiste eiste lim () lim () a (a) a (a) Eemplos: a) A unção () = deinida em R é contínua em 1, pois lim () 1 lim(2 1) 3 (1) , se 1 b) A unção () deinida em R é descontínua 4, se 1 em 1, pois lim () lim(2 1) 3 4 (1). 1 1 Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (2008) DERIVADAS Seja uma unção deinida em um intervalo aberto I, e o um elemento de I. Chama-se derivada de no ponto o o limite se eistir e or inito. Notações: '( 0 ) lim '( ) ou o () -( - d d *OBS: Se uma unção é derivável em um ponto o do seu domínio, então é contínua em o. A recíproca dessa propriedade nem sempre é verdadeira. o o ) Eemplo: Calcule a derivada de () no ponto 0, sendo: a) () = 2 e 0 = 3; 2 b) () = + e 0 = 1; 14 Derivadas das unções elementares 1. Derivada da unção constante () c '() 0 2. Derivada da unção potência () n '() n. n1 3. Derivada da unção seno () sen '() cos 4. Derivada da unção cosseno () cos '() sen 5. Derivada da unção eponencial () a '() a.ln a Em particular : () e '() e. Interpretação geométrica A derivada de uma unção no ponto o é igual ao coeiciente angular da reta tangente ao gráico de no ponto de abscissa o. y y0 '(0).( 0) (Equação da reta tangente ao gráico de no ponto de abscissa o) Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (Junho/2008) 46 Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (Maio/2010) Interpretação cinemática 1) A derivada da unção horária do deslocamento s = s(t) no ponto t = to é igual à velocidade escalar do móvel no instante to. 2) A derivada da unção horária da velocidade v = v(t) no ponto t = to é igual à aceleração escalar do móvel no instante to. Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (Maio/2010) Regras de Derivação 1. Derivada da soma () u( ) v( ) '() u'( ) v'( ) 2. Derivada do produto () u( ). v( ) '() u'( ). v( ) u( ). v'( ) Em particular:() c.v() '() c.v'(). Consequência :() [u()] n '() n.[u()] n-1.u'() 3. Derivada do quociente () u() v() '() u'().v() u().v' 2 [v()] () Consequências: a) Derivada da unção tangente () tg '() sec 2 b) Derivada da unção cotangente () cotg '() cossec 2 Eemplo: Calcule a derivada das unções a seguir: a) () 3.sen 2 Resp.: '() 3.sen (ln 3.sen 2.cos ) b) g() Resp.: tg g '() (8 2 7).tg (4 7).sec (sec 1).(sec 1) 2 Derivada da unção composta (Regra da cadeia) F() g(()) F'() g' (()). '() Eemplos: a)y sen( 2 ) ; dy d? b)y 3 2 ; dy d? Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (2/2010) 4. Derivada da unção logarítmica () log a '(). 1 ln a Em particular : () ln '() 1 Outras derivadas: () arc sen '() () () arc cos arc tg '() '() Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (Maio/2010) Derivadas sucessivas Seja a unção, deinida em R, talque () Estudo da variação das unções Seja () uma unção Real, deinida num intervalo I. 1. Crescimento '( ) 0 é crescente '( ) 0 é decrescente '( ) 0 é constante 2. Concavidade ''( ) 0 tem concavidade voltada para cima ''( ) 0 tem concavidade voltada para baio 3. Pontos etremos, críticos ou etremantes Seja o um ponto pertencente ao domínio de. Se o é raiz da primeira derivada de (), ou seja, (o)=0, então o é um possível etremante de. A análise para a veriicação se o é ponto de máimo ou mínimo, depende da substituição de o na órmula da segunda derivada de. ''( ''( ''( o o o ) ) ) o o nada é pontode máimo local de é pontode mínimo local de podeser concluído sobre o A reta tangente ao gráico de em o é paralela ao eio. 4. Ponto de inleão Seja uma unção contínua no intervalo I = [a;b] e derivável num ponto o de I. Po é ponto de inleão de se Po é o ponto no qual a concavidade troca de sinal. Se ''( o ) 0 e '''( o ) 0, então o é abscissa de um pontode inleão. E: Analise o crescimento, a concavidade, etremantes e 3 2 ponto de inleão de da unção ( ) 5. Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (2008) Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (Maio/2010) Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (2/2010) Integral indeinida INTEGRAIS O processo de obter uma unção a partir de sua derivada é chamado de antiderivação ou integração indeinida. Uma unção F para a qual F () = () para qualquer no domínio de, é chamada de primitiva ou antiderivada de. E :F() é uma primitiva de () 2 5, pois F'() 2 5. Propriedade: Se F é uma primitiva de uma unção contínua, então qualquer outra primitiva de tem a orma G() = F() + c, onde c é uma constante. Se é uma unção contínua, então a sua integral indeinida é dada por () d F() c A ligação que eiste entre derivadas e primitivas permite usar regras já conhecidas de derivação para obter regras correspondentes para a integração. Assim temos o que chamamos de integrais imediatas, as quais são apresentadas na tabela a seguir. Integrais imediatas Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (1/2011) Algumas técnicas de integração 1) Integração por substituição E: Calcule: a) 7.sen 7 d b) e 2. d 15 c) (3 7).3d Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (Maio/2010) Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (2/2010) 2) Integração por partes u dv u.v v du E: Calcule: a). e d b) (3 7).cos d Integral deinida A integral deinida de uma unção () é uma integral restrita a valores em um intervalo especíico [a;b]. Notação: b a () d Interpretação geométrica A integral deinida de uma unção () contínua e positiva, para variando de a até b, ornece a área limitada pelo gráico de (), o eio e as retas = a e = b. E: Calcule a área imitada pelo gráico de retas y =0, = 1 e = 4. ( ) e as Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (Junho/2008) 43 Quanto vale a área da região limitada pelo eio das abscissas, as retas = 0 e, e o gráico da unção de R em R cuja lei é () = cos(2)? ) ) 4 3 ) 4 1 ) 2 1 ) E D C B A Área de regiões entre curvas: Suponha que e g sejam deinidas e contínuas em [a, b], tais que ( ) g( ), [ a, b]. Então a área da região limitada pelos gráicos de e g e pelas retas = a e = b é dada por b A [() g()] a d Engenheiro(a) de Petróleo Júnior (maio/2010)
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks