Slides

Maria benguela

Description
3. Era uma vez a Maria Benguela, que era uma menina preta, tão preta como o café, preta, preta como a tinta da china. Preta e bonita como a noite mais escura. 4. Era…
Categories
Published
of 16
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 3. Era uma vez a Maria Benguela, que era uma menina preta, tão preta como o café, preta, preta como a tinta da china. Preta e bonita como a noite mais escura.
  • 4. Era uma vez o Pascoal, que era um menino branco, tão branco como a cal da parede. Branco como as pombas tão brancas. Como as chaminés das casas pintadas de novo.
  • 5. O Pascoal não tinha muitos amigos com quem pudesse brincar. Tinha bonecos de trapo, que a mãe cosia, com restinhos de pano que costumava arranjar.
  • 6. Maria Benguela tinha alguns amigos. Mas já eram crescidos e iam trabalhar. Mas o que ela queria era uma amigo como ela. Assim pequenino, com quem pudesse brincar. Mas onde encontrar?
  • 7. Um dia o Pascoal, cansado de brincar com meninos de pano que não sabiam falar, atirou-os para o canto e foi procurar. Queria um amigo de verdade!!!
  • 8. E Maria Benguela de olhos tão pretos, como o carvão da lareira que faz o pau para escrever, pôs-se à porta de casa, à espreita com os olhos esperando, talvez, um amigo encontrar.
  • 9. Calhou a mãe do Pascoal precisar de café para o jantar e pedir ao seu filho que descesse a rua, olhasse os sinais e o fosse comprar. Um kilo devia bastar.
  • 10. E quando descia a rua Pascoal parou. Uma menina de tranças, mais tranças, trancinhas virou a cabeça e com ele falou.
  • 11. Que pele tão branca tu tens da côr dos meus dentes e das palmas das mãos que batem contentes. E que bonita és tu da côr do café que vou agora comprar, da côr dos caracóis dos meus cabelos, da côr das meninas de todos os olhos. E Pascoal deixou-se estar a brincar com a amiga que acabara de encontrar.
  • 12. Foi quando se lembrou do recado que a mãe lhe mandara fazer. Pegou Benguela pela mão e saiu a correr.
  • 13. Mas já não comprou café porque a loja fechara. Mas Maria Benguela, da cabeça cheia de tranças e tranças, trançinhas tirou uma ideia.
  • 14. Então, Pascoal chegou a casa e disse: “Não trouxe o café que tu me pediste, mas trouxe uma amiga que é da côr do café e tão linda que é, não é?”. E a mãe sorriu. E a Benguela sorriu. E o Pascoal sorriu. Finalmente tinha uma amiga com quem brincar. Uma amiga de verdade… e que tranças, trançinhas… Finalmente tinha uma amiga com quem brincar. Uma amiga de verdade… e que tranças, trançinhas…
  • 15. Depois disto tudo, Benguela seguiu para casa a pensar… Agora já tinha um amigo, da sua idade, com quem podia crescer, falar e brincar. Era um menino branco como os seus dentes, como o cantinho dos olhos, como as palmas das mãos e como o açúcar doçinho que estava no meio do bolo que a sua mãe acabara de cozinhar.
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks