Slides

Cidadania digital

Description
2. <ul><li>A exclusão digital é um conceito dos campos teóricos da comunicação, da sociologia, da tecnologia da informação, da história e outras…
Categories
Published
of 16
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 2. <ul><li>A exclusão digital é um conceito dos campos teóricos da comunicação, da sociologia, da tecnologia da informação, da história e outras humanidades, que diz respeito às grandes camadas da sociedade que ficaram a margem da expansão tecnológica digital. </li></ul><ul><li>Nos países de alto índice de exclusão digital este tema tem sido uma preocupação por ser uma referencia de desenvolvimento. Governos, ONGs, organizações mundiais e até mesmo em comunidades carentes estão tematizando a Exclusão Digital. </li></ul><ul><li>As camadas mais pobres são as que mais sofrem com a exclusão, pelo motivo óbvio, o financeiro. Existe uma demanda e uma proposta governamental para diminuir a Exclusão Digital. </li></ul><ul><li>A pobreza e baixo nível de escolaridade dificultam a inclusão digital. A Exclusão Digital gera um CÍRCULO VICIOSO dificultando mais ainda o acesso das classes populares à informação, ao conhecimento, aos bens materiais e imateriais. </li></ul><ul><li>Hoje, O CONHECIMENTO DE INFORMÁTICA É IMPRESCINDÍVEL PARA UMA BOA COLOCAÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO. Além disso, na Sociedade da Informação o exercício pleno da CIDADANIA e do CONSUMO CONSCIENTE é preciso saber usar a tecnologia digital </li></ul><ul><li>Crianças jogam em Lan House na Favela de Antares (RJ) </li></ul>
  • 3. <ul><li>No mapa de exclusão digital, apenas 12% DOS BRASILEIROS POSSUEM COMPUTADORES EM CASA. </li></ul><ul><li>E desses PCs dométicos, SÓ 8% ENCONTRAM-SE CONECTADOS A INTERNET. Mesmo o acesso nas Lan Houses no Brasil é muito restrito. </li></ul><ul><li>EM ALAGOAS, MAIS DE 80% DA POPULAÇÃO NÃO TEM ACESSO A INTERNET. Neste início de século XXI, este fato é, no mínimo, chocante. </li></ul><ul><li>No Brasil, temos “Bolsões” de pobreza digital. </li></ul>
  • 4. <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>As novas tecnologias – principalmente a Internet – têm transformado profundamente a sociedade. Entretanto, poucos são os que têm acesso a elas. Se essa realidade não se modificar, se o conhecimento acumulado não for compartilhado, há o risco de que aumentem, ainda mais, as desigualdades sociais. </li></ul><ul><li>Embora tenhamos conhecimento, segundo dados do IBGE, de que 20 milhões de brasileiros não aprenderam a ler nem a escrever, não sabemos quantos são analfabetos digitais. Essas pessoas aumentam o número de desempregados e trabalhadores informais, situação que é agravada pela atual divisão internacional do trabalho. Para ter chances nesse novo contexto, o trabalhador tem de ser capaz de aprender mais em menos tempo, adaptar-se a mudanças, e, sobretudo, ser capaz de comunicar-se com as máquinas. </li></ul><ul><li>O acesso às novas tecnologias não produz somente oportunidades econômicas; mas, também, oportunidades sociais. As famílias das comunidades são beneficiadas pela informática e pelo ensino de noções de direitos humanos e de ecologia. </li></ul><ul><li>O Comitê para Democratização da Informática </li></ul><ul><li>O Comitê para Democratização da Informática é uma organização não governamental cujo objetivo é dar acesso às tecnologias de informação às comunidades carentes, em especial às crianças e jovens, cegos, deficientes mentais e físicos, presos e minorias étnicas, promovendo a alfabetização, a ecologia, a saúde, os direitos humanos, a não violência e a cidadania. O Comitê iniciou suas atividades em 1995 e, desde então, já capacitou mais de 48.000 crianças e jovens. </li></ul>
  • 5. <ul><li>O começo do trabalho </li></ul><ul><li>Em 1993, foi criada a Jovemlink, um serviço de boletim on-line (BBS). O mesmo tinha por objetivo a criação de oportunidades de debate de assuntos relevantes para jovens de comunidades menos favorecidas. Inicialmente, as favelas para as quais o projeto havia sido desenvolvido não possuíam o equipamento necessário para participar de forma ativa. Com o apoio de voluntários e organizações, foi, então, aberto um espaço para que moradores aprendessem a utilizar a informática de forma efetiva. Com isso, a campanha “Informática para Todos” teve início, obtendo computadores usados e repassando-os aos centros comunitários. </li></ul><ul><li>Como muitos dos computadores apresentaram defeitos, foram iniciadas aulas de manutenção. O interesse pelo projeto aumentou e, por isso, mais dinheiro foi arrecadado, resultando na abertura da primeira Escola da Informática e Cidadania (EIC), em 1995, no Rio, na favela Santa Marta. O sucesso do projeto resultou na fundação do Comitê para Democratização da Informática (CDI). </li></ul>
  • 6. <ul><li>Reaplicando o Modelo: gestão e sustentabilidade. </li></ul><ul><li>  CDI tem como uma de suas principais finalidade investir e capacitar as comunidades a fim de realizar os seus princípios socioeducacionais; tendo como uma de suas principais atividades a implantação de Escolas de Informática e Cidadania (EICs), nas comunidades pobres, montando assim sua infra-estrutura com os equipamentos doados, sistematizando as estratégias pedagógicas e administrativas, capacitando os instrutores que são moradores da própria comunidade. </li></ul><ul><li>Depois de criada uma EIC, o CDI acompanha o seu desenvolvimento mantendo sempre o estímulo, a busca de soluções dos problemas pelas próprias comunidades. O modelo desenvolvido pelo CDI tem sido bem sucedido que diversas pessoas do Brasil e do mundo procuram a sede Nacional,buscando implementar EICs em suas comunidades e países.Sendo assim fundamental a existência de um grupo organizado ,que possa fazer contato com organizações que irão ,montar escolas;organizar campanhas de arrecadação de equipamentos e dar suporte técnico , pedagógico e metodológicos as EICs. </li></ul><ul><li>Cada CDI é formada inicialmente por voluntários, capacitados e qualificados para o desempenho das funções. A importância da presença de pessoas com experiência com comunidade e ONGs ;pessoas com formação pedagógica e noções de cultura digital para instruir os instrutores das EICs e articularem campanhas de arrecadações de equipamentos,solicitar apoio de empresários e companhias. </li></ul><ul><li>A rede CDI conta com o apoio institucional do CDI - RJ para viabilizar seus projetos. Hoje já tem CDI em 23 cidades brasileiras e 4 países ,sendo eles: Japão,Uruguai,Colômbia e México. </li></ul>
  • 8. <ul><li>Muitas vezes, o acesso em locais públicos é dificultado para os deficientes visuais, pois apesar de muitos computadores possuírem já um software especializado para cegos instalado, a falta de um teclado adaptado impossibilita o acesso. Para os que possuem computador em casa, não há nenhum problema, pois há um teclado especial, mas em locais de pesquisa públicos, em escolas ou lan houses, o número é muito reduzido. </li></ul><ul><li>Conhecer as necessidades e limitações do próximo nos faz cidadãos melhores e também, pelo lado comercial, traz vantagens para o seu estabelecimento, uma vez que este contará com um diferencial, atraindo cada vez mais pessoas para ele. Este site www.bengalalegal.com/bengala ensina como os deficientes visuais podem aprender a usar o teclado do computador. </li></ul>
  • 10. <ul><li>Isso significa ter acesso a um computador e à internet. </li></ul><ul><li>Além disso, o potencial de aproveitamento da inclusão digital DEPENDERÁ DIRETAMENTE DA CAPACIDADE DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DA INFORMAÇÃO PELO USUÁRIO. Assim, combater a exclusão escolar é também combater A EXCLUSÃO DIGITAL. </li></ul><ul><li>A alfabetização básica é o início da oportunidade de condições para o uso do computador e da internet. </li></ul>
  • 11. <ul><li>Depois de ter acesso, aprender o funcionamento básico da parte física do computador. Saber coisas bem “banais” como ligar a máquina , usar o mouse e salvar informações. </li></ul>
  • 12. <ul><li>Saber “DIGITAR” corretamente. </li></ul><ul><li>Ter uma postura corporal correta e USAR RACIONALMENTE O COMPUTADOR para evitar o “doenças digitais” tais como surdez, dores de coluna, desgaste visual, fadiga, insônia, lesão por esforço repetitivo, falta de contato com o mundo real.... </li></ul>
  • 13. <ul><li>A informática PODE e DEVE ser utilizada um grande instrumento de pesquisa científica. </li></ul><ul><li>No mundo digital as cópias de textos, de músicas, filmes, jogos e os plágios em nível acadêmico aparecem como uma triste realidade. </li></ul><ul><li>Essas atitudes humanas diante dos novos meios tecnológicos denunciam a FALTA DE ESPÍRITO ÉTICO E FALTA E CONHECIMENTO DOS INSTRUMENTOS CIENTÍFICOS . </li></ul><ul><li>Mas no reverso desta questão, é claro que AINDA NÃO EXISTE AINDA PADRÃO ÉTICO E JURÍDICO CONSOLIDADO A SER SEGUIDO. A falta de normatização digital, está nos levando a não saber o que certo e o que errado . E velocidade do mundo virtual só piora a situação. </li></ul><ul><li>Assim como temos o Direito Ambiental, o mundo virtual precisa urgentemente de regulamentação jurídica, pois não é exagero dizer, que o “ PATRIMÔNIO” CULTURAL , HISTÓRICO E INTELECTUAL DA HUMANIDADE ESTÁ EM PERIGO. </li></ul><ul><li>Uma “regulamentação” digital, uma “INFOÉTICA” e o USO DO INSTRUMENTAL CIENTÍFICO devem ser ensinados na escola, nas universidades e no convívio social para um melhor uso do mundo digital. </li></ul>
  • 14. <ul><li>Saber usar a informática como uma ferramenta para pleno exercício da CIDADANIA e da DEMOCRACIA. </li></ul>
  • 16. <ul><li>4 passos da Alfabetização Digital. In: http://educarparacrescer.abril.com.br </li></ul><ul><li>Exclusão Digital . In: wikipédia Brasil. http://pt.wikipedia.org/wiki/Brasil </li></ul><ul><li>Mapa da Exclusão Digital( Fundação Getúlio Vargas) in: http://www.fgv.br </li></ul><ul><li>Palfrey , John e Grasser, Urs. Nascidos na ERA DIGITAL : Entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed,2011. </li></ul><ul><li>Baggio, Rodrigo. A Sociedade da Informação e a Infoexclusão . In:Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p. 16-21, maio/ago. http://www.scielo.br/pdf/ci/v29n2/a03v29n2.pdf </li></ul>
  • Search
    Related Search
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks