Slides

Sara de pinho portfolio2012

Description
1. Sarade Pinho::::portfólio2012 2. Título: A libertação do caos interiorTema: ExorcismoMeio: VídeoDuração: 1’ 17”Ano: 2003Talvez a essência do exorcismo…
Categories
Published
of 31
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. Sarade Pinho::::portfólio2012
  • 2. Título: A libertação do caos interiorTema: ExorcismoMeio: VídeoDuração: 1’ 17”Ano: 2003Talvez a essência do exorcismo permaneça no combate interior e constanteque temos connosco próprios. A insatisfação emergente requer uma liber-tação, não só de recalcamentos de infância, como também de um medo in-sustentável, que nos acompanha de enfrentar os obstáculos.O percurso académico não é de forma alguma linear. Esse percurso é pau-tado, por vezes de desistências, desvios, e muitas vezes, de um voltar a acredi-tar nas nossas próprias capacidades criadoras. É pois nesse momento queacordamos com uma energia nova, e damos um passo decisivo para afastaro mal do passado, exorcizando-o e portanto, atenuando-o.A resolução deste enigma assenta numa libertação do caos interior, recon-vertido em representações plásticas. O suporte é um rolo de papel cenário,que é desenrolado à medida em que é executada uma ilustração. Cada fasepretende ser a resolução da anterior, uma evolução ou regressão. Trata-sede um processo contínuo ou descontínuo, feito de altos e baixos ou até demomentos vazios.
  • 3. Título: Porto tipográficoMeio: VídeoDuração: 0’ 29”Ano: 2003
  • 4. Título: OGM [trangénicos]Meio: VídeoDuração: 1’ 06”Ano: 2003Comer ou não trangénicos deve ser uma opção informada. A matéria-primafoi a água e elementos vegetais inseridos num recipiente plástico. O congela-mento desses elementos, que posteriormente desenformados foram fotogra-fados em diferentes fases do seu processo de descongelamento. Numa fasefinal, essas mesmas fotografias serviram de base para uma manipulação vir-tual concretizada numa simples animação.
  • 5. Título: Siddartha [Herman Hesse]Meio: Vídeo-GenéricoDuração: 1’ 50”Ano: 2003Siddartha infeliz com a sua educação, abandona o lar em busca do sentido davida. A sua viagem é pautada por múltiplos aspectos do quotidiano, até encon-trar a reveladora iluminação final. Esta história indiana remete-nos para umconceito, em que o importante não é o ponto de chegada, para o percursorealizado para o alcançar. É uma narrativa que fala de um crescimento inte-rior, de uma união com o absoluto, que só é possível percorrendo uma vidaárdua, repleta de provações e obstáculos.
  • 6. Título: Simulation Tripp [of an esquizoid]Meio: Vídeo-instalaçãoDuração: 3’ 13”Ano: 2003Parceria: Lisete Dias e Mª João Santos
  • 7. Título: Laço Duplo[indução de um comportamento patológico]Meio: VídeoDuração: 9 ’ 93 ”Ano: 2004
  • 8. Título: Reflexo interiorMeio: VídeoDuração: 4’ 46”Ano: 2011-2012As razões inerentes para a realização deste trabalho estão associadas aofacto de descobrir a organicidade e a imprevisibilidade que a tinta dissolvidae em contacto com a água formam. Usei dois tons de azul, um mais claro eoutro mais escuro, para poder observar qual a interferência ou a conjugaçãoque poderia provocar.Um dos meus propósitos foi captar a atenção do espectador, para o pro-cesso que se prende com o facto de ter invertido e acelerado a ordem naturaldos acontecimentos.Quebrando a monotonia pontualmente emerge uma imagem que ultrapassaa moldura anteriormente instituída, sem a destruir, caracterizada pelo ele-mento comum, a água, mas agora à superfície. Esta imagem materializadaem vídeo foi captada num lago do Museu Soares dos Reis e do Parque daCidade no Porto, com este facto pretendi confrontar dois mundos, o das pro-fundezas exemplificada pela metáfora dos dois fluxos e o da superfície peloslagos. Entre a o universo artificial e a realidade da Natureza.Vale a pena seguir a ordem inversa até ao fim, começa pelo “suposto” fimoriginal e acaba com a tabula rasa (a tela branca). Representado por man-chas dispersas e expandidas das duas cores, a tinta ascende em vez de de-scer, a gravidade foi aqui questionada. Todos estes aspectos competem coma própria ciência, a tinta como meio tecnológico ganha aqui uma presençaforte e interroga a sua primeira funcionalidade. O desenho ganha aqui umcarácter mais forte. O movimento das tintas constroem-no.Todos estes princípios são postos em causa e alteram a perspectiva do es-pectador perante a obra. Segundo Serres, “A criação resiste à morte, rein-ventando a vida (...)”
  • 9. Título: EstratigrafiaVídeo-Instalação sobre esferaDuração: 3’ 35”Ano: 2011Ao meu olhar sobrepôs-se uma câmara e um copo, camada por camada fuifilmando o que mais me interessava visualmente. Mais do que uma alegoria,pela sobreposição das camadas, o meu olhar foi conduzido pelo efémero. Avida foge-nos e por vezes é difícil captá-la e nada é tão inocente como o desejode alcançar o fugaz.A esfera como suporte surge no processo, o vídeo tem como base um copoe na sua maioria as filmagens realçam o círculo. Daí uma simbiose adequadaaté porque a barreira em PVC com um círculo delimita a máscara da imagemprojectada criando também uma concordância.
  • 10. Título: Sem TítuloVídeo-Instalação sobre ecran foscoDuração: 2’ 47”Ano: 2011Um ecran fosco como tabula rasa, a sua filmagem em diferentes horas dodia deu origem a uma sequência de imagens em que as suas cores vão al-terando e dando lugar a outros registos, retirados de outros lugares, jogandocom transparências e texturas, que se sentem através do olhar. A sua so-breposição no vidro não foi ao acaso, resultando numa simbiose na reuniãodos dois ecrans fazendo com que a imagem projectada invada esta barreirae resulte como um todo. A imagem é fragmentada fisicamente, mas no vídeoexiste uma linha horizontal que em termos estruturais ganha uma dimensãomais forte, funcionado como eixo fazendo a divisão entre o céu e a terra comode uma linha do horizonte se tratasse. Os ecrans possuem em si própriosumas molduras de metal que os sustentam, que não se encontram niveladoscom o propósito de o espectador poder entrar na abertura que os separa,tornando-o parte da instalação. O público que fica para trás consegue visual-izar a interferência provocada pela presença humana, resultando num teatrode sombras e das suas escalas. Por consequência esta instalação anda àvolta de uma certa teatralidade associada a uma temporalidade. Há aqui umapreocupação na duração da experiência por parte do público. O factor tempoganha aqui uma dimensão teatral e vice-versa. Por outro lado todo o concep-tualismo assenta numa epifania, no sentido da recolha de várias filmagensque depois de editadas fazem parte da resolução de um quebra-cabeças quefinalmente encontrou na sua projecção e na sua realização plena.Esta instalação permite ver o que está por de trás dos ecrãs, não que sejainteressante ver o reverso do vídeo mas pelo facto do espectador que feza transposição poder interferir com a projecção, criando um jogo lúdico desombras visíveis para quem ainda está do lado de fora.Rejeito a dimensão narrativa, privilegio a percepção e o momento epifânicodando origem a uma estrutura formal que revela tanto o previsível como oimprevisível, criando uma estranheza que ao mesmo tempo se torna familiarou inquietante. Porque do simples, nasce a verdade!
  • 11. Título: Epifania dos sentidosVídeo-Instalação sobre persianaDuração: 5’ 41”Ano: 2012“As coisas desaparecem. Temos de nos apressar, se queremos ver alguma coisa”Cézanne, PaulA palavra epifania, epiphanéia (=manifestação), de origem grega (epi=sobre;phaino=aparecer), pode ter duas abordagens. Não pretendo aqui focar a daordem teológica mas sim a do momento quase sempre fugaz de uma súbitarevelação interior, que suspende o que há de vir e se destaca do transitório.Fugindo do óbvio e fornecendo somente algumas pistas, a ideia da metáforanão me saía da mente. Do grego metaphorá (=transporte) remete exata-mente para a descoberta incessante de ligações que nos transportam paraum patamar de plenitude.Para colmatar a essência do desejo, começo a filmar, negando o discursonarrativo, parto de imagens descontextualizadas, em que o zoom exageradofaz com que a sua origem se perca, partindo para novos caminho da repre-sentação, sem perder o propósito inicial. O vídeo surge como salvador daexistência breve de imagens aparentemente destituídas de significado. Pre-tendo ter um olhar, capaz de captar o fugaz mas resistindo à efemeridadedo visível.Permanecer no sonho acordada, fazer dele realidade. Quero fixar de umaforma indireta essas memórias quase apagadas quando acordo. Ao rodar oestore, a luz invade o espaço interior do canto, criando uma espécie de triân-gulo, três conexões que dão origem à imagem tripartida. No confronto dosobjetos e da projeção, emana a fisicalidade da memória e da imagem. Há umaautonomia dos vários suportes: a conjugação das mesas retirando-as da suaprimeira função remetem para um caráter primeiro da escultura.Presencia-se uma exploração das possibilidades do objecto-suporte e nomodo como este se funde com os elementos som, movimento, imagem ematerialidade.
  • 12. Título: Panorama InóspitoVídeo-Instalação sobre lousaDuração: 6’ 29”Ano: 2011Panorama [INÓSPITO]Uma vista aérea sobre o tealhado das CASAS em LOUSAMaterial/Artefacto que me acompanha e ENCANTA!O SOM do giz ARREPIA e remete para a minha infânciaMemórias perdidas apagadas que devem só pertencer ao passadoe só fazem sentido se a Mãe estiver presente.
  • 13. Título: ViewpointMeio: Vídeo-ArteDuração: 3’ 00”Ano: 2012
  • 14. Título: À Frida KahloSite-specific VídeoDuração: 7’30”Ano: 2012Abordei o tema das infiltrações do Museu de Santa Joana, tirando partidoda sua beleza estética. Fiz uma homenagem à pintora Mexicana Frida Kahlo,associando as suas feridas às do Museu.Acordei e vi que ainda não tinhas curado. Uma ferida não sara plenamentemas vai atenuando os seus contornos. Recordo-me de ti numa nostalgiaabsurda. Onde foste buscar tanta força para a tua irrupção vigorosa? Fosteexemplar nas tuas façanhas, não te deixaste intimidar pelas escoriações quetinhas no corpo. O poder da mente surpreende-nos. Esses ferimentos têmde ser cuidados, enquanto não arquivares as tuas perdas infundadas, nãopoderás avançar com dignidade. Fica aqui uma tentativa de ajudar-te a sarar.Porque o que arde cura!
  • 15. Título: A subtração do olharMeio: Vídeo-ArteDuração: 1’ 57”Ano: 2012
  • reflexo interior

    Aug 3, 2018
    Search
    Related Search
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks