Slides

Nota introdutoria

Description
1. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso de Especialização Latu senso de Formação de Professores para o Atendimento Educacional Especializado…
Categories
Published
of 3
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso de Especialização Latu senso de Formação de Professores para o Atendimento Educacional Especializado – AEE FORMAÇÃO DE TUTORES ORIENTADORES NOTA INTRODUTÓRIA1 Todo livro bem lido será para ti um labirinto. E este labirinto será, talvez, lugar de angústia, zona de morte. “O livro (escreve o poeta Jabès) é o labirinto. Quanto mais acreditas sair dele mais nele te enterras. Não tens esperança alguma de te salvar. Será preciso que destruas a obra; não te podes resolver nela. Eu reparo na lenta, mas segura subida da tua angústia. Muro após muro. No fim quem te espera? Ninguém...”. Porque o Minotauro, aqui, será uma ausência, um vazio... Mas o livro pode ser igualmente, um labirinto divertido, percurso vagabundo, vaguear alegre. E, por outro lado, talvez o labirinto seja inextricavelmente lugar de voluptuosidade e de angústia, onde se jogam os jogos da vida e da morte, misturados um com o outro. E toda grande pintura é também um labirinto, entrançamento, jogo de curvas e de retas, circulação de intensidades no interior do que Marcel Duchamp chamou, enigmaticamente, infra-fino. Perco-me em toda a grande pintura, reencontro-me depois diferente do que era antes de olhá-la, e volto a perder-me de novo. Continuamente. Continuamente, esquecendo-me de mim mesmo, perdendo a minha identidade, e descobrindo-me depois, transformado. Nem completamente um outro. Nem completamente o mesmo. Gilbert Lascault 1 Gilbert Lascault, filósofo francês. In: LEITE, Elvira; MALPIQUE, Manuela; SANTOS, Milice Ribeiro dos. Trabalho de projeto – 2. Leituras comentadas. Porto: Edições Afrontamento, 1990. p.169.
  • 2. 2 Caras/os colegas Fazemos a vocês uma solicitação importante. Que todas as leituras a serem realizadas sejam inspiradas nas palavras de Lascault (texto acima), no texto “Sobre a lição2 de Jorge Larrosa (abaixo): ... o começo da lição é abrir o livro, num abrir que é, ao mesmo tempo, um convocar. E o que se pede aos que, no abrir-se o livro, são chamados à leitura não é senão a disposição de entrar no que foi aberto. O texto, já aberto, recebe àqueles que ele convoca, oferece hospitalidade. Os leitores agora dispostos à leitura acolhem o livro na medida em que esperam e ficam atentos. Hospitalidade do livro e disponibilidade dos leitores. Mútua entrega: condição de um duplo devir. ... No ler a lição não se buscam respostas. O que se busca é a pergunta à qual os textos respondem. Ou melhor, a pergunta que os textos abrigam no seu interior, ao tentar respondê-la: a pergunta pela qual os textos se fazem responsáveis. Por isso a única resposta que se pode buscar na leitura é a responsabilidade pela pergunta. Se ler em comum é uma correspondência no texto, essa correspondência só pode ser co-responsabilidade na pergunta pela qual o texto já é o primeiro responsável. Por isso, a leitura não resolve a questão, mas a reabre, a re- põe e a re-ativa, na medida em que nos pede correspondência. E há modos de falar, modos de ministrar a lição, que impedem corresponder. Por exemplo: o modo de falar de quem já sabe de antemão o que diz o texto ou o modo de falar daquele que, uma vez que tenha dito o que diz o texto, dá por resolvida a questão. Na leitura da lição não se busca o que o texto sabe, mas o que o texto pensa. Ou seja, o que o texto leva a pensar. Por isso, depois da leitura, o importante não é que nós saibamos do texto o que nós pensamos do texto, mas o que – com o texto, contra o texto ou a partir do texto – nós sejamos capazes de pensar. (LARROSA, 1999, p.139-142). 2 Jorge Larrosa, filósofo espanhol Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.
  • 3. 3 Para complementar essa nota fica para vocês um poema sobre o estudar. Ele deve ser entendido como roteiro de leitura e estudo, em que o questionamento é o fio que deve conduzir o estudar. Perguntar é a paixão do estudo É sua respiração. É seu ritmo. É sua obstinação. No estudo a leitura e a escrita têm a forma interrogativa. Estudar: ler perguntando. Percorrer, Interrogando as, palavras de outros. E também: escrever perguntando. Ensaiar as próprias palavras perguntando-lhes. Perguntando se nelas e diante delas. Tratando de fazer pulsar as perguntas que latejam em seu interior mais vivo. Ou em seu fora mais impossível. Perguntas no princípio e no final do estudo. Estudar: caminhar de pergunta em pergunta em direção às próprias perguntas sabendo que as perguntas são infinitas inapropriáveis de todos e de ninguém de qualquer um com um caderno aberto e um lápis na mão em meio a uma mesa cheia de livros abertos na noite e na chuva entre as palavras e seus silêncios. LARROSA Jorge. Estudar. BH: Autêntica 2003, p. 97-101,
  • Search
    Similar documents
    View more...
    Related Search
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks