Slides

O Auto da Compadecida

Description
1. O Auto da Compadecida Ariano Suassuna 2. Segundo o autor, a peça nasceu dafusão de três folhetos de cordel:O enterro do cachorroO cavalo que defecava dinheiroO…
Categories
Published
of 15
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. O Auto da Compadecida Ariano Suassuna
  • 2. Segundo o autor, a peça nasceu dafusão de três folhetos de cordel:O enterro do cachorroO cavalo que defecava dinheiroO castigo da soberba.
  • 3. O texto propõe-se como resultado deuma pesquisa sobre a tradição oral,fixados ou não em termos de literaturade cordel. Propõe, portanto, um enfoqueregionalista ou, pelo menos, organizaum acervo regional com vistas a umacomunicação estética mais trabalhada.
  • 4. O texto propõe-se como um auto.
  • 5. PALHAÇO(…) Espero que todos os presente aproveitem osensinamentos desta peça e reformem suas vidas,se bem que eu tenho certeza de que todos os queestão aqui são uns verdadeiros santos, praticantesda virtude, do amor a Deus e ao próximo, semmaldade, sem mesquinhez, incapazes de julgar ede falar mal dos outros, generosos, sem avareza,ótimos patrões, excelentes empregados, sóbrios,castos e pacientes (p.137).
  • 6. A síntese de um modelo medieval com um modeloregional resulta, na peça, como concebida pelo Autor. Severificar que as tendências mais importantes doModernismo definem-se no esforço por uma síntesenacional dos processos estáticos, pode-se concluir que otexto do Auto da Compadecida se insere naspreocupações gerais desse estilo de época, deflagrado apartir de 1922, com a Semana de Arte Moderna, em SãoPaulo. Um modelo característico dessa síntese seencontra em Macunaíma, de Mário de Andrade, de 1927,e em Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa (1956),entre outros.
  • 7. O Autor não propõe, nas indicaçõesque servem de base para arepresentação, nenhuma atitude delinguagem oral que seja regionalista.
  • 8. O Autor busca encontrar umaexpressão uniforme para todas apersonagens, na presunção de que adiferença entre os atores estabeleça adiferença nos chamados registros dafala.
  • 9. A composição da linguagem é a maispróxima possível da oralização, isto, é,o texto serve de caminho para uma viaoral de expressão.
  • 10. Os únicos registros diferentes correm, com indicados no própriotexto, por conta:a) do Bispo, "personagem medíocre, profundamente enfatuado"(p.72), como se nota nesta passagem:"Deixemos isso, passons, como dizem os franceses" (p.74).b) de Manuel (Jesus Cristo) e da Compadecida (Nossa Senhora), figurasdesataviadas, embora divinas, porque são concebidas como encarnadasem pessoas comuns, como o próprio João Grilo:"MANUEL: Foi isso mesmo, João. Esse é um dos meus nomes, mas vocêpode me chamar de Jesus, de Senhor, de Deus... Ele / isto é, oEncourado, o Diabo / `gosta de me chamar Manuel ou Emanuel, porquepensa pode persuadir de que sou somente homem. Mas você, sequiser, pode me chamar de Jesus". (p.147)A COMPADECIDA: Não, João, por que iria eu me zangar? Aquele é oversinho que Canário Pardo escreveu para mim e que eu agradeço. Nãodeixa de ser uma oração, um invocação. Tem umas graças, mas isso até atorna alegre e foi coisa de que eu sempre gostei. Quem gosta de tristezaé o diabo (p.171).
  • 11. Quatro denominações de personagensreferem-se a determinadoscondicionamentos regionais: João Grilo,Severino do Aracaju, o Encourado (o Diabo)e Chicó. Quanto ao Encourado, o Autor dáa seguinte explicação:Este é o diabo, que, segundo uma crençado sertão do Nordeste, é um homem muitomoreno, que se veste como um vaqueiro. (p.140)
  • 12. A- A peça não se apresenta dividida em atos. Como o autor dá plenaliberdade ao encenador e ao diretor para definirem o estilo darepresentação, convém anotar que são por ele sugeridos três atos, cujadivisão ou não por conta dos responsáveis pela encenação:B- Do ponto de vista técnico, o Autor concebe a peça como umarepresentação dentro de outra representação./.../ o Autor gostaria de deixar claro que seu teatro é mais aproximadodos espetáculos de circo e da tradição popular do que do teatromoderno (p.22).
  • 13. Oposição bem x mal =visão maniqueísta cristã
  • 14. Como proposição estética, o Auto da Compadecida procuracorporificar as seguintes noções:1- a criação artística, o teatro em particular, devem levar o povo, acultura desse povo a ele mesmo. Daí o circo, seu picadeiro e arepresentação dentro da representação.2- menos do que essa realidade regional e cultural de um povo, o queimporta é criar um projeto que defina idéias e concepções universais (asda Igreja, no caso) com o fim de consciencializar o público. Por essemotivo a realidade regional nordestina é, no caso, instrumento de umaidéia e não fim em si nessa;3- criar um texto teatral é, antes de tudo, criá-lo para uma encenação,daí a absoluta liberdade que o autor da para qualquer modalidade deencenação. O próprio texto final da peça, como editado, é o resultadoda experiência colhida a representação pública.
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks