Slides

íNdios kaingangs. blog

Description
1. Projeto Índios KaingangAmanda, Bruna, Bruno, Catarina,Larissa, Leizi, Simone e Talytha. 2. COLONIZAÇÃO NO NORTEDO PARANÁ –ÍNDIO KAINGANG 3. OCUPAÇÃO KAINGANG…
Categories
Published
of 108
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. Projeto Índios KaingangAmanda, Bruna, Bruno, Catarina,Larissa, Leizi, Simone e Talytha.
  • 2. COLONIZAÇÃO NO NORTEDO PARANÁ –ÍNDIO KAINGANG
  • 3. OCUPAÇÃO KAINGANG NO NORTEDO PARANÁ O povo Kaingang acredita que sua origem está ligadadiretamente com a terra. Quando suas criançasnascem seus umbigos são enterrados na terra e porisso se consideram parte dela. Estão ligados desde onascimento até à morte a ela. Durante o processo de colonização no norte do Paranáviviam comunidades indígenas Xetá, Guaranis eKaingang.
  • 4. INTERESSES NA COLONIZAÇÃO DONORTE DO PARANÁ No início do séc XX, por meio da Companhia de Terrasdo Norte do Paraná, houve uma rápida expansão nacolonização dessa região. A Companhia de Terras do Norte do Paraná, comprouterras localizadas na região entre os rios Tibagi, Ivaí eParanapanema, tendo como objetivo os lucrosexorbitantes com a comercialização desses terrenos. Com o passar dos anos vilas e cidades foramcrescendo por toda a região norte do Paraná.Acelerando a ocupação das terras Kaingang.
  • 5. ATUAL TERRITÓRIO DOS ÍNDIOS KAINGANG
  • 6. A QUÍMICA E A COLONIZAÇÃO No séc XVII, houve a descoberta de metais preciososno Tibagi, como ouro e diamante.
  • 7. PROPRIEDADES QUÍMICAS DO O diamante é uma forma alotrópica do carbono.São criados a partir de condições de extremocalor e pressão, sendo o material maisduro de ocorrêncianatural na natureza. O diamante só podeSer riscado por outrodiamante.
  • 8. PROPRIEDADES QUÍMICAS DO OURO O ouro (Au) faz parte dos metais de transição, sendoum metal sólido em temperatura ambiente, dúctil,maleável, de cor amarela, denso e brilhante. Hoje em dia o ouro élargamente utilizado pelaindústria eletrônica,como condutor deeletricidade emprodutos de alto valoragregado como celularese computadores.
  • 9. ORGANIZAÇÃO SOCIALFamílias Descendências
  • 10. É lua, o cedro e o macacoKAMÉDIVISÃO DAS METADESKAIRUÉ sol, pinheiro e o lagarto.
  • 11. Pinturas Kamé e Kairu Kamé - pintura emtraços ( râ ror) Kairu - - pinturacircular (râ téi)
  • 12. • Unemmembros dasmetadesopostas; entreum Kamé e umKairuO CASAMENTO
  • 13. •Os filhos desse casamentorecebem a filiação da metadepaterna, a mãe é somente adepositária e guarda da prole.A FILIAÇÃO
  • 14. ALIMENTAÇÃO E MORADIA
  • 15. ALIMENTAÇÃO
  • 16. ALIMENTAÇÃO• Mandioca – Mansa e Brava
  • 17. DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS
  • 18. ÁCIDO CIANÍDRICO - HCNHCN - Hidrogênio;- Carbono;- Nitrogênio.
  • 19. MODO DE PRODUÇÃO• Retira-se a casca;
  • 20. • A mandioca é lavada
  • 21. • Manualmente • Desintegrador
  • 22. MORADIA
  • 23. MORADIA As casas, em uma aldeia Kaingang,costumam estar espalhadas pelo território,dispostas mais ou menos de acordo com aproximidade das roças de cada família, e formandonúcleos geralmente em torno de um “tronco” velho, ouseja, um chefe de grande família. No entanto, alguém que visite hoje, por primeira vez,uma área Kaingang, estranhará a disposição das casas naforma de arruamentos e pequenas vilas. Em alguns casos essas aldeias lhe parecerãosemelhantes a vilas de comunidades brasileiras.
  • 24. MORADIAANTIGAMENTE Casas Subterrâneas(registros: 650a D.C.)
  • 25.  Casas de Superfície (registros: início do século XVIII)
  • 26. MORADIA ATUALMENTE Casas de Madeira(FUNAI: antes dadécada de 70)Casas de Alvenaria(FUNAI: a partir dadécada de 70)
  • 27. MEDICINA
  • 28. MEDICINA Introdução: No Brasil do século XVI os indígenasacreditavam que as doenças eram causadas por vontadede algum ser sobrenatural, ação dos astros, agentesclimáticos, força de uma praga ou castigo.
  • 29. FONTES DE MATÉRIA PRIMA Todos os remédios são retirados de meios naturais.São geralmente ervas naturais, raízes, folhas entreoutros porém todos de alguma forma abençoados pelosdeuses desse povo e aplicados com muita fé no poderda cura.
  • 30. ALGUMAS PLANTAS MEDICINAIS Copaíba (Copaifera officinalis), Parte Utilizada: Resina extraída do caule e óleo. Composição química: A porção resinosa (55 – 60%)possui ácido copaíbico, ésteres e resinóides. Utilização: cicatrizante,ferimentos , dermatoses ,diurética.
  • 31. ALGUMAS PLANTAS MEDICINAIS Jurubeba (Solanum panicyulatum, Solanumfastigiatum) Parte utilizada: folhas, os frutos verdes e asraízes. Composição química:alcalóides, gluco-alcalóides,ácido clorogênico,Saponinas e resinas. Utilização: hepáticas,fébre,estimulante das funçõesdigestivas, do fígado, etc.
  • 32. ALGUMAS PLANTAS MEDICINAIS Barbatimão (stryphnodendron barbatiman). Parte utilizada: Casca ouEntrecasca do tronco. Composição química:Substâncias tânicas(20 a 30%) ,Açúcar solúvel ,Mucilagens e Flavonóides. Utilização: diarréias edisenterias, Gonorréia,gastrite, Úlceras do estômago.
  • 33. ALGUMAS PLANTAS MEDICINAIS Tansagem (Plantago major, Plantago lanceolata) Parte utilizada: usam-se tanto as folhasquanto as raízes. Composição química:Ac. Silícico, taninos,Ac. Orgânicos,etc. Utilização:dores deEstomago e bexiga ,inflamações da bocae gengivas, aftas,etc.
  • 34. ALGUMAS PLANTAS MEDICINAIS Arruda (Ruta graveolens). Parte utilizada: Toda a planta. Composição química:glicosídeos, lactonasaromáticas, alcalóides,flavonóides, etc. Utilização:cólicas menstruais,piolhos e lêndeas,verminoses, doresde ouvido, varizes eflebite, combate dacalvície, asma brônquica, pneumonia, etc.
  • 35. CHÁS COMPOSTOS Anti-diabétes: melão-de-são-caetano, carqueja, abacate,jambolão. Anti-celulite: e varizes centelha, cavalinha, alcachofra e ginco-biloba. Anti-reumático: chapéu-de-couro, alfafa, alecrim, salsaparrilha. Anti-hemorróidas: alecrim, sene, cana-da-índia e cáscara sagrada. Calmante: macela, erva-cidreira, camomila, melissa, maracujá,capim limão. Diurético: dente-de-leão, abacateiro, chapéu-de-couro, cavalinha . Digestivo: erva-cidreira, capim limão, carqueja, boldo e alcachofra. Emagrecedor: carqueja, boldo, cavalinha e cáscara-sagrada. Energético: catuaba, guaraná, ginseng, pfáfia, alfafa emarapuama. Gastrite: zedoária, espinheira-santa, camomila e guaçatonga. Hepático: boldo, espinheira-santa, carqueja, hortelã e dente-de-leão. Laxante: dente-de-leão, carqueja, sene, erva-doce e jalapa.
  • 36. ARTESANATO
  • 37. ARTESANATO INDÍGENA Folclore Formas de linguagem Usos e costumes Características e tradições Diversidade cultural
  • 38. ARTESANATO KAINGANG Expressão cultural História Legitimidade do Artesão Relação com o meio Renda familiar
  • 39. APRENDIZAGEM DO ARTESANATOOralidadeObservaçãoAtividades diáriasAprendizagem familiar
  • 40. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATOTaquara Taquaruçú
  • 41. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATOTaquara Mansa
  • 42. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATOCipós
  • 43. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATOPinheiros
  • 44. Utilização Proibida pelo IBAMA
  • 45. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATOFolhas de Palmeiras
  • 46. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATOCascas de Timbó
  • 47. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATO Porongos
  • 48. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATOSementes e Caroços de frutas
  • 49. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATO Penas
  • 50. MATERIAIS UTILIZADOS NACONFECÇÃO DO ARTESANATOIndustrializados: Fios de nylon Pinos de ferro Fios de silicone Colorantes Verniz Facas, tesouras, etc..Anilina -fenilamina ouaminobenzeno.
  • 51. TIPOS DE ARTESANATOSTrançados  Tecidos Ornamentos
  • 52. TIPOS DE ARTESANATOS Utensílios Bijuterias
  • 53. TIPOS DE ARTESANATOSInstrumentos Musicais  Armas
  • 54. TIPOS DE ARTESANATOSEm Madeira Em Barro
  • 55. ARTESANATOS TRANÇADOS Cestos feitos de taquaras, cipós oucascas da arvore timbó e palhas de palmeiras.
  • 56. ARTESANATOS TRANÇADOSCestos abertosde taquara
  • 57. ARTESANATOS TRANÇADOSCestos fechados de taquara (Balaios)
  • 58. ARTESANATOS TRANÇADOSCestos decorativos
  • 59. ARTESANATOS TRANÇADOS
  • 60. ARTESANATOS TRANÇADOSPeneiras (taquara mansa)
  • 61. ARTESANATOS TRANÇADOS Casas de pássarosfeitas com cipós Bolsas
  • 62. GRAFISMO KAINGANG Trançados, tecidos. armas, utensílios de cabaça,cerâmica, corporal etc... Dualismo das metades kaingangs, Kamé e Kairú.Kamé“ Kre Téi”Kairu“ Kre Ror”Grafismos Kong gãr• compridos,longos, altos,abertos• redondos,quadrangulares,losangulares, baixos,fechadosMistura: Inhiá
  • 63. GRAFISMO EM CESTARIAKamé“ Kre Téi”Kairu“ Kre Ror”
  • 64. GRAFISMO EM CESTARIAKamé“ Kre Téi”Kairu“ Kre Ror”
  • 65. ORNAMENTOS Cocar eBastões
  • 66. UTENSÍLIOS
  • 67. BIJUTERIAS
  • 68. INSTRUMENTOS MUSICAISTamboresPau de chuvaFlautas (coqué) Maracás (xii)Apito (õtõrêrê)
  • 69. ARMAS (domésticas,caça e guerra) Zarabatana Lanças e Setas
  • 70. ARMASArco (uy) e flecha (dou)Pedras PolidasPontas de flechasPesca
  • 71. ARTESANATO EM MADEIRA
  • 72. ARTESANATO EM BARRO
  • 73. RITUAIS
  • 74. RITUAL DO KIKIO que é o kiki ?o 0 Kiki e uma festa anual que é realizada a pedido deum parente do falecido, onde todos participamexibindo pintura corporal ,rezando , cantando edançando .o Neste ritual as crianças são pintadas pela primeira vezcom desenhos circulares ou alongadas, identificando-sedesta forma com a metade kamé e kairu.
  • 75. PINTURA PARA0 RITUALo Pintura Kaiméo Pintura Kairú
  • 76. Como ocorre o Ritual dosKaingangs?o O ritual é marcado pelapresença dos rezadoresda aldeia .o O objetivo do ritual éromper os laços entre osvivos e os fantasmas.o São acendidos 3 fogos , onde oprimeiro fogo ocorre nos 2 mesesantes da realização do terceirofogo e o ultimo fogo.
  • 77. Como é feito o Kiki ?o Para ser preparada a bebida os kaingang derrubamum pinheiro (araucária).o Constroem um cocho que servirá de recipiente, ondeserá consumida no final do ritual.o Adicionam(cerca de 70 litros de mel e 250 litros deágua).
  • 78. FOTOS DO RITUAL DO KIKI
  • 79. FOTOS DO RITUAL DO KIKI
  • 80. FOTOS DO RITUAL DO KIKI
  • 81. FOTOS DORITUALDO KIKI
  • 82. ÍNDIOS KAINGANGSTOMANDO O KIKI
  • 83. Canção que os Kaingangscontam ao fazer o ritual“ Cagmá, iengrê, oanan eiõ ohó ia, engô que tin, infimbré, ixan ióngóngue, ianá que nó ó caicá, katô nôó eká maingvé”Tradução“Passe com cuidado a ponte. Viva bem com os outros;assim como eles vivem bem, você também podeviver. La você ha de ver muita coisa que já viu aquiem minha terra, assim como o gavião. Teusparentes hão de vir te encontrar na ponte e televarão com eles para a tua morada.”
  • 84. PINTURA CORPORAL
  • 85. PINTURA DOS KAINGANGS Os índios utilizam a pintura corporal como meio deexpressão ligado aos diversos manifestos culturais desua sociedade.As tintas são feitas dourucum que tem a suacoloração vermelha ,o carvão mineral que tema coloração pretae o genipapo que apresentauma coloração azul marinho .
  • 86. FOTOS DE PINTURAS COMURUCUM E CARVÃO MINERAL
  • 87.  O urucum é utilizado tradicionalmente pelos índios, comofonte de matéria prima para tinturas vermelhas, usadapara os mais diversos fins, entre eles, protetor solar econtra picadas de insetos Urucum que possui como principal ativo o corante bixina,um composto de 24 carbonos, contendo ácido carboxílicoe éster metílico nas extremidades.Molécula da BixinaURUCUM
  • 88.  As sementes do urucu contêm celulose (40 a 45%),açúcares (3,5 a 5,2%), óleo essencial (0,3% a 0,9%),óleo fixo (3%), pigmentos (4,5 a 5,5%), proteínas (13 a16%), alfa e beta-carotenos e outros constituintes. Para informação nutricional, 100 g de semente deurucum contêm:Cálcio 7,00 mgFerro 0,80 mgFósforo 10,00 mgVitamina A 15,00 mgVitamina B2 0,05 mgVitamina B3 0,03 mgVitamina C 2,00 mgURUCUM
  • 89. NUTRIENTES DO URUCUM Cálcio (Ca)
  • 90. NUTRIENTES DO URUCUM Ferro (Fe)
  • 91.  Fósforo (P)NUTRIENTES DO URUCUM
  • 92.  Vitamina ANUTRIENTES DO URUCUM
  • 93. NUTRIENTES DO URUCUM Vitamina B2
  • 94.  Vitamina B3NUTRIENTES DO URUCUM
  • 95.  Vitamina CNUTRIENTES DO URUCUM
  • 96. PREPARO DA TINTURA
  • 97. CARVÃO VEGETAL
  • 98. CARVÃO VEGETAL É uma substância decor negra obtida pelacarbonização damadeira ou lenha. Muito utilizado comocombustível paraaquecedores, lareiras,churrasqueiras efogões a lenha.
  • 99. JENIPAPOSignifica:“ Fruta que servepara pintar ”
  • 100. JENIPAPO Jenipapo é o fruto do jenipapeiro(Genipa americana), uma árvoreque chega a vinte metros dealtura e é da família Rubiaceae,a mesma do café. No Brasil, encontramos pés de jenipapo nativos naAmazônia e na mata atlântica, principalmente em matasmais úmidas, ou próximo a rios. A coloração azul-escura formada deve-se ao contactoda genipina contida nos frutos verdes com as proteínasda pele, sob ação do oxigênio atmosférico.
  • 101. Referências Bibliográficas• ARESE, Cláudia: Transformações Culturais e Territórios, O Kaingang daReserva Indígena de Serrinha/RS. Dissertação de Mestrado do Curso deGeografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.• ATKINS, Peter; JONES, Loretta. Princípios de Química: Questionando avida moderna e o meio ambiente. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012. 922p.• BIGG-WITHER, Thomas P. Novo caminho no Brasil meridional: A provínciado Paraná. Curitiba: Imprensa Oficial do Paraná, 2001.• BROWN; LEMAY; BURSTEN. Química: A Ciência Central. 9. ed. PersonEducation. 2011. 992 p.• FERRAZO, C. Juliana: Fabricação de Artesanatos na Aldeia KaingangCapizal/RS. Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação Tecnológico emPlanejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural. Universidade Federaldo Rio Grande do Sul, 2011.• D’ANGELIS, W. R; VEIGA, J. Habitação e Acampamentos Kaingangs hoje eno passado. Revista CADERNOS DO CEOM, nº 18, p.213 – 242, Chapecó, RGSul.• MOTA, Lúcio Tadeu. As Guerras dos índios Kaingang: a história épica dosíndios Kaingang no Paraná(1769-1924). Maringá. EDUEM, 1994.
  • 102. • NÖTZOLD, A. L. V. A trajetoria da implantacio do ensino diferenciado:ocaso Kainging do Xapecozinho. VIII Encontro Estadual deHistoria - ANPUH.Historia: experiéncias e desafios:. Florianopolis,28 a 31 de agosto de 2000.• NÖTZOLD, A. L. V. Olhar, Escutar e Trançar: O Artesanato Kaingang decada dia. IV Encontro Regional Sul de História Oral, Cultura, Identidade eMemórias, 2007.• PROVOPAR, Ação Social: Vida Indígena no Paraná, Memória, Presença,Horizontes. Paraná, Curitiba, 2006.• Site Ágora: Revista online do Arquivo público de Santa Catarina e Curso deArquivologia da UFSC. Disponível em:http://agora.emnuvens.com.br/ra/article/view/225. Acesso em 03/10/2012.• Site Agrofloresta.net. Disponível em:http://www.agrofloresta.net/static/fotos/farinha/index.htm. Acesso em12/10/2012.• Site Céu Nossa Senhora da Conceição. Disponível em:http://www.ceunossasenhoradaconceicao.com.br/xamanismo/plantas-medicinais. Acesso em 16/10/2012.• Site Enciclopédia dos Povos Indígenas no Brasil - Instituto Socioambiental.Disponível em: http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaingang/print. Acessoem 18/10/2012.
  • 103. • Site O poder das plantas. Disponível em:http://poderdasplantas.blogspot.com.br/2011/04/provenientes-da-aldeia-bananeiras-do.html. Acesso em 18/10/2012.• Site Portal Kaingang . Disponível em:http://www.portalkaingang.org/index_povo_1.htm. Acesso em 10/10/2012.• Sociedade Jê Meridional em Movimento. Tese de Doutorado apresentada aodepartamento de Antropologia da Faculdade de Ciências Humanas daUniversidade de São Paulo, 1995.• VEIGA, J. Cosmologia kaingang e suas práticas rituais. XXIV Encontro anualde Anpocs. PPGCS-IFCH, Unicamp, São Pulo, 2000.
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks