Slides

Idade média e o trovadorismo

Description
1. As cantigas líricas e as cantigas satíricas Profª Sandra Torrano Maio/2014 2.   Sociedade estratificada Período Histórico Nobreza Clero Camponeses 3. …
Categories
Published
of 13
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. As cantigas líricas e as cantigas satíricas Profª Sandra Torrano Maio/2014
  • 2.   Sociedade estratificada Período Histórico Nobreza Clero Camponeses
  • 3.   Domínio da Igreja – Teocentrismo  Mulher como representação da Virgem Maria  Posição de vassalagem  Senhor feudal como grande produtor  Nações em formação  Língua em formação Período Histórico
  • 4.   Produção literária em forma de poesia/poema  Musicalidade  Oralidade Trovadorismo
  • 5.   Representavam a presença do amor  Dois grupos:  Cantiga de amor  Cantiga de amigo Cantigas líricas
  • 6.   Eu lírico masculino  Coita de amor – sofrimento amoroso do eu lírico diante da mulher inatingível  Posição de vassalagem do eu lírico  Amor cortês  Linguagem rebuscada (Mia Senhor / Minha Senhora)  Origem provençal – aristocrática  Ambiente aristocrático Cantiga de amor
  • 7. A mia senhor que eu por mal de mi vi e por mal daquestes olhos meus e por que muitas vezes maldezi mi e o mund'e muitas vezes Deus, des que a nom vi, nom er vi pesar d'al, ca nunca me d'al pudi nembrar. A que mi faz querer mal mi medês e quantos amigos soía haver e de[s]asperar de Deus, que mi pês, pero mi tod'este mal faz sofrer, des que a nom vi, nom ar vi pesar d'al, ca nunca me d'al pudi nembrar. D. Dinis A por que mi quer este coraçom sair de seu logar, e por que já moir'e perdi o sem e a razom, pero m'este mal fez e mais fará, des que a nom vi, nom ar vi pesar d'al, ca nunca me d'al pudi nembrar.
  • 8.   Eu lírico feminino  A mulher reclama a ausência do namorado (amigo)  Linguagem popular  Origem popular  Ambiente rural Cantiga de amigo
  • 9.  Mar de Vigo
  • 10.   Crítica à sociedade e aos costumes da época  Cantadas em tavernas / bares  Cunho popular  Linguagem mais agressiva, com a presença de palavrões  Dois grupos:  Escárnio  Maldizer Cantigas satíricas
  • 11.   Cantiga de escárnio possuía uma linguagem indireta, não nomeava a pessoa que estava sendo criticada.  Cantiga de maldizer usava palavrões e ofendia diretamente a pessoa criticada. Cantiga de escárnio de maldizer
  • 12.  Ai, dona fea!  Ai, dona fea! Foste-vos queixar que vos nunca louv'en meu trobar; mas ora quero fazer um cantar en que vos loarei toda via; e vedes como vos quero loar: dona fea, velha e sandia! Ai, dona fea! Se Deus me pardon! pois avedes [a] tan gran coraçon que vos eu loe, en esta razon vos quero já loar toda via; e vedes qual será a loaçon: dona fea, velha e sandia! Dona fea, nunca vos eu loei en meu trobar, pero muito trobei; mais ora já un bon cantar farei, en que vos loarei toda via; e direi-vos como vos loarei
  • 13.   MOISES, Massaud. A LITERATURA PORTUGUESA. 16ª ed. São Paulo: Cultrix, 1987.  Imagem  Disponível em http://www.violaomandriao.mus.br/historia/histcap2.ht m Acesso em 27/05/2014  Som  Disponível em http://www.gettyimages.pt/music/album/medieval-and- renaissance-instrumental Referência Bibliográfica
  • Search
    Related Search
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks