Slides

Mosca de abobora

Description
1. Licenciatura em Agronomia Socio- Ambiental Dacus frontalis (Mosca-daabobora) ã ã ã ã ã ã Acadêmicos: Edson Tavares Eloisa Tavares João Carlos Jocelina…
Categories
Published
of 21
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. Licenciatura em Agronomia Socio- Ambiental Dacus frontalis (Mosca-daabobora) • • • • • • Acadêmicos: Edson Tavares Eloisa Tavares João Carlos Jocelina Monteiro Larissa Varela
  • 2. conteúdos  Biologia;  Bioecologia;  Culturas atacadas;  Danos/estragos;  Controle.
  • 3. Classificação  Reino: Animalia  Filo: Antropoda  Classe: Insecta  Ordem: Diptera  Subordem: Brachycera  Familia: Tephritidae  Genero: Dacus  Espécie: Frontalis
  • 4. Biologia  A Mosca-da-abóbora é uma mosca da famíliaTephritidae, que apresenta coloração acastanhada e mede de 10 mm a 11 mm de comprimento. Seu nome se deve ao fato de que suas larvas destroem a polpa de frutos.
  • 5. Cont. • O ciclo de vida ocorre em três ambientes: vegetação, fruto e solo. Os adultos habitam a árvore hospedeira ou plantas vizinhas, onde passam a maior parte do tempo. • Após a cópula, a fêmea deposita seus ovos no interior do fruto, onde as larvas alimentam-se da polpa, passando por três estádios.
  • 6. Cont. • As larvas do 3º estádio abandonam os frutos que já caíram ao chão e enterram-se no solo, onde empupam. • Os adultos emergem do pupário após alguns dias, reiniciando o ciclo. • O período de desenvolvimento embrionário (ovo) é de 3 a 7 dias, com tempo médio de 3,93 dias.
  • 7. Cont. • A duração do estádio larval varia de 13 a 28 dias, com tempo médio de 17,7 dias. • A duração do estágio pupal é de 14 a 23 dias, sendo o tempo médio de 19,7 dias. • A duração do estádio adulto para os machos varia de 14 a 319 dias.
  • 8. Cont.  Para as fêmeas, é de 3 a 134 dias.  As fêmeas depositam de 10 a 110 ovos por punctura em frutos em fase madurecimento.
  • 9. Ciclo de vida
  • 10. Morfologia  OVO - Branco. Varia de 2,06 a 2,25mm de comprimento e cerca de 0,20mm de largura. Apresenta forma de crescente (meia-lua), afilando gradualmente do meio até a extremidade posterior, a qual é rombuda. Sem reticulação ou outras estruturas aparentes.
  • 11. Larva  É do tipo vermiforme, sem pernas torácicas ou abdominais e sem cápsula cefálica.  2º estádio - Varia de 3,1 a 9,0mm de comprimento e de 0,6 a 1,5, de largura no 6º segmento abdominal. A larva é alongada, cilíndrica, com segmentos caudais truncados e segmentos torácicos afilados.
  • 12. Larva  3º estádio - Varia de 6,6 a 17,0mm de comprimento e de 1,6 a 2,7mm de largura no 6º segmento abdominal. Cor creme. Forma e cor como no 1º estádio.
  • 13. Pupa  A pupa é do tipo coarctata. É livre, coberta pelas exúvias do último estádio larval que formam o pupário. Varia de 8,0 a 9,1mm de comprimento com a largura máxima variando de 3,2 a 3,7mm.  Áreas integumentais de coloração marrom dourada.
  • 14. Adulto  Facilmente reconhecível pelo seu grande tamanho, ovipositor longo e marcas difusas na asa.  Espécie grande.  Tórax com 3,5 a 4,0mm de comprimento; mesonoto com faixas medianas e laterais distintas. Metanoto escurecido lateralmente.
  • 15. Adulto  Pteropleura com mancha preta. Macroquetas marrom; pilosidade amarelada.  Asas com 10,0mm de comprimento;  Ovipositor com cerca de 6,0mm comprimento, ápice afilado e sem dentes. de
  • 16.  As lagartas atacam folhas, brotos, ramos, flores e frutos. Quando o ataque é severo, observa-se na polpa dos frutos abertura de galerias tornando-os inviáveis à comercialização. Atacam as folhas, causando desfolha total da planta, quando em altas populações.
  • 17. Essas lagartas fazem galerias dentro dos frutos, ocasionando os seus apodrecimentos.
  • 18. Controle  O controle da Mosca-da-abobora é efetuado, basicamente, com uso de insecticidas. A ação desses agroquímicos no controle é dificultada, pela preferência das lagartas pelas flores e frutos, onde penetram rapidamente. As lagartas que tem preferência pelas folhas são controladas mais facilmente.
  • 19.  Na presença de lagartas nos primeiros estádios de desenvolvimento, a pulverização com Bacillus thuringiensis pode apresentar elevada eficiência sem acarretar impacto negativo sobre os inimigos naturais e sem deixar resíduos nos frutos.
  • 20. Conclusão  Esta praga que ataca as cucurbitáceas é uma espécie de mosca que passa por quatro estágios de desenvolvimento, sendo que em dois deles, vive dentro do fruto.  Por esse motivo, a produção afectada tem de passar por uma quarentena, em face do aumento das transacções comerciais do mundo, relacionadas a produtos vegetais e seus derivados, que envolvem os mais variados meios de transporte e o próprio homem, contribuindo significativamente para a dispersão das pragas e doenças.
  • 21. Obrigado pela vossa atenção!!!
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks