Slides

Operacoes com num_naturais

Description
1. OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO INÍCIO DE CONVERSA As atividades de contagem possibilitam à criança a percepção e a vivência da ação…
Categories
Published
of 4
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO INÍCIO DE CONVERSA As atividades de contagem possibilitam à criança a percepção e a vivência da ação de somar. Quando constrói conceitos numéricos ao realizar contagens, a adição é parte dessa construção, porque, na seqüência numérica, um número é resultado da adição de 1 ao que lhe antecede. Percebe, também, que o valor numérico de um grupo aumenta ao ser adicionado. Ao fazer uma contagem regressiva, observa que as quantidades diminuem de 1 em 1. Se, após 6 ela diz 5, esse número é o mesmo que 6 menos 1. Esses pensamentos carregam o germe conceitual das operações de adição e subtração. No entanto, as crianças têm muito que aprender e compreender sobre estas duas operações. O verbo “aprender” aqui empregado não significa saber usar números, sinais ou mesmo o algoritmo para fazer a conta. O “aprender” envolve o “entender” que se refere à compreensão conceitual básica dessas operações. Nas situações do cotidiano, a criança desde muito pequena vai criando meios de resolver problemas com os quais se defronta. A maioria envolve estruturas aditivas ou subtrativas e ela consegue solucioná-las utilizando os recursos de que dispõe. Se, no seu grupo há 3 colegas e chegam mais 2, ela pode descobrir o valor numérico do grupo todo contando os colegas. Essa é uma situação bem concreta em que os elementos contados são os mesmos inseridos na situação. Outras vezes, a resolução de um problema se dá através do olhar concreto, mas já abrange alguma abstração. Por exemplo: mediante a situação – há 5 balas na caixa e Júlia coloca lá mais 4 balas -, a criança pode usar fichas ou outro material no lugar das balas e encontrar a solução. Nesse caso, ela imagina que as fichas são as balas e isso não faz diferença. Daí, passa a utilizar variados objetos em substituição a outros, o que já é um tipo de representação. A atividade espontânea da criança ao resolver situações-problema e a sua motivação e envolvimento nessa tarefa levam a constatar que esse é o melhor caminho para trabalhar os conceitos de adição e subtração. Não há como separar essas operações de contextos que lhes são próprios, pois a compreensão conceitual está condicionada à compreensão dos contextos (situações-problema) em que estão inseridas. Portanto, uma das maiores preocupações dos professores das classes do Ciclo Inicial de Alfabetização parece ser a de propiciar aos seus alunos situações favoráveis à construção conceitual das quatro operações básicas. Essa construção leva a inverter a postura do professor tradicional, pois, primeiro, deve-se focalizar os significados das operações; depois, o ensino do algoritmo. Mais uma vez, fica reforçada a afirmativa de que a compreensão deve preceder à simbolização. SIGNIFICADOS DAADIÇÃO E DA SUBTRAÇÃO
  • 2. A construção dos conceitos operatórios de adição e subtração passa pela compreensão dos contextos em que aparecem, pois a ação inserida nesses contextos é que determina a operação envolvida. Operação é, portanto, ação; em cada uma das operações essa ação tem vários significados. A adição envolve ações de reunir e de acrescentar. Num contexto em que se reúnem grupos de objetos, animais, pessoas, etc., como por exemplo, num aquário em que há peixinhos azuis e vermelhos, dizemos que o significado da adição, nessa situação, é de reunir. Nesse caso, a ação é menos dinâmica. O mesmo acontece quando nos referimos aos alunos de uma classe afirmando que são 16 meninos e 18 meninas, perfazendo um total de 34 crianças. O contexto já está formado, as partes estão reunidas e o total é obtido considerando-se estas partes. A ação de reunir está ligada à idéia de combinar dois grupos para obter um terceiro e é comumente identificada como ação de “juntar”. Quando a situação é dinâmica e requer somar um grupo a outro, dizemos que a ação é de acrescentar. As situações que encerram esse significado estão ligadas à idéia de transformação, ou seja, alteração de um estado inicial. Acrescenta-se quando há um grupo e outro junta-se a ele, como por exemplo, “há 3 crianças jogando e chegam mais 5 para entrar no jogo”; a ação é mais concreta do que no primeiro caso, por isso as crianças menores entendem melhor o adicionar com significado de acrescentar. Os significados da subtração têm suporte nas ações de tirar, comparar e complementar. A ação de tirar é bem dinâmica e compreende o ato de, a partir de um grupo, tirar outro contido nesse e de verificar o que sobra. O resultado é o resto. As situações envolvendo ação de tirar são mais freqüentes na vida da criança e, por isso, ela tem mais facilidade de solucioná-las. Outra ação é a de comparar dois grupos e determinar o que possui mais ou o que possui menos objetos e descobrir a diferença numérica entre eles. O resultado, nesse caso, é a diferença. As crianças demonstram muita dificuldade em quantificar a comparação.Um dos fatores que interfere nessa habilidade é o fato de que elas identificam as idéias de adição e subtração com mudanças nas quantidades. Como nas situações comparativas não percebem alterações nas quantidades, elas não conseguem raciocinar sobre as relações envolvidas no problema. De fato, comparar é uma ação mais passiva do que tirar e a criança realmente não percebe o que fazer quando, questões desse tipo lhe são colocadas: “Jane tem 4 lápis e Ana tem 7. Qual é a diferença entre as quantidades de lápis das meninas?” A diferença é eliminada tornando os dois grupos de lápis iguais numericamente. Isso pode ser feito somando 3 ao grupo menor ou tirando 3 do grupo maior. Portanto, a diferença é 3. Essa equalização é muito complexa para crianças mais novas. Para que o pensamento delas trabalhe no sentido de compreender essas situações, é prudente modificar a redação do problema trocando a pergunta por: “Quantos lápis faltam para Jane ter o mesmo tanto que Ana?”, ou “Quantos lápis Ana deve tirar dos seus para que fique com a mesma quantidade de lápis de Jane?” Quanto ao significado de complementar, a idéia envolvida é a de completar um grupo para que fique equivalente a um outro determinado. O resultado da subtração com esse significado é o complemento. As situações de complementação envolvem mais pensamento aditivo do que subtrativo. Para solucionar questões, como: -‘quanto
  • 3. falta a um grupo de 6 bolas para completar 9 bolas?”, a contagem a partir de 6 é a estratégia mais fácil; 3 é o resultado porque 6 mais 3 são 9. Para resolver uma situação-problema a criança deve, a partir da compreensão do contexto em que está inserido, utilizar-se de esquemas de ação que possibilitem obter a solução. DIALOGANDO COM OS PCNs Consultando os Parâmetros Curriculares verificamos que o objetivo relacionado ao Que foi exposto, é: “Resolver situações-problema e construir, a partir delas, os significados das operações fundamentais, buscando reconhecer que uma mesma operação está relacionada a problemas diferentes e um mesmo problema pode ser resolvido pelo uso de diferentes operações.” Ao construir os significados das operações, a criança vai percebendo que a adição e a subtração podem ser usadas para resolver várias situações diferentes e que há vários caminhos para resolver um problema. Acompanhando o desenvolvimento dos seus alunos, o professor vai observar que a construção dos significados leva tempo e ocorre pela descoberta de diferentes procedimentos de solução das situações-problema. ...ESQUEMAS DE AÇÃO NAS ESTRUTURAS ADITIVAS/SUBTRATIVAS Ao deparar-se com uma situação-problema, a primeira tentativa da criança deve ser a de compreendê-la. De posse do significado das ações envolvidas, ela tenta esquematizá-las organizando um “esquema de ação”. O termo “esquema” é empregado aqui com o mesmo significado que possui habitualmente, ou seja, uma representação da ação que considera apenas os elementos essenciais, desprezando os detalhes, conforme afirmam NUNES & BRYANT (1997). As representações das ações de juntar e tirar dão origem aos primeiros esquemas pelos quais a criança começa a compreender a adição e a subtração. Esses esquemas possibilitam encontrar, de um modo prático, soluções para as situações que envolvem estas operações. Contando nos dedos a criança resolve questões, como: “ Imagine que sua colega tenha 5 moedas e ganhe mais 2; com quantas ficou?” Ela usa os dedos no lugar das moedas, mas isso não importa, desde que chegue á solução que é obtida por meio do esquema de juntar. O considerado foi a ação e não os objetos nela envolvidos. Este esquema básico utilizado pela criança pode ser expresso por: “o todo é igual à soma das partes”. Certamente ela compreende isso, mas é incapaz de verbalizá-lo. Essa possibilidade é denominada por pesquisadores dessa área de conhecimento implícito. A compreensão das crianças pequenas se evidencia por suas ações e não pela descrição dos procedimentos utilizados e da sua justificativa. È importante que o professor identifique os esquemas de ação que seus alunos estão usando e construindo a partir de suas experiências cotidianas, pois eles constituem um referencial para o desenvolvimento da base conceitual das operações. A resolução de problemas envolvendo adição ou subtração requer um mesmo raciocínio, pois, embora estas operações sejam diferentes, elas se relacionam a uma mesma estrutura de raciocínio. Observe: parte1 + parte 2 = todo, logo, se do todo tira-se uma parte sobra outra parte. Então: todo – parte 1 = parte 2 , e, todo – parte2 = parte 1. Analisando esses aspectos constata-se a importância de relacionar
  • 4. adição/subtração nas atividades de aprendizagem, pois esses relacionamentos enriquecem as possibilidades de compreensão e favorecem a construção de alternativas de resolução das situações-problema. A título de exemplo, analisemos algumas situações-problema : “Observe as flores no jarro: são 6 brancas e 3 vermelhas. Quantas flores há nesse jarro?” Este contexto envolve uma estrutura aditiva com o significado de juntar ou combinar dois grupos para obter um terceiro e insere uma situação estática. O grupo total já está organizado, basta descobrir o quantitativo. O esquema de ação é: parte + parte = todo. “Numa cesta havia 4 maçãs. Mara colocou 5 laranjas na mesma cesta. Quantas frutas há na cesta, agora? Também envolve uma estrutura aditiva, mas com o significado de acrescentar o que torna a situação dinâmica. O esquema de ação é igual ao anterior. A situação descrita no problema está ligada à idéia de transformação, ou seja, alteração do estado inicial que nesse caso é positiva. A solução consiste em encontrar o total, isto é, o estado final. Os problemas desses dois tipos são denominados diretos porque resguardam a ordem da sentença em que as partes somadas têm por resultado o todo. Há dois casos entre estes problemas simples que podem ser considerados inversos por envolverem uma estrutura aditiva e serem resolvidos pela operação inversa, como por exemplo: “João começou colecionar figurinhas em um álbum. Hoje ele comprou um pacote com 8 e viu que agora já tem 15 figurinhas. Quantas figurinhas João tinha antes?” A situação descrita insere uma estrutura aditiva baseada na idéia de acrescentar. Nesta estrutura são conhecidos o grupo total e uma das partes. Para encontrar o valor da outra parte, é comum nessa fase o aluno contar a partir de 8 até chegar a 15. Portanto, ele adiciona em vez de subtrair. Outros, porém, pensam complementando: “quanto falta a 8 para completar 15?” O esquema de ação referente a este problema é: ? + parte = todo, ou, invertendo, todo – parte = ?. O elemento desconhecido corresponde ao estado inicial e são conhecidos as quantidades correspondentes à transformação e ao estado final. “Antônio tinha 8 bolinhas de gude. Ganhou outras em um jogo com seus colegas e agora tem 17 bolinhas. Quantas bolinhas de gude Antônio ganhou no jogo?” Nesse caso, a quantidade desconhecida refere-se ao elemento transformador pois são conhecidos os valores inicial (8) e final (17). Também é um problema inverso que insere uma estrutura aditiva resolvida pela subtração. A dificuldade que o aluno demonstra ao tentar resolver esses problemas inversos é devida ao fato de que deve coordenar adição/subtração de modo a perceber a ação aditiva e usar a subtrativa para obter a solução. Esta mobilidade implica no uso de pensamento reversível que não é peculiar a crianças nessa fase. Acessado:http://crv.educacao.mg.gov.br/sistema
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks