Documents

Conversa Com Vovó Cambinda Do Cruzeiro Das Almas

Description
Uma conversa com Vovó.
Categories
Published
of 2
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  Conversa com Vovó Cambinda do Cruzeiro das Almas, em 29/06/2018. - Mas vovó... às vezes acho que não sou daqui. - E você não é daí, mia fia. Você é de mais de um lugar. Você é daí e daqui, só está aí. - E por que eu tenho a sensação de que estou mais perto da morte, volta e meia? - Porque você está mais perto de Deus. A morte, se vocês olharem só do ponto de vista da vida na Terra, é algo bem diferente do que ela realmente é. Essa sensação, mia fia, é, como já disseram, “saudade de Deus”.  - E por que as pessoas julgam tanto umas às outras? Por que ainda tenho feridas que demoram tanto a cicatrizar? Por que ainda tenho na alma aquela menina que me chamou de ridícula quando eu apenas queria ajudar? - Porque você acreditou, fia. Você acreditou no que ela disse. A história: Eu era engajada em diversas atividades na Igreja Católica. Entre elas, evangelização de jovens. Estava em uma atividade com o violão, cantando e envolvendo crianças (ainda que eu também fosse uma criança... eu tinha 12 anos...). Eram inúmeras crianças, de 9 a 10 anos, em uma roda. A atividade consistia em cantar e dançar. A letra falava de Deus e de como devemos nos comportar diante da vida. Uma “amiga” minha veio ao meu encontro assim que eu saí da roda e me perguntou: “Como você não vê o quanto está sendo ridícula? Por que você quer aparecer?”. Ela era mais velha, deveria ter uns 15 anos. Mesmo assim, todos ali éramos crianças. Aquilo me magoou profundamente, fui para o banheiro chorando. E, mais que isso, essa fala me acompanhou toda a vida. É como se ela tivesse revelado algo que eu não soubesse sobre mim. Eu repetia enquanto chorava: “Eu não sabia que estava sendo ridícula. Eu não sabia que estava aparecendo.” Foi como se o mundo inteiro estivesse, a partir dali, apontando o dedo para cada ato meu. Refletindo, hoje, vejo que deixar crianças “soltas” em qualquer trabalho que envolva pessoas (não apenas relacionados à religião, mas qualquer um) pode ser algo perigoso. Houve outros fatos semelhantes, em que pessoas me disseram que eu queria aparecer ou algo do tipo. Isso aconteceu com frequência (ao menos a ponto de marcar na minha memória) até os 13 anos, idade em que fui confrontada por uma outra amiga, essa que realmente se preocupava comigo, que me avisou que eu não percebia que todos estavam me ridicularizando. Que as pessoas riam quando eu passava. Hoje sei que era porque tenho dificuldades em compreender ironia, pois na maior parte do tempo entendo tudo de forma literal, o que me fazia falar também de forma literal e extremamente sincera, gerando desafetos. Na época, ninguém discutia TDAH, Asperger e afins. No máximo, você tinha disritmia (e eu fui diagnosticada dessa forma, no grau 6, seja lá o que isso quer dizer).  Fiz terapia algumas vezes e, em todas elas, os psicólogos falaram da inveja das outras pessoas. Fato é que, até hoje, não consigo me desvencilhar de um comportamento defensivo em relação às pessoas, sempre buscando analisar tudo e todos, pois pode acontecer de alguém querer me ferir e eu simplesmente não perceber. Isso quando eu me relaciono, pois o mais comum é que eu não conviva com muitas pessoas. Além disso, me questiono o tempo todo sobre minhas atitudes, se estou realmente fazendo algo certo, algo que não seja apenas por mim. A conversa com a Vovó Cambinda, aqui, é mais uma tentativa da espiritualidade de retirar essa mágoa. O conselho de nossos queridos velhinhos está em sair desse centro, desse círculo vicioso, em que me fizeram olhar apenas para mim e para o que achavam de mim e voltar a olhar para fora, para o outro. Vovó Cambinda me leva de volta àquela roda para ver o sorriso das crianças, que brincavam, pulavam e dançavam e descobriam um Deus de alegria. Obrigada, Vovó! Estou me esforçando! Um dia eu aprendo! Adorei as almas!
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks