Slides

Release a pantera2011

Description
1.             A  PANTERA               Texto  Camila  Appel   direção  Marco  Antônio  Braz     Estréia  10  de  junho  -­‐  Auditório…
Categories
Published
of 7
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1.             A  PANTERA               Texto  Camila  Appel   direção  Marco  Antônio  Braz     Estréia  10  de  junho  -­‐  Auditório  SESC  Pinheiros   1
  • 2.      Uma  Pantera  Nada  Cor-­‐de-­‐rosa      “O   texto   teatral   de   Camila   Appel   é   para   mim   uma   parábola   surrealista   sobre   o  encontro  de  um  casal,  a  ilusão  do  amor  e  o  casamento.  Surrealista  pois  a  história  de  nosso   encontro   se   dá   entre   as   prateleiras   de   um   supermercado,   símbolo   da   ordem  material   das   coisas   a   reger   planos   e   destinos.   É   como   se   este   rápido   passeio   de  compras   domésticas,   e   sua   desventura   em   fugir   ou   se   confrontar   com   a   pantera,   fosse  o   resumo   da   vida   deste   jovem   casal.   A   Pantera   aqui   é   símbolo   poético   tanto   dos  instintos  amorosos  quanto  dos  selvagens.  Ela  é  a  própria  sombra  do  casal  que  cresce  e  ameaça  todo  o  tempo  a  relação.  Ela  é  o  perigo  da  morte.  Da  morte  do  amor.  Ela  é  a  representação   viva   do   conflito   que   se   estabelece   e   cresce   entre   eles,   sem   que   eles  percebam.   É   através   do   irrisório   que   se   torna   fundamental   que   percebemos   nossas  falhas  humanas  e  compreendemos  o  caráter  patético  dessas  falhas.  É  um  caminho  que  vai   da   idealização   à   frustração.   A   idealização   é   cor-­‐de-­‐rosa   e   a   frustração   é   escura  sombra.   Por   isso   a   Pantera   de   Camila   Appel   não   é   nada   cor-­‐de-­‐rosa.   Mas   tem   muito  humor.   Para   além   de   todos   os   planos   de   leitura,   o   texto   cativa   e   envolve   o   espectador  que   se   identifica   com   a   situação   amorosa   e   termina   por   rir   de   si   mesmo.   É   através  deste   reconhecimento   que   o   público   é   convidado   a   passear   entre   luzes   artificiais   e  sombras  profundas,  mas  cujo  destino  sempre  remete  a  outra  luz,  a  luz  do  amor”.     Marco  Antonio  Braz      Com   o   propósito   de   agregar   valores   artísticos,   estimular   novos   talentos   e   difundir   a  montagem   de   textos   nacionais,   a   Jaburá   Produções,   responsável   pela   produção   do  espetáculo  “A  Pantera”  uniu  à  jovem  autora  Camila  Appel,  uma  equipe  de  reconhecido  talento  capitaneada  por  Marco  Antônio  Braz  (prêmio  de  Melhor  Diretor  do  Ano  2002  por  O  Beijo  no  Asfalto  pela  APCA;   prêmio  Shell  de  Melhor  Diretor  2008  por  A  Alma  Boa  de  Setsuan);  que  traz  em  sua  equipe  de  criação  Telumi  Hellen  –  cenários  e  figurinos,  Tunica  –  Trilha  Sonora  e  Guilherme  Bonfanti  na  iluminação.    Em   cena,   um   casal   de   namorados   se   vê   preso   num   supermercado,   diante   de   uma  pantera   à   solta   pelos   corredores.   Para   o   futuro   o   casal,   este   animal   selvagem   se  transforma,   cada   vez   mais,   de   uma   realidade   ameaçadora   para   uma   figura   metafórica.  Se   antes   discutiam   o   que   sairia   das   prateleiras   para   o   carrinho   de   compras,   agora  revelam  uma  incompatibilidade,  sem  escuta  ou  concessões,  agredindo-­‐se  mutuamente  num  ambiente  claustrofóbico.  O  texto  propõe  uma  reflexão  sobre  a  conveniência  dos  relacionamentos,  e  aponta  para  o   dilema:   levar   à   frente   um   relacionamento   pela   conveniência   da   vida   a   dois   ou  enfrentar   o   desconforto   de   romper   este   caminho   natural   das   coisas,   deslocado   e  sozinho.     2
  • 3. O  simbolismo  proposto  por  Camila  Appel  nesta  comédia  dramática  também  encontrou  paralelo   num   poema   do   tcheco   Rainer   Maria   Rilke,   descoberto   pela   própria   autora  enquanto  concluía  seu  trabalho.  Em  “Der  Panther”  (1903),  Rilke  descreve  a  agonia  de  um   animal   enjaulado   no   Jardin   des   Plants,   em   Paris,   onde   animais   exóticos   eram  mantidos  vivos  para  pesquisa.    Na   tradução   de   Tércio   Redondo:   “Seu   olhar,   de   tanto   contemplar   as   grades,   está  cansado  e  já  nada  vê.  É  como  se  o  cercassem  milhões  de  barras  e  por  trás  delas  nada  mais  houvesse  /  O  corpo  forte  se  move  com  suavidade  perfazendo  um  círculo  diminuto;  executa   uma   dança   de   força   em   torno   a   um   ponto,   onde   uma   férrea   vontade   jaz  entorpecida.   Por   vezes   as   pupilas   se   abrem   silenciosas.   Atravessa-­‐lhes   então   uma  imagem  que  percorre  a  tensa  serenidade  dos  membros  e  se  exaure  no  coração”.  (o  poema  original  segue  no  final  do  documento)    SINOPSE    A   Pantera.   Uma   tragicomédia   escrita   por   Camila   Appel   e   dirigida   por   Marco   Antônio  Braz.     Noiva   (Silvia   Lourenço)   e   Noivo   (Bruno   Autran),   às   vésperas   do   casamento,   se  vêem   trancados   num   supermercado.   A   situação   inusitada   traz   à   tona   uma   série   de  revelações  surpreendentes.    PERFIS    Camila  Appel  (texto)    Formada   em   Administração   de   Empresas   pela   EAESP-­‐FGV   e   com   mestrado   em  Antropologia,  a  paulistana  Camila  Appel  é  filha  e  neta  de  escritoras.  A  avó,  Antonieta  Assumpção,   foi   amiga   de   Monteiro   Lobato   e   escreveu   livros   infantis.   A   mãe,   Leilah  Assumpção,   é   dramaturga.   Escreve   desde   pequena,   e   aos   27   anos   decide  profissionalizar-­‐se  na  arte  da  escrita.    “A  Pantera”  é  sua  peça  de  estreia.    Marco  Antônio  Braz  (direção)    Marco   Antônio   Braz   dedica-­‐se   ao   teatro   desde   os   15   anos,   tendo   feito   muitos   cursos   e  montagens   amadoras   até   formar-­‐se   bacharel   em   artes   cênicas   pela   UNI-­‐RIO.   Carioca  da  Tijuca  muda-­‐se  para  São  Paulo  em  1990  tornando-­‐se  essencialmente  paulista.  Em  São   Paulo   trabalha   com   Antunes   Filho   e   funda   um   grupo   de   teatro   especializado   na  encenação  da  obra  teatral  de  Nelson  Rodrigues:  o  Círculo  dos  Comediantes.  Torna-­‐se  referência   sobre   Nelson   Rodrigues   não   somente   através   de   suas   direções,   mas   através  de   textos   teóricos,   adaptações,   palestras   e   exposições.   Destaca-­‐se   também   na   sua  carreira  a  pesquisa  e  a  formação  de  atores,  tendo  trabalhado  como  professor  nas  mais  importantes   escolas   de   teatro   do   país.   A   principal   característica   de   sua   assinatura  como   artista   é   o   resgate   da   dramaturgia   brasileira   moderna   através   de   encenações  pouco   ortodoxas   e   com   muito   humor.   Principais   trabalhos:   “Perdoa-­‐me   Por   Me  Traíres”,   de   Nelson   Rodrigues   –   com   o   Círculo   dos   Comediantes;   “Boca   de   Ouro”,   de  Nelson   Rodrigues   –   com   Marcos   Oliveira,   Flávia   Pucci   e   outros   –   Teatro   1   do   Centro  Cultural  do  Banco  do  Brasil  –  1997.  “Otto  Lara  Resende  ou  Bonitinha,  mas  Ordinária”,   3
  • 4. de   Nelson   Rodrigues,   com   o   Círculo   dos   Comediantes   _   Teatro   de   Arena   Eugênio  Kusnet   _   2000.   “Geração   Trianon”,   de   Anamaria   Nunes_   Projeto   de   Formação   de  Público_   Teatro   João   Caetano_   2001/2002.   “O   Grande   Dia”,   de   Nelson   Rodrigues_  adaptação  para  seis  contos  de  A  Vida  Como  Ela  É  por  Braz  e  Nelson  Rodrigues  Filho_  Teatro   Augusta_   2002;   “Valsa   Nº   6”,   de   Nelson   Rodrigues_   com   o   Círculo   dos  Comediantes_   Novo   TBC_2002;   “Beijo   no   Asfalto”,   de   Nelson   Rodrigues   _   com   o  Círculo   dos   Comediantes   _   Novo   TBC_2002;   “Ay   Carmela”,   de   José   Sanchis   Sinisterra   _  com  Maurício  Marques  e  Virgínia  Buckowski  ;  Teatro  da  Memória  _  2007;  “As  Noivas  de  Nelson”,  de  Nelson  Rodrigues  (contos  de  “A  vida  como  ela        é”_com  a  Cia  Paulista  de   Artes,   2008;   “Alma   Boa   de   Setsuan”,   de   Bertold   Brecht_com   Denise   Fraga,   2008.  “Amor   de   Servidão”,   de   Marçal   de   Aquino   e   Marília   de   Toledo,   2008;   “As   Traças   da  Paixão”,  de  Alcides  Nogueira_com  Lucélia  Santos,  2009.  Prêmio  de  Melhor  Diretor  do  Ano  2002  por  O  Beijo  no  Asfalto  pela  APCA  (Associação  Paulista  dos  Críticos  de  Arte)  Prêmio  Shell  de  Melhor  Diretor  2008  por  A  Alma  Boa  de  Setsuan.        Silvia  Lourenço  (atriz)    Formada   no   Teatro-­‐Escola   Célia   Helena,   integrou   o   Centro   de   Pesquisa   Teatral   (CPT),  de  Antunes  Filho.  Atuou  em  “Pequenas  Histórias  que  a  História  não  Conta”,  direção  de  Luiz   Carlos   Moreira,   “Essa   Nossa   Juventude”,   dirigida   por   Laís   Bodansky   e   “As  Meninas”,   adaptação   de   Maria   Adelaide   Amaral   para   o   romance   de   Lygia   Fagundes  Telles,   entre   outros.   No   cinema   protagonizou   “Contra   Todos”   e   “Quanto   Dura   o  Amor?”,   ambos     de   Roberto   Moreira.   Também   esteve   no   elenco   de   “Querô”   e   “O  Cheiro  do  Ralo”.  Na  TV,  atuou  em  “Alice”,  da  HBO  e  na  série  “Tudo  Novo  de  Novo”,  da  TV  Globo.  Recentemente  protagonizou  a  série  “Bipolar”,  do  canal  Brasil.    Bruno  Autran  (ator  )    É  ator  formado  pela  Oficina  de  Atores  da  Rede  Globo.  No  cinema  participou  dos  curta  metragens  “Transa,  Apt  303”,  “Gosto  Estranho  de  Sangue  na  Boca”,  “Menina  do  Mar”  e   “Malu   e   Fred”,   neste   último   ganhando   o   Prêmio   de   Melhor   Ator   no   Festival   Curta  Santos  2009.  Em  televisão  podemos  destacar  “Sítio  do  Pica  Pau  Amarelo”  e  “Por  Toda  Minha   Vida”,   ambos   na   Rede   Globo.   No   teatro   integrou   o   elenco   dos   espetáculos  “Entre   4   Paredes”,   “Liberdade   Liberdade”,   “Sinos   Imaginários”   e   “No   Meio   do  Caminho”.    Telumi  Hellen  (cenografia  e  figurino)    Participou   no   grupo   Macunaíma   do   CPT   (Antunes   Filho)   por   11   anos,   desenvolvendo  projetos   como   cenógrafa   e   figurinista.   Coordena   oficinas   práticas   no   Espaço  Cenográfico   SP   de   J.C.   Serroni.   Participou   de   05   quadrienais   em   Praga,   sendo   em   1999  e  2003  como  coordenadora  da  secção  de  escolas  de  cenografia  do  Brasil.  E  projeto  dos  alunos  do  Espaço  Cenográfico  na  Scenofest  em  2003  e  2007.      Guilherme  Bonfanti  (luz)     4
  • 5. Atua   desde   1987,   com   trabalhos   nas   artes   cênicas   e   artes   plásticas.   Dentre   seus  principais  projetos  para  teatro,  destacam-­‐se  as  óperas  “Don  Giovanni”  e  “La  Boheme”  em   Curitiba,   “Madame   Butterfly”   em   Manaus   e   “Carmen”,   em   São   Paulo.   Iluminou  também   espetáculos   de   dança   para   o   Ballet   Stagium   e   foi   diretor   técnico   do   Teatro   da  Vertigem.   Trabalhou   ainda   com   diretores   como   Eduardo   Tolentino   (“Rasto   Atrás”,   “Do  Fundo  do  Lago  Escuro”)  e  Gabriel  Villela  (“Ópera  do  Malandro”,  “Sonhos  de  Uma  Noite  de   Verão”).   Desenvolveu   projetos   luminotécnicos   para   quatro   Bienais   Internacionais  de  São  Paulo.  Acumula  cinco  prêmios  Shell,  três  APCA  e  um  prêmio  Mambembe.    Tunica  Teixeira  (trilha  sonora)    Iniciou  sua  carreira  de  diretora  musical  e  sonoplasta  na  Escola  de  Arte  Dramática  em  1969,   confeccionando   trilhas   sonoras   para   suas   montagens   curriculares.   Cursou   a  Escola  de  Comunicações  e  Artes  da  Universidade  de  São  Paulo  entre  1968  e  1974.  Em  1975,  ganhou  bolsa  de  estudos  do  SESC-­‐SP  para  o  curso  “Stage  Sound  and  Electronic  Music  for  Beginners”  na  Cockpit  Arts  and  Workshop  em  Londres,  Inglaterra.    Entre  seus  inúmeros   trabalhos,   destacam-­‐se:   “Santidade”,   direção   de   Fauzi   Arap;   “Visão   Cega”,  direção   de   José   Renato;   “Honra”,   direção   de   Celso   Nunes;   “Joana   Dark”,   direção   de  José  Possi  Neto;  “Os  Lusíadas”,  direção  de  Iacov  Hillel  ;“Visitando  o  Sr.Green”,  direção  de   Elias   Andreatto;   “   A   loba   de   rayban”     de   Renato   Borghi,   direção   de   José   Possi   Neto;  trilha   sonora     com   Aline   Meyer;   “   Ligações   perigosas”   direção   de   Mauro   Vedia   com  Maria  Fernanda  Candido  e  Marat  Descartes.  “  Os  olhos  verdes  do  ciúme  ,  direção  de  Marco  Antonio  Brás,  com  Suzy  Rêgo.  Ao  longo  de  30  anos  de  carreira  teatral,  recebeu  um   prêmio   Governador   do     Estado,   quatro   prêmios   APCA   (Associação   Paulista   de  Críticos   de   Arte)   e   onze   prêmios   APETESP   (Associação   dos   Produtores   de   Teatro   do  Estado   de   São   Paulo),   entre   outros   prêmios.   Foi   indicada   em   1996,   juntamente   com  Aline   Meyer,     ao   Prêmio   Shell   de   Melhor   Trilha   Sonora   para   Teatro   pelo   espetáculo  “Cenas   de   um   Casamento”   de   Ingmar   Bergman,   direção     de   Vivien   Buckup.   Nesse  mesmo   ano   receberam   o   APETESP   de   melhor   trilha   sonora   para   Teatro   Infantil   por  “Sherazade”,   direção   de   Francisco   Medeiros     Em   1998   recebeu,   juntamente   com   Aline  Meyer,   o   Prêmio   Shell   de   Melhor   Trilha   Sonora   para   Teatro   pelos   espetáculos  “Santidade”  e  “Caixa  2”,  ambos  dirigidos  por  Fauzi  Arap.     5
  • 6. SERVIÇO  –  A  PANTERA  Local:  Sesc  Pinheiros  –  auditório  Endereço:  Rua  Paes  Leme,  195.  (estacionamento  no  local)  Bilheteria:  (011)  3095  9400  Temporada:  de  10  de  junho  a  2  de  julho.  Sessões:  Sextas  e  sábados,  às  20h.  Classificação  etária:  14  anos.  Duração:  70  minutos.  Capacidade:    100  lugares.  Acesso  para  deficientes  /  Ar  condicionado  Preço:  R$    20  /  R$  10  /  R$  5    FICHA  TÉCNICA  Texto         Camila  Appel  Direção       Marco  Antônio  Braz  Elenco         Silvia  Lourenço  e  Bruno  Autran  Iluminação       Guilherme  Bonfanti  Direção  de  Arte     Telumi  Hellen  Trilha  Sonora       Tunica  Assist.  Direção     Fernanda  Fazzi  Preparador  Gestual     (Mímica)      Fernando  Vieira  Maquiagem                               Jô  Simões  Fotógrafo                                               João  Caldas  Direção  de  Produção       Cristina  Sato  Produção  Executiva     Paulo  Ferrer     6
  • 7.  Poema  “Der  Panther”  –  texto  original    Der  Panther  Im  Jardin  des  Plantes,  Paris    Sein  Blick  ist  vomVorübergehn  der  Stäbe  so  müd  geworden,  daß  er  nichts  mehr  hält.  Ihm  ist,  als  ob  es  tausend  Stäbe  gäbe  und  hinter  tausend  Stäben  keine  Welt.    Der  weiche  Gang  geschmeidig  starker  Schritte,  der  sic  h  im  allerkleinsten  Kreise  dreht,  ist  wie  ein  Tanz  von  Kraft  um  eine  Mitte,  in  der  betäubt  ein  großer  Wille  steht.    Nur  manchmal  schiebt  der  Vorhang  der  Pupille  sich  lautlos  auf  -­‐  dann  geht  ein  Bild  hinein,  geht  durch  der  Glieder  angespannte  Stille  -­‐  und  hört  im  Herzen  auf  zu  sein.                                                                                Rainer  Maria  Rilke        A  Pantera  No  Jardin  des  Plantes,  Paris  (Tradução  de  Tercio  Redondo)      Seu  olhar,  de  tanto  contemplar  as  grades,  está  cansado  e  já  nada  vê.  É  como  se  o  cercassem  milhares  de  barras  e  por  trás  delas  nada  mais  houvesse.    O  corpo  forte  se  move  com  suavidade    perfazendo  um  círculo  diminuto;  executa  uma  dança  de  força  em  torno  a  um  ponto  onde  uma  férrea  vontade  jaz  entorpecida.    Por  vezes  as  pupilas  se  abrem  silenciosas.  Atravessa-­‐lhes  então  uma  imagem  que  percorre  a  tensa  serenidade  dos  membros    e  se  exaure  no  coração.   Rainer  Maria  Rilke       7
  • Search
    Related Search
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks