Slides

Reabilitação cognitiva aacd 2011

Description
1. REABILITAÇÃOCOGNITIVA理迦瑠堂 玲夢<br />Arte: Reabilitação e Humanização – AACD 12/08/2011<br />R.L.<br…
Categories
Published
of 97
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. REABILITAÇÃOCOGNITIVA理迦瑠堂 玲夢<br />Arte: Reabilitação e Humanização – AACD 12/08/2011<br />R.L.<br />WWW.SAUDECONSCIENCIA.BLOGSPOT.COM<br />
  • 2. ESTA É UMA VIAGEM QUE COMEÇA E TERMINA COM DISTÂNCIAS POSSÍVEIS DE SEREM ENTENDIDAS, APENAS POR MEIO DE NOTAÇÃO CIENTÍFICA.<br />COMEÇA A 10 MILHÕES DE ANOS-LUZ (1023m) E TERMINA A (10-16m) AQUI NA TERRA.<br />BOA-VIAGEM. <br />
  • 3. 10 milhões de anos-luz (1023m) de distância da Via Láctea.<br />
  • 4. 1 milhão de<br />anos-luz (1022m)<br />Torna-se visível o espiral.<br />
  • 5. 100.000 anos-luz (1021m)<br />Aproxima-se nossa galáxia!<br />
  • 6. 10.000 anos-luz (1020m)<br />Aparecem estrelas de nossa galáxia.<br />
  • 7. 1.000 anos-luz (1019m) As estrelas, dez vezes mais perto.<br />
  • 8. 100 anos-luz (1018m)<br />Nada além de estrelas.<br />
  • 9. 10 anos-luz (1017m). Ainda apenas estrelas.<br />
  • 10. 1 ano-luz (1016m)<br />O Sol aparece<br />bem pequeno.<br />
  • 11. 1 trilhão Km (1015m)<br />O Sol um pouco maior.<br />
  • 12. 100 bilhões Km (1014m)<br />O Sistema Solar começa a aparecer.<br />
  • 13. 10 bilhões Km (1013m)<br />Nosso Sistema Solar mais definido.<br />
  • 14. 1 bilhão Km (1012m)<br />Órbitas de: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte e Júpiter.<br />
  • 15. 100 milhões Km (1011m). Órbitas de: Vênus, Terra e Marte.<br />
  • 16. 10 milhões Km<br />(1010m)<br />Parte da órbita<br />da Terra.<br />
  • 17. 1 milhão Km (109m). Pode ser vista a órbita da Lua. <br />
  • 18. 100.000 Km (108m) A Terra ainda pequena.<br />
  • 19. 10.000 Km (107m)<br />O Hemisfério<br />Norte da Terra.<br />
  • 20. 1.000 Km (106m) Foto característica de satélite<br />(Flórida EUA).<br />
  • 21. 100 Km (105m) da superfície. Cidade de Tallahassee na Flórida EUA, um pouco mais próximo...<br />
  • 22. 10 Km (104m)<br />Os quarteirões<br />mal são vistos.<br />
  • 23. 1 Km (103m)<br />É possível a<br />prática de pára-<br />quedismo.<br />
  • 24. 100m (102m)<br />Vista típica de<br />helicóptero.<br />
  • 25. 10m (101m)<br />Vista típica de<br />edifício.<br />
  • 26. 1 metro (100m)<br />Quando<br />olhamos algo<br />com o braço<br />esticado...<br />
  • 27. 10 cm (10-1m)<br />Pode-se tocar nas<br />folhas.<br />
  • 28. 1cm (10-2m)<br />É possível sentir<br />o cheiro da<br />folha.<br />
  • 29. 1mm (10-3m)<br />Os vasos da<br />folha aparecem.<br />
  • 30. 100micra (10-4m)<br />As células<br />Praticamente<br />estão definidas.<br />
  • 31. 10 micra (10-5m)<br />As células<br />aparecem. <br />
  • 32. 1 micron (10-6m)<br />O núcleo da<br />célula já fica<br />visível.<br />
  • 33. 1.000 angstrons<br />(10-7m)<br />Os cromossomos<br />aparecem.<br />
  • 34. 100 angstrons<br />(10-8m)<br />A cadeia de DNA<br />pode ser<br />visualizada.<br />
  • 35. 1 nanômetro<br />(10-9m)<br />Os blocos<br />cromossômicos.<br />
  • 36. 1angstron<br />(10-10m)<br />Nuvens de<br />elétrons do <br />Átomo de<br />carbono.<br />Tudo em nosso<br />mundo<br />é feito disso...<br />
  • 37. 10 picômetros<br />(10-11m)<br />Elétron no<br />campo do<br />átomo.<br />
  • 38. 1 picômetro (10-12m)<br />Espaço vazio entre o<br />núcleo e as órbitas de<br />elétrons.<br />
  • 39. 100 fermis (10-13m)<br />O núcleo ainda<br />pequeno.<br />
  • 40. 10 fermis (10-14m) O Núcleo de um átomo de Carbono.<br />
  • 41. 1fermi (10-15m)<br />Face a face<br />com um<br />Próton.<br />
  • 42. 100 atômetros (10-16m) Examinando-se as partículas ‘quark’.<br />Fim da viagem.<br /> E então? Está considerando a si mesmo um grande ou pequeno ser?<br />Ainda acha que estamos sozinhos no universo? <br />
  • 43.
  • 44.
  • 45. Econômica<br />Geográfica<br />Social<br />Ambiental<br />As dimensões da cognição<br />Cultural<br />Conhecimento,<br />Educação,<br />Ética,<br />Valores, ...<br />
  • 46. INTRODUÇÃO<br />ETMOLOGIA<br />COGNIÇÃO x SABER (SAPERE)<br />CONHECER (GNO)<br />NASCER (NASC)<br />EDUCAÇÃO<br />EDUCARE (CONDUZIR / GUIAR / ORIENTAR)<br />DIREÇÃO - INTERVENÇÃO<br />EDUCERE (FAZER SAIR / EXTRAIR / DAR À LUZ)<br />DESENVOLVIMENTO - APERFEIÇOAMENTO<br />
  • 47. n elemento de composição <br />interpositivo, de uma raiz i.-e. *gene-, *gno- 'conhecer', com ramificações em lat. e em gr.; a cognação gr. está representada em vern. por 1agn-, gnom(o)-, gnomon-, -gnose, gnoseo-, -gnosia, -gnósico, gnosio-, gnoso-, -gnosta e -gnóstico, vê-los; a lat., der. do v. incoativo nósco (antigo gnósco, atestado pelos gramáticos e pelas inscrições),is,nóvi,nótum,nóscère 'começar a conhecer, aprender a conhecer, tomar conhecimento; conhecer' e do subst. norma,ae 'esquadria, esquadro; fig. modelo, exemplo', ocorre em vern. com os seguintes rad.: 1) rad.vulg. conhec- (sXIII), do v.lat. cognosco,is,óvi, ìtum,cognoscère 'conhecer pelos sentidos, ver; saber, ter conhecimento de; conhecer por experiência, experimentar; reconhecer; ter trato carnal': aconhecer; conhecedor, conhecença, conhecente, conhecer, conheceza, conhecido, conhecimento, conhecitivo, conhecível; desconhecedor, desconhecença, desconhecente, desconhecer, desconhecido, desconhecimento, desconhecível; inconhecível; irreconhecido, irreconhecível; reconhecedor, reconhecença, reconhecente, reconhecer, reconhecido, reconhecimento, reconhecível; 2) rad.vulg. nobr- (sXIII), do lat. nóbìlis,e 'conhecido; célebre, ilustre; nobre': desenobrecedor, desenobrecente, desenobrecer, desenobrecido, desenobrecimento, desenobrecível; enobrecedor, enobrecer, enobrecido, enobrecimento; inobre; nobre, nobrecente, nobrecer, nobrecido, nobrecimento, nobreza, nobrezia; 3) rad. semicultonot- (sXIII), do lat. nótus,a,um 'conhecido, reconhecido, manifestado, averiguado', part.pas. de noscère: notícia (< lat. notitìa 'notoriedade, condição do que é conhecido; fama, reputação; conhecimento, noção, idéia; idéia inata, prenoção; conhecimento, relação; comércio com uma mulher'), noticiação, noticiado, noticiador, noticiamento, noticiante, noticiar, noticiário, noticiarismo, noticiarista, noticiarístico, noticiável, noticieiro, noticioso, notificabilidade, notificação, notificado, notificador, notificamento, notificante, notificar, notificativo, notificatório, notificável, noto 'conhecido, sabido', notoriedade, notório; 4) rad. semicultoignor- (sXIV), do v.lat. ignóro,as,ávi,átum,áre 'ignorar, desconhecer', der. de ignárus (ver rad. culto ignar- adiante), com influxo de ignótus: ignoração, ignorado, ignorância, ignorantão, ignorante, ignorantinho, ignorantista, ignorantístico, ignorar, ignorável; 5) rad. semicultonarr- (sXVI), der. do v.lat. narro,as,ávi,átum,áre 'contar, expor narrando, narrar, dar a saber': inarrável; inenarrável; narração, narrado, narrador, narrar, narrativa, narrativo, narratório, narrável; 6) rad. culto nobil- (sXVI), der. do lat. nóbìlis,e 'conhecido; célebre, ilustre; nobre': desnobilitação, desnobilitado, desnobilitante, desnobilitar, desnobilitável; nobiliário, nobiliarismo, nobiliarista, nobiliarístico, nobiliarquia, nobiliárquico, nobiliarquista, nobilidade, nobilifobia, nobilifóbico, nobilífobo, nobilissimado, nobilíssimo, nobilitação, nobilitado, nobilitador, nobilitamento, nobilitância, nobilitante, nobilitar, nobilitário, nobilitável, nobilofobia, nobilofóbico; 7) rad. culto agn- (sXVII), do lat. agnitìo,ónis 'conhecimento; reconhecimento': agnição, agnicional; 8) rad. culto cogn- (sXVI), do v.lat. cognosco,is,óvi,ìtum, cognoscère 'conhecer pelos sentidos, ver; saber etc.': cognescer, cognição (< lat. cognitio,ónis 'conhecimento, inteligência, idéia, noção; exame, averiguação, inquirição, devassa, processo; reconhecimento'), cognitividade, cognitivo, cógnito, cognoscente, cognoscer, cognoscibilidade, cognoscitivo, cognoscível; incógnita, incógnito, incognoscibilidade, incognoscível; precognição, precognitivo, precógnito; recognição, recognitivo, recognoscível; 9) rad. culto ignar- (sXVI), do lat. ignárus,a,um 'que não sabe, que não tem conhecimento, ignorante': ignaro; 10) rad. culto ignot- (sXVI), der. do lat. ignótus,a,um 'desconhecido; ignorante' e do lat. ignotitìa,ae 'ignorância': ignotícia, ignoto; 11) rad. culto ignobil- (sXVI), der. do lat. ignóbìlis,e 'desconhecido; obscuro, de baixa origem': ignóbil/ignóbile, ignobilidade, ignobilizado, ignobilizador, ignobilizar; 12) rad. semicultonorm- (sXVI), do lat. norma 'esquadria, esquadro; regra, linha de comportamento, norma, modelo', prov. emprt. do ac. gr. gnomón: gnomona, com intermediação etrusca: a(b)normal, a(b)normalidade, abnorme, abnórmea, abnormidade, anormalismo, anormalístico; enorme, enormidade; norma, normação, normado, normador, normal, normália, normalidade, normalismo, normalista, normalização, normalizado, normalizador, normalizante, normalizar, normalizável, normante, normar, normático, normatividade, normativo, normável, normoblástico, normoblasto, normocitário, normocítico, normocitose, normocitótico, normocrômico, normoergia, normoérgico, normoglicemia, normoglicêmico, normógrafo, normortocitose, normortocitótico, normosqueocitose, normosqueocitótico, normotensão, normotensivo, normotenso, normotermia, normotérmico, normótipo, normovolemia, normovolêmico; 13) rad. semicultonoc- (sXVII), do lat. notìo,ónis 'ação de conhecer, conhecimento de uma causa, exame em juízo; julgamento; competência, alçada, jurisdição; noção, conhecimento; sentido, significação, valor significativo de uma palavra': noção, nocional; ver ignosc-<br />
  • 48. “ONDE HÁ EDUCAÇÃO, NÃO HÁ DIFERENÇA DE CLASSES”<br />Confúcio 500 a.C<br />
  • 49. INTRODUÇÃO - ORIENTE<br />CHINA PILARES FILOSÓFICOS<br />TAOÍSMO<br />CHUN-TAO – TAO DO CENTRO<br />BUDISMO<br />CHUN-KUAN – VISÃO DO CENTRO<br />CONFUCIONISMO<br />CHUN-YUN – SIMPLICIDADE DO CENTRO<br />
  • 50. INTRODUÇÃO - ORIENTE<br />TAOÍSMO – CHUN-TAO<br />CAMINHO / CAMINHADA / CAMINHANTE<br />BUDISMO – CHUN KUAN (AVATARES)<br />VISÃO / COMPREENSÃO / ILUMINAÇÃO<br />CONFUCIONISMO – CHUN-YUN<br />SIMPLICIDADE / NATURALIDADE<br />
  • 51. INTRODUÇÃO - ORIENTE<br />ALQUIMIA DA FORMA<br />ESTADO DE PURA CONSCIÊNCIA<br />NÃO É CONCEITO, DETERMINAÇÃO, PALAVRA<br />É A VIVÊNCIA PESSOAL <br />HOMEM  EIXO ENTRE CÉU E TERRA<br />EIXO  COERÊNCIA (P/P/A)<br />TRANSPARÊNCIA / INTERPENETRAÇÃO<br />ÚLTIMO ESTÁGIO DO TAI-CHI-CHUAN<br />
  • 52. INTRODUÇÃO - ORIENTE<br /> ÍNDIA PILAR FILOSÓFICO<br />HINDUÍSMO - VEDAS<br />BHAGAVAD GITA<br />ARJUNA – KRISHNA<br />KURUKSHETRA<br />A QUESTÃO DA FAMÍLIA<br />
  • 53.
  • 54. INTRODUÇÃO - OCIDENTE<br />GRÉCIA ANTIGA<br />SOFISTAS<br />PROFESSORES DE ELOQÜENCIA<br />BEM REMUNERADOS<br />JOVENS – USO CORRETO / HÁBIL PALAVRA<br />MENSAGEM CONTRÁRIA ÀS DOS<br />FILÓSOFOS<br />AMIGOS DA SABEDORIA<br />
  • 55. GRÉCIA ANTIGA<br />SOFISTAS (PRENÚNCIO)<br />NEGANDO A POSSIBILIDADE DE SE DESVENDAR A NATUREZA (PHYSIS) DAS COISAS<br />FUNDAMENTAM TODO O CONHECIMENTO NA CONVENÇÃO (NOMOS)<br />A PARTIR DAS IMPRESSÕES SENSÍVEIS<br />
  • 56. GRÉCIA ANTIGA<br />FILÓSOFOS<br />NÃO LEVAM EM CONTA FATORES DE NATUREZA SOCIAL E ECONÔMICA<br />NÃO COBRAM POR SEU TRABALHO<br />CONSIDERAM-SE A SERVIÇO DO DEUS<br />
  • 57. SOFISTAS<br />FACILITAR A ASCENÇÃO NA VIDA PÚBLICA DAQUELES QUE DISPUNHAM DE RECURSOS SUFICIENTES PARA PAGAR SUAS CARAS LIÇÕES. E QUE PORTANTO DETINHAM O PODER ECONÔMICO<br />FILÓSOFOS<br />TRABALHA EM NOME DO ESPÍRITO RELIGIOSO, ABRE-SE A QUALQUER UM QUE MANIFESTE SITUAÇÃO PSICOLÓGICA FAVORÁVEL À REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE AUTOCONHECIMENTO<br />
  • 58. A ESCOLA DE ATENAS<br />
  • 59. CRISTO<br /> EQUILÍBRIO (SIMPATIA)<br />FORÇAS CRISTALIZANTES <br /> ARIMÃ / SAT<br />AMBIÇÕES PESSOAIS - PRENDEM<br />FORÇAS DESESTRUTURANTES<br /> FORÇAS DA LUZ / MAR<br />DESEJOS – LANÇAM FOR A DE SI<br />
  • 60. GOETHE<br />NADA DESIGNA MELHOR O CARÁTER DE UM POVO DO QUE AQUILO QUE ELE ACHA RIDÍCULO<br />
  • 61. “VIVER É A COISA MAIS RARA DO MUNDO. A MAIOR PARTE DAS PESSOAS SE CONTENTA EM EXISTIR”<br />“A belezasalvará o mundo”<br />TzvetanTodorov<br />
  • 62. VIDA CONSCIENTE<br />
  • 63. MEDICINA<br />SER BIO-PSICO-SOCIAL<br />3 CORPOS<br />FÍSICO<br />EMOCIONAL<br />MENTAL<br />SISTEMA DE DEFESA<br />ANTICORPOS<br />
  • 64. CORPOS E MUNDOS<br />Os 5 mundos na Cabala<br />Os 5 corpos da consciência<br />
  • 65. Mente<br />Corpo de Desejos<br />Corpo Vital<br />Corpo Denso<br />O SER HUMANO BIO PSICO SOCIAL<br />INTRODUÇÃO<br />Nossos Corpos se interpenetram, como os Mundos<br />
  • 66. NEUROLOGIA<br />ENCÉFALO x COGNIÇÃO<br />AGNOSIAS (VIS/AUD/TÁTEIS/PR)<br />EXP. RELIG. x ATIV. ESPEC. CÉREBRO<br />EEG/ PET/ SPECT EST. ESPIRITUAIS<br />RM + PET / RM FUNCIONAL<br />MELHOR RESOLUÇÃO / QUANTIFICAÇÃO<br />
  • 67. NEUROANATOMIA<br />SISTEMA LÍMBICO<br />GIRO CÍNGULO<br />ISTMO G.C.<br />GIRO P.H.<br />HIPOCAMPO<br />HIPOTÁLAMO<br />TÁLAMO<br />EPITÁLAMO<br />ÁREA SEPTAL<br />CORPO AMIGDALÓIDE<br />FEIXES DE FIBRAS<br />
  • 68. SISTEMA LÍMBICO<br />IMPORTÂNCIA CAPITAL<br />MECANISMOS NEURAIS<br />GOVERNAM COMPORTAM. x EMOÇÕES<br />PRINCIPAIS RELAÇÕES AF / EF<br />NEOCÓRTEX<br />PERIFERIA VÍSCERO-ENDÓCRINA<br />
  • 69. SISTEMA LÍMBICO<br />DEFLAGRADOR EXP. COGNITIVA<br />VÍNCULA EXP. VIVIDAS x UNIV. EMOC.<br />CENTRO DE MEDIAÇÃO<br />SISTEMA NERVOSO CENTRAL<br />SISTEMA IMUNOLÓGICO<br />SISTEMA ENDOCRINOLÓGICO<br />
  • 70. ESPIRITUALIDADE x COGNIÇÃO<br />MC CLELLAND 1988<br />EXPERIÊNCIA RELIGIOSA<br />FÇ IMUNE / RELIGIÃO<br />F.I. MOBILIZAÇÃO AGUDA IGs<br />132 s  DESPERTAR MOTIVAC.  IgA<br />TRIUNFO EIXO 2a GUERRA<br />MADRE TEREZA<br />IgA SALIVAR  p  0,025 – 2o FILME<br />
  • 71. NEUROLOGIA x COGNIÇÃO<br />HELEN KELLER (CEGA-SURDA)<br />EXPERIÊNCIA DA ÁGUA<br />NEUROPLASTICIDADE<br />As melhores e mais belas coisas do mundo não podem ser vistas nem tocadas, mas o coração as sente (Helen Keller 1/6/68)<br />
  • 72. CONHECIMENTO – UMA VISÃO<br />CIÊNCIA<br />RELIGIÃO<br />ARTE<br />A QUESTÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO<br />
  • 73. “A políticanão é compatível com a arte, pois a primeira, paraprovarseusargumentosprecisa ser unilateral” Tolstói (21/03/1858)<br />A imagemartísticanãopode ser unilateral: exatamenteparaquepossa ser chamadaverdadeira, eladeveuniremsimesmafenômenosdialeticamentecontraditórios.<br />A. Tarkovski (Esculpir o tempo)<br />
  • 74. FACES DA VERDADE<br />NORMAL x NATURAL<br />
  • 75. CONHECIMENTO<br />CIÊNCIA<br />CONVENCIONAL<br />MEDICINA ALOPÁTICA<br />TRADICIONAL<br />CHINESA / INDIANA / TIBETANA<br />OCULTA (PONTO DE CONVERGÊNCIA)<br />ANTROPOSOFIA / ALQUIMIA / ASTROLOGIA<br />
  • 76.
  • 77. RELIGIÃO ESSÊNCIA<br />SABER x SER<br />
  • 78. Συμβολος χ διαβολος<br />Συμ = com<br />Βολος = conduzir / lançar<br />δια = através<br /> Símbolo = o que une (síntese)<br /> Diabo = o que separa (análise)<br />Pergunta x Resposta<br />H. Rhoden – As Estratégias de Lúcifer<br />
  • 79. Se houvéssemos sido capazes de prestar atenção à experiênciada arte e de permitirqueelanosmodificasse de acordo com osideaisqueexpressa, játeríamosnostransformadoemanjoshámuito tempo. A. Tarkovski<br /> “O anjoemmim”<br />
  • 80. Para se alcançarumapercepçãopuradaobra de arte, é precisoterumacapacidade de julgamento original, independente e “inocente”.<br />
  • 81. ESSÊNCIA<br />x<br />PERSONALIDADE<br />
  • 82.
  • 83. QUEM SOU EU?<br />
  • 84. SE UM HOMEM ENCARA SUA VIDA<br />DE UM PONTO DE VISTA ARTÍSTICO,<br /> SEU CÉREBRO PASSA A SER SEU CORAÇÃO<br />O. WILDE<br />
  • 85.
  • 86.
  • 87. JESUS E O PROCESSO<br />CRÍSTICO<br />ANTROPOSOFIA<br />x<br />INTEGRAÇÃO DO SER<br />BAPTISM OF CHRIST<br />AERT DE GELDER 1710<br />
  • 88. PENSAMENTO SISTÊMICO<br />PARA RECUPERAR NOSSA PLENA HUMANIDADE<br />EXPERIÊNCIA CONEXÃO<br />COM TODA TEIA DA VIDA<br />RECONEXÃO / RELIGAÇÃO<br />RELIGIO NO LATIM<br />ESSÊNCIA ALICERÇAMENTO<br />ESPIRITUAL<br />
  • 89. IMUNOLOGIA COGNITIVA<br />REDE PSICOSSOMÁTICA<br />SISTEMA NERVOSO<br />SISTEMA IMUNOLÓGICO<br />SISTEMA ENDÓCRINO<br />3 SISTEMAS COGNITIVOS<br />EM INTERAÇÃO<br />3 CÉREBROS EM<br />CONVERSAS CONTÍNUAS<br />
  • 90. IMUNOLOGIA COGNITIVA<br />COGNIÇÃO<br />FENÔMENO SE EXPANDE P/ TODO O ORG.<br />OPERANDO POR INTRINCADA REDE QUÍMICA<br />INTEGRA ATIVIDADES<br />MENTAIS<br />EMOCIONAIS<br />BIOLÓGICAS<br />
  • 91. MEDICINA <br />ESTÍMULOS  CORPO<br />EQUILÍBRIO x DESEQUILÍBRIO<br />ESTRUTURA COGNITIVA<br />PONTO DE VISTA NEUROBIOLÓGICO<br />SE DESENVOLVE<br />BASE QUALIDADE INFORMAÇÕES<br />OBTIDAS NO MEIO EM QUE VIVEMOS<br />
  • 92. MEDICINA <br />DOENÇA<br />AO PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO<br />APRECIE COM MODERAÇÃO<br />PROPAGANDAS<br />
  • 93. COMPLICADORES SOCIAIS<br />EU SOU BOM EXEMPLO PARA O OUTRO ?<br />
  • 94. MEDICINA <br />SAÚDE<br />EQUILÍBRIO / HARMONIA<br />O PODER DOS LIMITES (GYÖRGY DOCZI)<br />A ENERGIA SEGUE O PENSAMENTO<br />
  • 95. HUMANIZAÇÃO<br />INSTINTO<br />SOBREVIVÊNCIA (PEGAR)<br />INTELIGÊNCIA (DISCERNIMENTO)<br />SABEDORIA (PARTILHAR)<br />INTUIÇÃO<br />SIGNIFICAÇÃO (PARTICIPAR)<br />
  • 96. SABER x SER<br />
  • Search
    Related Search
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks