Slides

Memorial ee 16 de julho

Description
1. Escola Estadual “16 de Julho” MEMORIAL 2. É impossível falar sobre a história de nossa escola sem contar a história da região onde está inserida. Uma…
Categories
Published
of 56
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. Escola Estadual “16 de Julho” MEMORIAL
  • 2. É impossível falar sobre a história de nossa escola sem contar a história da região onde está inserida. Uma história de lutas e reivindicações! A Escola Estadual 16 de Julho passou por processos de transformação desde o início da sua construção, na área estrutural, nas modalidades de ensino e também nas modificações de seu nome até chegar aos dias de hoje como escola de Ensino Fundamental II, Médio e EJA e ao atual nome: Escola Estadual 16 de Julho.
  • 3. A história de nossa escola é marcada por lutas do povo, que se uniu não só para garantir um espaço físico para suas moradias, mas também que se preocupavam em obter a certeza da construção de um estabelecimento de ensino, com fácil acesso à seus filhos e um posto de saúde na região. Hoje, nossa escola, oferece oportunidades de ensino não só a moradores do bairro, mas também a bairros vizinhos. Além disso, os moradores conseguiram a tão sonhada unidade básica saúde para o atendimento médico desta comunidade.
  • 4. Em meados de 1970 houve um empreendimento surpreendente para a época, onde a construtora Novaurbe, decidiu construir moradias projetadas para formarem um condomínio de luxo, nos padrões de que é hoje Alphaville em Barueri, no atual bairro Centreville em Santo André. Em 1973, começou a construção das casas, dando nome ao empreendimento de Condomínio Residencial Centre ville (nomenclatura de origem francesa que significa “centro da cidade”), com 539 casas de luxo de arquitetura alemã, com 225m2 , piscinas, quadras de esportes e até vigilância particular; e 226 apartamentos.
  • 5. Em 1977 a construtora Novaurbe entrou com pedido de falência (por irregularidades da construtora), deixando as 539 casas inacabadas e os terrenos dos apartamentos vazios, e seus compradores apenas de 43 dessas casas sem respostas. Após 5 anos de abandono total nas obras do condomínio Centreville, com casas inacabadas e sem saber o que fazer com aquele empreendimento, alguns moradores da região começaram a se organizar para ocuparem esses imóveis.
  • 6. O povo decide o que será feito Em 16 de julho de 1982, um grupo com 600 famílias (os, atualmente, chamados sem teto, composto por moradores das favelas, os que não podiam pagar aluguéis ou que estavam desempregados), “invadem” 187 das 539 casas do Condomínio Centreville. A invasão se deu com confronto com a polícia que foi sendo “convencida” pela população a não agredir ninguém. Alguns líderes foram presos, enviados para o DOPS e liberados nos dias seguintes, graças ao apoio de alguns padres católicos As casas eram tão grandes que parte dos cômodos não eram ocupados ou eram dividido, chegando a morar até cinco famílias diferentes em cada uma.
  • 7. Dom Cláudio Hummes faz missa durante a década de 1980 no Centreville/foto: arquivo pessoal dos moradores.
  • 8. Após sete meses da primeira ocupação, houve nova “invasão” em 12 de fevereiro de 1983, onde mais de mil pessoas chegaram com seus pertences ao Condomínio Centre Ville. Esta ocupação, além de ter sido bem mais planejada, foi bem mais tranquila, sem enfrentamentos diretos com a polícia. Finalmente o bairro pertencia integralmente a população carente, com exceção daquelas casas onde havia compradores.
  • 9. Se não houve confronto imediato com a polícia durante a segunda ocupação, todo bairro teve de assistir a uma nova onda de tensão com as autoridades. A polícia chegou a colocar entre dez e vinte tenentes para morar no Centreville, de forma que a corporação estivesse sempre próxima e preparada para agir, se necessário. Vale lembrar, só pelo gosto da ironia, que muitos desses policiais não saíram mais do Centreville: também viraram ocupantes, agentes duplos, que de certa forma, vigiavam a si mesmos.
  • 10. Após anos de luta destes moradores, foi possível obter ruas asfaltadas, unidade básica de saúde, comércios; conseguiram também dentro do bairro uma escola para seus filhos. Entre os anos 1988 a 1990 foi solicitado através de ofícios enviados à Diretoria de Ensino de Santo André a construção de um prédio escolar, dando início a atual Escola Estadual 16 de Julho.
  • 11. Em 13 de maio de 1997 foi feito um ofício informando sobre a criação da escola com o nome: EEPG Conjunto Habitacional Centreville. Entre os nomes recebidos por nossa escola estão: Escola Municipal 16 de Julho EEPG Bairro Centreville EEPG Yonne Cintra de Souza EEPSG Conjunto Habitacional Centreville EEPSG Conjunto Residencial Centreville
  • 12. Após várias discussões para o nome final da escola, estando com o nome EEPSG Conjunto Residencial Centreville, houve uma assembleia onde os moradores se reuniram dizendo aos secretários que se o nome não fosse mudado para 16 de Julho (pois foi o dia da primeira ocupação no condomínio Centre Ville), a comunidade faria uma manifestação em frente ao Palácio dos Bandeirantes.
  • 13. Em 28 de Abril de 1998, a escola passou a chamar “EEPSG 16 de Julho”
  • 14. O primeiro dia de aula foi 6 de julho de 1998, sua festa de inauguração se deu meses depois, com os convidados: Governador Franco Montouro, Secretária da Educação, Rose Neubauer e Dirigente Cleide Bauab Eid Bochixio.
  • 15. Professores, funcionários e representantes da comunidade na época
  • 16. Refeitório e cozinha em 1998
  • 17. Apresentação de dança na inauguração da escola. 1998
  • 18. Secretaria na época.
  • 19. Ainda era Escola Estadual Primeiro e Segundo Grau. Sala de aula e alunos em 1998
  • 20. Laboratório de Ciências Físicas e Biológicas
  • 21. Sala de Informática
  • 22. Sala de Vídeo
  • 23. Sala de Leitura (Biblioteca)
  • 24. Pátio do Estacionamento
  • 25. Quadra de esportes
  • 26. Pátio interno
  • 27. Corredor das salas de aula
  • 28. Os primeiros uniformes...
  • 29. Ao uniforme atual!
  • 30. Com o passar dos anos, o nome da escola foi modificado para “E.E. 16 de Julho”, a escola foi ganhando cara nova, novos espaços e novos alunos. Oficina de grafite nos muros laterais da escola.
  • 31. Mudanças em nossa escola com o passar dos anos:
  • 32. Nossa escola foi sendo reestruturada em todos os âmbitos, tornando-se uma escola com cara moderna sem deixar de ter a cara da comunidade escolar.
  • 33. Seu quadro de funcionários conta com 72 pessoas, entre eles: 1 Diretor e 1 Vice Diretora; 1 Professor Coordenador de Apoio a Gestão Pedagógica; 2 Professoras Coordenadoras (EF e EM); 1 Professora Mediadora de Conflitos; 8 Agentes de organização escolar; 3 Inspetores; 2 Merendeiras; 4 Auxiliares de Serviços Gerais; 49 professores...
  • 34. NOSSOS DIRETORES  Julho/1998 a dezembro/2001 – Profª Ana Soely Pereira Jorge  Janeiro/2002 a junho/2003 – Profª Mirtes de Fátima Machado  Junho/2003 a dezembro/2003 – Profª Fátima Ap. da Silva Pinto  Dezembro/2003 a janeiro/2004 – Profª Shirley Gonçalves Lopes  Fevereiro/2004 a junho/2006 – Prof Roberto Pelachine  Junho/2006 a junho/2007 – Profª Maria Celeste Toledo Martins  Junho/2007 a fevereiro/2008 – Profª Marli Aparecida Satalo  Fevereiro/2008 a dezembro/2008 - Profª Maria Celeste T. Martins  Dezembro/2008 até os dias atuais - Prof Roberto Pelachine
  • 35. Temos 16 salas de aula: Sendo que no período da manhã, 15 dessas são utilizadas pelas séries do 5 º ano até o 3º do ensino médio. No período da tarde são 7 turmas, com as séries do 5º ano até o 9º ano. No período da noite, são 9 turmas, com as séries do ensino regular e EJA. No total de 1132 alunos (2103).
  • 36. Nossa escola hoje. Entrada e secretaria Refeitório
  • 37. Quadras de esporte Jardim interno
  • 38. Possui Sala Multiuso, Sala de Informática (Acessa Escola), Sala de Vídeo, Sala de Leitura.
  • 39. Pátio interno Corredores atuais
  • 40. Estacionamento Corredor administrativo Secretaria Pátio coberto
  • 41. Conversando com as Professoras Coordenadoras Ziza do Ensino Fundamental e Fátima do Ensino Médio, sobre um momento que vivenciaram dentro da escola e que não vão esquecer. Ambas responderam que existem vários momentos felizes que não esquecem (festas, projetos) mas, a perda de alguns alunos/funcionários, que por algum motivo não estão mais entre eles, as entristecem. E um desafio a ser vencido dentro da escola? Ambas disseram que é a melhoria dos índices do Idesp (Saresp) e fazer com que os alunos se interessem realmente em estudar.
  • 42. Fontes: http://portalctb.org.br/site/opiniao/16971-expropriaram-a-maquete- centre-ville-parte-1 http://www.dgabc.com.br/Noticia/312299/centreville-24-anos-sem- solucao- http://www.dgabc.com.br/Noticia/208257/ocupacao-do-centreville- faz-25-anos http://grupoalvoroco.wordpress.com/2013/01/06/1982-quando-as- lanternas-esculpiam-os-sonhos-nas-noites-escuras-do-centreville/ http://centrodeestudossindicais.wordpress.com/2012/05/04/expropria ram-a-maquete-centre-ville-parte-1/
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks